Temer escolhe Aloysio Nunes Ferreira como líder do governo no Senado. Tucano disputou as eleições de 2014 como vice na chapa de Aécio Neves

Temer escolhe Aloysio Nunes Ferreira como líder do governo no Senado. Tucano disputou as eleições de 2014 como vice na chapa de Aécio Neves

Direito Economia Notícias Poder Política

O presidente interino Michel Temer escolheu o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) para a liderança do governo no Senado. De acordo com a assessoria de Temer, o senador e o presidente encontraram-se no início da tarde de hoje no Palácio do Planalto.

GM_senado-sessao-nao-deliberativa-ordinaria_06192015043-850x566
Senadores Aécio Neves (PSDB-MG) eAloysio Nunes (PSDB-SP). Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Na eleição presidencial de 2014, ele concorreu como vice-presidente da República na chapa encabeçada pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG). Além de ter exercido mandatos de deputado estadual e federal por São Paulo, Aloysio Nunes foi vice-governador do estado de 1991 a 1994.

No ano passado, o senador teve o nome citado em um pedido de abertura de inquérito para apurar supostas doações ilegais de campanha. Embora o nome do senador paulista tenha sido citado em depoimentos de delação premiada do presidente da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, investigado na Lava Jato, o caso não é relacionado à operação. Na ocasião, o senador negou qualquer irregularidade.

Temer já havia definido também a liderança do governo na Câmara dos Deputados com a escolha do deputado André Moura (PSC-SE).

Os líderes do governo no Senado e na Câmara fazem a articulação entre o Planalto e os parlamentares e com a base aliada no Legislativo. (Agência Brasil)

Auditoria do PSDB não encontrou fraude na eleição de 2014, revela TSE

Auditoria do PSDB não encontrou fraude na eleição de 2014, revela TSE

Direito Notícias Poder Política

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou hoje que o PSDB não encontrou indícios de fraude nas eleições de 2014. A informação foi dada em plenário pelo presidente do TSE, ministro Dias Toffoli. Há um ano, após a divulgação do resultado do segundo turno, vencido pela presidente Dilma Rousseff (PT), o partido pediu ao tribunal autorização para fazer auditoria própria do processo de votação.

Durante a sessão, Toffoli disse que o PSDB teve oportunidade de confirmar que não houve irregularidades no processo de votação. O objetivo da auditoria era verificar a lisura das eleições do ano passado, ou seja, averiguar a integridade das urnas eletrônicas e sistemas adjacentes, buscando evidências de alguma suspeita ou tese de fraude. Em novembro do ano passado, ao solicitar autorização para auditoria, o PSDB declarou que tinha “absoluta confiança” na garantia dada pelo TSE de segurança do pleito, mas pretendia tranquilizar eleitores que levantaram, por meio das redes sociais, dúvidas quanto à lisura da apuração. (Agência Brasil)