Juíza é alvo de discurso de ódio após proferir decisão contrária aos interesses do Governo do RS; do blog Justificando/Carta Capital

Juíza é alvo de discurso de ódio após proferir decisão contrária aos interesses do Governo do RS; do blog Justificando/Carta Capital

Comportamento Comunicação Destaque Direito Poder Política

A Juíza do Trabalho no Tribunal Regional do Trabalho da Quarta Região (RS) e colunista do Justificando, Valdete Souto Severo, vem sendo violentada nas redes sociais após proferir decisões liminares sobre a manutenção no emprego de empregados de cinco das seis fundações extintas no Rio Grande do Sul.

Na madrugada de fim de ano, no dia 21 de dezembro, a pedido do Governador, a Assembleia Legislativa do Estado, com 30 votos a favor e 23 contrários, aprovou a extinção da Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec), da Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan), da Fundação Zoobotânica (FZB), da Fundação de Economia e Estatística (FEE), da Fundação Cultural Piratini (TVE e FM Cultura) e da Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH). A votação foi intensamente criticada por ter se realizado na calada da madrugada, sem discussão com a população, em véspera de fim de ano.

Entidades que representam os trabalhadores ingressaram na Justiça do Trabalho para que houvesse uma negociação coletiva com os sindicatos antes dessa decisão em massa. O processo foi distribuído para Valdete, responsável pela 4ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, que atendeu ao pedido e determinou que o Estado se abstenha de demitir seus empregados até que houvesse negociação.

Deste então, a magistrada foi alvo de um discurso de ódio originado por um meme misógino na página no Facebook “Desouza Franja”, que traz a foto de Valdete escrita “Sou mesmo uma bitch. Essa juíza de Porto Alegre proibiu o governo de demitir funcionários de ONGs que recebem para não faz nada. Esse é o Judiciário que nos ferra.”

Com quase mil compartilhamentos, a postagem gerou uma série de comentários misóginos como “Vagabunda”, “Puta”, “Juíza de merda” e ainda acusações de que trabalha para criminosos.

Valdete atua na defesa dos direitos trabalhistas, é pesquisadora do Grupo de Pesquisa Trabalho e Capital (USP) e da Rede Nacional de Pesquisa e Estudos em Direito do Trabalho e Previdência Social (RENAPEDTS). Além disso, é Coordenadora e Diretora da Fundação Escola da Magistratura do Trabalho do Rio Grande do Sul (FEMARGS).

O grupo de mulheres que compõe a coluna Sororidade em Pauta, composta por Magistradas do Trabalho feministas que publicam artigos semanalmente no Justificando, manifestou repúdio aos recentes ataques misóginos praticados contra a magistrada. –“Antes de tudo, a dignidade da pessoa da juíza, assim como toda pessoa humana, é resguardada como fundamento do Estado Democrático de Direito e da República Federativa do Brasil. Além disso, o combate a toda forma de discriminação, incluindo a sexista, também é objetivo fundamental da nossa República”, diz a nota.

Sororidade em Pauta defende, ainda, que a tentativa de desqualificar a mulher protagonista em qualquer campo de atuação, mas sobretudo na magistratura, buscar intimidar a todas que ousam escolher seus caminhos. “Por isso, repudiamos a toda e qualquer forma de constrangimento sexista utilizada para silenciar a todas as magistradas e expressamos nossa total sororidade à valente Valdete”, finaliza. (Justificando/Carta Capital)

Temer manda acelerar demissões de petistas do segundo e do terceiro escalão; Marina Dias e Daniela Lima/Folha de São Paulo

Temer manda acelerar demissões de petistas do segundo e do terceiro escalão; Marina Dias e Daniela Lima/Folha de São Paulo

Notícias Poder Política

Segundo a Folha apurou, a equipe do presidente interino pediu um levantamento do número de postos que ainda abrigam indicações consideradas políticas e orientou que os quadros petistas sejam substituídos o mais rápido possível.

Nas palavras de um auxiliar de Temer, os funcionários ligados ao partido da presidente afastada Dilma Rousseff que ainda permanecem em secretarias e diretorias “estão atrapalhando o andamento da gestão”. “O clima é de guerra”, sentenciou o assessor.

O discurso oficial é que as indicações políticas serão trocadas, preferencialmente, por nomes de perfil técnico, mas sabe-se que os cargos de segundo e terceiro escalão são um flanco muito cobiçado por partidos aliados, que desejam ocupar os postos para garantir mais espaço no governo.  A reportagem completa está na Folha de São Paulo.

Arrastada pela Lava Jato, Odebrecht já demitiu 50 mil

Arrastada pela Lava Jato, Odebrecht já demitiu 50 mil

Economia Notícias

Prestes a completar um ano de prisão, em 19 de junho, Marcelo Odebrecht assinou na semana passada pré-acordo de delação premiada. Mais do que reduzir sua pena, ele busca salvar sua empresa. Alvo da Operação Lava Jato, a empreiteira já demitiu mais de 50 mil funcionários por falta de projetos ou recursos, viu a oferta de crédito minguar nos bancos e a dívida atingir total de R$ 110 bilhões. (O Estado de São Paulo)

GM oficializa neste sábado 300 demissões em Gravataí; Lucas Rivas/Rádio Guaíba

GM oficializa neste sábado 300 demissões em Gravataí; Lucas Rivas/Rádio Guaíba

Economia Negócios Notícias Poder Política

Pelo menos 300 trabalhadores serão demitidos da fábrica da General Motors de Gravataí, na região Metropolitana. A informação foi confirmada, nesta sexta-feira, pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí. Os funcionários serão comunicados amanhã da demissão em massa.

O presidente do sindicato, Valcir Ascari, explica que os trabalhadores desligados estão em layoff (sistema de folga paga), previsto para terminar neste sábado. Quase 800 operários permaneciam parados desde o fim de novembro. A medida foi tomada para tentar readequar a produção à demanda do mercado brasileiro.

Os funcionários demitidos pertencem a setores como de pintura, mecânica e montagem, lamentou Ascari. “A crise vem pegando e a montadora noticiou, hoje, que pretende demitir 300 em layoff”, pontuou.

A lista de demitidos também pode chegar aos sistemistas (trabalhadores de lojas que produzem peças para a GM). Em anos anteriores, a montadora chegou a empregar mais de 4,5 mil funcionários. Hoje, o quadro atual é composto por 3,5 mil.

Na segunda-feira, Ascari se reúne com lideranças do setor a fim de definir estratégias para buscar reverter as demissões.

Em nota, a multinacional sustenta que as demissões decorrem da retração do mercado, que só em 2016 registrou queda, nas vendas de automóveis, de mais de 26%.

Confira a nota na íntegra

Em dezembro de 2015, a General Motors iniciou um layoff para cerca de 800 empregados no Complexo Industrial de Gravataí, Rio Grande do Sul. Durante o período do acordo, que encerra no dia 30 de abril , mais da metade destes empregados retornarão ao trabalho pois a esperada recuperação do mercado, infelizmente, não aconteceu. Na realidade, houve queda de mais de 26% nas vendas da indústria apenas nos primeiros quatro meses de 2016.

RBS TV prepara anúncio de fechamento de sucursais e junção de praças

RBS TV prepara anúncio de fechamento de sucursais e junção de praças

Comunicação Negócios Notícias Porto Alegre

Reuniões sigilosas entre cúpula e gerentes administrativos da RBS TV Porto Alegre e interior marcam a semana no Morro Santa Teresa. O assunto principal é a extensão da crise econômica que atinge o Brasil e seus reflexos no faturamento comercial do Grupo. O principal foco dos encontros é o debate das medidas que serão adotadas para cortar gastos que vai atingira todas áreas em especial o jornalismo. Uma nova reunião aconteceu hoje pela manhã. Segundo fontes da direção fim de sucursais e junção de praças devem ser anunciados no máximo até amanhã. E com isso, infelizmente vagas serão fechadas. Todas medidas devem estar implementadas até segunda-feira.