Valor Econômico deixa de ter correspondente no Rio Grande do Sul. Sérgio Bueno se despede do cargo via redes sociais

Valor Econômico deixa de ter correspondente no Rio Grande do Sul. Sérgio Bueno se despede do cargo via redes sociais

Cidade Comportamento Comunicação Cultura Economia Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre prefeitura Publicidade

O Valor Econômico, maior jornal de economia, finanças e negócios do Brasil, segundo dados do Instituto Verificador de Circulação, com milhares de assinantes no Rio Grande do Sul, depois de 16 anos deixará de ter correspondente no Estado. Mesmo sendo um grande jornal, como toda mídia tradicional no Brasil, sofre com a crise. Em suas redes sociais, o jornalista Sérgio Bueno, comunicou em um breve post: ” Informo aos amigos que a partir de amanhã, dia 1/6, não serei mais correspondente do Valor Econômico. Depois de 16 anos, de volta ao mercado…”

O valor é fruto da parceira entre dois dos maiores grupos de comunicação do país: as Organizações Globo e a Folha de S.Paulo, e teve sua primeira edição lançada em 2 de maio de 2000, desde lá Sérgio Bueno cobriu os principais fatos econômicos e políticos acontecidos no Rio Grande do Sul e Mercosul. Considero o Sérgio Bueno, um dos grandes repórteres econômicos do Brasil. Como sempre diz o nosso amigo publicitário Gil Kurtz,  “Sérgio, é um dos poucos jornalistas que sabe ler rapidamente o balanço de uma empresa e tirando dali perguntas relevantes para o leitor”. 

E eu que estive ao lado dele em várias coletivas, digo que é um daqueles raros jornalistas que sabe que na maioria das vezes, menos é mais. Explico, normalmente ele pergunta de forma breve e mesmo que a resposta venha em um “economês para enrolar jornalista”,  Sérgio calmamente vai questionando e tirando informações que o entrevistado não gostaria de passar. Tem o dom e a persistência do entrevistador que cerca o entrevistado de maneira gentil e firme para obter uma resposta que leve um informação nova e precisa para seus leitores. Portanto, é craque !!!

Jornalista doa acervo particular sobre ditadura ao Estado

Jornalista doa acervo particular sobre ditadura ao Estado

Cidade Comunicação Cultura Direito Notícias Poder Política

Nesta terça-feira, 19, a Biblioteca Pública do Rio Grande do Sul recebeu a doação do acervo particular de livros sobre a ditadura militar no Brasil do jornalista José Mitchel. Mais de 200 títulos foram entregues pelo profissional em cerimônia que faz parte da programação da Semana Estadual do Livro.

A diretora da Biblioteca Pública, Morganah Marcon, informou ao Coletiva.net que as obras mostram os dois lados da história e que serão muito importantes para a preservação da memória. “São muitos livros e documentos, inclusive materiais escritos pelo próprio Mitchel que, com certeza, serão muito bem aproveitados aqui na biblioteca”, falou.

Segundo Morganah, a motivação do jornalista foi preservar esse acervo com olhar jornalístico e compartilhá-lo com a sociedade. “O melhor lugar é uma biblioteca pública, aonde o material estará disponível gratuitamente para a comunidade”, falou.

Mitchel foi correspondente do Jornal do Brasil em Porto Alegre durante a ditadura e atuou como produtor da RBS TV. Ao longo de sua trajetória, foi reconhecido com o Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo, concedido pelo Movimento de Justiça e Direitos Humanos, com a reportagem publicada no Jornal do Brasil sobre a Operação Condor – aliança político-militar criada para reprimir a resistência aos regimes ditatoriais instalados nos seis países do Cone Sul. (Coletiva.net)