Fotografia: Carlinhos Rodrigues expõe suas obras no Sei Fratelli Bistrô

Fotografia: Carlinhos Rodrigues expõe suas obras no Sei Fratelli Bistrô

Agenda Cidade Comunicação Cultura Destaque Educação Gastronomia Porto Alegre

Nesta quinta feira, dia 23, o fotógrafo Carlinhos Rodrigues inaugura uma nova mostra de suas fotografias.

A exposição no SEI FRATELLI BISTRÔ, Florêncio Ygartua, 292 com abertura as 18h e fica em cartaz até o dia 23 de setembro das 8h as 19h menos aos domingos.

O trabalho do artista que construiu sua carreira a partir do fotojornalismo pode ser conferido na página Arte para Todos. Clique aqui e veja.

 

39876169_2209696362386613_4723209195069898752_n

 

39585381_2209696142386635_4421109373086990336_n

Porto Alegre: Cristina Bistrô expõe lembranças da Copa do Mundo de 3 grandes jornalistas gaúchos

Porto Alegre: Cristina Bistrô expõe lembranças da Copa do Mundo de 3 grandes jornalistas gaúchos

Agenda Cidade Destaque Esporte Gastronomia Porto Alegre Turismo

35885734_2116747475210911_7042810023914766336_nNo embalo da Copa do Mundo, o Cristina Bistrô promove uma exposição com relíquias da história dos mundiais e de seus protagonistas. Nas paredes do charmoso casarão da Cristóvão Colombo, camisetas e chuteiras autografadas por craques como Pelé, Zico, Maradona, Messi, Ronaldo Fenômeno, Taffarel e Rivaldo. As peças fazem parte da coleção do jornalista João Bosco Vaz. A mostra é aberta ao público sem necessidade de nenhum consumo, mas vai ser difícil resistir as delícias da casa.

Eu fui conferir e ao ver  a réplica da bola usada na primeira Copa – a do Uruguai em 1930 -, fiquei imaginando a dificuldade que ela imporia a alguns craques do Mundial atual. Lá também estão cartazes oficiais e curiosidades como o vinho gaúcho distribuído na Copa dos EUA. Para quem gosta de fotografias uma parede de maravilhosas fotos em preto e branco clicadas por Carlinhos Rodrigues, um dos melhores fotógrafos esportivos do Brasil.

c46e5ecb-dd6b-4162-afbc-2e13769fa846Umas das curiosidades mais legais, para quem é da mídia como eu, mas acredito que para todo mundo que gosta de acompanhar a cobertura do evento mundial… É um quadro mostrando as credenciais do jornalista Antonio Carlos Macedo, em diferentes Copas. Por sinal, o âncora do Gaúcha Hoje IMG_5364– o programa jornalístico de maior audiência do Rio Grande do Sul – é o “recepcionista” do Cristina Bistrô, onde recebe os clientes ao lado da esposa Cristina. Ela é a Chef, e quase me fez “sair da dieta” com tantos pratos lindos e saborosos apresentados no buffet. Na verdade só não resisti a tentação do pudim, que estava delicioso.

36002742_2116746448544347_6709960018503925760_nPortanto, #FicaAdica de um local para se comer muito bem, vendo uma exposição show e com a recepção de uma dupla muito legal como o Macedo e a Cristina.

O Cristina Bistrô, fica na Cristóvão Colombo, 2977 – fone 3398-2003. De segunda a sábado até o final da Copa.

Curador da Queermuseu avalia acordo entre Santander e MPF como “incompreensível e injustificável”; por Jéssica Moraes/Rádio Guaíba

Curador da Queermuseu avalia acordo entre Santander e MPF como “incompreensível e injustificável”; por Jéssica Moraes/Rádio Guaíba

Cidade Cultura Destaque
 O curador da exposição Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, Gaudêncio Fidelis, avaliou o compromisso firmado entre o Santander Cultural e o Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul (MPF) para a realização de duas novas exposições como “incompreensível e injustificável”. Fidelis destaca ainda que o acordo abre precedente para a “censura prévia”.

A manifestação foi feita por meio de nota após as duas instituições definirem que serão realizadas duas novas mostras enfatizando temas relacionados à diversidade e à diferença, sob a ótica dos Direitos Humanos. Fidelis salienta que o Santander ficou isento de toda culpa pelo crime que cometeu à arte e a cultura quando fechou a mostra e que a medida de realizar duas exposições com a temática da diversidade é apenas uma “suposta reparação” já que é da rotina do espaço promover exposições.

Na nota, o promotor da Queermuseu explana que “A censura que o Santander executou pelo fechamento da exposição causou irreparáveis danos à arte e a cultura brasileira, à liberdade de expressão, à reputação dos artistas, aos profissionais envolvidos e infringiu a constituição”. Além disso, Fidelis aponta que o Banco se eximiu de defender a produção artística.

Para o curador, um dos mais nocivos aspectos do acordo entre o Santander e o MPF é o precedente criado para que outras instituições “estabeleçam limites para o pensamento através de normativas similares constituindo assim censura prévia”. O curador acredita que o acordo não estabelece punição ou reparação para o grave delito contra a liberdade de expressão.

O acordo

O termo firmado entre a instituição e o MPF busca encerrar a polêmica relacionada ao fechamento, um mês antes do previsto, da mostra Queermuseu, no ano passado, após uma série de movimentos conservadores acusarem parte das obras de ofensa a símbolos religiosos e estímulo à pedofilia e à zoofilia.

A Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão do MPF entendeu que houve lesão à liberdade de expressão artística em decorrência do encerramento antecipado da exposição, que trazia obras de Lygia Clark e Antônio Volpi, entre outros artistas. De acordo com o Ministério Público Federal, não foram comprovadas as acusações contra as obras da Queermuseu.

A partir do termo assinado com o MPF, o Santander Cultural se compromete a patrocinar duas exposições sobre diferença e diversidade, cujas durações devem ser de pelo menos dois meses, cada. Caso não cumpra a decisão judicial, a instituição fica sujeita a multa de R$ 800 mil. Conforme o Santander Cultural, ainda não há datas específicas para a realização das exposições. Também não foram definidos nomes de artistas e curadores. A expectativa é de realização de pelo menos uma mostra relacionada à diversidade ainda em 2018.

Livro da Queermuseu é retirado de bibliotecas no interior do Rio Grande do Sul. ‘Não vivemos no Estado Islâmico’, critica diretor de Cultura de Uruguaiana sobre retirada de obra; por Daiane Vivatti/Rádio Guaíba

Livro da Queermuseu é retirado de bibliotecas no interior do Rio Grande do Sul. ‘Não vivemos no Estado Islâmico’, critica diretor de Cultura de Uruguaiana sobre retirada de obra; por Daiane Vivatti/Rádio Guaíba

Comportamento Comunicação Cultura Destaque Poder Política

Um mês após ser retirado da Biblioteca Pública de Uruguaiana, município da Fronteira Oeste, o livro sobre a exposição “Queeermuseu – Cartografias da Diferença Arte Brasileira” ainda não voltou para o acervo da instituição. A obra foi retirada pelo vereador Eric Lins (DEM) na primeira semana de outubro e, segundo o diretor de Cultura da cidade, Ricardo Peró Job, o próprio parlamentar entrou no local, pegou o livro sem autorização e até hoje não devolveu o patrimônio da biblioteca.

“O livro estava para ser catalogado, em uma sala. O vereador entrou na biblioteca e foi direto para o local onde estava a obra, então, eu acho que alguém avisou ele. Ele assinou uma folha de retirada com um funcionário que não é da biblioteca e depois fez um vídeo”, relata Job.

job tres
Ricardo Peró Job

O vereador Lins rebateu as afirmações, dizendo que o livro estava disponível em uma prateleira, sem indicação de idade e que a retirada do catálogo foi assinada, garantindo a legalidade da ação. Ele admite, entretanto, não ter devolvido a obra à biblioteca. “Depois, eu devolvi o livro diretamente na Prefeitura, como um representante da Câmara de Vereadores”, argumenta.

Na semana passada, o vereador entregou o livro no Gabinete do prefeito Ronnie Mello (PP), junto com uma moção – contrária à divulgação da obra – aprovada pelos vereadores. Conforme a assessoria da prefeitura, o livro foi encaminhado para a Procuradoria-Geral do Município fazer uma análise para definir ver se o livro poderá ou não integrar o acervo da biblioteca. Não há prazo para a decisão.

O vereador entende que o livro possui conteúdo impróprio, que não deve ser feito e disponibilizado com verba pública. “Isso, com certeza, não é uma obra, como chamam de obra, que mereça receber apoio do dinheiro público. Se a pessoa quiser fazer isso na sua casa, comprar em uma livraria… agora, a partir do momento que você subsidia esse tipo de coisa, com dinheiro público, porque a biblioteca é pública e os funcionários também, deixa de ser algo digno”, argumenta Lins.

“Não vivemos no Estado Islâmico”, diz diretor de Cultura

O diretor de Cultura de Uruguaiana, no entanto, defende que o livro volte para o espaço. “Sinceramente, eu sou a favor da volta desse livro para a Biblioteca Municipal nessas condições: que ele fique em uma estante, fora do alcance de crianças. Acho que nós não vivemos sob a bandeira do Estado Islâmico, nós também não somos censores e o livro existe para quem gosta desse tipo de manifestação. Eu, pessoalmente, não gosto, mas o livro existe e tem que constar na biblioteca”, ressalta Job.

A posição também é defendida pela Associação Rio-Grandense de Bibliotecários (ARB), que emitiu uma nota contrária a qualquer tentativa de interferência em bibliotecas. “Considerando o cunho liberal e humanista da profissão, (a associação) manifesta-se de maneira contrária à ingerência de qualquer ente político no desenvolvimento de coleções das bibliotecas públicas. Ainda, a administração e direção de bibliotecas é de responsabilidade do bibliotecário, conforme Lei nº 4.084, de 30 de junho de 1962″, diz o comunicado.

A ARB também aponta que “a retirada, o banimento e a censura a obras específicas, ou a temáticas polêmicas, devem ser encarados com seriedade por qualquer sociedade que se apresente como democrática e essas atitudes interferem e impossibilitam justamente o debate e a cidadania”.

Situação em outras cidades

Vereadores de Bento Gonçalves, Caxias do Sul e Erechim também fizeram moções contra a presença do livro da Queermuseu nas bibliotecas. Em Bento Gonçalves, na Serra, a obra foi retirada da Biblioteca Municipal e está retida na Prefeitura. De acordo com o Secretário Municipal da Cultura do município, Evandro Soares, um vereador conversou com o prefeito e pediu que o livro fosse disponibilizado com cuidado no local. Com isso, a administração está avaliando qual é a melhor forma de colocar a obra à disposição do público e, a princípio, será feita uma classificação indicativa. Soares garantiu, no entanto, que o livro da exposição vai voltar para a biblioteca.

Já em Caxias do Sul, também na Serra, o livro está em processo de catalogação. Das cidades onde os vereadores encaminharam moções contra o catálogo da Queermuseu, o único local onde a obra já está disponível para empréstimo é Erechim, no Norte do Estado. Conforme o bibliotecário do espaço, não foi solicitada a retirada da obra do acervo e, inclusive, o livro está emprestado para um leitor.

Contexto

Quando ocorrem atividades patrocinadas pela Lei de Incentivo à Cultura (LIC), os livros são distribuídos gratuitamente em todas as bibliotecas públicas gaúchas. A Queermuseu estava em cartaz no Santander Cultural, em Porto Alegre, e foi encerrada em setembro – um mês antes data definida – após protestos de pessoas que acusaram a exposição de fazer apologia à pedofilia e zoofilia.

BRDE comemora 55 anos com exposição no Margs

BRDE comemora 55 anos com exposição no Margs

Cidade Cultura Notícias Porto Alegre

Em 2016, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE completa) 55 anos de fundação. Como parte da programação comemorativa ao seu aniversário, apresentará a exposição “Acervo BRDE – Mostra de Artes Plásticas”, no Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (Margs), de 23 de fevereiro a 23 de março. A exposição tem curadoria do diretor do MARGS, Paulo Amaral, e conta com o apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, da Secretaria da Cultura do Estado do Rio Grande do Sul e do Codesul – Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul.

Ao trazer para o espaço museológico uma seleção de 25 obras que fazem parte de seu patrimônio, reunido ao longo de mais de meio século, o BRDE reafirma seu compromisso com a valorização das manifestações artísticas e o acesso aos bens culturais. As pinturas, gravuras, aquarelas e esculturas que por muitos anos foram de conhecimento restrito dos que circulam pela sede central do BRDE, em Porto Alegre, carregam, além do valor estético, o olhar e a memória de artistas nascidos no Rio Grande do Sul ou aqui radicados. 12744710_1092921450759447_888847618567645719_n

Em sua maior parte, autores dessas obras consolidaram suas trajetórias artísticas nas décadas de 1950 a 1990. Dentre eles, destacam-se os mestres Ado Malagoli, Vasco Prado, Iberê Camargo, Danúbio Gonçalves e Plínio Bernhardt. Da geração dos anos 60 e 70, figuram Waldeny Elias, Carlos Tenius, Regina Silveira, Soriano e Eduardo Cruz. No grupo dos anos 80 em diante estão Ronaldo Kiel, Arlete Santarosa e Frantz, entre outros.

Na coleção do BRDE predominam obras figurativas com ênfase na temática regional: tipos gauchescos, paisagens campeiras e urbanas, referências míticas, detalhes arquitetônicos, traços do real e do imaginário. A busca identitária é um traço marcante do Acervo BRDE, instituição financeira pública cuja missão é promover o desenvolvimento econômico e social da Região Sul.

unnamedSERVIÇO
Acervo BRDE – Mostra de Artes Plásticas
Abertura: 23 de fevereiro, às 19 horas
Visitação até o dia 23 de março, de terça a domingo, das 10 às 19 horas
Local: Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (Margs) – Praça da Alfândega, s/nº – Centro Histórico de Porto Alegre

Gravura Galeria de Arte recebe exposição de Ondina Pozoco

Gravura Galeria de Arte recebe exposição de Ondina Pozoco

Cidade Cultura Notícias Porto Alegre

Em 2016 a Gravura Galeria de Arte celebra seus 20 anos. Com exposições mensais comemorativas programadas inicia sua agenda do ano com a mostra individual “As mulheres e seus criados-mudos”, de Ondina Pozoco. A mostra tem 20 obras apresentando diferentes técnicas como desenho, técnica mista, litografia, aquarela e pintura acrílica sobre tela.

Ondina Pozoco desenvolve os temas Mulheres e Criados-mudos desde 1980, trabalhos que resultam em séries. Nesta exposição a artista retoma a temática diversificando técnicas, sempre com colorido intenso e riqueza de detalhes.

A artista, natural de Porto Alegre, vive e desenvolve seu trabalho de Artes Plásticas na capital, participa de salões de arte, exposições coletivas e individuais a nível local, nacional e internacional. Ondina já realizou exposições em países como o Uruguai, Colômbia, Canadá, Bélgica, França, Itália e Noruega. A pintora foi uma das pré-selecionadas para a Bienal do Mercosul de Porto Alegre e já participou de diversas Bienais Internacionais.

A exposição será aberta no dia 12 de janeiro, às 19h, e ficará disponível para visitação até o dia 29 de fevereiro, de segunda a sexta das 10h às 19h, na Gravura Galeria de Arte. Entrada Franca.

12401703_828292943982579_1522115023355716019_oServiço:

O que: Exposição As mulheres e seus criados-mudos

Onde: Gravura Galeria de Arte – Rua Corte Real, 647 – Porto Alegre

Visitação: até 29 de fevereiro de segundas às sextas das 10h às 19h.

Exposição gratuita em Porto Alegre resgata o universo pop

Exposição gratuita em Porto Alegre resgata o universo pop

Cidade Cultura Notícias Porto Alegre prefeitura Publicidade

A exposição do artista gaúcho Eduardo Vieira da Cunha, “Quadrinhos e o espírito pop”, está em cartaz em Porto Alegre e traz trabalhos em linguagem mimética com o tema dos anos 60. A série foca em desenhos e no universo das histórias em quadrinhos, e acontece na Pinacoteca Ruben Berta (Duque de Caxias, 973). A visitação é gratuita e vai até o dia 19 de fevereiro, de segunda a sexta, das 10h às 18h.

Vieira da Cunha estabelece ainda um diálogo com obras da Pinacoteca que coincidem com a temática explorada no seu trabalho, buscando uma unidade de peças baseadas na cultura popular. “Com esta exposição, procuro resgatar em pintura o universo colorido da Arte Pop e seu vocabulário que trazia a grandeza das pequenas coisas exibidas e inspiradas na rua que muitas décadas depois voltam a invadir o museu”, explica o artista.

Inspirado pelas historietas dos clássicos Flash Gordon, Mandrake e Fantasma, o gaúcho tomou emprestado das histórias em quadrinho, das imagens de rua e dos jornais e revistas, referências para a exposição. (Correio do Povo)

Chico Lisboa promove o evento 20×20³ e Outros Formatos 10 anos na Galeria Bolsa de Arte

Chico Lisboa promove o evento 20×20³ e Outros Formatos 10 anos na Galeria Bolsa de Arte

Cidade Cultura Negócios Notícias Porto Alegre

O tradicional evento ‘20×20³ e Outros Formatos’, organizado há 10 anos pela Associação Chico Lisboa, em parceria com a Galeria Bolsa de Arte será realizado nos dias 18 e 19 de dezembro de 2015 e vai oferecer diversas opções para presentear com arte. Com a participação de mais de 250 artistas que criaram uma obra exclusiva para o evento, a mostra além de ser uma das principais fontes de recursos para a manutenção da Chico Lisboa, contempla obras de diversas técnicas e conceitos. No alto trabalho de Nádia Raupp Meucci e abaixo obra de Britto Velho.

A mostra estará aberta para visitação na sexta-feira, 18 de dezembro, das 14h às 19h.  O coquetel de abertura e aquisição das obras será dia 19 de dezembro, das 10h às 13h, onde os trabalhos estarão sendo vendidos por Duzentos e Cinqüenta reais (R$ 250,00) para os não associados da Chico Lisboa e Duzentos reais ( R$200,00) para os sócios que apresentarem na hora o cartão de associado da Chico Lisboa.(pagamento em dinheiro ou cheque)

A Galeria Bolsa de Arte fica na Rua Visconde do Rio Branco, 365 – Bairro Floresta.

Britto VelhoServiço:

Evento 20×20³ e Outros Formatos 10 anos na Bolsa de Arte

Visitação: Sexta-feira, 18 de dezembro, das 14h às 19h

Abertura e Venda das obras: Sábado, 19 de dezembro, das 10h às 13h

Local: Galeria Bolsa de Arte, Rua Visconde do Rio Branco, 365.

Bairro Floresta – Porto Alegre

Entrada Franca

Eduardo Vieira da Cunha abre mostra na Pinacoteca Ruben Berta

Eduardo Vieira da Cunha abre mostra na Pinacoteca Ruben Berta

Cidade Cultura Notícias Porto Alegre prefeitura

Eduardo Vieira da Cunha, artista porto-alegrense faz nova exposição de uma série de pinturas em linguagem mimética com o tema dos anos 60, focado nas histórias em Quadrinhos (HQs). Fã e leitor de HQs, inspira-se na liguagem que fez fusão na comunicação e na arte. A exposição acontece na Pinacoteca Ruben Berta (Rua Duque de Caxias, 973 – Centro Histórico), com abertura nesta segunda-feira, 7, das 18h às 20h. A visitação vai até o dia 19 de fevereiro de 2016, de segunda a sexta, das 10h às 18h.

Vieira da Cunha, um entusiasta desse período, estabelece ainda um diálogo com obras da Pinacoteca Ruben Berta, selecionadas por ele, que coincidem com a temática explorada pelo artista. Ele explica que busca com este trabalho uma conversa visual com as obras do espaço, que apontam para a emergência de correntes criativas inspiradas na cultura popular. Situada no prelúdio dos movimentos conspiratórios do final dos anos 60, esta tendência foi fundamentalmente positiva, oferecendo liberdade de expressão no campo das artes visuais, em uma pintura predominantemente figurativa. O ponto comum era a vida cotidiana, nutrida por um ambiente urbano, e por imagens do gosto popular.

Aqueles novos realistas abriram caminho para uma estética baseada na comunicação de massa. “Inspirado por eles, tomei emprestado das histórias em quadrinho, das imagens de rua e dos jornais e revistas, referências para esta exposição”, explica Vieira da Cunha que sempre foi um fã das historietas, dos clássicos Flash Gordon, Mandrake e Fantasma, até os de vanguarda, como Robert Crumb e seu Mr. Natural, publicado na revista Grilo, nos anos 1970. ” Assim, com esta exposição, procuro resgatar em pintura o universo colorido da Arte Pop e seu vocabulário que trazia a grandeza das pequenas coisas exibidas e inspiradas na rua que muitas décadas depois voltam a invadir o museu”, complementa.

Alguns dos artistas da Pinacoteca Ruben Berta reverenciados por  Eduardo Vieira da Cunha são: Adelson Filandelfo do Prado, Alan Davie, Bill Maynard, Glênio Bianchetti, João Alves de Oliveira, Marcelo Grassmann e Roberto Campadello.

Aspatis, 10 anos

Aspatis, 10 anos

Cidade Comportamento Comunicação Cultura Economia Negócios Notícias Porto Alegre Publicidade

Eu tinha a intenção de ir pessoalmente dar um beijo nas queridonas dASPATRICIAS. Adoro o trabalho das duas meninas chiquérrimas da foto aí de cima, a Parenza vestindo Ronaldo Fraga e a Pontalti com um Helen Rödel. A terça foi atribulada, não consegui ir. Na quarta, acordei com a prisão do Bumlai, na quinta o Delcídio e o André Esteves e ainda teve o horror da emboscada contra o motorista do Ubber, em Porto Alegre. A sexta foi de repercussões de tudo isso e sendo muito sincero com minhas amigas, eu não consegui nem ligar. Perdão! Mas, se tratando de vocês duas tenho certeza que foi um arraso o lançamento da exposição. Para quem não sabe muito sobre elas e a década que tiveram… Eu publiquei um post na terça. E sinceramente não encontro ninguém melhor que elas próprias para falar sobre o aconteceu. Por isso, reproduzo um texto escrito pelas próprias em Aspatricias.

Esta semana, a gente comemorou uma década de parceria, uma década de construção de uma marca, de uma empresa voltada à moda e ao design. Fizemos um pouco de tudo: produção de conteúdo, treinamento, palestras, edição de coleção, eventos, vídeos, enfim, a gente oferece um menu amplo relacionado ao tema – e carimbamos tudo com um selinho especial, o do feito com amor, com muita vontade, com muita dedicação. Decidimos comemorar a data de um jeitinho todo especial, como uma exposição relâmpago, no Viva Open Mall, de roupas do nosso próprio closet, algumas assinadas por alguns dos estilistas da São Paulo Fashion Week, como Herchcovitch, Ronaldo Fraga, Lino Villaventura, Reinaldo Lourenço, Osklen e Gloria Coelho, e outras que são espelho da nossa história e estilo. História longuinha, afinal, espia os números destes 10 anos de parceria:

img_4553
A ArqExpress concebeu o visual industrial da mostra
  • + de 3 mil desfiles assistidos
  • 48 programas de antes e depois na tv aberta
  • 100 programas para tv fechada
  • 1 série documental sobre estilo brasileiro
  • 2 dezenas de participações como consultoras de estilo em programas nacionais
  • 15 mil respostas a dúvidas virtuais de estilo
  • + de 50 desfiles e eventos de moda produzidos
  • milhares de matérias escritas no www.aspatricias.com.br, em jornais e revistas

 

 

 

 

Detalhes do coquetel: taças no tom Tiffany e águas personalizadas
Detalhes do coquetel: taças no tom Tiffany e águas personalizadas
fullsizerender
Com a querida e incansável Pati Leivas, que cuidou de todas as minúcias da exposição

E a gente segue em frente, acreditando que “elegância é reflexo da alma, do coração, da mente. Elegância é saber ouvir e estender a mão. Elegância é tratar bem quem não tem nada a dar além de um sorriso e um muito obrigado. Elegância é o filme que se assiste, a arte que provoca encantamento, a música que faz bailar, a viagem que muda a vida. Elegância é saber que o outro é igualzinho a você e merece sempre respeito. Elegância é o jeito de cada um de interpretar a moda e fazer dela um instrumento da felicidade. Elegância é tentar ser melhor todos os dias, para você e para o outro. Que venham outras décadas pela frente, sempre ao lado de clientes incríveis e de amigos que sempre nos apoiaram. Ah! Queríamos aproveitar este post para agradecer aos nossos parceiros desta celebração, a começar pela incansável amiga Pati Leivas, que orquestrou tudinho, ao Viva Open Mall, que nos recebeu com todo carinho, à ArqExpress, que idealizou um projeto lindo para o espaço, a Plano Som, que foi muito além da luz e do som e colaborou com toda a montagem, à Castellamare Espumantes e Vinhos, a Bang Impressões, ao querido Dudu das Caipirinhas e a tantos outros que estiveram ao nosso ladinho neste momento tão especial.