Porto Alegre: Expoagas 2017 vai movimentar R$ 497 milhões em negócios. Feira acontece de 22 a 24 de agosto, no Centro de Eventos Fiergs

Porto Alegre: Expoagas 2017 vai movimentar R$ 497 milhões em negócios. Feira acontece de 22 a 24 de agosto, no Centro de Eventos Fiergs

Agenda Cidade Destaque Entrevistas Negócios Poder Política Porto Alegre Sartori Tecnologia Vídeo

 

 

 

Projetada para receber varejistas dos mais diferentes portes e de diversos segmentos da economia, a 36ª Convenção Gaúcha de Supermercados – Expoagas 2017 irá congregar 44 mil pessoas ligadas ao varejo, ao setor atacadista, ao segmento produtivo e à indústria no Centro de Eventos Fiergs, em Porto Alegre, entre os dias 22 e 24 de agosto, para a maior feira do setor no Cone Sul. A exposição e o ciclo de palestras, oficinas práticas e visitas técnicas vão oportunizar networking, novas parcerias, qualificação e negócios para toda a cadeia do abastecimento, em um evento cada vez mais voltado para a concretização de negócios: realizadora da Expoagas 2017, a Associação Gaúcha de Supermercados projeta a movimentação de R$ 497 milhões em transações entre visitantes e os 347 expositores somente nos três dias de feira, volume 6% superior ao da edição passada. Tradicional termômetro de vendas para o setor supermercadista gaúcho, o encontro vai oportunizar aos expositores o lançamento de pelo menos 800 novos produtos, equipamentos e serviços que chegarão ao alcance dos consumidores cerca de 15 dias após o encerramento da feira.

Presidente da Agas, o supermercadista Antônio Cesa Longo aposta na qualificação e na diversificação do público visitante para alavancar o crescimento dos negócios desta edição. Segundo ele, a Associação desenvolveu um trabalho de prospecção de novas empresas varejistas para conhecerem a feira, ampliando cada vez mais o leque de setores impactados pela Expoagas – neste ano, as inscrições realizadas até 18 de agosto mais uma vez são gratuitas para supermercadistas e para representantes de padarias, farmácias, bares, restaurantes, lojas de conveniência, açougues, bazares, lojas de 1,99, petshops e hotéis. Os valores para visitantes de outros setores vão variar de R$ 30,00 a R$ 150,00 para os três dias de evento. “Queremos desmistificar a ideia de que a feira é para grandes empresas. O pequeno comerciante que visitar a Expoagas 2017 certamente sairá melhor e mais preparado para os desafios do mercado, seja pelo ciclo de palestras proporcionado no evento ou pelas parcerias comerciais que estarão à disposição na feira”, projeta Longo.

Longo
Antônio Cesa Longo, presidente da AGAS

Participação de gaúchos entre os expositores caiu – Realizada há 17 anos consecutivos no Centro de Eventos Fiergs, a Expoagas 2017 mais uma vez contará com pequenos espaços de 4m² e de 9m², com valores reduzidos, para que pequenos expositores participem. “A feira estava praticamente 100% comercializada há um ano, o que nos deu a tranquilidade de cuidarmos dos detalhes e da programação”, explica o presidente da Agas. Majoritária, a participação de empresas gaúchas entre os 347 expositores é de 72% neste ano, enquanto em 2016 era de 76%. “É um dado que nos preocupa, já que queremos alavancar o crescimento da indústria regional. O varejo só terá um crescimento consistente e sustentável se a indústria e os demais setores também crescerem no mesmo ritmo. Uma economia só é forte se sua indústria for pujante, e por isso fazemos questão de realizar a Expoagas no Centro de Eventos Fiergs, justamente a casa da indústria gaúcha”, sublinha o dirigente. Além de empresas gaúchas, os estandes serão formados por companhias paulistas, catarinenses, pernambucanas, paranaenses, goianas, cearenses e argentinas.

Entre as 347 empresas expositoras, 81,9% já participaram de outras edições da Expoagas. O presidente da Associação comemora, entretanto, uma renovação de 18,1% nos expositores, que estarão estreando no evento nesta edição. “É importante oportunizarmos a cada vez mais empresas este grande palco de negócios e de novas parcerias, já que teremos varejistas de 25 estados da Federação visitando a feira”, lembra Longo. Reflexos das mudanças do setor, dois novos segmentos ganham destaque e aparecem pela primeira vez entre os estandes: em 2017, estrearão na Expoagas expositores dos ramos de eficiência energética e de engenharia. “A feira é um grande espelho das necessidades do setor varejista, cada vez mais atento aos custos e à minimização de desperdícios, sem abrir mão de reformas e inaugurações”, observa Longo. Também ganham destaque entre os expositores as empresas com soluções em segurança, prestadoras de sérvios administrativos e indústrias que apostam em linhas de alimentos com apelo saudável, garantindo aos consumidores a preocupação com sua qualidade de vida e bem-estar.

Na área da tecnologia e equipamentos, softwares que garantem a segurança da gestão e robôs que podem auxiliar no atendimento das lojas estarão novamente em destaque. Empresas fornecedoras de alimentos, materiais de higiene e limpeza, beleza, bebidas e equipamentos seguem, entretanto, sendo majoritárias entre os estandes da Expoagas 2017.

Para fomentar a participação de varejistas do Interior do Estado, a Agas está subsidiando 50% dos custos de viagem para caravanas que contemplarem pelo menos três empresas varejistas. “São 90 núcleos regionais que alugam um ônibus e vêm à feira dos mais diferentes pontos do Estado”, explica o presidente da entidade.

Carro será sorteado entre os compradores – Para estimular que os negócios sejam concretizados durante os três dias da Expoagas 2017, a Agas sorteará seis notebooks e um automóvel HB20 zero quilômetro entre os visitantes que efetuarem pelo menos R$ 1 mil em compras junto aos expositores. “Muitas negociações são levantadas na feira e concluídas posteriormente. Os sorteios são incentivos para que o fechamento das transações ocorra já durante o evento”, justifica Longo.

Prêmio aos estandes mais destacados é uma das novidades – Em uma iniciativa inédita na história do evento, a Agas concretizou uma parceria com a Popai Brasil para premiar os expositores que mais criarem diferenciais para atrair os visitantes durante os três dias da Expoagas 2017. Serão agraciados os três melhores estandes nas categorias Melhor design de estande, Melhor ação promocional e Melhor exposição de produtos, subdivididos nas classificações Médio Porte (até 50 m²) e Grande Porte (mais de 50 m²). Para a avaliação dos destaques, cada participante terá seu estande visitado por uma comissão de jurados no primeiro dia da Expoagas. Este comitê julgador deverá atribuir, baseado nos critérios referidos e nas categorias escolhidas, notas de zero a dez. A somatória das notas dará a pontuação final do participante e determinará a sua classificação e premiação. No segundo dia da Expoagas, os estandes mais bem classificados serão marcados como finalistas e receberão a informação sobre a divulgação da premiação, que será entregue às 20h30 do dia 24 de agosto, após o sorteio do automóvel entre os compradores do evento.

 

Inscrições:

Até 18 de agosto em www.agas.com.br

Varejista – Gratuito

Fornecedor Sócio Agas – R$ 30,00

Fornecedor não sócio Agas/ Visitante – R$ 150,00

 

Após 18 de Agosto – Na secretaria do evento

Varejista sócio Agas – R$ 30,00

Varejista não sócio Agas – R$ 80,00

Fornecedor sócio Agas – R$ 50,00

Fornecedor não sócio Agas/ Visitante – R$ 150,00

Indústria gaúcha entra 2017 mais confiante que nos dois anos anteriores. Setor não exibia otimismo em um início de ano desde 2014

Indústria gaúcha entra 2017 mais confiante que nos dois anos anteriores. Setor não exibia otimismo em um início de ano desde 2014

Agronegócio Cidade Destaque Economia Negócios Poder Política Porto Alegre Tecnologia

O setor produtivo gaúcho virou o ano demonstrando maior otimismo. O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) nesta segunda-feira, subiu de 50,5 para 51,7 pontos entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017. É o maior nível de confiança para o mês nos últimos três anos. Para o presidente da Fiergs, Heitor Müller(foto), o resultado mostra que a confiança da indústria passa por um processo de acomodação, embora ainda em um nível baixo, um pouco acima dos 50 pontos. A escala vai de 0 a 100. Quanto mais os valores estiverem acima de 50, maior o otimismo e quanto mais abaixo, maior o pessimismo.

No entanto, em janeiro os empresários gaúchos percebem piora na situação dos negócios em comparação com os últimos seis meses. Isso é revelado pelo Índice de Condições Atuais, que recuou 0,6 ponto na margem e começou 2017 com 45 pontos. Em janeiro de 2016, porém, a situação era ainda pior, e o índice era de 30. Os índices da economia brasileira e das empresas mudaram pouco, caindo, respectivamente, de 41,6 para 41,2 pontos e de 47,6 para 47 na passagem de dezembro de 2016 para janeiro de 2017.

“Embora seja comum para o começo do ano, a maior confiança reflete a percepção dos empresários gaúchos de que há uma política econômica mais eficiente, que pode levar à melhora do quadro fiscal e à redução da inflação e dos juros, além de um empenho do governo para encaminhar as reformas estruturais”, comentou Müller.

Já o indicador de expectativas para os próximos meses passou de 53,1 pontos em dezembro para 55 em janeiro. A indústria gaúcha não exibia otimismo em um início de ano desde 2014 (54,7 pontos). O índice foi puxado, principalmente, pelo item relativo à própria empresa, que passou de 56,4 para 58,1 pontos. No mesmo sentido, a expectativa com a economia brasileira teve uma expansão de dois pontos: de 46,8 para 48,8 no mesmo período, mas permanece no campo negativo. (Rádio Guaíba)

RS: Queda do PIB gaúcho de 2016 é de 3,2%. Para Fiergs indústria é decisiva para retirar a economia da crise

RS: Queda do PIB gaúcho de 2016 é de 3,2%. Para Fiergs indústria é decisiva para retirar a economia da crise

Destaque Poder Política

A atual capacidade ociosa nas linhas de produção, os baixos níveis de estoque e a força exportadora colocam o setor industrial em uma posição decisiva para retirar a economia brasileira da atual crise sem precedentes na história do País. A afirmação foi feita pelo presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS/CIERGS), Heitor José Müller, durante a entrevista coletiva de Balanço 2016 e Perspectivas 2017, nesta terça-feira (6), na sede da entidade. Ele defendeu a urgência do início de um movimento sustentado de reindustrialização no Brasil, a partir de políticas governamentais simplificadoras da gigantesca burocracia nacional e de acesso ao crédito com programas que incentivem um novo ciclo de investimentos privados. Juntamente com medidas de concessões e privatizações, ainda há tempo de começar a reverter os números negativos e cenários preocupantes para o próximo ano, reforçou Müller. “Precisamos pensar em oxigenar a economia brasileira, por meio de medidas pontuais. A começar pela enorme carga burocrática. Não é apenas a questão tributária, é a burocracia exagerada também”, afirmou o presidente.
O Balanço 2016 e Perspectivas 2017 foi um trabalho elaborado pela Unidade de Estudos Econômicos (UEE) da FIERGS. Aponta para a possibilidade de um lento início de processo de reabilitação da economia brasileira a partir do próximo ano.  “A indústria de transformação tem perdido participação no PIB nacional. Atualmente, com 9,8%, é a menor desde 1947”, alertou o economista-chefe da FIERGS, André Francisco Nunes de Nunes. Esta demorada recuperação se dará, especialmente, pelas taxas de crescimento, que serão tímidas nos primeiros trimestres de 2017. Mas, para a FIERGS, se a melhora no ambiente para trabalhar e empreender, a busca pelo equilíbrio das contas públicas e o controle da inflação persistirem, o Brasil pode ingressar em um novo ciclo de expansão nos próximos anos.
Segundo a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, diferentemente das crises anteriores, a atual não foi provocada por choques negativos de eventos ocorridos no exterior. Portanto, a saída passa pela melhora dos fundamentos internos, incluindo a crise política. “O grande problema é a incerteza. Cada empresário faz a sua análise, aí não investe, não cresce, falta confiança. Não há previsão para a semana que vem, para o mês que vem. Isso é muito ruim para nossa economia, principalmente para a indústria”, disse Müller.
A FIERGS traça três cenários possíveis para 2017. O cenário base considera que a economia brasileira se estabilizará já nos dois primeiros trimestres do ano e apresentará um pequeno crescimento de 0,5% no PIB, mas sobre uma base de comparação deprimida de 2016. A conjuntura do Rio Grande do Sul não será muito diferente: a recuperação lenta acompanhará a melhora gradual do cenário, gerando um baixo crescimento de 0,4%. Ainda, a taxa de inflação (5,5%) deverá ficar mais próxima da meta, e os juros em queda (11,50% a.a.).
O cenário superior antevê um crescimento determinado pela recuperação acima do esperado dos investimentos e da demanda interna (1,7%). Entretanto, é difícil quantificar qual a demanda reprimida após três anos de resultados negativos. A economia do Estado também acabará afetada pela recuperação mais robusta do cenário nacional (1,5%).
Na possibilidade de um cenário inferior não está descartada uma nova queda do PIB (-2%) no País. A recuperação pode ocorrer tardiamente, levando à estagnação ou à queda anual. Além disso, os riscos políticos ainda estão presentes. No Rio Grande do Sul (-1,8%), mesmo que com baixa probabilidade, existe o temor de que condições climáticas adversas se reflitam numa queda da produtividade na agricultura.
O ANO DE 2016
Segundo estimativa da FIERGS, a economia brasileira deve registrar contração de 3,5% em 2016, fechando o segundo ano em recessão. É a crise mais profunda da história: em dois anos, o PIB encolheu 7,1% e o número de desempregados chegou a 12 milhões. A combinação das crises política e econômica potencializou o cenário já deteriorado dos últimos dois anos, na medida em que todos os setores foram afetados.
No Rio Grande do Sul, a retração seguiu o ritmo da economia brasileira e também sofreu com o encolhimento na demanda interna. A queda esperada para o PIB de 2016 no Estado é de 3,2% e todos os setores apresentarão recuo neste ano. Ao todo, o Estado soma 500 mil desempregados. Será a terceira queda anual consecutiva da economia gaúcha, a mais longa crise já registrada.
Para presidente da Fiergs: ” Fim do impeachment é o início de uma nova etapa no Brasil”

Para presidente da Fiergs: ” Fim do impeachment é o início de uma nova etapa no Brasil”

Destaque Negócios Notícias Poder Política

Para o presidente da FIERGS, Heitor José Müller, “O impeachment é um processo político. Por isto, o julgamento sempre é político. Assim como foi eminentemente político o pronunciamento de defesa da presidenta afastada. Se quisermos aprofundar as questões nessa área, então temos que olhar para a frente, e colocar alguns novos temas na pauta das discussões nacionais. É o caso de uma Constituinte Exclusiva para fazer a Reforma Política. É o caso de rediscutir a governança política do Brasil, debatendo o parlamentarismo. Enfim, precisamos que o ambiente político não complique o crescimento econômico. Ao contrário: o ambiente político deve favorecer, estimular e promover a expansão da economia, pois só assim o cidadão terá melhores oportunidades de evolução social. E convém frisar que o impeachment não é um fim. É um meio destinado a resolver crises políticas na democracia. Portanto, o término do impeachment na verdade é o começo de uma nova etapa no Brasil, que irá se desdobrar até 2018. Esperamos que o governo do presidente Temer , resolvida a crise política, adote medidas efetivas para a retomada do crescimento econômico.

São medidas simples, mas de grande efeito, como a dinamização das exportações; uma política cambial ajustada; taxas de juros equilibradas; simplificação de procedimentos internos; adiamento da enorme carga regulatória que atinge as empresas, como a NR 12, o e-Social, o Bloco K, e outras tantas normas; atualização das faixas de financiamento do BNDES e acesso simplificado ao crédito; um novo Refis; enfim, essas decisões são o núcleo para um novo começo da vida nacional. Além de medidas pontuais, o governo deve criar um canal sistemático de interlocução com as entidades empresariais. A CNI, por exemplo, já entregou a ele 109 propostas.

Esse canal é importante porque a retomada da economia só acontecerá com a elevação da confiança do empresariado nas políticas e programas oficiais. Confiança esta que repercute também na atração de investimentos do exterior. Portanto, estamos iniciando uma nova etapa na vida dos brasileiros, na qual os setores produtivos precisam ser rapidamente estimulados para gerar empregos, renda e oportunidades de evolução social.”

 

Após dois meses de alta, exportações do RS caem 5,1% em julho.  Soja evitou retração ainda maior, indicou FEE; por Mauren Xavier/Correio do Povo

Após dois meses de alta, exportações do RS caem 5,1% em julho. Soja evitou retração ainda maior, indicou FEE; por Mauren Xavier/Correio do Povo

Destaque Economia Negócios

Ao contrário dos últimos dois meses, as exportações gaúchas tiveram retração de 5,1% no mês de julho, de acordo com os dados divulgados nesta terça-feira pela Fundação de Economia e Estatística (FEE). Ao todo, em valores, foram exportados 1,734 bilhões de dólares, o que representou uma retração de 92,1 milhões de dólares na comparação com o mesmo mês em 2015. Em volume, a retração foi de 4,4% e os preços médios dos produtos encolheram 0,7%.

A soja em grão, principal item da categoria de produtos básicos, teve uma contribuição decisiva para o resultado e evitou que a queda das receitas do RS não fosse maior. O crescimento de 11,9% do preço do grão no mês, mesmo com um recuo de 1,5% no volume embarcado, contribuiu para o crescimento de 65,9 milhões de dólares (+10,2%) das suas receitas, atingindo o maior valor exportado para o mês. Na prática, a soja representou 41,1% de tudo o que foi vendido pelo Rio Grande do Sul em julho.

Segundo o pesquisador do Núcleo de Dados e Estudos Conjunturais da FEE, Tomás Torezani, o ponto positivo é que a intensa retração dos preços, que teve início em 2014, começa a apresentar sinais de desaceleração. “Ainda assim, foi a menor receita em dólar para um mês de julho desde 2010”, explica o economista.

Apesar das retrações nos dados, o Rio Grande do Sul ganhou participação nas exportações nacionais, passando de 9,9% (2015) para 10,6% (2016). Torezani explica que isso deve-se porque outros estados tiveram retrações maiores no mesmo período.

Os produtos manufaturados foram os responsáveis pela redução no valor exportado pelo Estado. A retração foi de 20,5% em valor e 7% a menos de volume. Os produtos básicos e semimanufaturados tiveram crescimento, respectivamente, de 36,1 milhões de dólares e de 9,2 milhões de dólares das vendas.

O destaque dos produtos básicos foi a elevação de 7,8% dos seus preços de exportação em relação a julho de 2015. Desconsiderando o crescimento do mês passado (de 0,8%), o último aumento verificado nos preços tinha sido em agosto de 2014, de 2,3%.

Expoagas 2016 inicia terça-feira buscando recorde em negócios

Expoagas 2016 inicia terça-feira buscando recorde em negócios

Cidade Destaque Negócios Poder Política

 

A Associação Gaúcha de Supermercados dá a largada, nesta terça-feira (23), para a 35ª Convenção Gaúcha de Supermercados – Expoagas 2016, que reunirá 347 expositores e mais de 42 mil visitantes, até o dia 25 de agosto, no Centro de Eventos Fiergs (Av. Assis Brasil, 8787), em Porto Alegre, com a expectativa de movimentar R$ 445 milhões em negócios durante seus três dias. Realizado anualmente pela Associação Gaúcha de Supermercados, o encontro congregará representantes de pelo menos seis mil empresas ligadas à cadeia do abastecimento, oriundas dos 27 estados brasileiros e de outros nove países, em uma programação que incluirá palestras, seminários, oficinas práticas, visitas-técnicas e, principalmente, a feira de negócios, que no ano passado foi palco para o lançamento de 800 novos produtos, equipamentos e serviços voltados a empresas e consumidores de todo o Brasil. As pré-inscrições para o encontro encerraram-se nesta sexta-feira (19), com 19,2 mil participantes cadastrados. A partir de segunda-feira (22), véspera do início das atividades, as inscrições serão retomadas já na secretaria da Expoagas 2016, montada no Centro de Eventos FIergs.

 

Consolidada cada vez mais como um evento plurissetorial, a Expoagas 2016 reunirá não apenas supermercadistas nesta edição de 35 anos, como membros de setores como padarias, açougues, hotéis, bares, restaurantes, petshops, hospitais, lojas de conveniência, de bazar e de R$ 1,99, farmácias e outros segmentos do varejo. Para estimular que os negócios sejam concretizados durante os três dias daExpoagas 2016, a Agas sorteará seis notebooks e um automóvel HB20 zero quilômetro entre os visitantes que efetuarem pelo menos R$ 1 mil em compras junto aos expositores.

 

35ª Convenção Gaúcha de Supermercados também será marcada por uma extensa programação, que contemplará gestores e colaboradores dos mais diferentes setores do varejo e da indústria. As tradicionais palestras magnas, realizadas pela manhã, trarão ao debate os jornalistas Caio Blinder, Diogo Mainardi e Lucas Mendes, apresentadores do programa Manhattan Connection, da GloboNews; o colunista e economista Samy Dana; o educador físico e apresentador do Fantástico, Marcio Atalla; e o escritor e psicanalista Augusto Cury. A programação jovem do evento terá o consultor Max Gehringer abordando conceitos de carreira, sucesso e empreendedorismo em um debate com o diretor da Stemac Geradores, Valdo Marques, que contará sua experiência no quadro “Chefe Secreto”. Já no Agas Mulher, a escritora Cecília Troiano falará sobre a rotina e as dificuldades da mulher moderna em um encontro que deverá congregar mais de 500 mulheres ligadas ao ramo supermercadista.

O evento terá, ainda, visitas-técnicas, palestras e oficinas práticas sobre áreas operacionais e técnicas da rotina varejista, como açougue, padaria, hortifrúti, tendências, mudanças em legislações, gerenciamento do mix de produtos, conceitos de layout de loja e outros assuntos.

Black Sabbath em Porto Alegre:  Ozzy Osbourne, Tony Iommi e Geezer Butler apresentam a última turnê da maior banda de metal de todos os tempos

Black Sabbath em Porto Alegre: Ozzy Osbourne, Tony Iommi e Geezer Butler apresentam a última turnê da maior banda de metal de todos os tempos

Agenda Cidade Cultura Direito Direito do Consumidor Notícias Porto Alegre Vídeo

“É o começo do FIM. Tudo começou há aproximadamente cinco décadas, com um trovão, um badalo de sino distante e então aquele monstruosoriff que tremeu o planeta. O rock mais pesado nunca antes escutado. Naquele momento nasceu o Heavy Metal, criado por uma jovem banda de Birmingham, na Inglaterra, mal saída da adolescência. Agora chega ao FIM, a turnê final da maior banda de metal de todos os tempos, Black sabbath. Ozzy Osbourne, Tony Iommi e Geezer Butler encerram o capítulo final no volume final da inacreditável história do BLACK SABBATH.

A turnê de despedida do BLACK SABBATH, THE END, desembarca no Brasil em 28 de novembro e promete ser ainda melhor do que as turnês anteriores, com a mais deslumbrante produção. Quando a turnê for concluída, será realmente o FIM, FIM de uma das mais lendárias bandas de rock’n roll da história… BLACK SABBATH”

A estreia da turnê The End aconteceu nos Estados Unidos em janeiro deste ano. Pela última vez, o Black Sabbath subirá aos palcos em mais de 80 shows, antes de se despedir do público brasileiro.

É o começo do FIM. THE END, a turnê de despedida do Black Sabbath, está confirmada no Brasil. Três anos após a memorável passagem de Ozzy Osbourne, Tony Iommi e Geezer Butler pelo país, a maior banda de heavy metal de todos os tempos retornará com a apresentação de sua derradeira turnê, a maior produção já feita pelo grupo.

Com realização da TIME FOR FUN e Live Nation, um dos últimos shows da história do Black Sabbath no Brasil acontecerão em Porto Alegre (Estacionamento da FIERGS) no dia 28 de novembro. Os fãs gaúchos vão presenciar três apresentações históricas, com clássicos de toda trajetória da banda.

O grupo americano Rival Sons é convidado especial da turnê. www.rivalsons.com

Ingressos estão disponíveis pela internet (www.ticketsforfun.com.br), nas bilheterias oficias (sem taxa de conveniência – Multisom em Porto Alegre, Pedreira Paulo Leminski (até 24/4) e FNAC Curitiba (a partir de 25/4) em Curitiba, Metropolitan no Rio de Janeiro e Citibank Hall em São Paulo) e demais pontos de vendas no Brasil.

 

Clique na imagem para assistir ao vídeo de divulgação da turnê THE END:

 

 

 

Para mais informações sobre a turnê e pacotes VIP:

www.blacksabbath.com

https://www.facebook.com/BlackSabbath

https://twitter.com/blacksabbath

http://instagram.com/blacksabbath/

 

 

TURNÊ “THE END” – BLACK SABBATH NO BRASIL

Realização: TIME FOR FUN e Live Nation 

PORTO ALEGRE (RS)

Data: Segunda-feira, 28 de novembro de 2016.

Horário: 21h

Local: Estacionamento da FIERGS – Av. Assis Brasil, 8787 – Sarandi – Porto Alegre/RS

Capacidade: 30.000 pessoas
Ingressos: de R$ 150 a R$ 560 (ver tabela completa)

Classificação etária: De 10 a 15 anos é permitida a entrada acompanhado de um responsável. A partir de 16 anos é permitida a entrada desacompanhado.

Acesso para deficientes

SETORES

½ ENTRADA

INTEIRA

PISTA PREMIUM

R$ 280,00

R$ 560,00

PISTA – LOTE 1

R$ 150,00

R$ 300,00

PISTA – LOTE 2

R$ 160,00

R$ 320,00

PISTA – LOTE 3

R$ 170,00

R$ 340,00

 

– Meia-entrada: obrigatória a apresentação do documento previsto em lei que comprove a condição de beneficiário: no ato da compra e entrada do evento (para compras na bilheteria oficial e pontos de venda físicos) / na entrada do evento (para compras via internet).

 

– O público em geral poderá adquirir ingressos a partir de 06 de julho de 2016. A partir da 0h01 pela internet, e a partir das 10h nos pontos de vendas físicos.

 

– A compra poderá ser parcelada em até 3X.

 

BILHETERIA OFICIAL – SEM TAXA DE CONVENIÊNCIA

 

Multisom – Rua dos Andradas, 1001 – Centro – Porto Alegre – RS

Segunda a sexta-feira, das 11h às 19h. Sábado, das 09h às 17h. Domingos e feriados, fechado.

 

LOCAIS DE VENDA – COM TAXA DE CONVENIÊNCIA

 

Pela Internet: www.ticketsforfun.com.br

Taxas de conveniência e de retirada.

 

Pontos de venda no link: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv

Bourbon Shopping comemora resultados da Vegas Party

A Vegas Party, festa que aconteceu no último sábado (11) na FIERGS, encerrou em grande estilo a campanha de Namorados da rede Bourbon Shopping. Mais de oito mil pessoas marcaram presença no evento, que teve diversas atrações, como o trio de Dj’s Life Is A Loop, 300 m² de luzes reproduzindo o skyline de Las Vegas e até um sósia de Elvis Presley conduzindo cerimônias de casamento no local. Mais de 1.600 casais se aventuraram no altar levando o momento na brincadeira, mas 21 pares levaram alianças para renovação dos votos ou realizaram o pedido de casamento no altar.

A festa contou ainda com a participação de performers vindos direto de Las Vegas. Crue Kopecky, Joanna McMillan e Justin Mulrooney agitaram o público com muita interação no palco principal. A noite também foi movimentada nas redes sociais, com 54 mil menções à hashtag #VegasPartyBourbon e mais de 86 mil interações nas transmissões ao vivo realizadas no Facebook.

Sistema Farsul e entidades apresentam Fundo Hidrovias ao Governador Sartori

Sistema Farsul e entidades apresentam Fundo Hidrovias ao Governador Sartori

Economia Negócios Notícias Poder Política Turismo

O governador do RS, José Ivo Sartori, foi recebido hoje (03/05) pelo presidente do Sistema Farsul, Carlos Sperotto, na sede da entidade para conhecer o Projeto Associação Fundo Hidrovias RS. A iniciativa objetiva potencializar o uso de hidrovias para transporte aquaviário, proporcionando aumento de competitividade para o Estado. O Projeto propõe a criação de um fundo privado de desenvolvimento que prevê remuneração pelo uso do modal. Uma outra sugestão é utilizar recursos gerados a partir de medidas compensadoras ambientais dos empreendimentos que serão instalados nas margens dos rios para o Fundo.

Além de atuar na melhoria da navegabilidade das hidrovias, como dragagem e sinalização, o Fundo Hidrovias RS tem como meta maior atrair investimentos de parques industriais na beira dos rios. Em fase de conclusão, o projeto vem sendo desenvolvido há um ano com a participação de entidades privadas como Farsul, Fecomércio, Fiergs e Associação Brasileira de Terminais Portuários, e públicas, como Estado, Famurs e AGCONP. “Trata-se de um projeto feito a partir de uma série de adesões que pensou ações objetivas para viabilizar o uso de nossas hidrovias”, afirmou Sperotto. O presidente do Sistema Farsul reforçou a intenção do programa de reduzir o ônus do Estado e estimular um grupo disposto a investir na área.

96852141684873
Sartori conhece a proposta do Fundo Hidrovias. Foto:Gerson Raugust/ Farsul

Coube ao prefeito de Rio Pardo, Fernando Schwank, fazer a apresentação ao Governador. O presidente da Fiergs, Heitor Muller, destacou que a iniciativa pode ser comparada ao Fundesa, fundo criado pelas cadeias de produção da carne para complementar ações de desenvolvimento e defesa sanitária animal do RS. “Precisamos ativar as hidrovias para nos ajudar”, afirmou.

O Fundo teria o formato de Organização de Propósito Específico Não Estatal. Prevê a gestão feita por entidades privadas, operadores, governo e empreendedores.

Após assistir à apresentação do Fundo, Sartori afirmou que irá avaliar o documento. “Estou aberto a todo o tipo de discussão, sempre resguardando o interesse público e social da coletividade”, disse. O Governador reforçou seu apoio a parcerias público privadas e sugeriu que a proposta deve considerar também a concessão de hidrovias. Deu exemplos sobre investimento no Porto de Pelotas viabilizado pela CMPC Celulose Riograndense para ligar o município a Guaiba via modal hidroviário.

Participaram do encontro o secretário Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Fábio Branco, o presidente da Fiergs, Heitor Müller, o presidente da Fecomércio, Luiz Carlos Bohn, do titular da Superintendência dos Portos e Hidrovias, Luiz Alcides Capoani, do presidente da Famurs, Luiz Carlos Folador, e do presidente da CMPC Celulose, Riograndense, Walter Lídio Nunes, superintendente da AHSUL, Eloi Spohr, secretário substituto dos Transportes, Vanderlan Frank Carvalho, diretor executivo do Fundesa, Rogério Kerber, do presidente do Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial do Rio Grande do Sul, Fernando Becker, dos diretores da Farsul, Fábio Avancini Rodrigues, Francisco Schardong, Jorge Rodrigues e Hermes Ribeiro de Souza Filho e o superintendente do Senar-RS Gilmar Tietböhl.

“A economia não pode parar”. Fiergs anuncia terça-feira apoio ao impeachment de Dilma Roussef

“A economia não pode parar”. Fiergs anuncia terça-feira apoio ao impeachment de Dilma Roussef

Economia Negócios Notícias Opinião Poder Política

A Fiergs reúne na terça-feira o Conselho de representantes da entidade, formado por dirigentes de 112 sindicatos. Após o encontro será anunciada uma posição mais explícita da Federação sobre o momento político econômico brasileiro. A reunião só acontece na próxima semana porque o  presidente da Fiergs, Heitor Muller,  está na Alemanha. Nesta sexta-feira os industriais divulgaram a nota que está publicada nesta página “A economia não pode parar”.  Na minha opinião, a  contundência do texto deixa claro que na terça-feira, a posição do Conselho de representantes seja pró-impeachment. Ouvi de um conhecedor profundo do que pensam os empresários gaúchos:”O rito do impeachment tem que ser rápido.” Dos 112 sindicatos que estarão em Porto Alegre para deliberar sobre o assunto, 22 já assinam a nota pró-saída de Dilma divulgada pela CICS de Caxias  do Sul nesta quinta-feira. portanto é certo afirmar que o “jogo”começa com 22 a 0 contra a Presidente. Ninguém acredita na virada do placar.

Confira ainda: Impeachment!Empresários gaúchos começam a se posicionar a favor da saída de Dilma da presidência