Madrugada pré-votação tem troca de agressões entre deputados; por Gabriel Mascarenhas/Folha de São Paulo

Madrugada pré-votação tem troca de agressões entre deputados; por Gabriel Mascarenhas/Folha de São Paulo

Notícias Poder Política

Durante a madrugada deste domingo, em duas ocasiões a bancada do deixa disso evitou que parlamentares da base aliada e da oposição abandonassem a batalha verbal rumo às vias de fato.

Vitor Valim (PSDB-CE) e Sibá Machado (PT-AC) protagonizaram o momento mais tenso, por volta de 1h. Em seu pronunciamento, o tucano chamou os petistas de “bandidos”.

Sibá o esperou descer da tribuna para tomar satisfações. Valim não gostou da abordagem e empurrou o colega, dando início à confusão. Outros parlamentares intervieram e seguraram o tucano para impedir o agravamento do embate.

“O Sibá bateu no meu peito e disse que, se eu continuasse no plenário, iria me pegar. Vai fazer o que comigo? Um bandido desse, de um partido desse ainda vem ameaçar os outros? Eu o empurrei, respondi à altura”, afirmou Valim.

O petista confirmou ter ido ao encontro de tucano, em suas palavras, para avisá-lo de que iria “lhe dar um pau”, quando pegasse o microfone.

“Eu perguntei: ‘Você vai estar aqui quando eu falar? Vou rebater, vou lhe dar um pau. O que isso, o cara nos chamar de safados, bandidos, de tudo?”, justificou Sibá Machado. A reportagem completa está na Folha de São Paulo.

Insegurança Publica: Beltrame pede uso do Exército e diz que políticos não estão interessados em mudar leis

Direito Economia Entrevistas Notícias Poder Política Segurança

O secretário de Segurança do Rio de janeiro, José Mariano Beltrame disse, em entrevista ao Programa Agora da Rádio Guaíba, que não se pode colocar toda a questão da segurança pública no colo da polícia. “A violência só vai acabar no dia em que formarmos um país efetivamente desenvolvido”, reforçou. Beltrame entende que é preciso investir em educação para que a sociedade possa ver algum resultado definitivo nesse sentido. O secretário fluminense revelou que o que conseguiu de avanços no Congresso foi irrisório nos 9 anos de trabalho frente à Pasta. Ele questionou as autoridades sobre quem vai querer comprar a briga da maioridade penal e o porte de arma, além de outros temas polêmicos para os políticos que vão prestar contas nas urnas? Para Beltrame, se não houver mudanças substanciais na lei não bastará colocar um policial em cada esquina. O secretário ressaltou que ninguém quer entrar na discussão sobre a segurança nas fronteiras nacionais nem sobre o contrabando de munição. Revelou que somente no Rio de Janeiro são apreendidos em média 45 fuzis por mês.

Ao ser questionado sobre o trabalho conjunto com o Exército no Rio, Beltrame disse que hoje os militares não podem mais ficar dentro do tanque de guerra ou do campo de instrução. “Hoje temos uma guerra indireta: de um lado o Estado e do outro os bandidos”, lamentou. Disse que diante deste cenário é preciso um papel diferenciado para as Forças Armadas daquele da década de 60. Para Beltrame a questão da fronteira é algo que diz respeito à segurança nacional porque é por meio dessa porta que entram no país drogas, armas e munições. Para ele, se a situação da violência se agravar no país, este assunto inevitavelmente vai cair no colo do ministro da Defesa.

Os deputados sob investigação no Supremo. Confira os nove gaúchos que respondem a ações penais e a inquéritos criminais no STF

Os deputados sob investigação no Supremo. Confira os nove gaúchos que respondem a ações penais e a inquéritos criminais no STF

Notícias Poder Política

Reportagem de hoje dos jornalistas Gabriela Salcedo, Edson Sardinha e Sara Resende no site Congresso em Foco, da continuidade à série sobre as acusações criminais contra os parlamentares da legislatura iniciada em 1º fevereiro. Está publicada abaixo a lista dos mais de 130 deputados que no dia 19 de agosto respondiam a inquéritos ou ações penais no Supremo Tribunal Federal (STF).

Isso significa que cerca de 26% dos deputados são suspeitos de participação em crimes. No Senado, o índice já se aproxima de 40%. Dois fatos podem explicar a diferença. O primeiro é que, provavelmente, o Supremo – foro exclusivo para julgamento de conduta criminosa de senadores e deputados federais – não recebeu ainda todos os processos que tramitavam nos estados contra parlamentares que estrearam no Congresso neste ano. O segundo é que o tempo acumulado por alguns deputados na atividade política não foi suficiente para a identificação de eventuais ilícitos por parte de um sistema flagrantemente ineficaz tanto para denunciar quanto para julgar políticos pegos com a mão na botija.

Basta dizer que, dos mais de 500 congressistas acusados de atos criminosos desde a promulgação da Constituição de 1988, somente 16 foram condenados e apenas oito chegaram a cumprir a pena. Em muitos casos, os processos simplesmente prescreveram sem que os ministros do STF tivessem julgado o comportamento dos réus.

Assim como havia sido feito com os senadores, todos os deputados listados foram procurados. As explicações daqueles que deram retorno aparecem, na relação abaixo, juntamente com a indicação dos números das ações ou inquéritos em tramitação no STF e a natureza dos crimes atribuídos aos acusados.

Para outras informações sobre processos contra parlamentares já publicadas no Congresso em Foco, clique aqui.

DEPUTADOS FEDERAIS COM PENDÊNCIAS CRIMINAIS

Adilton Sachetti (PSB-MT)

Adail Carneiro (PHS-CE)

Aelton Freitas (PR-MG)

Afonso Florence (PT-BA)

Afonso Hamm (PP-RS)

Aguinaldo Ribeiro (PP-PB)

Alberto Fraga (DEM-DF)

Alex Manente (PPS-PR)

Alfredo Kaefer (PSDB-PR)

Alfredo Nascimento (PR-AM)

André Moura (PSC-SE)

Andrés Sanchez (PT-SP)

Aníbal Gomes (PMDB-CE)

Antônio Bulhões (PRB-SP)

Antônio Balhmann (Pros-CE)

Arthur Lira (PP-AL)

Arthur Oliveira Maia (SD-BA)

Assis Carvalho (PT-PI)

Bacelar (PTN-BA)

Benito Gama (PTB-BA)

Benjamin Maranhão (SD-PB)

Beto Faro (PT-PA)

Beto Mansur (PRB-SP)

Bonifácio de Andrada (PSDB-MG)

Cabo Daciolo (sem-partido-RJ)

Caetano (PT-BA)

Carlos Bezerra (PMDB-MT)

Carlos Manato (SD-ES)

Célio Silveira (PSDB-GO)

César Halum (PRB-TO)

Dagoberto (PDT-MS)

Danilo Forte (PMDB-CE)

Décio Lima (PT-SC)

Delegado Edson Moreira (PTN-MG)

Dilceu Sperafico (PP-PR)

Édio Lopes (PMDB-RR)

Eduardo Barbosa (PSDB-MG)

Eduardo da Fonte (PP-PE)

Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

Eduardo Cury (PSDB-SP)

Efraim Filho (DEM-PB)

Erika Kokay (PT-DF)

Ezequiel Ângelo Fonseca (PP-MT)

Fábio Faria (PSD-RN)

Fábio Reis (PMDB-SE)

Fausto Pinato (PRB-SP)

Félix Mendonça Júnior (PDT-BA)

Fernando Jordão (PMDB-RJ)

Fernando Torres (PSD-BA)

Flaviano Melo (PMDB-AC)

Genecias Noronha (SD-CE)

Geraldo Resende (PMDB-MS)

Giacobo (PR-PR)

Giovani Feltes (PMDB-RS)

Gorete Pereira (PR-CE)

Iracema Portella (PP-PI)

Izalci (PSDB-DF)

Jair Bolsonaro (PP-RJ)

Jerônimo Goergen (PP-RS)

João Carlos Bacelar (PR-BA)

João Castelo (PSDB-MA)

João Paulo Kleinübing (PSD-SC)

José Mentor (PT-SP)

José Otávio Germano (PP-RS)

José Stédile (PSB-RS)

Josué Bengtson (PTB-PA)

Jozi Rocha (PTB-AP)

Júlio Lopes (PP-RJ)

Lázaro Botelho (PP-TO)

Lelo Coimbra (PMDB-ES)

Lincoln Portela (PR-MG)

Lindomar Garçon (PMDB-RO)

Luciana Santos (PCdoB-PE)

Lúcio Mosquini (PMDB-RO)

Luiz Carlos Heinze (PP-RS)

Luís Tibé (PTdoB-MG)

Luiz Cláudio (PR-RO)

Luiz Fernando Faria (PP-MG)

Luiz Nishimori (PR-PR)

Magda Mofatto (PR-GO)

Mandetta (DEM-MS)

Marcelo Belinati (PP-PR)

Marcelo Matos (PDT-RJ)

Marcelo Squassoni (PRB-SP)

Márcio Alvino (PR-SP)

Marco Tebaldi (PSDB-SC)

Marquinho Mendes (PMDB-RJ)

Marx Beltrão (PMDB-AL)

Maurício Quintella Lessa (PR-AL)

Missionário José Olimpio (PP-SP)

Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS)

Nelson Meurer (PP-PR)

Nilson Leitão (PSDB-MT)

Nilton Capixaba (PTB-RO)

Osmar Terra (PMDB-RS)

Paulo Feijó (PR-RJ)

Paulo Magalhães (PSD-BA)

Paulo Maluf (PP-SP)

Paulo Pereira da Silva (SD-SP)

Paulo Pimenta (PT-RS)

Pedro Fernandes (PTB-MA)

Pedro Uczai (PT-SC)

Pastor Marco Feliciano (PSC-SP)

Professora Dorinha Seabra (DEM-TO)

Renata Abreu (PTN-SP)

Renato Molling (PP-RS)

Roberto Balestra (PP-GO)

Roberto Brito (PP-BA)

Roberto Góes (PDT-AP)

Rocha (PSDB-AC)

Rogério Marinho (PSDB-RN)

Ronaldo Carletto (PP-BA)

Ronaldo Lessa (PDT-AL)

Roney Nemer (PMDB-DF)

Rubens Otoni (PT-GO)

Sandes Junior (PP-GO)

Shéridan (PSDB-RR)

Silas Câmara (PSD-AM)

Simão Sessim (PP-RJ)

Simone Morgado (PMDB-PA)

Subtente Gonzaga (PDT-MG)

Takayama (PSC-PR)

Valmir Assunção (PT-BA)

Valtenir Pereira (Pros-CE)

Vander Loubet (PT-MS)

Veneziano Vital do Rêgo (PMDB-PB)

Vinícius Gurgel (PR-AP)

Waldir Maranhão (PP-MA)

Washington Reis (PMDB-RJ)

Weverton Rocha (PDT-MA)

Wladimir Costa (SD-PA)

Zeca Cavalcanti (PTB-PE)

*Reportagem: Gabriela Salcedo, Edson Sardinha e Sara Resende/Congresso em Foco  – Foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados