TV: SBT RS tem o melhor mês de maio desde 2008; da Coluna do Nenê

TV: SBT RS tem o melhor mês de maio desde 2008; da Coluna do Nenê

Comunicação Destaque Porto Alegre Tecnologia Trabalho Vídeo
O SBT marcou excelentes índices e apresentou o melhor mês de maio desde 2008. Na média das 24 horas, o SBT é vice-líder pelo 11º mês seguido. A emissora obteve a maior média dos últimos 113 meses, desde dezembro de 2008. Em maio teve um crescimento de 14% e marcou 4,6 pontos, contra 3,9 da terceira colocada e 15,8 da primeira.

No período matutino, no ar das 6h às 12h, a emissora cresceu 14%, comparando ao mês de abril, e conquistou a vice-liderança pelo 18º mês consecutivo. Marcou 4,1 pontos, contra 3,1 da terceira colocada e 9,0 da primeira. No período da tarde, o SBT cresceu 15% comparando com o mês anterior. Foi a maior média desde agosto de 2008. Em maio, cravou 6,0 pontos, contra 5,7 da terceira colocada e 16,6 da primeira.

Já na faixa noturna, o SBT manteve a vice-liderança pelo 11º mês consecutivo. Cresceu 11% em relação ao mês anterior, atingindo a maior média desde agosto de 2016. Em maio, marcou 5,9 pontos, contra 5,5 da terceira colocada e 31,2 da primeira.

A emissora permanece na vice-liderança na faixa horária da madrugada, das 24h às 30h. Nesta faixa, o SBT cresceu 17% em relação à abril de 2018. No mês de maio, obteve 2,6 pontos, contra 1,4 da terceira colocada e 6,3 da primeira colocada. Foi sua maior média desde agosto de 2013. Vale lembrar que, em maio de 2018, a emissora atingiu 3,2 milhões de telespectadores.

Na programação local, os destaques do mês foram:

– Anonymus Gourmet conquistou a vice-liderança isolada com 6,6 pontos, contra 4,0 da terceira colocada e 21,9 da primeira. O programa obteve um crescimento de 19% comparado ao mês de abril. O Anonymus alcançou 618 mil telespectadores neste mês.

– O Masbah! registrou a maior audiência desde a sua estreia. Manteve a vice-liderança com 6,7 pontos, contra 1,8 da terceira colocada e 24,4 da primeira. O programa atingiu, em maio, 665 mil telespectadores.

– SBT Rio Grande 2ª edição alcançou 865 mil de telespectadores no mês de maio e obteve 4,1 pontos de audiência.

– Já o SBT Rio Grande deu um banho na concorrência e obteve um crescimento de 12%, marcando 6,5 pontos, contra 5,1 da terceira colocada e 17,7 da primeira. O jornal alcançou 1,5 milhão telespectadores em maio.

– O SBT Esporte cresceu 15% no mês de maio e cravou 5,8 pontos de audiência.

(Coluna do Nenê/Nenê Zimmermann)

Brasil está indo tão bem ou melhor do que no governo Lula, diz Meirelles; por Elizabeth Lopes/ Broadcast Estadão

Brasil está indo tão bem ou melhor do que no governo Lula, diz Meirelles; por Elizabeth Lopes/ Broadcast Estadão

Destaque Economia Entrevistas Poder Política Sartori Vídeo

Entrevista completa do Ministro Henrique Meirelles ao programa Agora/Rádio Guaíba, com Felipe Vieira.

 

 

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quarta-feira. 13, em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul, apostar na vitória de um candidato, nas eleições presidenciais do ano que vem, que priorize uma agenda de mudanças modernizantes na economia brasileira, mudanças que gerem emprego, reduzam a inflação e juros, melhorem a qualidade de vida da população, foquem nas reformas necessárias que o País precisa e fujam das bandeiras populistas.

Indagado se seria este candidato, já que vem pregando pelo País, como condutor da economia brasileira, um discurso baseado nessas premissas, Meirelles voltou a dizer que tomará uma decisão a esse respeito apenas entre final de março e começo de abril do próximo ano.

“Agora é foco total na economia, gosto de olhá-la com números e estamos na direção certa”, destacou Meirelles na entrevista. Ao falar de suas ações para a criação empregos, manutenção da inflação e juros em níveis mais baixos e consolidação do crescimento, ele disse que a atual agenda econômica é liberal e vem contribuindo para reduzir o tamanho do Estado. “Com o estabelecimento do teto dos gastos públicos, o tamanho governo federal – que já foi superior a 20% – chegará a 15% do PIB.” E disse que isso contribui para muitos avanços, inclusive a redução de impostos. “O brasileiro não aguenta pagar mais imposto; mas agora estamos no caminho certo, da modernização da economia.”

Quesrtionado sobre a possibilidade de disputar o Palácio do Planalto, tendo como concorrente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), de quem foi presidente do Banco Central, Meirelles disse que mantém uma relação cordial e de amizade com o petista, que o convidou pra ser a autoridade monetária de seu governo. Apesar de manter uma relação de amizade com Lula, Meirelles pontuou que os dois têm pontos de vista diferentes. “Não concordo com a atual retórica de Lula”, disse, reiterando que sob sua batuta, o País está voltando ao rumo certo, depois de enfrentar uma das maiores crises de sua história.

O ministro da Fazenda respondeu também como seria uma eventual disputa entre “criatura e criador”, no caso Lula, que o alçou à vida pública como presidente do BC de sua gestão. Meirelles refutou tal comparação e deixou claro que ao ser convidado para integrar a equipe do então governo petista, como presidente do Banco Central, já tinha uma carreira bem consolidada, inclusive a nível internacional. “E quando Lula me chamou, me deu total autonomia para resolver os problemas do País, o que foi bom para ele e para o governo dele, pois sempre respeitou minhas decisões no BC, mesmo não concordando às vezes.” E alfinetou: “Agora o Brasil está indo tão bem ou melhor (do que na gestão de Lula).”

Sobre o debate que estará em pauta no pleito presidencial do ano que vem, Meirelles disse que “é simples”: “Ou vamos manter a presente política que está dando certo, de crescimento e geração de emprego ou vamos voltar atrás em políticas recessivas e gerar desemprego.” E citou que o governo Temer está sob fogo direto da oposição, “o que é normal, faz parte da democracia”. Meirelles aproveitou a entrevista para alfinetar outro potencial concorrente, o deputado Jair Bolsonaro, dizendo que até o momento ele não esclareceu qual será o seu projeto econômico. “Não está clara linha econômica de Bolsonaro, espero que ele coloque isso com clareza.”

Histórias de Paulo Sant’Ana: Dexheimer e revólver em Erechim, a volta para RBS, o Senado, a camisa colorada no Jornal do Almoço

Histórias de Paulo Sant’Ana: Dexheimer e revólver em Erechim, a volta para RBS, o Senado, a camisa colorada no Jornal do Almoço

Destaque Vídeo

Durante o programa da Rádio Guaíba, a repórter Vitória Famer fez registros com várias das personalidades que passaram pela Arena durante o velório de Paulo Sant’Ana. O presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Jr falou sobre o torcedor fanático e a quase candidatura ao senado. Lasier Martins lembrou o dia que Sant’Ana vestiu a camisa do Inter no Jornal do Almoço. Claro Gilberto, recordou a volta para RBS depois de um período na TV Difusora e ainda de uma viagem a Erechim onde Sant’Ana, que como ex-delegado de polícia andava armado, sacou o revólver e colocou embaixo da mesa ao ver o prefeito da cidade, Antonio Dexheimer, suspeito da morte do jornalista e ex-deputado José Antonio Daudt se aproximar de onde estavam.   Confira !!

 

Presidente da OAB se mantém cauteloso ao falar de condução coercitiva de Lula. Claudio Lamachia disse que o ex-presidente e qualquer outro cidadão estão sujeitos às mesmas leis

Notícias Poder Política

 

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, se manteve cauteloso sobre qualquer posicionamento sobre o ato de condução coercitiva do ex-presidente Lula à Polícia Federal no âmbito da Operação Lava Jato e destacou que a lei é clara para todos e que o procedimento ocorre quando uma testemunha se recusa a prestar esclarecimentos à autoridade policial.  Disse que a sociedade não suporta mais essa crise ética e exige posicionamento imediato das instituições.

Em entrevista ao programa Agora, da Rádio Guaíba, Lamachia informou que, em relação a Delcídio do Amaral, pediu em nome do Conselho Federal da OAB para que a entidade tenha acesso a essa ‘suposta’ delação premiada, pois segundo ele o próprio senador deixou a entender que o documento talvez não exista. Disse que se for confirmada a existência do documento, disse que pode se tratar de um atentado contra o estado democrático de direito e as instituições brasileiras.

Lamachia afirmou que não podemos acreditar que delações de extrema gravidade contra Lula e Dilma, além de outros políticos importantes, possam ter sido alvo de ‘vazamento seletivo de informações’. Disse que tão logo tivesse conhecimento desses fatos para examinar tecnicamente este tema, na medida em que a OAB tem a responsabilidade de representar a sociedade brasileira. Disse que precisa de fatos concretos para chamar uma reunião extraordinária do pleno da Conselho Federal da OAB.  Lembrou que após assumir a presidência da entidade, já se manifestou sobre diversos temas de interesse de forma técnica e isenta de paixões partidárias. Ao ser questionado sobre a mobilização pela volta da CPMF, disse que foi realizado ato extraordinário em Brasília com mais de cem entidades da sociedade civil organizada (www.agorachega.com.br) contra a ativação de mais um imposto para buscar no bolso do cidadão mais um sacrifício econômico. (Rádio Guaíba)

Presidente da Fiergs espera que burocracia estatal não prejudique medidas anunciadas pela presidente para estimular economia

Economia Negócios Notícias Poder Política

 

Entrevistei hoje(29.01) o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, Heitor Müller. Ele afirmou que as medidas de crédito anunciadas pelo governo são positivas, mas espera que a liberação dos financiamentos não fique presa na burocracia da máquina do governo. O empresário, que participa do Conselhão disse ainda que na reunião de ontem a presidente demonstrou mais disposição do que o habitual para dialogar.

Economista especialista em finanças pessoais se mostra preocupado com medidas anunciadas pelo governo

Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Poder Política

 

 

Conversei hoje (29.01) no Agora/Rádio Guaíba com o economista Everton Lopes, especilista em finanças pessoais. Ele disse estar preocupado com a notícia de que o governo injetará mais de R$ 80 bilhões na economia. Everton tem dúvidas se os recursos servirão para aumentar o consumo ou para pagar dívidas. Quanto ao uso de recursos do FGTS, destacou que é preciso planejar o endividamento da população para que o país possa sair da crise.

Deputados Onyx Lorenzoni e Henrique Fontana trocam farpas em debate sobre processo de impeachment contra Dilma. Confronto de ideias ocorreu durante o Programa Agora, da Rádio Guaíba

Notícias Poder Política

Os deputados federais Onyx Lorenzoni (Dem) e Henrique Fontana (PT) debateram, no Programa Agora da Rádio Guaíba, a aprovação do pedido de abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, em rito que pode marcar a saída da chefe de Estado do poder. Onix abriu sua participação dizendo que durante muito tempo o presidente da Câmara usou seu cargo para fazer um jogo político para ganhar tempo e minimizar os problemas que enfrenta por suspeição de ter conta secreta no exterior e de ter mentido para uma CPI. “Cunha ficou retardando ilegalmente o processo durante meses para apresentar nesse momento o documento formulado por juristas pedindo a saída de Dilma”, destacou. O parlamentar lembrou que é preciso ter o apoio de 342 parlamentares pelo impeachment, necessitando convencer uma parcela importante da base do governo de que fechou um ciclo político no país.

Henrique Fontana, por sua vez, denunciou a defesa de um posicionamento pelo golpe institucional. “Acho que boa parte da oposição tem compromisso democrático”, destacou. Fontana falou mais uma vez que a presidente Dilma tem uma história de honradez e uma trajetória política ilibada, mas admitiu que muitas pessoas estão desgostosas em relação aos resultados da economia. Destacou que o movimento pela saída de Dilma do cargo poderá causar prejuízos incalculáveis ao país a médio e longo prazo. “Acho que esse movimento não terá legitimidade”, afirmou.

Opinião: STF rejeita habeas corpus para o pai do menino Bernardo. Tá faltando prisão perpétua no Brasil !!

Destaque Direito Educação Opinião

 

 

Estava no carro, quando ouvi na Rádio Guaíba, que o Supremo Tribunal Federal decidiu manter a prisão do médico Leandro Boldrini, um dos acusados pela morte do filho, o menino Bernardo, em abril do ano passado. A sentença da Primeira Turma do STF, por três votos a um, considerou inviável o pedido de soltura do médico preso desde o mês do crime. Conforme a relatora da matéria, ministra Rosa Weber, que já havia negado o habeas em julho, decisões anteriores ratificaram “a existência de indícios suficientes da participação do paciente em conluio com as outras duas corrés nos crimes de homicídio quadruplamente qualificado e ocultação de cadáver praticados contra o próprio filho, menino de 11 anos, e também falsidade ideológica”. Votaram com a relatora os ministros Edson Fachin e Luís Roberto Barrroso. Apenas o juiz Marco Aurélio Mello discordou dos colegas, ao entender que “no caso houve excesso de prazo da prisão preventiva”.

Adorei a decisão. Sei que o ministro Marco Aurélio foi técnico, mas que bom que seus colegas viram outros motivos para manter esse canalha na cadeia. Eu sou contra a pena de morte e na maioria dos casos da prisão perpétua. Mas nesse caso isso pouco importa e também pouco me importa a opinião dos meus amigos advogados criminalistas e defensores dos direitos humanos sobre o que vou escrever. Na minha opinião, Leandro Boldrini merece prisão perpétua. E na minha opinião o principal crime desse desgraçado é falta de amor ao ser humano. O que essas imagens mostram, são o maior crime que um pai pode cometer com um filho. Particularmente, eu gostaria que a condenação dele fosse para toda vida e com um detalhe: o vídeo desta página e outros mostrados pela imprensa brasileira… Rodassem sucessivamente, 24 horas, 365 dias por ano na cela onde esse sujeito de quinta categoria será preso infelizmente por poucos anos. Porque esse m… sairá logo, logo da prisão beneficiado pela maldita progressão de regime. Não vai faltar amigos que me digam, tu defendeu tortura psicológica e isso é abominável. Concordo! Porém, o que fez o pai com o filho não foi tortura? Felipe, tu mesmo cita Gandhi e lembra que se a Lei de Talião for cumprida… acabaremos todos cegos e desdentados. É verdade, cito mesmo. Mas, não é possível que esse sujeito e seus comparsas tenham feito tudo o que fizeram e um dia voltem a conviver em comunidade. Não é possível que o grito do Bernardo possa ser escutado via youtube em qualquer lugar do planeta, mas que rapidamente se cale porque alguém vai dizer: “Ele pagou o que devia a justiça. Foi condenado, cumpriu a pena e reconquistou sua liberdade”. E o Bernardo pergunto eu? Um garoto indefeso, torturado horas e horas, dias e dias, durante anos com a participação de um pai cruel, omisso e covarde. Na minha opinião a lei brasileira é branda e favorece a bandidagem de todas espécies. Por isso, acredito, que em alguns casos deva se deixar de permitir que existam benefícios como a redução da pena. O sujeito foi condenado a 30 anos (pena máxima) cumpra integralmente ou o que seria melhor ainda,  sujeitos como Leandro Boldrini e seus comparsas em crimes hediondos apodrecerem na cadeia cumprindo prisão perpétua.

Para Moreira Franco: “Só não acha que Brasil está com grandes dificuldades quem é demente”. Presidente de Fundação do PMDB diz que legenda não tem participação no agravamento da situação política e econômica do País

Economia Notícias Poder Política

Conversei hoje com o presidente da Fundação Ulysses Guimarães, do PMDB, Moreira Franco. Foi uma boa entrevista, apesar de em determinado momento Moreira Franco reclamar: “Felipe, você insiste em querer me colocar como conspirador”. Entre outras coisas ele me disse que a inflação deve alcançar dois dígitos ainda em 2015. Por isso os peemedebistas estão empenhados em encontrar uma saída para a pior crise econômica que o país já viveu, com a volta da inflação, a corrupção e outros excessos cometidos pelo governo Dilma. Em entrevista ao Programa Agora, da Rádio Guaíba, o dirigente elencou um conjunto de medidas, na proposta intitulada “Uma Ponte para o Futuro”, para restabelecer a capacidade do governo de garantir programas sociais e a qualidade de vida dos brasileiros.

Presidente do TJ/RS considera positiva a obrigação do uso de depósitos judiciais para precatórios

Notícias Poder Política

 

Foto: Ricardo Giusti / CP Memória

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ/RS) considerou positiva a determinação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de que os recursos de saques de depósitos judiciais devem ser destinados prioritariamente para pagamento de precatórios. O desembargador José Aquino Flôres de Camargo destacou, entretanto, que será preciso prudência para cumprir a decisão, devido à crise financeira do Estado.

“Certamente é uma lei que vem em boa hora. Porque estabelece alguns limites e faz vínculos que são muito interessantes. Ainda no governo anterior nossa ideia já era nesse sentido: de que esse uso indiscriminado dos depósitos precisava ter algum vínculo com o retorno para o pagamento da dívida interna. Agora, evidentemente que a situação (financeira) do Estado é conhecida por todos. Nós vamos ter que ter muita prudência. Ver como pode ser aplicado, adaptado. E que evidentemente temos que cumprir a determinação que veio do CNJ. Temos que ter todo um cuidado. Se nós tivermos que determinar que o governador reponha quantias substanciais, vocês podem imaginar. Nós estamos falando aqui de um governador que está juntando tostões para pagar os vencimentos e estamos falando de quantias que chegam a R$ 10 milhões que já foram sacadas de depósitos judicias”, avaliou o presidente do TJ/RS em entrevista ao programa Agora, da Rádio Guaíba, nesta sexta-feira (30).

O CNJ acolheu, na terça-feira (27), um Pedido de Providências da OAB Nacional e concedeu liminar obrigando os Tribunais de Justiça de todo o País a observarem a regra (prevista na Lei Complementar 151/2015) de utilizar preferencialmente os recursos dos depósitos judiciais para o pagamento de precatórios. No Rio Grande do Sul, a principal destinação atual dos depósitos judiciais é o pagamento dos salários do funcionalismo. Em setembro, a Assembleia Legislativa autorizou a ampliação dos saques de 85% para 95%, gerando cerca de R% 1 bilhão a mais de receita ao Estado, que destinou o valor à folha de pagamento do funcionalismo do mesmo mês.

O relator do caso no CNJ, conselheiro Lelio Bentes Corrêa, ordenou ainda que os Tribunais informem as medidas adotadas para a fiscalização do cumprimento dos termos de compromisso em até cinco dias. O TJ/RS ainda não foi notificado, portanto, o prazo ainda não está correndo.

O secretário da Fazenda, Giovani Feltes, não quis comentar o assunto e indicou que o tema é de responsabilidade da Procuradoria Geral do Estado. Esta, por sua vez, emitiu nota afirmando que ainda precisa analisar melhor o tema antes de se manifestar. (Gabriel Jacobsen/Rádio Guaíba)