Eleições 2016: Clima de provocação marca debate entre Marchezan e Melo. Segurança foi o tema mais abordado no encontro entre os dois candidatos a prefeito no segundo turno

Eleições 2016: Clima de provocação marca debate entre Marchezan e Melo. Segurança foi o tema mais abordado no encontro entre os dois candidatos a prefeito no segundo turno

Cidade Destaque Eleições 2016 Poder Política Porto Alegre prefeitura

Os candidatos a prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB) e Sebastião Melo (PMDB), debateram durante cerca de uma hora e meia, na tarde desta segunda-feira, em evento promovido pelo Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis (Sescon-RS) e pela Rádio Guaíba, com cobertura do Correio do Povo. O clima de provocação marcou o encontro.

O primeiro bloco contou com perguntas do presidente do Sescon-RS, Diogo Chamun, aos dois candidatos, seguido por perguntas livres. As trocas de provocações ocorreram a partir do segundo bloco, nos temas relacionados a segurança e também ao apoio de partidos como PTB e PP, que fazem parte da prefeitura, a Marchezan.

Melo afirmou que Marchezan passou a lotear o futuro secretariado na busca por apoio. O tucano respondeu dizendo que partidos do governo não deram apoio ao atual vice-prefeito por entender que Melo não é o melhor candidato para assumir Porto Alegre.

Já no terceiro bloco, em um debate sobre segurança, Melo disse que Marchezan não conhece Porto Alegre por morar em Brasília. Marchezan disse que muitas vezes não fica em Porto Alegre para cumprir o papel de deputado federal na capital. Ele ainda afirmou que Melo tinha dificuldades para entender pelo fato de ter tentado se eleger deputado, mas não obtido sucesso.

Sobre as propostas para a cidade, o tema segurança foi o que ganhou maior destaque. As obras da cidade também geraram bastante discussão. Marchezan criticou a entrega no andamento de algumas delas enquanto Melo disse ser o mais preparado para concluí-las e iniciar as obras ainda necessárias para a cidade. (Rádio Guaíba)

Eleições 2016: Marchezan e Melo acirraram os ânimos nesta segunda-feira. Confira as principais propostas apresentadas no debate

Eleições 2016: Marchezan e Melo acirraram os ânimos nesta segunda-feira. Confira as principais propostas apresentadas no debate

Cidade Comunicação Destaque Eleições 2016 Poder Política Porto Alegre

O debate entre os candidatos à prefeitura de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB) e Sebastião Melo (PMDB), marcado por diversas provocações e alguns ataques pessoais teve a segurança e o trânsito como temas centrais na tarde desta segunda-feira. O encontro foi promovido pelo Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis (Sescon-RS) e pela Rádio Guaíba, e teve cobertura do Correio do Povo.

Confira abaixo o que os candidatos disseram sobre cada tema

Segurança e trânsito

Melo

• “Tenho defendido a criação de um fundo municipal sem aumento de impostos e buscado recursos para a ampliação da Guarda Municipal. Ao mesmo tempo fazer convênio para poder pagar horas extras dentro dos limites orçamentários. A segurança passa também por maior iluminação de espaços públicos, como praças. Local ocupado pelas pessoas dificulta a ocupação pela delinquência. É um conjunto de ações que são necessárias. Eu vou cuidar pessoalmente das questões de seguranças”

• “Tema é completo e não se resolve de uma hora para outra. A prefeitura vem fazendo seu trabalho e tem de fazer maior. Vou fazer convênio com a BM, mudarei a lei sobre a idade para ingressar na Guarda Municipal. A questão das câmeras em todo o transporte público faz parte da licitação e em seguida vai entrar. Tem a questão dos espaços públicos, que é importante. Nós temos estudos dos pardais. Não basta fotografar placa, a BM tem que agir”.

Marchezan

• “Entendemos que há muito o que fazer. Como prefeito vou assumir um problema que é maior em Porto Alegre que no Brasil e outros municípios gaúchos. A segurança é um problema nosso e garantimos que vamos avançar com tecnologias que já existem em outros municípios, que diminuíram seus números de criminalidade. Porto Alegre está entre as cidades mais perigosas do mundo e acredito que dá para mudar isso”.

• “Vamos colocar câmeras em rotas de fuga. Algo que São Leopoldo e vários municípios já fizeram. Recentemente, o presidente da EPTC, o (Vanderlei) Cappellari, que nós vamos demitir assim que assumirmos, colocou mais pardais para multar e sem câmeras, que podem resolver os problemas. A proposta é usar os pardais que já multam e tiram fotos, mas que hoje só servem para aumentar o orçamento do Cappellari, que vai sair no primeiro dia do meu governo. O governador do Estado é do seu partido, pediu apoio ao Sartori, mas não falou de segurança pública. Já existem os pardais e vamos fazer um plano de ação para segurança”

• “O senhor diz que vai resolver os problemas. Eu pergunto por que não resolveu como vice-prefeito? Parece que o Fortunati é um ditador. Meu vice, o Paim, não vai poder poder quatro anos depois dizer que vai fazer tudo que não foi feito. Tu, Gustavo, vai trabalhar até porque estará ganhando para isso. O meu vice não poderá dizer que não pode trabalhar. É transparência e trabalho que prometo aos eleitores”.

• “Nos últimos dois anos, os homicídios dolosos aumentaram em Porto Alegre. Tivemos aumento de 140% de roubos que terminaram em homicídio. Temos o dobro de homicídios que o Rio de Janeiro. O que dá para fazer nesses próximos quatro anos que não foi possível fazer nos últimos 12?”

Planos para o Centro da Capital

Marchezan

• “Dou o exemplo do Mercado Público, que avançou durante um período até que a prefeitura passou a fazer esse serviço, que piorou. A obra do incêndio está há três anos para ser construída. Tudo que vamos fazer com a participação da iniciativa privada faremos no Mercado Público. O Centro também, pois precisa ser seguro e limpo. Isso será possível fazer com tecnologias que já existem em outros municípios”.

Melo

• Nossa proposta é revitalizar a Rua da Praia, temos R$ 10 milhões garantidos. Vamos também na rua Uruguai, Dr. Flores e Vigário. Vamos reduzir o número de veículos e aumentar o tamanho das calçadas em Porto Alegre. No Mercado Público já foram investidos R$ 11 milhões. É uma obra difícil e feita sob tutela do patrimônio público histórico”

Obras urbanas

Marchezan

• “Obras que eram para a Copa do Mundo ainda não estão prontas. Já passou até a Olimpíada. Obra tem que ter previsão orçamentária e tem que ter multa pesada para as empreiteiras se não cumprirem. Se não funcionar, que se troque o secretário. Alguma coisa tem que ser feita. Querer mudar é ser a favor do novo e melhorar aquilo que não está bom. Óbvio que não sou contra as obras, só que elas deveriam estar acabadas porque o prejuízo de obra parada é gigantesco para a prefeitura e população”

Melo

• “Vejo o senhor criticando muito as obras. O senhor é contrário a realização dessas obras? O prefeito Fortunati e o secretário de esportes foram visionários. A vida de quem mora na zona Sul melhorou muito pegando o viaduto e passando da Beira-Rio para o Centro. A saída do Centro pela Castelo Branco melhorou, como o viaduto São Jorge, de Anita e da Cristovão. Eu ajudei a fazer essas obras estou preparado para terminas essas obras o mais rápido possível.

Educação

Melo

• “Estamos atendendo razoavelmente de 4 a 6 anos e temos deficit de zero a 3, mesmo que estamos atendendo o plano nacional. Nós temos uma rede de 72%, que tem atividades em contraturno, com copeira, com esporte. Temos ainda quatro escolas de tempo integral. Temos que evoluir, vou carregar muito no português e na matemática. Vou também reforçar na questão do empreendedorismo. O empreendedor de amanhã precisa aprender hoje”.

Marchezan

• “Temos em Porto Alegre uma baixa cobertura. Temos a segunda menor cobertura entre as capitais do Brasil. A nossa responsabilidade é pequena no ponto de vista financeiro. Em 2015 nós ficamos ainda mais longe da média do INEP. Os secretários e partidos comandando a educação seguem os mesmos. O meu foco como prefeito será os alunos, não secretários nem partidos e prefeitos”

Cultura

Marchezan

• “Temos de ter isso como uma prioridade. Usar a cultura na educação, no ponto de vista turístico, econômico e qualidade de vida. O Sescon fez uma sugestão de eventos que poderíamos fazer na área cultural. Tivemos quedas em promoções de atividades de cinema, de teatro. Precisamos incentivar e fazer novos eventos na área de cinema e de música. Festivais de dança são necessários. Precisamos tornar a cultura uma forma de atração”.

Melo

• “A cultura move o mundo e, consequentemente, o Brasil, o Estado e a nossa cidade. Porto Alegre historicamente tem uma agenda cultura rica, mas é sempre um desafio progredir. O senhor que visita Porto Alegre só em época de eleição não conhece. A questão cultural é muito importante. E temos de decentralizar. Tenho que pensar na Restinga, no Rubem Berta. Vou fazer uma PPP para colocar de pé o nosso complexo cultural do Porto Seco. (Correio do Povo)
 

Porto Alegre: Presidente do PMDB descarta dança de cadeiras na Prefeitura após apoio do PTB a Marchezan

Porto Alegre: Presidente do PMDB descarta dança de cadeiras na Prefeitura após apoio do PTB a Marchezan

Destaque Eleições 2016 Poder Política Porto Alegre prefeitura

Mesmo com o apoio do PTB ao candidato Nelson Marchezan Jr. (PSDB) na disputa de segundo turno em Porto Alegre, os cargos dos trabalhistas na gestão atual não correm risco. Pelo menos por enquanto, nada muda em relação às quatro secretarias chefiadas pela sigla. O prefeito José Fortunati (PDT) não quis se pronunciar sobre o tema. A assessoria de imprensa do pedetista disse que não pode confirmar se alguma mudança pode ocorrer posteriormente. A gestão termina no último dia de dezembro.

Conforme o presidente do PMDB da Capital, Antenor Ferrari, o governo municipal não retaliou nenhum partido da coligação que resolveu ter candidato próprio a prefeito. “A nossa característica é a de não fazer retaliações contra ninguém e assim age o prefeito. Ele apoiou a escolha dos partidos em ter candidatos próprios”, sustenta.

A coligação do candidato derrotado no primeiro turno, Mauricio Dziedricki (PTB), confirmou hoje o apoio a Marchezan. Com isso, a aliança em torno do tucano passa de cinco para 11 partidos.

O presidente do diretório municipal do PTB, Everton Braz, admitiu que, além do alinhamento de propostas, a decisão de apoiar Marchezan passou pela possibilidade de protagonismo em um eventual governo. Ontem, ele disse à reportagem que o objetivo é contribuir para o enxugamento da máquina pública. (Samantha Klein/Rádio Guaíba)

Padilha admite que governo pode não liberar todo o recurso prometido à Ponte do Guaíba em 2016. Depois que Temer prometeu R$ 100 milhões a Sartori, Diário Oficial publicou repasse de R$ 84 milhões

Padilha admite que governo pode não liberar todo o recurso prometido à Ponte do Guaíba em 2016. Depois que Temer prometeu R$ 100 milhões a Sartori, Diário Oficial publicou repasse de R$ 84 milhões

Destaque Direito Poder Política

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), afirmou hoje, durante evento em Porto Alegre, que o governo federal não vai conseguir liberar todo o recurso prometido para as obras da segunda ponte do Guaíba em 2016. Eram esperados, para as obras da ponte, R$ 100 milhões, prometidos por Michel Temer a José Ivo Sartori, em agosto. No início dessa semana, confirmou-se a liberação de R$ 84 milhões. Ainda não há confirmação de que o valor, já reduzido, seja repassado na integralidade.

“Estamos no mês de setembro. Não há condições materiais de investirmos neste ano mais do que o valor que foi liberado. Pelo contrário, não vai ser conseguido nem o valor que foi liberado. Vamos deixar restos a pagar para o ano que vem com execução de parte do que foi liberado este ano. Essa ponte é a prioridade 1, eleita pela bancada do RS”, disse Padilha.

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) evitou estimar, no início da semana, um prazo para o reinício e a conclusão das obras da ponte. O órgão federal ainda espera o sistema do Ministério do Planejamento protocolar o valor de R$ 84 milhões, liberado na segunda-feira, para então repassar o montante. A assessoria do Departamento reiterou, ainda, que a execução da obra e o prazo de entrega dependem da liberação das verbas, pelo governo federal.

De acordo com o Dnit, já foram executados 38,2% dos serviços previstos para a estrutura da ponte. O órgão garantiu, também, que não houve comprometimento das obras durante a paralisação do canteiro. Inicialmente, a entrega era prevista para 2017. Os trabalhos começaram, em 2014, com a construtora Queiroz Galvão. No fim de 2015, a execução dos trabalhos começou a atrasar devido à queda de repasses pelo governo federal.

A segunda ponte, orçada em R$ 650 milhões, vai medir 12,3 quilômetros com um total de cinco quilômetros de trecho em aterro e 7,3 quilômetros em obras de artes especiais (ponte sobre os canais navegáveis, elevada e viadutos). Com 27 metros de largura nos vãos principais, a pista vai contar com duas faixas de rolamento com acostamento e refúgio central.

Outras questões

Padilha evitou também comentar as críticas do candidato do PMDB em Porto Alegre, Sebastião Melo, ao fato da reforma da grade curricular do ensino médio ter sido efetivada através de Medida Provisória (MP), sem discussão anterior no Congresso.

O ministro, que funciona como um braço direito de Temer, ainda disse que o envio da Reforma da Previdência pelo Planalto não depende de aprovação anterior da PEC 241, que está em tramitação no Congresso e cujo objetivo é congelar os gastos públicos por 20 anos.

“O que está valendo (como meta) é a PEC 241 nos três poderes. Não é apenas para o poder executivo. Os demais poderes têm independência para administrar a sua dotação orçamentária, mas a dotação é dada pelo Orçamento Geral da União, que vai obedecer o teto geral”, afirmou.

Na entrevista coletiva, Padilha ainda comentou a decisão de nomear um porta-voz para o Palácio do Planalto, voltando a dizer que Temer é o principal comunicador do governo. Segundo ele, o modelo a ser seguido é o dos Estados Unidos. Padilha negou que se trate de uma “lei da mordaça” para os ministros, alguns dos quais fizemos afirmações polêmicas que exigiram reparações por parte do próprio presidente.

“Vamos ver o que faz os Estados Unidos da América do Norte: o maior comunicador é o presidente da República. E as coisas não tao importantes é o porta-voz que fala. Teremos alguém que vai unificar o discurso”, disse Padilha. (Gabriel Jacobsen/Rádio Guaíba)

OAB/RS lança Comitê de Combate ao Caixa 2 para as eleições municipais

OAB/RS lança Comitê de Combate ao Caixa 2 para as eleições municipais

Destaque Direito Eleições 2016 Poder Política

Conversei hoje no Agora/Rádio Guaíba com o Ricardo Breier, presidente da OAB/RS. Ouça aqui a entrevista. A entidade lançou nesta segunda-feira a campanha contra o Caixa 2 nas eleições municipais. A ação tem o intuito de concentrar denúncias, filtrar e fiscalizar possíveis irregularidades nas próximas eleições por meios físicos e virtuais. A iniciativa vai ao encontro de atos anteriores da Ordem gaúcha, como a luta pela Reforma Política e pelo fim do financiamento empresarial de campanhas empresariais. O Comitê de Combate ao Caixa 2 será presidido pela conselheira seccional da OAB/RS Fabiana da Cunha Barth. As denúncias, que são automaticamente enviadas para o Tribunal Regional Eleitoral e Ministério Público Federal, podem ser feitas de forma presencial na seccional e nas 106 subseções da Ordem gaúcha.

A OAB também inovou ao criar um aplicativo (disponível para Android e iOS) sobre o caixa 2 que aceitará denúncias. Por esse instrumento é possível que cada cidadão, e não somente os advogados, sejam fiscais das campanhas em seus municípios e relatem qualquer tipo de irregularidade, como propaganda irregular, captação ilegal, gasto impróprio ou excessivo de recursos. Além do aplicativo, a OAB manterá também um hotsite com as informações sobre a campanha, o material oficial para download e um canal para o recebimento de denúncias. O endereço é: www.oabrs.org.br/contra-caixa-2/

O presidente da OAB/RS, Ricardo Breier, relembrou o histórico de campanhas da Ordem gaúcha em prol da cidadania. “Foi iniciado no nosso estado a campanha ‘voto não tem preço, tem consequência’. É preciso que a sociedade tenha a consciência do poder e dever da votação; os cidadãos têm o futuro do nosso País nas mãos. Somos autores da ação que defendeu o fim do financiamento empresarial a campanhas, portanto a Ordem não pode fugir da sua responsabilidade na implantação desse mecanismo eleitoral novo”, ressaltou.

O dirigente também informou que essa não será uma campanha que se restringirá apenas à seccional. “Todas as nossas 106 subseções também estarão engajadas nessa luta. Dessa maneira, iremos realizar uma rede de fiscalização que abrangerá todo o nosso estado; usaremos a capilaridade da OAB/RS em prol da cidadania”, finalizou.

Eleições 2016/Câmara de Vereadores da Capital: confira candidatos famosos, com nomes inusitados e até uma mulher que se inscreveu como Rousseff mesmo sem ser parente de Dilma; por Vitória Famer/Rádio Guaíba

Eleições 2016/Câmara de Vereadores da Capital: confira candidatos famosos, com nomes inusitados e até uma mulher que se inscreveu como Rousseff mesmo sem ser parente de Dilma; por Vitória Famer/Rádio Guaíba

Destaque Eleições 2016

Até o momento, 585 pessoas se candidataram para disputar as 36 cadeiras da Câmara Municipal de Vereadores da Capital. Porém, ao menos 20 nomes que vão estar disponíveis na urna eletrônica foram selecionados pela reportagem da Rádio Guaíba apontados como “inusitados”, em ordem alfabética:

1) Baba Diba de Iyemonja (Valmir Ferreira Martins)
2) Batista Bombocado (José Batista Brero)
3) Beto Colosso da Lagoa (Roberto Dimari Rodrigues)
4) Carmem Popô (Carmem Lúcia Pereira)
5) Chimia (José Antonio da Silva Bitencourt)
6) Emerson Balinha (Emerson Martins Dutra)
7) Hermes Xula do Posto de Saúde (Hermes Roberto Araujo)
8) Jorge Piu Piu (Jorge dos Santos Bagesteiro)
9) Julinho do QG do Frango (Jose Julio Farias da Silva)
10) MC Vesga (Adriana Biacchi da Silva)
11) Moranguinho da Habitação (José Natividade Colmao Martins)
12) Ney do Bolicho (Golnei Angelo Grolli)
13) Perversa Angelita (Angelita Pinto de Souza)
14) Petiço do Canadá (Antonio Luis Ribeiro)
15) Pinguim Pelejador (Luiz Fernando Nobia Martins)
16) Pipoca (Ana Lucia Nunes Soares)
17) Queixinho (Edio Onofre Gonçalves)
18) Teimoso (Thiago Christian Ritter)
19) Wilson o Indignado (Wilson Chaves Filho)
20) É pela Família (Adilson de Souza Costa)

Os nomes foram encontrados no portal do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul onde os ouvintes também podem ter acesso, para visualizar o partido dos candidatos. Em uma outra lista, confira os famosos que também estão disputando o pleito municipal:

1) Alemão da Geral (Rodrigo Marques Rysdyk)
2) Bibo Nunes (Alcibio Mesquita Bibo Nunes)
3) Claudio Andrade (Claudio Roberto Bernardes Andrade)
4) Comandante Nádia (Nadia Rodrigues Silveira Gerhard)
5) Dj Cassiá (Jesus Cassiá Lopes Gomes)
6) Duda Calvin (Eduardo Soares da Rosa)
7) Farid Germano Filho (igual)
8) Kenny Braga (igual)

Caso inusitado

Mesmo não contendo o sobrenome Rousseff em seu nome oficial, a postulante ao parlamento municipal Carolina Duarte escolheu o sobrenome da presidente afastada Dilma Rousseff para a urna eletrônica: Carolina Rousseff.

Legislação para este ano

De acordo com a legislação eleitoral, cada partido ou coligação terá que preencher o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo. Caso não seja indicado o número máximo de candidatos previsto para vereadores, os partidos políticos poderão complementar as vagas remanescentes, requerendo o registro até 2 de setembro de 2016.

Com a minirreforma eleitoral, o período de propaganda dos candidatos no rádio e na TV foi diminuído de 45 para 35 dias, com início em 26 de agosto e término em 29 de setembro de 2016, no primeiro turno. Assim, a campanha terá dois blocos no rádio e dois na televisão com 10 minutos cada. Além dos blocos, os partidos terão direito a 70 minutos diários em inserções, que serão distribuídos entre os candidatos a prefeito (60%) e vereadores (40%). Para este ano, essas inserções somente poderão ser de 30 ou 60 segundos cada uma. (Vitória Famer/Rádio Guaíba)

Eleições 2016: TRE recebe lista do Tribunal de Contas com mais de 500 nomes que tiveram contas rejeitadas nos últimos oito anos no RS; por Samantha Klein/Rádio Guaíba

Eleições 2016: TRE recebe lista do Tribunal de Contas com mais de 500 nomes que tiveram contas rejeitadas nos últimos oito anos no RS; por Samantha Klein/Rádio Guaíba

Destaque Eleições 2016 Poder Política Segurança Tecnologia

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) divulgou uma lista com mais de 500 nomes de gestores municipais que tiveram as contas julgadas irregulares ou que receberam parecer prévio desfavorável nos últimos oito anos. Como as convenções dos partidos ocorrem desde o fim de julho, a relação chegou hoje à presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), desembargadora Liselena Robles Ribeiro.

Isso, porém, não gera, necessariamente, inelegibilidade imediata. De acordo com a Lei da Ficha Limpa, para ficar configurada a inelegibilidade é necessário que a rejeição de contas tenha se dado por um ato que não possa ser sanado, configurando ato doloso de improbidade administrativa. Dificilmente, porém, um conselheiro do TCE dá esse parecer. Cabe ao juiz eleitoral, por isso, fazer a interpretação.

O presidente do TCE, Marco Peixoto, salienta, ainda, que vários dos apontados na listagem podem ter o nome repetido, já que a rejeição da prestação de contas, mais de uma vez, é comum em um mesmo mandato. Ele também lembra que a Lei de Responsabilidade Fiscal eleva a possibilidade de que o gestor seja acusado de improbidade administrativa.

A Corte Eleitoral não pretende usar a lista do TCE agora, mas a relação é fundamental para a análise do registro dos candidatos ao pleito de outubro. Todo pedido precisa ser julgado por um juiz eleitoral. Os pré-candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereador terão até 15 de agosto para registrar os nomes à corrida eleitoral. Até a data da submissão ao TRE, qualquer pessoa pode se apresentar como candidata.

Os declarados inelegíveis não podem disputar cargo eletivo nas eleições que se realizarem nos oito anos seguintes, contados a partir da data da decisão.

Acesse a lista completa: http://www1.tce.rs.gov.br/portal/page/portal/tcers/consultas/contas_julgadas_irregulares 

Eleições 2016: PT oficializa Raul Pont como candidato a prefeito de Porto Alegre. Convenção neste sábado também confirmou Silvana Conti como candidata a vice; por Luis Dibe/Correio do Povo

Eleições 2016: PT oficializa Raul Pont como candidato a prefeito de Porto Alegre. Convenção neste sábado também confirmou Silvana Conti como candidata a vice; por Luis Dibe/Correio do Povo

Agenda Cidade Eleições 2016 Notícias Poder Política Porto Alegre prefeitura

PT e PCdoB formalizaram as candidaturas do ex-deputado Raul Pont e da professora Silvana Conti, respectivamente, para prefeito e vice-prefeita de Porto Alegre, em convenções ocorridas neste sábado.

“Será uma campanha de militância, de poucos recursos. Mas vamos dizer a população porto-alegrense, que está tão entristecida com a sua cidade, que colocaremos a participação popular no centro da ação de governo. Queremos uma Porto Alegre onde as pessoas tenham vontade de viver”, discursou Raul Pont, que já foi prefeito da Capital, entre 1997 e 2000.

Nas atividades, dirigentes e líderes partidários deram uma demonstração do tom de discurso que guiará a campanha em oposição a Sebastião Melo (PMDB), mencionando o “alinhamento antidemocrático” representado pelos políticos do PMDB: Michel Temer, José Ivo Sartori e o vice-prefeito da Capital, segundo eles.

Para a presidente estadual do PCdoB, Manuela D’Ávila, há “um esforço para retirar direitos da população”. “Melo é Sartori e Temer”, enfatizou a deputada estadual comunista.

Eleições 2016: PTB ganha apoio de três legendas e sonda apoio ainda maior para Dziedricki na Capital; por Voltaire Porto/Rádio Guaíba

Eleições 2016: PTB ganha apoio de três legendas e sonda apoio ainda maior para Dziedricki na Capital; por Voltaire Porto/Rádio Guaíba

Cidade Eleições 2016 Notícias Poder Política Porto Alegre prefeitura Saúde Segurança

O PTB anunciou hoje os primeiros aliados na tentativa de eleger o pré-candidato do partido, Mauricio Dziedricki, à Prefeitura da Capital. Foi confirmada uma aliança com o Solidariedade, o PSC e o PT do B. Entretanto, a expectativa dos trabalhistas é ampliar o leque e a informação é de que o diálogo é permanentes com o PP e com o DEM. Outras legendas que mantém pré-candidatos como o PDT, de Vieira da Cunha, e o PR, de Rodrigo Maroni, também são sondados com a oferta do cargo de vice.

Depois de 20 anos, o PTB vai voltar a ter candidatura própria à Prefeitura de Porto Alegre e a aposta é justamente em um candidato novo. “Esta é a consolidação de um projeto de renovação e a participação dos nossos aliados é de protagonismo. Se trata do ressurgimento de uma nova política para a Capital, que vai trazer segurança e um modelo colaborativo de administrar”, declarou.

O PTB estima ter um exército nas ruas para angariar votos durante a campanha, já que a estimativa é de que a coligação possa chegar a ter até 150 candidatos a vereador que vão apoiar Dziedricki.

A coordenação da campanha de Dziedricki já contratou um marqueteiro e uma equipe de profissionais para produzir os programas de TV para o horário eleitoral. A possibilidade de desistir da eleição para negociar, em bloco, adesão a outra candidatura está descartada e a garantia é de disputar a corrida eleitoral.

Por enquanto, a coligação encabeçada pelo PTB ainda não decidiu se vai questionar a eventual participação de Luciana Genro, do PSol, em debates de rádio e televisão. Pelas novas regras eleitorais, podem participar do debate candidatos que representem partido com, no mínimo, 10 deputados federais. O PSol soma uma bancada de seis, mas a candidata da legenda lidera, em Porto Alegre, as pesquisas de intenção de voto. (Voltaire Porto/Rádio Guaíba)

Nelson Marchezan Jr, pré-candidato à prefeitura, participa de encontro com entidades do varejo da Capital

Nelson Marchezan Jr, pré-candidato à prefeitura, participa de encontro com entidades do varejo da Capital

Agenda Cidade Comunicação Economia Eleições 2016 Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre prefeitura Saúde Segurança Turismo

 

O segundo café da manhã com os pré-candidatos à prefeitura da Capital, promovido pela CDL Porto Alegre, Sindicato de Hospedagem e Alimentação de POA e Região (Sindha), Sindicato de Hotéis de Porto Alegre (SHPOA) e Sindilojas Porto Alegre, foi realizado na manhã desta segunda-feira (18), no Hotel Plaza São Rafael. Neste encontro, o convidado foi Nelson Marchezan Jr. (PSDB/RS), que recebeu na ocasião um caderno com propostas das entidades.

Líderes de setores de comércio, serviços, bares e turismo apresentaram sugestões de pautas em prol de suas categorias ao atual deputado federal. “Fazemos esta aproximação para que possamos achar soluções a itens que se tornaram um entrave ou uma necessidade latente para que possamos evoluir. Além disso, queremos contribuir na construção de nomes para representantes em cargos prioritários”, introduziu o presidente da CDL POA, Alcides Debus.

SONY DSC
CDL POA, Sindha, Shpoa e Sindilojas Porto Alegre promovem rodadas de debates no Hotel Plaza São Rafael para discutir assuntos de interesse das categorias. Foto: Karen Horn/CDL

Entre os assuntos abordados, Debus mencionou a criação de um Centro de Convenções para trazer eventos de grande porte para a cidade. Sobre o tema, Marchezan acredita que parcerias com setores privados possam viabilizar a construção de uma área voltada para eventos. A mesma solução poderia ser aplicada para que o projeto do Cais Mauá seja efetivado: “Todos os 78 quilômetros da orla do Guaíba são muito pouco aproveitados pela população. Para avançar nesta questão, podemos convocar empreendedores a participar”, destacou o pré-candidato.

A parceria entre as instituições foi usada pelo presidente do Sindha, Henry Starosta Chmelnitsky, como exemplo da importância da união para fortalecer pautas comuns entre os diversos setores da economia. “Há dois anos, Sindha, CDL POA e Sindilojas Porto Alegre, estão trabalhando juntos com o intuito de contribuir para a cidade. É assim que pensamos em construir a política”, ressaltou.

Ações para combate do comércio informal foi outro tópico levantado. Na condição de presidente da Frente Parlamentar mista em Defesa da Propriedade Intelectual e de Combate à Pirataria, Marchezan afirmou que é preciso organização, planejamento de retirada e proibição da atuação destes ambulantes.

O presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, perguntou como o pré-candidato pretende lidar com o corporativismo nas secretarias municipais. Na avaliação do político, este é um dos seus maiores desafios, pois “o período eleitoral foi reduzido e isso dificultou a apresentação de novos nomes. Mas a forma de eu fazer isso é com boas coligações, para que eu possa ter mais tempo de me apresentar”. O mesmo raciocínio deve ser usado em uma futura gestão.

No quesito Segurança Pública, Marchezan acredita que o enfrentamento do crime passa pela inteligência e pela tecnologia. “Nossos pardais são utilizados apenas para arrecadar, quando poderiam acompanhar os roteiros dos veículos”, analisa. Além disso, aposta também na implantação de câmeras de vídeo-monitoramento e na interligação dos equipamentos público e privados para a captação de imagens que ajudem a coibir ações ilegais.

A favor da melhoria do transporte público individual, o pré-candidato defende a qualificação dos táxis e a legitimação do Uber na Capital. “Se eu discar oito números, posso locar um carro com motorista, mas se eu chamar por um aplicativo não pode. Acredito que, com o auxílio da iniciativa privada, possamos melhorar o serviço dos nossos táxis.”

A primeira edição da rodada de debates, realizada no dia 7 de junho, contou com a presença do atual vice-prefeito da capital, Sebastião Melo, e a próxima ocorrerá no dia 25 de julho, com a ex-deputada Luciana Genro. Ao longo dos próximos meses, as entidades receberão outros pré-candidatos para debater sobre assuntos de interesse das categorias, como a construção de um Centro de Convenções, a importância da retomada de iniciativas focadas na Segurança Pública e ações que contribuam para o desenvolvimento do turismo, varejo e economia.