Debate entre candidatos pode bater recorde de audiência na TV americana

Debate entre candidatos pode bater recorde de audiência na TV americana

Destaque Mundo Poder Política

Depois de mais de um ano de corrida eleitoral acirrada, os candidatos Donald Trump, do Partido Republicano, e Hillary Clinton, do Partido Democrata, finalmente estarão frente a frente, hoje (26) à noite, em um debate de 90 minutos, na Universidade de Hofstra, em Long Island, Nova York, que poderá definir o resultado das eleições para presidente dos Estados Unidos, marcadas para 8 de novembro de 2016. Segundo a imprensa americana, o debate poderá bater o recorde de audiência de eventos políticos transmitidos ao vivo pela televisão, podendo até mesmo ultrapassar a marca de 100 milhões de telespectadores.

A cinco semanas das eleições, os responsáveis pela estratégia de marketing dos dois candidatos estão preocupados não apenas com o impacto do debate pela televisão, mas também com a repercussão de cada gesto, comentário ou expressão facial dos candidatos pelas redes sociais. Como os dois candidatos estão tecnicamente empatados nas pesquisas da rede de televisão ABC News e do jornal The Washington Post, com vantagem de dois pontos para Hillary Clinton, dentro da margem de erro, os coordenadores das campanhas de cada partido estão preocupados com a possibilidade de que seus candidatos cometam deslizes que possam ter consequências sobre o resultado das eleições.

Os admiradores de Trump esperam que o candidato republicano repita no debate de hoje as suas apresentações em comícios durante a campanha eleitoral. Foi com seu estilo debochado, mordaz e falastrão que agradou multidões e venceu 16 experientes políticos que queriam ser candidatos pelo Partido Republicano, na fase das primárias. O problema, porém, para Trump, é que ele não se sente confortável para abordar assuntos em profundidade. Nesse quesito, ele pode ser surpreendido por Hillary Clinton, que durante a campanha eleitoral mostrou memória fabulosa para analisar e descrever dezenas de assuntos que normalmente fazem parte do dia-a-dia do presidente dos Estados Unidos.

Habilidade

Segundo a campanha de Hillary Clinton, a candidata tentará explorar a falta de habilidade de Donald Trump para defender suas propostas por meio da apresentação de números e fatos. Com isso, a adversária de Trump tentará apontar contradições e “mentiras” no discurso do candidato republicano. “Parece-me que o que é preocupante em Donald Trump é, em primeiro lugar, o fato de ele não falar a verdade frequentemente”, disse o diretor de campanha de Hillary Clinton, Robby Mook, em entrevista à CNN. Ele acrescentou que a estratégia de Hillary deverá ser a de “gastar algum tempo [do debate] corrigindo os números e procurar ter certeza de que o eleitorado estará compreendendo os fatos”.

Em outra entrevista, ao programa This Week, da rede de televisão ABC News, Robby Mook afirmou que a campanha de Hillary Clinton está preocupada com a ocorrência de um “duplo padrão” no debate de hoje à noite, em que Donald Trump possa dizer “mentiras” e ainda receber uma “nota de aprovação” dos críticos. “Tudo o que estamos pedindo é que, se Donald Trump disser mentiras, que isso seja apontado”, disse.

Guarda de trânsito

Robby Mook disse ainda que “é injusto pedir que Hillary Clinton desempenhe o papel de guarda de trânsito com Trump, certificando-se de que suas mentiras sejam corrigidas e, ao mesmo tempo, tendo que apresentar a visão do que ela quer fazer para o povo americano”.

Em resposta à acusação dos democratas, o candidato republicano a vice-presidente, Mike Pence, disse que seu companheiro de chapa, Donald Trump, vai dizer “absolutamente a verdade” durante o debate. Em entrevista ao programa Face the Nation, da CBS News, Mike Pence garantiu que “Trump vai falar a verdade, e por isso todos estão vendo o tremendo impulso [dos republicanos] nesta campanha”.

Na visão de outra emissora de televisão a cabo e de transmissão por satélite – a MSNBC News – o debate de hoje à noite não vai ser apenas uma discussão sobre as diferentes visões políticas de Hillary Clinton e de Donald Trump. “Será também uma prova de como os detalhes da política são importantes em tudo”, afirma a emissora.

De acordo com a MSNBC News, Hillary Clinton vai se comportar, como ela vem fazendo na campanha até agora, como se estivesse concorrendo  ao cargo de presidente do Banco Central.

Ela debaterá com o candidato republicano que, na visão da emissora, mais se assemelha a um “especialista” preocupado em analisar a campanha eleitoral, do que a um candidato que pretenda um dia “liderar a nação mais influente do mundo”. Em resumo, segundo a MSNBC News, Hillary Clinton tem desempenhado o papel de candidata que tem planos complicados e detalhados sobre quase todos os assuntos, desde a criação de faculdades que não impõem dívidas para as famílias americanas de classe média até propostas para ajudar crianças e adultos que sofrem de autismo. Em contraste, Donald Trump tem muito menos propostas de políticas detalhadas “e fala mais em generalidades sobre sua visão para governar”, diz a emissora.

Cidadania

Em uma preparação para o debate de hoje, a revista Politico analisou os últimos discursos de Hillary Clinton e de Donald Trump e concluiu: Trump tem mais propensão para o exagero do que Hillary. E citou o exemplo da “audaciosa” declaração de Trump duvidando da cidadania norte-americana do presidente Barack Obama. “Trump construiu uma indústria em torno do assunto” para esticar a suposta verdade de sua declaração, diz a revista.

O debate será moderado pelo âncora do programa Nightly News da rede de televisão NBC, Lester Holt. Além do debate de hoje, haverá mais dois entre Hillary Clinton e Donald Trump antes das eleições. Um deles será em St. Louis, no estado de Missouri, em 9 de outubro. O outro em Las Vegas, no estado de Nevada, em 19 de outubro. (Agência Brasil)

Governo dos EUA derruba veto contra transexuais no Exército

Governo dos EUA derruba veto contra transexuais no Exército

Direito Educação Mundo Notícias Segurança

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, anunciou hoje o fim da proibição de transexuais nas Forças Armadas. A medida já havia sido antecipada pela imprensa local na semana passada, mas foi confirmada oficialmente nesta quinta-feira. ‘Nosso dever é defender o país. Não podemos impedir o recrutamento de pessoas que podem realizar tal missão’, afirmou.

Comissão

Uma comissão trabalhou durante um ano para resolver todos os potenciais problemas decorrentes da mudança. As Forças Armadas terão até 45 dias para se adaptar, embora reservadamente alguns militares achem que o prazo é muito curto.

Homossexuais declarados já eram permitidos no Exército desde 2011, quando uma decisão revogou a política do chamado ‘não pergunte, não responda’, mas os transexuais continuaram sujeitos à dispensa.

No país, existem soldados que trocaram de sexo, mas eles não podiam comentar o assunto abertamente e nem tinham direito a serviços médicos relativos à condição.

WikiLeaks

O veto a transexuais era baseado na ideia de que esse grupo sofre de transtornos psicológicos. O caso mais famoso de troca de sexo nas Forças Armadas dos EUA é o do soldado Bradley Manning, que, em 2014, mudou de nome para Chelsea Manning.

Ela cumpre pena de 35 anos de prisão por ter revelado segredos militares ao site WikiLeaks e se submete a tratamento hormonal para passar pela cirurgia. (Agência Brasil)

Trump propõe banir entrada de muçulmanos nos EUA; Hillary se opõe

Trump propõe banir entrada de muçulmanos nos EUA; Hillary se opõe

Comunicação Cultura Direito Economia Educação Eleições 2016 Mundo Notícias Política Segurança Turismo
Tiroteio em boate de Orlando, nos Estados Unidos, deixa mortos e feridos (Divulgação/Polícia de Orlando)
Tiroteio em uma boate de Orlando, nos Estados Unidos, deixou 49 mortos e 53 feridos. Foto: Divulgação/Polícia de Orlando
 

O massacre em um clube noturno de Orlando, na Flórida, no último domingo (12), mudou o tom da campanha presidencial dos Estados Unidos e trouxe temas como o acesso a armas e políticas de imigração para o centro dos debates entre os candidatos que disputam uma vaga dentro de seus partidos para concorrerem às eleições presidenciais.

Na madrugada de domingo, o norte-americano e filho de afegãos Omar Mateen entrou na boate Pulse e abriu fogo contra frequentadores do local, voltado para o público LGBT, deixando 49 mortos e 53 feridos. Momentos antes do massacre, Omar ligou para a Polícia e declarou fidelidade ao Estado Islâmico. Omar foi morto por policiais.

Donald Trump
O candidato do partido Republicano Donald Trump propôs endurecer a legislação sobre imigração nos EUA. Foto: Sputnik/Greg Allen
 

O candidato do Partido Republicano Donald Trump propôs então o fim temporário da imigração de muçulmanos para os Estados Unidos. Já a candidata democrata Hillary Clinton, adotou discurso de diálogo com os imigrantes e com a comunidade muçulmana para evitar ataques terroristas no futuro.

Em discurso ontem (13), no estado de New Hampshire, Trump insinuou que o presidente Barack Obama não adota medidas para derrotar quem planeja atacar alvos nos Estados Unidos. Disse ainda que a atual política migratória dos Estados Unidos é “disfuncional” e “administrativamente incompetente”. Ele também criticou a candidata democrata Hillary Clinton por se recusar a chamar os radicais muçulmanos de “terroristas”.

Ao defender que a imigração de muçulmanos seja proibida temporariamente, Trump disse que se referia a “áreas do mundo onde há um histórico comprovado de terrorismo contra os Estados Unidos, Europa e outros aliados.” Ele não especificou que países seriam afetados ou se a suspensão se aplicaria independentemente da religião.

Hillary Clinton
Já Hillary Clinton defendeu diálogo com a comunidade muçulmana que mora nos EUA Foto: Antônio Cruz/Arquivo/Agência Brasil

Já a candidata democrata Hillary Clinton disse, em declarações à imprensa na cidade de Cleveland, Ohio, que em vez de proibir a entrada de muçulmanos, a melhor política é buscar o diálogo com a comunidade.

Ela lembrou que “milhões de pessoas que professam a religião muçulmana vivem pacificamente nos Estados Unidos” e considera injusto condenar todos os muçulmanos que vivem nos Estados Unidos por causa de uma pessoa. Hillary sugere que é importante fortalecer o contato com a grande maioria de muçulmanos que vive no país, em vez de isolar a comunidade.

Proposta contraproducente

O secretário de Segurança Interna dos Estados Unidos, Jeh Johnson, criticou a proposta de Trump. Em entrevista à rede de televisão ABC, Johnson disse que negar aos muçulmanos o direito de entrar nos Estados Unidos seria uma medida “contraproducente” e que “não iria funcionar”.

Segundo ele, o momento é de “construir pontes” com as comunidades americanas muçulmanas para discutir as razões que levaram um seguidor da religião muçulmana a atirar em pessoas da comunidade LGBT que frequentavam o clube noturno da Flórida.

De acordo com o secretário, banir a entrada de muçulmanos não é apenas uma “solução simplista”, como irreal porque significa proibir a imigração de pessoas de toda uma região do mundo. “Precisamos construir pontes com as comunidades muçulmanas nos Estados Unidos agora, para incentivá-los, inclusive, a nos ajudar nos nossos esforços de segurança interna”, disse Johnson. (Agência Brasil)

Delatores brasileiros podem ser processados também nos Estados Unidos

Delatores brasileiros podem ser processados também nos Estados Unidos

Mundo Notícias Poder Política

Um representante do Departamento de Justiça dos Estados Unidos irá a Curitiba (PR) em outubro para negociar acordos com delatores da Operação Lava-Jato com o objetivo de conseguir provas para processar empresas que têm negócios naquele país e pagaram propina no Brasil ou em outro território para fechar contratos com a Petrobras.

Delatores brasileiros podem ser processados também nos EUA se utilizaram empresas ou bancos naquele país para lavar dinheiro de corrupção. Um acordo de delação com os norte-americanos serviria para reduzir uma eventual pena.

O procurador Patrick Stokes chefia a unidade que cuida de uma lei norte-americana que pune empresas que pagam suborno fora do território norte-americano, a FCPA (Foreign Corrupt Pratices Act – Lei sobre Práticas de Corrupção no Exterior, em português). Empresas brasileiras que têm negócios nos EUA, como a própria Petrobras, ou companhias norte-americanas que trabalham para a estatal poderão ser punidas se as autoridades do país concluírem que a corporação pagou suborno no Brasil ou na Suíça para fechar negócios. A ideia por trás dessa lei é que o suborno mina a concorrência leal entre as empresas. A Petrobras é alvo de uma ação do Departamento de Justiça sob suspeita de ter violado a lei sobre corrupção no exterior. Também, sofre um processo por parte de investidores que se sentiram enganados pela queda no preço das ações em função das revelações de suborno.

O procurador norte-americano ficará em Curitiba entre 6 e 9 de outubro para relatar que tipo de vantagens ofereceria aos delatores que aceitarem colaborar com a Justiça dos Estados Unidos.
Advogados dos colaboradores foram convocados pelos procuradores da Operação Lava-Jato para ouvir as propostas do procurador.

A lei dos EUA ficou conhecida internacionalmente pelas multas milionárias que aplica contra empresas que violam a norma. (Folhapress/O Sul)

Alta do dólar não é um problema apenas do Brasil, diz Levy

Alta do dólar não é um problema apenas do Brasil, diz Levy

Economia Negócios Notícias Poder Política

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse hoje (23) que a atual elevação da cotação do dólar faz parte de um movimento em todo o mundo e não só um problema do Brasil. Para ele, existe um processo de recuperação do país, com várias medidas que vem sendo adotadas. Segundo ele, alguns impactos do preço da moeda americana no mercado interno são em consequência de efeitos que estavam represados. O dólar ultrapassou a casa do R$ 4 nesta quarta-feira.

“Acredito que vamos ver maior estabilidade no dólar também. Difícil, impossível fixar qual o patamar, mas tenho certeza que essa volatilidade maior também vai se esvair na medida em que algumas questões, como a votação dos vetos e o próprio orçamento, forem devidamente equacionadas. Estes são os elementos que vão permitir a gente, inclusive recolher os frutos do que já foi feito. Esta é a estratégia de crescimento e é aí que a gente tem que se fixar, com responsabilidade fiscal e clareza de gastos “, disse após participar do Fórum de Segurança Jurídica e Infraestrutura no Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

“Acho que primeiro tem movimento global de câmbio e a gente tem que estar atento. O mais importante é a gente avaliar a situação do Brasil. Eu acho que o processo de recuperação da economia está em curso. Diversas medidas que foram tomadas no início do ano estão produzindo seus efeitos. Agora o que a gente vê é um certo represamento desses efeitos na economia por outras razões que não econômicas, vamos dizer assim, razões de insegurança”, acrescentou.

Questionado sobre um possível rebaixamento do grau de investimento do Brasil pela agência de classificação de risco Fitch, o ministro negou uma mudança na nota de crédito do Brasil. “As medidas estão surtindo efeito. Alguns resultados mais positivos estão sendo represados por circunstâncias que trazem uma certa incerteza. Isso tem limitado a capacidade de investimento e até a capacidade de arrecadação. Mas eu tenho a convicção de que vencida essas incertezas, a capacidade de recuperação da economia será rápida”, disse. Representantes da agência se reuniram ontem (22) com Levy no Ministério da Fazenda. (Agência Brasil – Foto: José Cruz/Agência Brasil)