A Federasul pede unidade de ação

A Federasul pede unidade de ação

Economia Notícias

Unidade de ação é a primeira grande revolução que precisamos neste Estado, disse a presidente da Federasul, Simone Leite, na abertura do Congresso da entidade, nesta sexta-feira (07), em Canela. “Chega de nos dividirmos por questões menores, interesses específicos, questões que no final do dia não nos constroem e que nos distanciam do que podemos e precisamos ser”. Presente na abertura, o governador José Ivo Sartori, pediu “para unir forças em favor de um Estado mais eficiente, um Estado para todos e não para alguns, um Estado para a sociedade e não para si mesmo”.

Para uma plateia composta por mais de 300 empreendedores e líderes empresariais Simone Leite sugeriu ação verdadeira, trabalho conjunto para a retomada do protagonismo e declarou que a Federasul se propõe a ser o elo indutor para ajudar a construir o Rio Grande que tanto queremos.

O governador, utilizando o slogan do Congresso da Federasul, “Liderar e Transformar” disse que o Estado está no meio da travessia “e a continuidade desse trajeto depende de líderes consistentes e com espírito transformador”. Ele lembrou que “desde o começo do nosso governo, eu sabia que havia chegado a hora de fazer um profundo processo de modernização do Estado”.

Sartori falou ainda das medidas tomadas como o decreto de contingenciamento dos gastos, das mudanças estruturais feitas no Estado e afirou que fez o que precisava ser feito sem pensar na próxima eleição. “Era hora de pensar na próxima geração”, enfatizou.

Já, o presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), George Pinheiro, destacou a importância da participação empresarial nas decisões políticas e afirmou que os verdadeiros empreendedores “somos nós que trabalhamos diariamente apesar de tudo, gerando emprego e riqueza  para ao País”.

Cooperativismo no cenário nacional e regional

Representantes do SESCOOP falarão sobre a força desse sistema econômico no Tá na Mesa da próxima quarta-feira (28)

O poder da parceria a partir do cooperativismo nacional será o tema do Tá na Mesa desta quarta-feira (28). Dois especialistas no assunto são os convidados da Federasul. O presidente da OCERGS (Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul), Vergílio Perius, para falar sobre o cenário atual, as oportunidades do setor e divulgar novos números, e o presidente do Sistema CNCOOP – SESCOOP, Márcio Lopes de Freitas, que mostrará as cooperativas no cenário nacional.

 

TÁ NA MESA

PALESTRANTE:  Vergílio Perius, presidente da OCERGS – SESCOOP/RS, e Márcio Lopes de Freitas, presidente do Sistema CNCOOP – SESCOOP Nacional
TEMA: “O Cenário do Cooperativismo”
QUANDO: quarta-feira, dia 28 de junho de 2017, 12h
ENDEREÇO: Largo Visconde de Cairu, 17, no Centro de Porto Alegre

Presidente da OAB/RS defende fim do foro privilegiado e convoca entidades para liderar recuperação do Estado

Presidente da OAB/RS defende fim do foro privilegiado e convoca entidades para liderar recuperação do Estado

Destaque Direito Economia Poder Política

Breier fez uma explanação em defesa do futuro do Brasil a partir da reação da sociedade civil e das entidades. Reforçando a necessidade da política para uma nação democrática e destacando que existem políticos capacitados e qualificados, o presidente da Ordem gaúcha lembrou que a história prova a repetição de más gestões no Poder Público e a instabilidade de governos. Após fazer uma rápida evolução histórica sobre a conquista de liberdades pela sociedade brasileira, o presidente da OAB/RS lembrou que, simbolicamente, a população ainda segue escravizada, pois não alcançou na plenitude garantias contidas na Constituição de 1988, especialmente nas áreas de educação, saúde e segurança pública. “Foram 388 anos de escravidão, mais 21 anos de ditadura. São períodos em que as pessoas baixavam a cabeça, não tinham senso crítico. Essa é uma questão cultural que precisa ser superada”, mencionou.

30_24310_58f7cbb1c1072
Breier defendeu o o fim de foro privilegiado para políticos.

Breier lembrou a cultura do Estado assistencialista, onde as pessoas parecem precisar do Estado para tudo. “Estamos vivendo uma crise imensa de credibilidade. Estamos com os poderes Executivo e Legislativo ruindo. Temos de acreditar no Poder Judiciário. Eu acredito. Não podemos permitir que esse poder enfraqueça ou nosso caminho para uma democracia sólida será perdido. Também não queremos um Judiciário de exceção, mas também não pode ser desacreditado”, lembrou.

O presidente fez questão de abordar um dos temas mais comentados na atualidade: o fim de foro privilegiado para políticos. “Temos alguns nomes buscando a reeleição para garantir esta proteção”, frisou. “Temos de superar a questão do foro privilegiado. Temos um despacho do ministro Barroso (ministro do STF Luis Roberto Barroso) que fala na restrição do foro, sendo aplicado apenas em casos de acusações por crimes cometidos no cargo. Este é um caminho”, completou.

Breier fez uma convocação para as eleições de 2018. Na visão dele, as entidades precisarão informar a sociedade com campanhas intensas e de longo alcance. “Estas campanhas devem partir da sociedade civil e das entidades. Não podemos deixar que os partidos façam isso sozinho”, destacou, lembrando a campanha apoiada pela OAB: “Voto não tem preço, voto tem consequências”. “Temos de levar muita informação do que está ocorrendo e como isso pode mudar. Reitero: temos bons políticos, mas o sistema está viciado e não quer mudar. A liberdade sonhada pela população passa por esse novo momento”, sublinhou.

A liderança da OAB/RS destacou que a sociedade precisa buscar novos representantes. Esta fala foi elogiada pela presidente da Federasul, Simone Leite, que lembrou a importância do setor produtivo se envolver com questões da política e até mesmo dos partidos. “Vejo que nossas entidades têm um alinhamento. Temos de deixar de lado esse silêncio e não discutir assuntos que afetem nossas vidas”, comentou Simone. “Nossa entidade é extremamente democrática. Aprovações importantes passam pela avaliação do conselho”, finalizou Breier.

Federasul: Com atitude as mulheres chegam onde quiserem. Programação com seis convidadas encerra as programações do mês da mulher

Federasul: Com atitude as mulheres chegam onde quiserem. Programação com seis convidadas encerra as programações do mês da mulher

Comportamento Destaque Negócios Poder Política

As palavras determinação e atitude definem a trajetória de seis profissionais que revestidas pela ousadia reafirmam a certeza de que “lugar de mulher é onde ela quiser”. O tradicional ”Tá na Mesa” da Federasul deixou de lado, nesta quarta-feira (29/03), as discussões sobre política e economia do Estado e do Brasil para encerrar o mês da mulher com um tema voltado às tendências de comportamento. No palco a empresária e cientista política, Karin Misculin, a empresária rural, Beth Cirne Lima, a médica e chefe do setor de pesquisa do Hospital de Clínicas, Patrícia Prolla, a jornalista Kelly Mattos, a chef churrasqueira, Clarice Chwartzmann e a vereadora e ex-comandante da Brigada Militar, Nádia Gerhard, relataram experiências de vida e mostraram o que pensam sobre o futuro do universo feminino.

Ao dar as boas-vindas às convidadas, a presidente da Federasul, Simone Leite, ressaltou que o espaço da entidade é de todas as mulheres gaúchas e destacou que com entusiasmo e coragem é possível a presença feminina em todos os ambientes profissionais. Simone, que é a primeira mulher presidente da Federasul em 88 anos de história, ponderou: “somos o resultado das nossas escolhas e temos que ir em frente”.

Mesmo nos ambientes em que os homens ainda aparecem como maioria, as mulheres protagonizam com sua presença avisou a empresária rural, Beth Cirne Lima, embora com participação ainda baixa no agronegócio. Segundo Beth, elas são 13% dos agricultores. Destas 88% são independentes e 60% possuem ensino superior. “Mas ainda temos que conviver com muito preconceito. Mais de 70% das mulheres relatam experiência de discriminação por questão de gênero”, revelou. Assim como no agronegócio, na política elas também estão em minoria. A presença da mulher nos espaços políticos fica na marca dos 10% conforme informou a empresária e cientista política Karin Miskulin. Para ela, a receita para reverter o quadro está na capacidade que cada mulher tem de descobrir o seu caminho e ousar nas suas atitudes. “ Fiz de tudo para conquistar minha independência e inclusive apendi muito com os homens”, frisou.

A presença da mulher que ainda é baixa na política, não intimida a atuação da vereadora, Nádia Gerhard, que após mais de 20 anos na Brigada Militar foi escolhida a primeira mulher a assumir o comando de um batalhão de policiamento, em Estrela. “O olhar feminino e o masculino se completam e fazem com que os resultados sejam aprimorados”, sugeriu ela. A combinação entre homens e mulheres também temperou ao programa Sala de Redação, da rádio Gaúcha. No tradicional espaço masculino, os debates esportivos ganharam a sensibilidade da voz da jornalista Kelly Mattos. “Não queremos ser melhores do que ninguém. Queremos ser iguais”, defendeu ela ao comentar que o melhor caminho é o respeito entre os gêneros “já que vivemos em um período de intolerâncias”, completou.

A sensibilidade feminina também é o impulso para a coragem de mudar os rumos da vida. Ao chegar aos 50 anos a publicitária e agora chef churrasqueira, Clarice Chwartzmann, descobriu que lugar de mulher também é perto do fogo e que elas podem “orquestrar” com maestria um belo churrasco. “Enfrentei preconceito, mas isso não paralisou a minha vontade de exercer influências no mundo”, disse ela que hoje ministra cursos sobre a melhor forma de elaborar um churrasco para turmas de mulheres. A experiência em breve vai se tornar um livro e uma exposição. Diante de tantas escolhas, a mulher assumiu a tarefa de “inspirar” as pessoas aconselhou a chefe do setor de pesquisa do Hospital de Clínicas, Patrícia Prolla. Para ela, daqui para frente, as conquistas do universo feminino devem ser compartilhadas com maior frequência nos ambientes profissionais, familiares e nas rodas de amigos. “Não é fácil sair do padrão. Para acabar com o preconceito temos que replicar as experiências positivas e inspirar as novas gerações”, finalizou.

Francisco Turra aponta rumos do agronegócio com o novo momento econômico do país

Francisco Turra aponta rumos do agronegócio com o novo momento econômico do país

Agenda Agronegócio Destaque Economia Negócios Plano Safra Poder Política Porto Alegre

 

O presidente-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra será o palestrante na reunião-almoço Tá na Mesa, promovido pela Federação das Associações Comerciais e de Serviços do Rio Grande do Sul (Federasul), nesta quarta-feira, dia 26 de outubro, O ex-ministro da Agricultura mostrará as chances de crescimento e as oportunidades que despontam no agronegócio com retomada da credibilidade do Brasil por investidores. Na ocasião, ele também receberá, ao lado de outros líderes do setor, o Prêmio Vencedores do Agronegócio, concedido pela Federasul.

Na palestra “Caminhos de valor para o agronegócio: os desafios em um novo momento econômico”, Turra mostrará que o Brasil, responsável por 1,4% das trocas comerciais em todo o planeta, alcança 6,9% do comércio agrícola mundial. Reconhecidamente forte na produção de alimentos, o país pode se destacar ainda mais. Em soja, carne bovina, tabaco e carne de frango, por exemplo, o Brasil é o segundo produtor mundial e o primeiro em exportação.

– Na contramão de números negativos, como desemprego e queda do PIB no ano passado, o agronegócio segue em crescimento – afirma Turra. – O agro representou 46% da balança comercial em 2015, a maior participação da história – acrescenta.

No Tá na Mesa, Turra vai abordar o cenário econômico atual e fazer uma reflexão sobre o papel do agronegócio, além de apontar as perspectivas positivas das exportações de proteínas. No segmento da carne de frango e suína, o presidente da ABPA enfatizará que o Brasil é reconhecido pelo qualidade e sanidade da produção, o que facilita a conquista de novos mercados.

Por meio de números, Turra vai demonstrar que o crescimento populacional e a alta correlação entre renda per capita e consumo de proteína animal apontam para o crescimento na demanda mundial.

– O destaque é para o consumo de frango, que deve aumentar a uma taxa acima da carne suína e bovina, gerando aumento de demanda de 23 milhões de toneladas de carne de frango e 15 milhões de toneladas de carne suína até 2024 – projeta.

Atualmente, os países que mais consomem proteína animal são a China, o grupo da União Europeia, os EUA e o Brasil. Juntos, representam mais de 65% da demanda mundial. Somente a China é responsável por 30%. Até 2024, o consumo deve aumentar na maioria dos países, com destaque para Índia e Brasil. Os demais países em desenvolvimento também devem ter o consumo estimulado.

Como pontos a melhorar, Turra apontará na palestra obstáculos que emperram o avanço do campo, prejudicando também a geração de receitas e de emprego, como regulação tributária, infraestrutura, leis trabalhistas, impostos e burocracia. O desafio brasileiro, enfatiza o presidente da ABPA, é melhorar a competitividade. O isolamento comercial, medido pelo baixo número de acordos comerciais, também deixa o país para trás na comparação com outros exportadores.

Reunião-almoço Tá na Mesa

Palestrante: Francisco Turra, presidente-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e ex-ministro da Agricultura

Tema: “Caminhos de valor para o agronegócio: os desafios em um novo momento econômico”

Quando: quarta-feira, dia 26 de outubro de 2016

BRDE prevê maior investimento em energia limpa em 2016. Segmento já conquistou financiamento de R$150 milhões e outros R$300 milhões estão em análise

BRDE prevê maior investimento em energia limpa em 2016. Segmento já conquistou financiamento de R$150 milhões e outros R$300 milhões estão em análise

Agenda Agronegócio Cidade Destaque Direito Economia Poder Política

 

O setor de energia foi o que mais buscou crédito junto ao Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), no primeiro semestre de 2016. O primeiro contrato assinado foi de R$150 milhões e outros R$300 milhões estão em análise para serem liberados neste segundo semestre. No “Tá na Mesa” da Federasul, desta quarta-feira (21/09), o presidente da instituição fomento, Odacir Klein, revelou que os financiamento foram destinados para construção de parques eólicos e para pequenas centrais hidrelétricas.

21/09/2016 - Porto Alegre, RS - Tá na Mesa - FEDERASUL - FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS E SERV RS. Odacir Klein, Diretor-Presidente do BRDE, fala  sobre o tema: "Financiando os Desafios para o Desenvolvimento", nesta quarta-feira (21). Foto: Itamar Aguiar/Agencia Freelancer/Divulgação.
Tá na Mesa – Foto: Itamar Aguiar/Ag Freelancer

Ainda para este ano, o banco dispõe de R$3,3 bilhões para serem investidos no fomento e estimular a economia na região sul do Brasil, sendo deste valor R$1,1 bilhão destinado a cada estado. Até o momento um pouco mais de R$1,8 bilhão foram contratados no primeiro semestre. “O valor é expressivo e significativo para alavancar a economia”, disse o presidente ao completar que “o caminho é pedregoso, mas o veículo é bom”.

Klein também comentou que a taxa de inadimplência do BRDE ficou na casa dos 2,44% na região e que no sistema nacional o número chegou a 3,51%. “A título de tributação recolhemos para a União 49,6% do faturamento”, contou. Neste ano a média de recursos liberados por operação é de R$414 mil e foram empregados nos setores da agropecuária, indústria, comércio e serviços e em infraestrutura.

A instituição também busca novas fontes de recursos e estão no horizonte parcerias com o Banco da América Latina, Agência Francesa de Desenvolvimento e com o Banco Europeu de Desenvolvimento, além de operação com Caixa Econômica Federal. Atualmente o BRDE possui 564 colaboradores, mais de 34 mil clientes ativos, R$12,8 bilhões em operações de crédito e um patrimônio líquido avaliado em R$2,4 bilhões.

Porto Alegre: Reunião encaminha parceria entre entidades empresariais e a Brigada Militar

Porto Alegre: Reunião encaminha parceria entre entidades empresariais e a Brigada Militar

Cidade Destaque Poder Política Porto Alegre Segurança Turismo

Foi encaminhada, nesta quinta-feira (15/09), parceria entre entidades empresariais e a Brigada Militar, com o objetivo de unir esforços para contribuir com a atuação da polícia. As entidades manifestaram interesse em trabalhar em conjunto e colaborar com as necessidades do efetivo. O encontro foi uma continuidade das ações em benefício da segurança pública do estado. Na terça-feira (13), as entidades encontraram com o secretário de Segurança Pública do RS, Cezar Schirmer, para declarar apoio à instituição. “Também queremos ser porta-vozes da Brigada Militar e suas necessidades, como forma de apoio a sua atuação”, ressaltou o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse.

agenda-bm2Uma das ideias é a criação de um comitê permanente com a participação da Brigada e representantes das categorias para discussão de ações efetivas. O Comandante-Geral da Brigada, Cel. Alfeu Freitas Moreira, destacou a importância da participação da Sociedade Civil Organizada na construção de convênios, como a Operação Avante. Ele apontou como exemplo, a necessidade de mais eficiência na comunicação e a carência de tecnologia. “Podemos construir projetos que atendam essas necessidades”.

O presidente do Sindicato de Hospedagem e Alimentação de POA e Região, Henry Chmelnitsky, fez questão de reforçar que as entidades empresariais estão juntas com a Brigada para construir soluções que se transformem em medidas para a sociedade. “Para sermos mais eficazes, a ideia é implantarmos as ações, em um primeiro momento, de Porto Alegre e Região”.

Ficou acertado que uma nova reunião será agendada para que seja definido de que forma as entidades poderão atuar para contribuir. “Queremos identificar uma necessidade da Brigada Militar que possa ser encampada e suprida pelas nossas entidades para fortalecer a segurança pública”, completou o presidente da CDL POA, Alcides Debus.

Fazem parte da iniciativa as entidades que integram o Fórum Permanente da Segurança Pública: Sindha, Sindilojas Porto Alegre, CDL POA, Setcergs, Sinepe/RS, SHPOA, Secovi, Fecomércio, Sindiótica, ACPA, Federasul, Agas, FCDL-RS, CRC-RS, OAB RS, Sindigêneros RS, Ajorsul, Sescon-RS, Porto Alegre Convention & Visitors Buerau, Lide, Sinprofar RS, IEE, Sincodiv RS, Fenabrave, Sicopeças, Sinprofar e Sindiatacadistas.

Congresso da Federasul começa nesta sexta-feira, em Canela. Com o tema Unir para Vencer a entidade vai discutir as prioridades da classe empresarial do Estado

Congresso da Federasul começa nesta sexta-feira, em Canela. Com o tema Unir para Vencer a entidade vai discutir as prioridades da classe empresarial do Estado

Agenda Destaque Direito Poder Política

Mais de 200 líderes empresariais do Estado estarão em Canela neste final de semana para participar de uma pauta de prioridades para a economia gaúcha. O 12º Congresso da Federasul abre nesta sexta-feira (09), às 19h, com uma programação voltada para a busca de alternativas ao Estado e aos negócios. Painéis e debates sob medida vão detalhar os temas eleitos pela diretoria da entidade que pretende traçar um diagnóstico e apontar as saídas para o desenvolvimento.

O convidado para abrir o Congresso é o presidente da Stara, Gilson Trennepohol, que vai apresentar o case de sua empresa – “Como uma empresa do interior do RS conquistou o mundo”. Também com presença confirmada, o presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), George Pinheiro.

14249324_1800601566825505_13188796_n
Fernando Schüler
14249100_1800601580158837_1239597152_n
Aod Cunha

No sábado, pela manhã (10h15min), três secretários de Estado (Fábio Branco, do Desenvolvimento, Econômico, Ciência e Tecnologia; Cristiano Tatsch, do Planejamento, Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Pedro Westphalen, dos Transportes), vão abordar o tema “O Rio Grande que Queremos”. Também o economista Aod Cunha e o cientista político Fernando Schüler estarão no painel Cenários e perspectivas do Rio Grande do Sul e do Brasil, às 9h.

Ainda na programação, os sete cases de sucesso das Associações Comerciais filiadas à Federasul. No encerramento será lida a Carta de Canela – documento final que enfatiza as posições da entidade – seguida pela palestra de Ademar Schardong, presidente do Instituto Brasileiro de Executivos

O Congresso da Federasul pretende debater e buscar as soluções, informar e oportunizar a troca de experiência entre os participantes (a maioria do interior do Estado), sempre com o foco no fortalecimento do associativismo. “Vamos levar para o centro das discussões as principais pautas regionais”, afirmou a presidente da Federasul, Simone Leite, ao destacar a integração e envolvimento da entidade com as demais Associações Comerciais do interior do RS.

Produção de micro e pequenas empresas vai chegar ao exterior. Argentina deve ser a primeira a selar  acordo binacional

Produção de micro e pequenas empresas vai chegar ao exterior. Argentina deve ser a primeira a selar acordo binacional

Destaque Negócios Poder Política

O desafio é ultrapassar as fronteiras do Brasil ao levar a produção das Micro e Pequenas empresas aos países do Mercosul. Na proposta inicial do presidente do Sebrae Nacional, Afif Domingos, as primeiras exportações devem acontecer para a Argentina por meio do projeto batizado como Simples Internacional, que estabelece regras para o livre mercado e a parceria binacional. “Os governos de ambos os países demonstraram entusiasmo e grupos de trabalho estão atentos ao ajuste das regras”, contou ele, no “Tá na Mesa” da Federasul, nesta quarta-feira (24/08).

O programa, que volta à pauta do Congresso Nacional a partir de outubro, pretende simplificar a cobrança de impostos para alavancar as negociações com conversão direta em moeda local. Além de reduzir a tributação, a intenção é facilitar para as MPE o trâmite de exportação com a criação de procedimentos simplificados para a habilitação de empresas, licenciamento, despacho aduaneiro e câmbio.

Segundo o Sebrae, dados preliminares apontam que do universo de 95% das pequenas e médias empresas brasileiras, apenas 1% trabalham com exportações. Portanto, a proposta, que parte de uma brecha aberta na lei do Simples Nacional que criou a figura do operador logístico internacional, reduz os entraves impostos pela burocracia e incentiva a ampliação das relações. “Temos certeza que o resultado vai impulsionar as duas economias”, afirmou Afif Domingos, ao comentar que já conhece o esforço do governo do Rio Grande do Sul em “pular a fronteira” e criar métodos para que a produção local chegue até os países vizinhos.

Outro avanço destacado pelo presidente Nacional do Sebrae é a ampliação do prazo de parcelamento de dívidas bancárias e tributárias. A facilitação estende o número máximo de prestações de 60 para 120 meses. “As Micro e Pequenas são as primeiras a responderem quando a economia ganha fôlego”, disse. Afif ainda falou sobre a redução de faixas do Simples Nacional e os incentivos para as empresas anjos que adotam as startups. “Temos que criar alternativas para as empresas nascerem, crescerem e sobreviverem no mercado”, finalizou Afif.

 

Afif Domingos fala na Federasul

Afif Domingos fala na Federasul

Negócios Notícias

O próximo palestrante do “Tá na Mesa”, nesta quarta-feira (24/08), é o presidente do Sebrae Nacional, Guilherme Afif Domingos. Ao falar sobre “Simples Internacional: eliminar as fronteiras para alcançar novos mercados”, o convidado da Federasul vai apresentar as linhas estruturantes da sua gestão que tem como base a construção de políticas públicas para as micro e pequenas empresas, a busca da desburocratização e do acesso ao crédito e o aperfeiçoamento da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa.

TÁ NA MESA

PALESTRANTE: presidente do Sebrae Nacional, Guilherme Afif Domingos

TEMA: “Simples Internacional: eliminar as fronteiras para alcançar novos mercados”

QUANDO: quarta-feira, dia 24 de agosto de 2016, 12h

ENDEREÇO: Largo Visconde de Cairu, 17, no Centro de Porto Alegre