Onyx Lorenzoni reafirma compromisso do governo de retomar a economia do Brasil no Fórum da Liberdade

Onyx Lorenzoni reafirma compromisso do governo de retomar a economia do Brasil no Fórum da Liberdade

Destaque

A 32ª edição do Fórum da Liberdade recebeu na noite de hoje (8) o Ministro-Chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. O político foi destaque como Palestra Especial do evento e falou sobre o governo de Jair Bolsonaro. Com a apresentação de uma linha do tempo que iniciou em 2013, passou pela crise e impeachment do governo Dilma, e chegou na vitória do atual presidente, Onyx exaltou o esforço do governo para mudar o país e retomar o crescimento econômico.

Segundo o ministro, quando a crise se instalou no governo Dilma, um político que até então passava despercebido começou a chamar a atenção. “No meio disso tudo tínhamos um homem improvável”, afirmou. Com um governo que não possui dependência e sem condições para que os ministros façam a organização de suas equipes, Onyx afirma que o trabalho de Bolsonaro possui autonomia e diálogo. “Hoje o presidente determina que estamos aqui para servir o Brasil. Não podemos errar.” Como exemplo, lembrou que o governo atual reduziu o poder hierárquico e diminuiu os cargos em comissão além de retomar a confiança do brasileiro a partir dos planos de combate à corrupção e anti-crime, proposto pelo Ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Assunto que ganhou os jornais nas última semanas, a Reforma da Previdência foi outro tema que Onyx não deixou de lado. “Reforma é uma coisa ruim para uma coisa boa”, ressaltou. “O cidadão tem que entender que previdência é sistema de seguridade, diferente de assistência, que causa dependência de Estado. A nova previdência é o portal da prosperidade.” O ministro ainda citou a Grécia e Portugal, que sofreram no início com reformas, mas hoje vivem em crescimento. “Um governo desequilibrado é um risco constante. Nós temos a chance de um governo que quer respeitar o cidadão e reduzir a máquina pública”, enfatizou. Segundo Onyx, a partir do momento que o Brasil equilibrar a economia, o país será o o ponto e o foco de investimento do mundo.

Quando o assunto é o empreendedorismo, Onyx afirma que é preciso simplificar processos e, pela primeira vez no país, acabar com declarações, autorizações e reconhecimentos, burocracias exigidas na hora de negociar. “A verdade está com ele até que o estado prove o contrário”, disse. Ao final, reafirmou o compromisso do governo com princípios e valores e ressaltou que o país tem um time que não está no governo para roubar, e sim para servir, de maneira humilde, sabendo que a chance de mudar o país é agora. “Hoje temos um governo que tem mérito e tem uma certeza: lutar muito para chegar aqui e não perder a oportunidade. As próximas gerações merecem ter uma grande e próspera nação.”

 

Perspectivas para o Brasil: Voto distrital e reforma política são urgentes. Pedro Malan e Eduardo Giannetti debatem o papel na união no 30º Fórum da Liberdade

Perspectivas para o Brasil: Voto distrital e reforma política são urgentes. Pedro Malan e Eduardo Giannetti debatem o papel na união no 30º Fórum da Liberdade

Notícias

Pedro Malan, presidente do Conselho Consultivo Internacional do Itaú Unibanco, e Eduardo Giannetti, PhD em economia pela Universidade de Cambridge, apresentaram o painel Perspectivas para o Brasil, no 30º Fórum da Liberdade, promovido pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE). No debate, defenderam a reforma política, redução do número de partidos existentes, inserção no mercado internacional e o voto distrital. E destacaram que é urgente a mudança do sistema de redistribuição de arrecadação atual.

Eduardo Giannetti acredita que, tendo a União controle total sobre a distribuição dos recursos, estados e municípios ficam prejudicados, recebendo menos do que deveriam. “O dinheiro deve ficar próximo do local onde é arrecadado. Atualmente tudo vai para Brasília para depois ser distribuído, não permitindo ao cidadão o controle desses gastos”, diz. Giannetti destaca que o papel do Estado é fundamental na criação de capital humano. Deve oferecer ensino fundamental e básico de qualidade, oferecendo mais chances de igualdade, mas as privatizações são necessárias em outros setores. Segundo o palestrante, a sociedade deve ter mais liberdade econômica e saber para onde vão os recursos arrecadados. “No modelo atual, o Estado está onde não devia (na cobrança pesada de impostos) e deixa de estar onde se faz necessário (oferecendo saneamento básico e educação)”, critica.

Pedro Malan enfatiza que o grande número de partidos políticos enfraquece a coesão do congresso. “No Brasil, ganhar a eleição não garante governabilidade. É preciso uma reforma política que fortaleça o Congresso”, declara. Malan destaca que, desde 1988, o país já passou por cinco grandes momentos de recessão, mas que a crise atual está sendo a mais longa e mais difícil da história. “A reforma da previdência é urgente neste momento do país para equilibrar as contas que não fecham no INSS”, reitera.

Malan e Giannetti alertaram para a necessidade de inserção do Brasil nos mercados internacionais. Ambos também destacam que as maiores economias mundiais solidificam relações com outros países.

Eleições 2016: Ex-presidente do IEE Ricardo Gomes anuncia candidatura em Porto Alegre

Eleições 2016: Ex-presidente do IEE Ricardo Gomes anuncia candidatura em Porto Alegre

Cidade Direito Economia Eleições 2016 Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre prefeitura
13007144_10154870300508902_1667954330368236518_n
Ricardo Gomes, no Fórum da Liberdade 2016 – PUC/RS

Faltando seis meses para o pleito de outubro, começam a surgir novidades no quadro de candidaturas a Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Hoje, ao final do Fórum da Liberdade, o ex-presidente do IEE, Ricardo Gomes anunciou que irá concorrer a vereador pelo Partido Progressista. Em sua página pessoal no Facebook, ele escreveu: “Com a saída do PP do governo federal essa tarde, por ampla maioria, enquanto eu acompanhava o Fórum da Liberdade, consolidei uma tomada de decisão que vinha amadurecendo. Serei candidato a Vereador em Porto Alegre. Sou e sempre serei advogado. Frequento o Fórum da Liberdade há 14 anos – 9 deles como associado do IEE – que presidi em 2012. Sempre gostei de política, e sempre a estudei. Por um ano fui chefe de gabinete do Marcel van Hattem – e vi que é possível, sim, estar na política sem cair no “mais do mesmo” e sem sujar as mãos. Concorrerei pelo PP, mesmo partido do Marcel van Hattem, contribuindo nesse empenho em fortalecer nossas ideias dentro do partido (que jamais poderia ter apoiado o governo).

Vou, então, tentar promover as ideias que aprendi no IEE e no Fórum da Liberdade também na política partidária. Tentar fazer o Estado pesar menos sobre as costas dos indivíduos, tentar reconquistar a liberdade que perdemos para os governos, e certamente não ceder ao mal.

Farei uma campanha como sempre fiz tudo: com ideias, apoio dos amigos, franqueza e desejo de mudar nosso destino para melhor.”

Antes de chefiar o gabinete de Marcel Van Hattem, na Assembleia,  o advogado Ricardo Santos Gomes foi presidente do Instituto de Estudos Empresariais (IEE), vice-presidente do Instituto Liberdade (IL) e sócio do escritório Gomes & Takeda Advogados Associados. Gomes é especialista em direito do trabalho pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-RS). Foi diretor de Formação e vice-presidente do Instituto de Estudos Empresariais (IEE). Uma passagem interessante da vida política-associativa de Ricardo Gomes aconteceu em 2011, como vice-presidente do Instituto de Estudos Empresariais (IEE de Porto Alegre-RS), o advogado Ricardo Santos Gomes, esteve em Cuba para entregar o Prêmio Liberdade de Imprensa para a blogueira Yoani Sanchez. Confira a história completa no site do MISES.

Nos próximos dias outras figuras conhecidas da sociedade de diferentes áreas como jornalistas, sindicalistas, empresários, jogadores de futebol  devem ser confirmados como candidatos ao parlamento municipal. Apesar da crise política a tendência é que muita gente de fora dos atuais círculos políticos tradicionais se apresentem para uma candidatura.

Arnaldo Jabor: “O Brasil não vive uma crise, o País vive uma mutação”

Arnaldo Jabor: “O Brasil não vive uma crise, o País vive uma mutação”

Cultura Notícias Poder Política Porto Alegre

O jornalista, cineasta, roteirista, diretor de cinema e TV, dramaturgo e escritor brasileiro, Arnaldo Jabor, foi protagonista de uma palestra especial no 29º Fórum da Liberdade, nesta terça-feira, dia 12 de abril. Jabor afirmou que, para caracterizar uma crise, precisa-se ter um objetivo não atingido. No caso do Brasil, não existe estratégia para se alcançar a meta. Com isto, o momento do Brasil é de mutação, define o jornalista.

Jabor fez uma conexão com uma, das várias, características que o Brasil herdou de Portugal: o patrimonialismo, e o define como “uma doença interna que perturba o País”, pois a sociedade se torna patrimônio do Estado. E mediante este processo, o Governo criou vícios, que atrasam o país. O primeiro vício, definido por Jabor, é que no Brasil o fracasso é elevado à qualidade: “uma das características da gestão autoritária”. A corrupção é outro ponto taxado pelo jornalista: “Não há na tradição brasileira a compreensão do dano causado pela corrupção, isso sempre foi considerado um pequeno pecado”.

Ressaltando os diversos episódios desmascarados de corrupção nos escândalos da Operação Lava-jato, Arnaldo Jabor relembrou um ex-chefe de campanha para contextualizar o tamanho do problema vivido no Brasil. “A corrupção está com uma dimensão tão elevada, que o PC Farias seria julgado no Tribunal de Pequenas causas mediante a quantia que dizem que ele desviou”, afirmou. Com o objetivo de transparecer o cenário incapaz dos representantes públicos, Jabor citou Itamar Franco: “O ex-presidente reuniu as pessoas mais cultas e capacitadas para ajustas a economia destruída por Collor. Convocou pessoas capacitadas, com PhD, com diplomas de Harvard e MIT. Pessoas totalmente distintas das que hoje assumem estas responsabilidades”, taxou.

Joe Quirk apresenta novo modelo habitacional de cidades flutuantes no 29º Fórum da Liberdade

Joe Quirk apresenta novo modelo habitacional de cidades flutuantes no 29º Fórum da Liberdade

Cidade Comportamento Comunicação Cultura Notícias Poder Política

“As cidades flutuantes não serão iguais as cidades terrais, elas darão oportunidades de renovar os conceitos”, afirmou o diretor de Comunicação do The Seasteanding Institute, Joe Quirk, em sua palestra especial no 29º Fórum da Liberdade, nesta terça-feira, dia 12 de abril. Na oportunidade, foram apresentados os ideais de um novo modelo habitacional que oferece a oportunidade de viver a outra metade do mundo: os oceanos.

unnamed (3)
Diretor de Comunicação do The Seasteanding Institute, Joe Quirk. Foto: Fernando Conrado/IEE

O Instituto, no qual Quirk trabalha, foi fundado em 2008 por Peter Thiel e por Patri Friedman. O termo Seasteanding significa o conceito da criação destas cidades flutuantes que independem do Estado. Como contraponto à governança que está sendo exercida, atualmente, a criação deste modelo têm como base a “inovação e a tecnologia do século XXI, sem as leis do século XX”, conforme justificou Quirk. Nesta forma de viver, quem desenvolveria as formas de governança são as pessoas inseridas na plataforma. “Se a sua terra flutua, é possível moldar a realidade. Caso um político me pedir voto, eu, simplesmente, me desconecto e vou em busca de outras conexões”, ressalta. Segundo o especialista, seria possível inaugurar a primeira cidade flutuante com autonomia política significativa em 2020. “Porém, precisamos de ajuda com nossa organização. Tanto aliados políticos para ter suporte, quanto de investidores e aquaempreendedores para contribuir com nosso projeto”, disse Quirk. Defendendo a sustentabilidade, o negócio de cidades flutuantes ajudaria o ecossistema: “A agricultura, em certos momentos, pode prejudicar o meio ambiente. Já a aquicultura contribui para recuperar o meio ambiente”, afirmou.

Acompanhe AO VIVO a 29° Edição do Fórum da Liberdade. Evento debate QUEM MOVE O MUNDO?

Economia Negócios Notícias Poder Política Vídeo

O Fórum da Liberdade já começou na PUC/RS. O evento promovido pelo IEE/RS, tem, nesse momento a realização do painel DEFININDO A LIBERDADE. Confira toda a programação do evento no link.

Para ampliar a interatividade com o público e dar agilidade no relacionamento com a imprensa, um aplicativo para smartphones trará informações sobre o evento, como os currículos dos palestrantes, programação, envio de perguntas aos palestrantes, link de inscrição e transmissão ao vivo. Para a imprensa, o aplicativo oferece as coberturas editoriais produzidas durante as palestras, fotos dos painéis e clipping de notícias. O App Fórum da Liberdade está disponível para download nas plataformas IOS e Android, de forma gratuita. A transmissão ao vivo também será realizada no site www.forumdaliberdade.com.br.

Quem move o mundo? Fórum da Liberdade começa hoje na PUC querendo responder esta pergunta. Confira a entrevista do presidente do IEE/RS Ricardo Heller

Comportamento Economia Educação Entrevistas Notícias Poder Política Porto Alegre

Conversei hoje com o presidente do IEE, Ricardo Heller, sobre a edição 2016 do Fórum da Liberdade. Há 29 anos, o evento vem proporcionando um espaço de debates entre grandes palestrantes que fomenta alternativas objetivas e viáveis para equacionar os problemas do Brasil e da América Latina.

Desde 1988, o Instituto de Estudos Empresariais (IEE) – organizador do evento, tem conquistado como resultado da qualidade e riqueza dos temas, dos debates, dos palestrantes e do evento em si, maciça cobertura da mídia nacional ao longo dos anos. E em 2013, o reconhecimento pela Revista Forbes como o maior espaço de debate político, econômico e social da América Latina.

Em 2016, na sua 29ª edição, o evento busca debater ideias sobre o papel e importância dos empresários no desenvolvimento do País, com o tema: “Quem move o mundo?”, que se realiza hoje e amanhã, na PUCRS.

Fórum da Liberdade debate hoje e amanhã em Porto Alegre a dificuldades das empresas

Fórum da Liberdade debate hoje e amanhã em Porto Alegre a dificuldades das empresas

Agenda Direito Economia Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre
Segundo recentes índices internacionais, o Brasil ocupa a 118ª posição, de um total de 157 países, no ranking de liberdade econômica. Para piorar, o ambiente político e o cenário econômico atual têm impactado de forma negativa nos negócios das empresas brasileiras. Com este mote, o Instituto de Estudos Empresariais (IEE) buscou inspiração no livro A Revolta de Atlas, de Ayn Rand, para destacar as adversidades que empresas brasileiras têm enfrentado para sobreviver no mercado, durante os debates do 29º Fórum da Liberdade. Promovido pela entidade, o encontro terá início hoje e segue até esta terça-feira(12) no Centro de Eventos da Pucrs. “A burocracia que envolve a atividade econômica acaba levando, muitas vezes, os empreendedores para o caminho da ilegalidade e da informalidade”, pontua o presidente do IEE, Ricardo Heller.
A escolha do tema do evento, segundo o dirigente, também instiga o reconhecimento de que cada cidadão deve ser livre para empreender e almejar seus objetivos, “porque somente por meio de empreendimentos pessoais que os indivíduos podem transformar a vida daqueles que estão ao seu redor”. Considerado o livro mais influente nos Estados Unidos, depois da Bíblia – segundo a Biblioteca do Congresso norte-americano -, A Revolta de Atlas foi escrito em 1957, retratando um cenário no qual o excesso de burocracia e regulação acarretam restrições à atividade empresarial, ayncausando efeitos como eliminação discricionária da concorrência, êxodo das mentes criadoras, recessão econômica e aumento da pobreza.”Estamos vivendo um momento de muita desconfiança, que decorre da permanente e intensa intervenção do governo em regular todas as atividades”, explica o presidente do IEE, Ricardo Heller. “Um exemplo de que uma sinalização de liberdade pode criar um ambiente de confiança forte é o que tem ocorrido no cenário político da Argentina atualmente”, defende o dirigente.
Outro exemplo citado como adverso ao ambiente de negócios é a polêmica em torno do Uber. “Acredito que as pessoas devem ter liberdade de escolher em qual veículo elas querem ser transportadas, sem que o poder público regule”, opina o vice-presidente do IEE, Rodrigo Tellechea. Para ampliar todas estas ideias na edição deste ano do Fórum da Liberdade, foram programados sete painéis (todos com títulos inspirados em obras literárias, remetendo à temática das apresentações), além de duas palestras especiais. Entre os convidados figuram nomes como o diretor-presidente da Lojas Renner, José Galló; o diretor-geral do Uber Brasil, Guilherme Telles; o presidente do Conselho de Administração da Localiza, Salim Mattar; o ex-ministro de Finanças da Grécia, Filippos Sachinidis; o ex-presidente da Bolívia Jorge Quiroga; e o ex-presidente do Uruguai Luis Alberto Lacalle Herrera. No segundo dia, as palestras especiais serão ministradas pelo jornalista, escritor e diretor de cinema Arnaldo Jabor e o coautor e diretor de comunicação do The Seasteading Institute, Joe Quirk. Antecipando a necessidade de se colocar em prática o que será pregado nos debates, o vice-presidente do IEE faz uma provocação: “Hoje em dia, a liberdade não é um valor supremo. De nada adianta debater ideias durante dois dias se cada participante não exercer a briga constante por liberdade nas suas atividades empresariais, na sua casa e na sua comunidade”. (Jornal do Comércio)
Lançamento do 29° Fórum da Liberdade ocorre terça-feira

Lançamento do 29° Fórum da Liberdade ocorre terça-feira

Agenda Cultura Economia Notícias Poder Política Porto Alegre

O Instituto de Estudos Empresariais (IEE) promove no dia 15 de março a coletiva de lançamento do 29º Fórum da Liberdade, reconhecido internacionalmente como um dos maiores eventos de debate e discussão de ideias da América Latina. Na ocasião, serão apresentados a justificativa do tema, tópicos de discussão, inovações, e lançamento de alguns nomes e principais palestrantes que participarão desta edição, a ser realizada nos dias 11 e 12 de abril, na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). A coletiva acontecerá às 11h no Auditório Convenience do FK Offices. O presidente do Instituto de Estudos Empresariais (IEE), Ricardo Heller (foto), recebe a imprensa para o lançamento do 29° Fórum da Liberdade. Na ocasião, serão apresentados a justificativa do tema, tópicos de discussão, inovações desta edição, lançamento de palestrantes e principais nomes já confirmados para o evento.

“Quem move o mundo?” é a indagação que serve de tema ao 29º Fórum da Liberdade. Provocativo, mas também esclarecedor, o tema busca fomentar o debate acerca dos agentes cujas ações impactam a sociedade. Por outro lado, instiga o reconhecimento de que cada sujeito deve ser livre para almejar os seus objetivos e a sua própria felicidade, pois é somente através desses empreendimentos pessoais que os indivíduos podem transformar a vida daqueles que estão ao seu redor.

O tema é inspirado na obra “A Revolta de Atlas”, de Ayn Rand, considerado o livro mais influente nos Estados Unidos depois da Bíblia, segundo a Biblioteca do Congresso. O romance, escrito em 1957, é atemporal, mas a ideia da autora era retratar um cenário no qual o excesso de burocracia e regulação acarretam severas restrições à atividade empresarial, causando efeitos que são (ou deveriam ser) conhecidos de todos os brasileiros, como eliminação discricionária da concorrência, êxodo das mentes brilhantes e, finalmente, recessão econômica e aumento da pobreza, dentre tantos outros.

O 29º Fórum da Liberdade acontece no Centro de Eventos da PUCRS nos dias 11 e 12 de abril e contará com palestrantes com atuação em diversas áreas no Brasil e no mundo: Luis Alberto Lacalle (ex-presidente do Uruguai), Guilherme Fiuza (escritor e jornalista), Marcos Troyjo (codiretor do BRICLab da Universidade de Columbia, EUA), Stephen Hicks (filósofo, professor e diretor do Centro de Ética e Empreendedorismo), Salim Mattar (presidente do Conselho de Administração da Localiza), Yaron Brook (presidente e diretor-executivo do Ayn Rand Institute), Afif Domingos (presidente nacional do Sebrae), David Coimbra (jornalista) e David Nott (presidente da Reason Foundation) são alguns dos nomes já confirmados.

As inscrições para o evento estarão disponíveis pelo site (www.forumdaliberdade.com.br) a partir do dia 15 de março. Dentre as novidades desse ano está o serviço de streaming pela internet da íntegra do evento e o aplicativo para os participantes.

Compõem a diretoria 2015/2016, que está à frente da organização do Fórum da Liberdade, os seguintes nomes:

Presidente: Ricardo Pechansky Heller

Vice-presidente: Rodrigo Tellechea Silva

Diretora de Comunicação: Giovana Stefani

Diretor de Eventos: Thobias Zamboni

Diretor Financeiro: Mauro Zaffari

Diretor de Formação: Paulo Costa Fuchs

Diretora de Relações Institucionais e Fórum da Liberdade: Lys Lenhart

SERVIÇO

O que: Coletiva de Lançamento do 29º Fórum da Liberdade

Data: 15 de março de 2016 (terça-feira)

Horário: 11h

Local: Auditório Convenience do FK Offices (Rua Antônio Carlos Berta 475)

“Quem Move o Mundo?” é o tema do 29º Fórum da Liberdade. Evento promovido pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE) acontece nos dias 11 e 12 de abril

“Quem Move o Mundo?” é o tema do 29º Fórum da Liberdade. Evento promovido pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE) acontece nos dias 11 e 12 de abril

Agenda Cidade Cultura Economia Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre

“Quem move o mundo?” é a indagação que serve de tema ao 29º Fórum da Liberdade. Provocativo, mas também esclarecedor, o tema busca fomentar o debate acerca dos agentes cujas ações impactam a sociedade. Por outro lado, instiga o reconhecimento de que cada sujeito deve ser livre para almejar os seus objetivos e a sua própria felicidade, pois é somente através desses empreendimentos pessoais que os indivíduos podem transformar a vida daqueles que estão ao seu redor.

O tema é inspirado na obra “A Revolta de Atlas”, de Ayn Rand (foto), considerado o livro mais influente nos Estados Unidos depois da Bíblia, segundo a Biblioteca do Congresso. O romance, escrito em 1957, é atemporal, mas a ideia da autora era retratar um cenário no qual o excesso de burocracia e regulação acarretam severas restrições à atividade empresarial, causando efeitos que são (ou deveriam ser) conhecidos de todos os brasileiros, como eliminação discricionária da concorrência, êxodo das mentes brilhantes e, finalmente, recessão econômica e aumento da pobreza, dentre tantos outros.

“Quem é John Galt?” é uma expressão que os personagens de “A Revolta de Atlas” utilizam para contestar uma pergunta que não desejam responder, quando são flagrados em suas próprias contradições. É como se, ao tentar evitar encarar a realidade, essa fosse deixar de existir e o personagem em questão fosse tranquilamente retornar a sua zona de conforto. Felizmente, não basta ignorar a realidade para que ela desapareça. Há perguntas que, como Ayn Rand demonstra em sua obra, não podem permanecer sem resposta. É preciso, afinal, responder “Quem Move o Mundo?”.

O Instituto de Estudos Empresariais foi fundado em Porto Alegre há 30 anos por 20 integrantes. A entidade tem como intuito a formação de jovens lideranças empresariais que se comprometam com um modelo de organização social e política para o Brasil baseado no ideal democrático de liberdades individuais e orientado à defesa e manutenção dos valores da economia de mercado e da livre-iniciativa. Desde 1988 o IEE promove anualmente o Fórum da Liberdade – consagrado nacionalmente e considerado o maior evento liberal da América Latina.

O 29º Fórum da Liberdade acontece no Centro de Eventos da PUCRS nos dias 11 e 12 de abril e contará com palestrantes com atuação em diversas áreas no Brasil e no mundo: Luis Alberto Lacalle (ex-presidente do Uruguai), Guilherme Fiuza (escritor e jornalista), Marcos Troyjo (codiretor do BRICLab da Universidade de Columbia, EUA), Stephen Hicks (filósofo, professor e diretor do Centro de Ética e Empreendedorismo), Salim Mattar (presidente do Conselho de Administração da Localiza), Yaron Brook (presidente e diretor-executivo do Ayn Rand Institute) e David Nott (presidente da Reason Foundation) são alguns dos nomes já confirmados.