Lasier rebate críticas sobre desperdício com reforma de gabinete. Segundo o parlamentar, há rachaduras nas paredes do gabinete e o sistema de ar condicionado é deficiente

Lasier rebate críticas sobre desperdício com reforma de gabinete. Segundo o parlamentar, há rachaduras nas paredes do gabinete e o sistema de ar condicionado é deficiente

Destaque Direito Economia Poder Política

Com o mal-estar provocado pela reforma do gabinete parlamentar,  orçada em R$ 138 mil, o senador gaúcho Lasier Martins rebateu hoje, as críticas de que o gasto é desnecessário em tempo de crise econômica. Em entrevista para o programa Esfera Pública, da Rádio Guaíba, ele disse que o dinheiro público foi aplicado por extrema necessidade e não com o fim de desperdício.

O senador explica que, quando assumiu o mandato, a intenção era ocupar o gabinete do ex-senador Pedro Simon (PMDB). Porém, a sala já havia sido alocada para a senadora Vanessa Graziottin (PC do B). Lasier ficou, então, com um espaço menor para abrigar a equipe de trabalho. Segundo o parlamentar, há rachaduras nas paredes do gabinete e o sistema de ar condicionado é deficiente.

Lasier salienta que, apesar das insistências da chefe de gabinete, resistiu à ideia, de início. Ele também sustenta ter um dos gabinetes mais econômicos do Senado, com apenas 11 assessores. O espaço reduzido foi o ponto que o convenceu a concordar com a reforma. “Neste ano, ela (chefe de gabinete) voltou a pedir e disse que outros tantos reformaram. Ela argumentou que o gabinete era muito inferior, de modo que é uma reforma necessária principalmente para qualificar o sistema de ar condicionado e aproveitar espaços ociosos”, completou.

Além do gabinete de Lasier, a sala do senador Romero Jucá também passa por reforma avaliada em R$ 163 mil. (Samantha Klein/Rádio Guaíba)

Suíte de Lula vira ‘QG político’

Suíte de Lula vira ‘QG político’

Notícias Poder Política

Menos de sete km separam o Palácio do Planalto do hotel onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem feito articulações políticas desde que teve suspensa sua nomeação para a Casa Civil. Alvo da Operação Lava Jato e impedido de pisar na sede do governo, ele recebe ministros, dirigentes de partidos e outros políticos da fraturada base de sustentação do Planalto. A reportagem completa está em O Estado de São Paulo.

Entrevista/Dias Toffoli: ‘Desfaçatez inimaginável de Delcídio’

Entrevista/Dias Toffoli: ‘Desfaçatez inimaginável de Delcídio’

Negócios Notícias Poder Política

Presidente da turma do Supremo Tribunal Federal que referendou a prisão de Delcídio Amaral (PT-MS), o ministro José Dias Toffoli afirma que a intromissão do senador na investigação da Operação Lava-Jato foi de “uma desfaçatez inimaginável”. A entrevista completa está em O Globo.