Dilma Rousseff chega hoje a Porto Alegre

Dilma Rousseff chega hoje a Porto Alegre

Notícias Poder Política Porto Alegre

A presidente afastada Dilma Rousseff (PT) chegará no início da tarde deste sábado (25) a Porto Alegre, onde deve permanecer junto da família até amanhã. A presidente afastada tem pouso previsto na Base Aérea de Canoas para o meio-dia, de onde se deslocará para seu apartamento na zona Sul de Porto Alegre. Conforme a Assessoria de Imprensa, não há atividades políticas previstas para a passagem de Dilma pelo Estado.

A presidente afastada se desloca à Capital gaúcha em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB). Na última quinta-feira, a 6ª Vara Federal de Porto Alegre autorizou que Dilma use as aeronaves da FAB fora do trecho Porto Alegre/Brasília, desde que ela ou o Partido dos Trabalhadores ressarçam os custos ao governo federal. A liminar também garante o mesmo direito aos assessores, desde que estejam vinculados ao Executivo, e mantém a estrutura do gabinete pessoal de Dilma. A decisão é da juíza Daniela Cristina de Oliveira Pertile. Cabe recuso da Advocacia-Geral da União (AGU) ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

Representada pelo escritório do ex-marido, o advogado Carlos Araújo, Dilma entrou com a ação, na semana passada, buscando manter a ordem expedida pelo Senado Federal quando a afastou das funções em decorrência do processo de crime de responsabilidade. A petista sustentou que o ato original não restringe garantias próprias do cargo, e que o Executivo não detém competência para rever ou limitar essa determinação.

A União se defendeu ressaltando que a previsão constitucional se limita à suspensão das funções do presidente acusado e não entra em detalhes sobre as prerrogativas inerentes ao mandato. A AGU destacou, ainda, que o uso do transporte aéreo oficial fica restrito a atividade de interesse público e pontuou que, não havendo agenda oficial, a utilização dos aviões pode caracterizar desvio de finalidade.

Ao analisar o caso, a juíza pontuou que o objeto da ação era a possibilidade de o Poder Executivo restringir (ou não) um ato do Senado. “Com efeito, ao dispor sobre o uso de residência oficial, transporte aéreo e manutenção da equipe de servidores, é óbvio que o Senado Federal não autorizou o exercício arbitrário de tais prerrogativas”, afirmou.

A magistrada ainda reconheceu que, embora não haja norma clara e expressa sobre isso, o uso dos aviões da FAB é necessário para o deslocamento da presidente afastada ao local em que reside, e para que se defenda diante de um processo de impedimento. Ela ponderou, ainda, a necessidade de segurança pessoal de um presidente eleito, o que o impede usar um voo comercial.

Diante do impasse, a juíza revela, na decisão, que buscou analogia na lei eleitoral, segundo a qual o “ressarcimento das despesas com o uso de transporte oficial pelo Presidente da República e sua comitiva”, quando em campanha eleitoral (pela reeleição), deve ser responsabilidade “do partido político ou coligação a que esteja vinculado”. (Gabriel Jacobsen/Rádio Guaíba)

Dilma chega ainda hoje a Porto Alegre. É a segunda viagem da Presidenta a Porto Alegre desde que foi afastada do cargo por decisão do Senado, no último dia 12

Dilma chega ainda hoje a Porto Alegre. É a segunda viagem da Presidenta a Porto Alegre desde que foi afastada do cargo por decisão do Senado, no último dia 12

Cidade Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre

A presidente afastada Dilma Rousseff deve chegar ainda nesta quinta-feira a Porto Alegre para passar o feriadão de Corpus Christi com a família. A previsão inicial de chegada é para as 17h. Dilma deve ficar até domingo na Capital.

É a segunda viagem dela a Porto Alegre desde que foi afastada do cargo por decisão do Senado, no último dia 12. No dia seguinte (13), Dilma chegou à Capital no fim da noite, e ficou até segunda-feira (16).

Na oportunidade, Dilma foi vista pedalando na orla do Guaíba, acompanhada de seguranças. A filha e os netos dela residem na zona Sul de Porto Alegre, região onde a presidente afastada também mantém um apartamento. O ex-marido de Dilma, Carlos Araújo, também mora na região. (Rádio Guaíba)

Antes de viagens para condenar “golpe”, Dilma visita família em Porto Alegre nesta sexta

Antes de viagens para condenar “golpe”, Dilma visita família em Porto Alegre nesta sexta

Agenda Cidade dilma Notícias Poder Política Porto Alegre Segurança

A presidenta afastada Dilma Rousseff deve viajar nesta sexta-feira (13) a Porto Alegre, cidade onde moram sua filha e netos. Por volta de 12h30, após fazer dois discursos em que disse estar sendo injustiçada e vítima de um “golpe”, ela se despediu dos manifestantes que foram ao Palácio do Planalto e se dirigiu ao Palácio da Alvorada, residência oficial e onde continuará morando até que o Senado julgue se ela cometeu crime de responsabilidade ou não.

Nas próximas semanas, a presidenta afastada pretende viajar pelo Brasil e exterior para continuar denunciando o processo de impeachment que a afastou hoje (12) por até 180 dias

Após ser notificada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, ela terá prazo de 20 dias corridos para apresentar sua defesa. Nesta tarde, o presidente interino, Michel Temer, deu posse aos novos ministros do governo e fez um pronunciamento em que declarou “respeito institucional” a Dilma. (Agência Brasil)

Dilma faz viagem relâmpago e fica menos de 24 horas em Porto Alegre

Dilma faz viagem relâmpago e fica menos de 24 horas em Porto Alegre

Cidade Notícias Poder Política Porto Alegre

A presidente Dilma Rousseff fez uma passagem relâmpago por Porto Alegre neste final de semana. Ela chegou no sábado, por volta do meio-dia, e deixou a Capital neste domingo, pouco depois das 9 horas da manhã. Ficou, portanto, menos de 24 horas na cidade. De acordo com o Palácio do Planalto, a presidente não teve compromissos oficiais.

Hoje de manhã, antes de embarcar no avião presidencial de volta a Brasília, Dilma pedalou pelas ruas da zona sul de Porto Alegre, onde tem apartamento. Como de costume, ela estava acompanhada de seguranças. (Correio do Povo)

Família argentina esquece filha em posto de combustíveis de Eldorado do Sul. Foi o segundo caso parecido em pouco mais de duas semanas

Família argentina esquece filha em posto de combustíveis de Eldorado do Sul. Foi o segundo caso parecido em pouco mais de duas semanas

Notícias

Uma família argentina esqueceu, nesta tarde, a filha de 19 anos em um posto de combustíveis da BR 290, em Eldorado do Sul, na região Metropolitana de Porto Alegre. A família segua pra casa depois de passar férias em Florianópolis, Santa Catarina. Federica Sosa desceu do carro para colocar lixo na lixeira, quando os pais retomaram a viagem de retorno a Buenos Aires. A jovem já foi devolvida aos familiares.

O caso ocorreu por volta das 14h30, no posto do km 107 da rodovia. Outra família argentina foi abordada por policiais rodoviários para que ficasse com a jovem até o reencontro, que ocorreu cerca de 45 minutos depois de ela ser deixada. Patrulheiros emitiram alerta para que as equipes de ronda abordassem o veículo Toyota Corolla cor prata em que a menina estava. Antes disso, no entanto, os pais perceberam e voltaram para buscá-la. Os pais alegaram que não se deram conta que ela não estava mais no carro e seguiram mais de 60 km para sentirem falta da filha.

Em janeiro, outra argentina foi esquecida, mas pelo marido, em um posto de combustíveis na BR-285, em Passo Fundo, no Norte do Estado. A família também retornava de férias no Brasil. A mulher estava no banco traseiro e saiu para ir a loja de conveniência. O marido já havia rodado cerca de 160 km e voltou para buscar a esposa. (Samuel Vettori / Rádio Guaíba)

O Estado de São Paulo: Prisão de Delcídio acelera investigação sobre o Planalto. Familiares querem que Senador faça delação premiada

O Estado de São Paulo: Prisão de Delcídio acelera investigação sobre o Planalto. Familiares querem que Senador faça delação premiada

Notícias

A prisão do líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS),e do banqueiro André Esteves, dono do BTG Pactual, levou as investigações da Operação Lava Jato ao núcleo do comando político do esquema. Delcídio é considerado elemento de ligação entre as gestões do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e da presidente Dilma Rousseff (iniciada em 2011) com a Petrobras, onde fez carreira antes de entrar na política. Se contribuir com as investigações, ele poderá esclarecer quem montou o esquema de corrupção na estatal. Entre os negócios investigados, está a parceria da Petrobras com o banco BTG Pactual, de Esteves, na África, firmado em 2013. Se as suspeitas forem confirmadas, ficará fragilizado o discurso do governo de que as irregularidades se limitaram ao mandato de Lula. A força-tarefa da Lava Jato busca elementos para apontar a Casa Civil como mentora do esquema que loteava cargos e acertava o pagamento de propinas. Você encontra a reportagem completa em O Estado de São Paulo.

Pressão familiar

Parentes e amigos aconselham o senador Delcídio Amaral a negociar um acordo de delação premiada.

Onde estão vivendo os familiares dos ladrões da Lava Jato?

Onde estão vivendo os familiares dos ladrões da Lava Jato?

Notícias Poder Política

O patrimônio ilícito dos delatores criminosos da operação Lava Jato é um dos pontos mais intrigantes de toda a investigação. Vimos, por meio de cópias de extratos de cartão de crédito, como a mulher e os familiares do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usufruíram e continuam tendo acesso ao dinheiro ilegal no Brasil e no exterior.

Pouco se fala, entretanto, do destino do dinheiro roubado por doleiros, empreiteiros e ex-diretores da Petrobras. Menos ainda: raramente ou nunca vemos como seus familiares estão vivendo. Sabemos, por exemplo, como vive a mulher de um ladrão de galinhas, morador de alguma favela. Enquanto o marido está preso, ela recebe, para sustentar os filhos, uma quantia que pagaria apenas o café dos ladrões de colarinho branco. Se esse pai deixa a prisão ou vem a morrer, não haverá patrimônio a usufruir.

Já no caso dos bandidos da Lava Jato, somos portadores da infeliz notícia de que seus familiares continuam jantando nos restaurantes mais caros de Miami ou que continuam frequentando os cursos mais caros de Londres. E nem é preciso ir tão longe: o ex-presidente e atual senador Fernando Collor ganhou de presente do Supremo o direito de guardar os automóveis de luxo de origem duvidosa. Os juízes só esqueceram que o ditado autoexplicativo nos ensina que cabrito não pode guardar horta. Logo ali ao lado, no balneário de milionários conhecido como Angra dos Reis, o ex-diretor Pedro Barusco fuma seu charuto à beira-mar. Seus familiares devem estar navegando em algum iate pelas 365 ilhas de Angra.

Pergunta-se: esse dinheiro do qual se utilizam as famílias no exterior terá saído do Brasil, mesmo após a explosão dos escândalos? A Receita Federal terá conhecimento dessas movimentações financeiras? Ou os ladrões continuam em constante flagrante de crime, operando ilegalmente lá fora para fazer mais dinheiro e, simultaneamente, respondendo a processos e acusações aqui dentro? Como explicou o advogado Marcelo Itagiba, em entrevista recente ao Jornal do Brasil, ao contrário do ladrão de galinhas, que roubou uma única vez e não pode mais prover a família porque está na cadeia, há evidente sinal de que os ladrões da Lava Jato estão incorrendo em crime permanente por manter as contas no exterior.

“Quem pratica crime, e está praticando crime, tem que ser levado para a delegacia e ser autuado em flagrante pela prática do crime. Quem toma conhecimento da existência do crime, se não age, prevarica”, explica, da maneira mais clara, Itagiba. “A pessoa em ‘estado flagrancial’ tem que ser conduzida para uma delegacia e autuada. No caso de um parlamentar, teria que ser apresentado ao presidente da Casa. Quando se trata do presidente desta, é apresentado ao vice”, informa a reportagem do JB.

Ainda nos atendo ao paralelismo entre ladrões de valores vultosos e ladrões ordinários, cabe um último questionamento: um homem que assalta um cidadão e rouba seu telefone celular pode receber pena de reclusão de quatro a 10 anos, está na lei. Não seria justo, então, que a pena para esses criminosos da Lava Jato se multiplicasse por 200 milhões, que vem a ser a população brasileira e, consequentemente, o número de pessoas lesadas por esses dilapidadores do bem público? (Jornal do Brasil)