Obituário: Morre o cinegrafista Jair Alberto.  Corpo está sendo velado no cemitério jardim da paz

Obituário: Morre o cinegrafista Jair Alberto. Corpo está sendo velado no cemitério jardim da paz

Destaque Obituário

As “timelines”dos repórteres que passaram nas últimas décadas pela RBS TV e TV Globo amanheceram tristes, são inúmeros os relatos de histórias do grande jair Alberto, grande não só no corpanzil, mas na imensidão do seu olhar. Eu sai poucas vezes com ele para reportagens, mas quando sai me senti dirigido por mãos seguras e um olhar diferenciado. No nosso dia-a-dia costumamos destacar os repórteres, muito mais que os cinegrafistas nos esquecendo o básico, TV é imagem.

Jonas Campos, que trabalhou com Jair Alberto, no Rio Grande do Sul e na Região Amazônica, escreve: “Jair Alberto, repórter cinematográfico. Na Amazônia, entre tantos trabalhos, cobriu o caso Chico Mendes ao lado de Caco Barcelos, acompanhou as buscas aos ianomâmis desaparecidos com Marcos Losekan. Trabalhou em Brasília na sucursal da Globo. Começou na RBS TV onde projetou grandes repórteres. Foi meu mestre, me ensinou muito do que sei em televisão, um irmão, uma pessoa maravilhosa. Numa enchente em Itaqui eu e ele fomos pra lá. Eu crente que seria apenas uma reportagem pro JN, se tanto. Graças ao Jair Alberto, ficamos aquela semana toda no ar no JN. Várias reportagens. Ele dava uma ideia atrás da outra. E emocionamos o Brasil com o drama dos gaúchos isolados na fronteira. Alegre, confiante, brincalhão. Fiquei sabendo pelo Gilberto Lima, que Jair Alberto faleceu ontem no hospital da PUC. O enterro será hoje às quatro da tarde no Jardim da Paz. Um abraço fraterno na família, viúva, filhos, em todos. Jair Alberto merece muitos aplausossssssssssssssssss!!!!”

 

Jair Alberto foi um dos grandes da profissão e isso fica bem claro, na entrevista abaixo feita pelo Ricardo Azeredo, com quem formou dupla centenas de vezes e está publicada no site: http://ricardoazeredo.com.br   A conversa da a dimensão do profissional que perdemos hoje.  Velório no cemitério jardim da paz e sepultamento as 16:00hs

 

Este grande repórter cinematográfico gaúcho é uma das mais sólidas referências profissionais em telejornalismo. Veterano de coberturas por todo o Brasil e no exterior, trabalhou com os grandes repórteres da Globo, mas teve a maior parte de sua exitosa carreira aqui no RS. Começou na extinta TV Guaíba nos anos 70 e depois foi para a TV Gaúcha, rebatizada mais tarde como RBSTV.

Cinegrafista obstinado, dono de uma peculiar teimosia em não abandonar a pauta antes de obter imagem ideal, Jair Alberto foi fundamental na formação de muitos repórteres (incluindo eu) com sua visão jornalistica aguda e inesgotável capacidade de trabalho. Hoje está aposentado,  depois de inscrever definitivamente seu nome entre os maiores da categoria.

1) A imagem mais difícil que já gravou:

– Foi no meio da mata amazônica, onde eu e a equipe tivemos que conquistar a confiança de uma tribo onde ninguém falava nossa língua e tentar uma aproximação para fazer a reportagem para TV Globo. A tribo não era civilizada, e passamos por momentos muito difíceis e perigosos. Por fim, obtivemos sucesso.

2) O pior momento para um cinegrafista:

– Quando tu estas preparado para exercer o trabalho, e o equipamento falha…

3) A imagem mais gratificante:

– Foi quando encontrei e filmei um avião que havia caído na selva amazônica. A notícia que tínhamos era que ele tinha ficado sem combustível. Depois de alguns dias de procura, encontramos vivo um dos oito garimpeiros de Roraima que estavam neste avião. Ele nos levou até o local da queda. Foi muito significativo descobrir a verdadeira causa do acidente: o avião tinha sido abatido com 32 tiros pela polícia da Venezuela. Esta reportagem trouxe não só a gratificação desta descoberta, como o reconhecimento em nível nacional de toda a equipe. O fato gerou também um conflito diplomático, e as autoridades venezuelanas foram obrigadas a divulgar um pedido público de desculpas.

Jair Alberto e Ricardo Azeredo

4) O maior perigo que já enfrentou trabalhando:

–  Em uma das muitas viagens que fiz na Amazônia, uma em especial foi bastante delicada. Viajando num avião com outros 40 passageiros (funcionários da Petrobrás), a porta se abriu em pleno ar,  colocando em risco a vida de todos. Dois passageiros rapidamente conseguiram fechar a porta, evitando um acidente.

Outro momento de muita tensão foi quando eu e alguns repórteres fomos atacados por uma tribo na Amazônia. Eles nos perseguiram com bordunas (grandes porretes que os índios usam como cacetetes) e facões. Estavam completamente descontrolados, encarando-nos como inimigos. Felizmente conseguimos reverter a situação e ninguém saiu ferido.

 5) O maior defeito de um cinegrafista?

–  Ser irresponsável ao não checar o equipamento (bateria, testar a câmera, etc) antes do trabalho, porque isso pode prejudicar toda a reportagem e fazer com que se perca um flagrante, por exemplo.

6) E de um repórter?

– É não colaborar para ter diálogo com o cinegrafista antes da reportagem, não discutir a matéria, não dar detalhes sobre, como e quem deve ser enfatizado nela; não ter espírito de equipe.

7) Câmeras modernas salvam cinegrafistas limitados?

– Sim, porém não o aprimora. É a experiência com equipamentos variados que o torna um repórter cinematográfico e não apenas um câmera. Buscar mais conhecimento e a perfeição distingue um bom profissional dos demais.

8) O cinegrafista deve interferir na edição?

– Na maioria das vezes, interferir para dar a sua visão do fato e de como ele aconteceu, para a melhor transmissão da realidade.

9) Como a tecnologia está influenciando no papel do cinegrafista?

– É uma aliada do cinegrafista, pois a tecnologia dos equipamentos fornece a melhor eficácia da imagem e a rapidez no processo de edição e conclusão da matéria.

10) O que é mais importante no olhar do cinegrafista?

– O olhar de um cinegrafista de verdade é o olhar que envolve tudo a sua volta, mostrando a imagem que desvenda tudo nos detalhes; tem que ser sensível e criativo ao desvendar uma realidade, criticar uma situação.

11) Cinegrafista mulher tem espaço?

– Muito, como todos os demais. O que diferencia um profissional do outro é a vontade de ser o melhor, a disciplina e a eficiência, não o sexo.

Jair Alberto e Ricardo Azeredo

12) Há diferença em trabalhar com repórter homem ou mulher?

– Nenhuma, em absoluto! A diferença está em ser um bom ou mau profissional.

13) Dica para cinegrafistas novatos:

– Um profissional só é completo quando faz o que realmente gosta. E que no seu cotidiano busca ser o melhor e transmitir sempre a verdade. Estudar muito os recursos e equipamentos com que trabalha, e sempre participar das reuniões de pauta sobre as reportagens. Isso é muito importante na hora de saber o que e como transmitir determinada imagem.

14) E para repórteres novatos:

– Esta resposta deixo para ti, Azeredo!

15) Qual o tipo de reportagem mais desafiadora?

– É aquela em que tu não conheces a realidade que vai filmar; aquela que te surpreende e te emociona. Estas são as mais prazerosas!

16) Como percebe o olhar dos editores e chefes de reportagem sobre o trabalho dos cinegrafistas?

– Em geral valorizam o profissional.  Acredito que eles reconhecem este profissional como o “veículo” que molda a imagem, que tem tato para absorver o melhor dela. Muitas vezes o cinegrafista trabalha junto aos editores e chefes de reportagem, enriquecendo o resultado final com o trabalho em equipe.

17) Cinegrafistas que fizeram história:

– Odone, Milton Cougo, Ricardo Nunes, Wilson Ferrari.

18) O telejornalismo mudou?

– A tecnologia engrandece o telejornalismo. Ao longo dos anos, equipamentos mais modernos, formas alternativas de apresentar reportagens e a experiência dos jornalistas em geral, fizeram com que a informação pudesse ser transmitida com mais rapidez, agilidade e responsabilidade.

19) As emissoras de TV usam cada vez mais imagens de populares feitas com celulares e câmeras amadoras. Isso preocupa?

– É importante pra sociedade. A tecnologia é sem dúvida necessária. Um cinegrafista amador, por exemplo, mostrará uma imagem inédita que servirá também para informar ao mundo algum acontecimento. O crescimento desta “classe” é inevitável. Porém, não desmerece de forma alguma o trabalho de um profissional habilitado para este ofício, pois quem o faz com categoria, sempre terá mercado de trabalho.

Domingos Montagner, de ‘Velho Chico’, morre aos 54 anos.  Ator paulistano morreu nesta quinta-feira (15) em Sergipe. Ele estava acompanhado de Camila Pitanga quando foi tomar banho de rio; do G1

Domingos Montagner, de ‘Velho Chico’, morre aos 54 anos. Ator paulistano morreu nesta quinta-feira (15) em Sergipe. Ele estava acompanhado de Camila Pitanga quando foi tomar banho de rio; do G1

Comunicação Cultura Destaque

Domingos Montagner como o personagem Santo, da novela 'Velho Chico' (Foto: Pedro Curi/TV Globo)
Domingos Montagner como o personagem Santo, da novela ‘Velho Chico’ . Foto: Pedro Curi/TV Globo

O ator Domingos Montagner, o Santo da novela “Velho Chico”, da TV Globo, morreu nesta quinta-feira (15). Ele gravou cenas de “Velho Chico” na parte da manhã, em Alagoas. Após o término da gravação, ele almoçou e, em seguida, foi tomar um banho de rio.

Durante o mergulho, não voltou à superfície. A atriz Camila Pitanga, que estava no local, avisou à produção, que iniciou imediatamente as buscas pelo ator. Helicópteros do Grupamento Tático Aéreo, Policia Militar, Corpo de Bombeiros e pescadores da região ajudaram nas buscas.

Nesta semana, a novela também teve cenas gravadas em Piranhas (AL).

Domingos Montagner e Camila Pitanga como os personagem Santo e Tereza, durante gravações da novela 'Velho Chico' (Foto: Caiuá Franco/TV Globo)
Domingos Montagner e Camila Pitanga como os personagem Santo e Tereza, durante gravações da novela ‘Velho Chico’ Foto: Caiuá Franco/TV Globo

Paulistano, Montagner tinha 54 anos. Ele começou sua carreira artística trabalhando no teatro e em circos. Ele atuou em treze programas de TV, entre séries e novelas, além de nove filmes. Alguns papéis de destaque foram o Capitão Herculano Araújo de “Cordel Encatado” (2011) e o presidente Paulo Ventura de “O brado retumbante” (2012).

Ele também chamou atenção como o Zyah de “Salve Jorge” (2012) e João Miguel de “Sete Vidas (2015). O ator estava no ar como o Santo de “Velho Chico” (2016).

Montagner conta, em seu site oficial, que iniciou sua carreira no teatro, através do curso de interpretação de Myriam Muniz, e no Circo Escola Picadeiro.

Em 1997, formou o Grupo La Mínima, com Fernando Sampaio. A Noite dos Palhaços Mudos, de 2008, lhe rendeu o Prêmio Shell de Melhor Ator. Em 2003, criou o Circo Zanni, do qual foi diretor artístico.

O primeiro papel na TV foi no seriado “Mothern” (2006), do GNT, canal da TV por assinatura. A estreia na Globo foi também em seriados: “Força Tarefa”, “A Cura” e “Divã”. A primeira novela, “Cordel Encantado”, foi em 2011. No ano seguinte, estreou no cinema, com uma participação no longa “Gonzaga – de Pai Pra Filho”, de Breno Silveira.

Veja a lista com os principais filmes, novelas e seriados da carreira de Domingos Montagner

TV
“Mothern” (2008)
“Força tarefa” (2010)
“A cura” (2010)
“Divã” (2011)
“Cordel encantado” (2011)
“O brado retumbante” (2012)
“Salve Jorge” (2012)
“Joia rara” (2013)
“Sete vidas” (2015)
“Romance policial – Espinosa” (2015)
“Velho Chico” (2016)

Cinema
“Gonzaga, de pai para filho” (2012)
“A grande vitória” (2014)
“Através da sombra” (2015)
“De onde eu te vejo” (2016)
“Vidas partidas” (2016)
“Um namorado para minha mulher” (2016)

Globo apresenta nova proposta para transmitir jogos do Inter

Globo apresenta nova proposta para transmitir jogos do Inter

Comunicação Esporte Notícias

A Globo encaminhou a diretoria do Internacional e também a vários conselheiros do Clube, uma nova proposta para compra dos direitos de transmissão de TV a Cabo, entre os anos de 2021 e 2024. A proposta prevê luvas de 10 milhões de reais acima da proposta do Esporte Interativo, que transmitirá os jogos colorados em 2018 e 2019. O Conselho do Clube está convocado para debater a prorrogação do contrato com o EI até 2024, na quinta-feira desta semana.

Abert divulga comunicado repudiando agressão à jornalista Guacira Merlin da RBSTV / Globo; por Gabriel Vaquer/natelinha.uol.com.br

Abert divulga comunicado repudiando agressão à jornalista Guacira Merlin da RBSTV / Globo; por Gabriel Vaquer/natelinha.uol.com.br

Cidade Comunicação Notícias Poder Política Porto Alegre Segurança Vídeo

Estou escrevendo com atraso, não sabia do fato, mas acredito que todos cidadãos tem que repudir um fato como o descrito abaixo. Tomei conhecimento, através da redes sociais do meu ex-colega de Rádio Gaúcha, professor Luiz Artur Ferrareto, que escreveu em seu perfil no facebook: “No domingo, dia 1º de maio, o que aconteceu com a repórter Guacira Merlin, da RBS TV, não foi um protesto contra seu empregador como querem alguns. Foi uma agressão pura e simples, um ato de desrespeito ao ser humano e à profissão de jornalista. Só isto.”  Abaixo a íntegra da notícia publicada no blog natelinha.uol.com.br . Minha solidariedade a Guacira Merlin – uma das melhores repórteres da televisão brasileira – e a todos colegas que sofrem ataques desse tipo ao tentar simplesmente cumprir nosso papel de informar.

 

No último domingo (1), uma equipe de reportagem da RBSTV, afiliada da Globo no Rio Grande do Sul, foi agredida por um manifestante favorável ao Governo Dilma Rousseff (PT).

O ato de violência aconteceu quando a repórter Guacira Merlin gravava matéria sobre uma manifestação promovida pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) em favor da presidente, onde passaria as informações resumidas também dos que queriam a saída de Dilma e também foram às ruas.

Enquanto gravava uma passagem – quando a repórter aparece na reportagem -, um homem, que não foi identificado, se aproximou e chutou o apoio da câmera, deixando o equipamento danificado.

Em nota, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) condenou o caso. A entidade repudiou o acontecimento e disse que “considera extremamente preocupantes os contínuos atos de violência que tentam impedir a livre e necessária atuação da imprensa”.

Leia a nota na íntegra:

“A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT) repudia a agressão sofrida pela equipe da RBS TV, afiliada da Rede Globo, durante cobertura das manifestações de 1º de maio, em Porto Alegre (RS).

A repórter Guacira Merlin fazia uma gravação sobre a manifestação promovida por sindicatos ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) em favor da presidente Dilma quando um homem se aproximou da equipe e chutou o apoio da câmera, danificando o equipamento. O agressor não foi identificado.

A ABERT considera extremamente preocupantes os contínuos atos de violência que tentam impedir a livre e necessária atuação da imprensa. Todo e qualquer tipo de agressão ou intimidação ao trabalho de jornalistas é um ato contra a democracia. Os profissionais de imprensa cumprem o dever de informar sobre fatos de interesse da sociedade e, portanto, merecem respeito.

DANIEL PIMENTEL SLAVIERO
Presidente”

Mantido o tabu: Globo demite ex-repórter do Cidade Alerta após 45 dias de trabalho; por Daniel Castro/ noticiasdatv.uol.com.br

Mantido o tabu: Globo demite ex-repórter do Cidade Alerta após 45 dias de trabalho; por Daniel Castro/ noticiasdatv.uol.com.br

Comunicação Notícias
Fiquei triste ao ler na coluna do Daniel Castro, no UOL, da demissão da minha ex-colega de Record/RS, Luiza Zanchetta. A jovem e talentosa jornalista tinha tudo para quebrar um tabu, mas pelo jeito ele ainda vai durar muito tempo. Confira o que eu estou falando no texto do Daniel Castro.

Durou apenas 45 dias a quebra de uns dos maiores tabus do jornalismo da Globo. A emissora demitiu anteontem (27) a jornalista Luiza Zanchetta, a primeira repórter do Cidade Alerta a trabalhar na Redação de São Paulo, a principal praça do jornalismo da rede. Luiza foi dispensada após 45 dias de contrato. Na Record, ela era uma das “rezendetes”, como são chamadas as repórteres que ganham apelidos do apresentador Marcelo Rezende. Era Luiza Prancheta.

A jornalista não recebeu maiores explicações sobre sua dispensa da Globo. Foi informada apenas que o prazo de experiência acabou e que a emissora não iria continuar com ela. Nos bastidores da emissora, no entanto, avalia-se que pesou na decisão o fato de ter vindo à tona, após sua contratação, que Luiza era um “rezendete”.

A jornalista Luiza Zanchetta no cenário do Balanço Geral do Rio Grande do Sul

 

Luiza teve uma passagem discreta pela Globo. Fez apenas reportagens para os telejornais locais de São Paulo, principalmente para o Bom Dia São Paulo.

Antes de ser contratada pela Globo, Luiza teve uma rápida passagem pela Band. Até julho do ano passado, ela era repórter do Cidade Alerta na Record de Porto Alegre. Tentou transferência para a Record de São Paulo, mas não conseguiu. Pediu demissão e foi trabalhar na Band. Em março deste ano, conseguiu ser contratada pela Globo.

É muito raro a Globo contratar jornalistas da Record _mesmo que eles passem uma temporada na Band, grande “fornecedora” de profissionais para a emissora. O ex-Record mais famoso é Chico Pinheiro (também ex-Band), na Globo desde 1996.

Mais recentemente, a Globo contratou Simone Munhoz, que atuou na Record de São Paulo e do Paraná. A jornalista, que é mulher do locutor Linhares Junior, também teve rápida passagem pela emissora e já a deixou.

A Globo não se manifestou sobre a saída de Luiza Zanchetta até a conclusão deste texto.

Monica Iozzi corrige manchete da GloboNews e gera nova polêmica

Monica Iozzi corrige manchete da GloboNews e gera nova polêmica

Comportamento Comunicação Direito Notícias Poder Política Vídeo

Como de costume, Monica Iozzi usou suas redes sociais para se posicionar sobre o momento político do Brasil. A apresentadora compartilhou uma notícia da GloboNews e “corrigiu” a manchete dada pelo canal.

O título original dizia: “Manifestantes vão às ruas em defesa da presidente Dilma no Largo da Carioca, no Rio”. Indo contra a afirmação, Monica replicou: “Corrigindo a manchete. Manifestação em DEFESA DA DEMOCRACIA. ‘Ser legalista não é o mesmo que ser governista’”.

Os seguidores da apresentadora não chegaram a um acordo sobre sua posição e deixaram comentários divergentes. “Corrigindo a própria emissora, gosto assim”, escreveu um seguidor.
“Enganadíssima de novo. Era uma passeata de apoio à Dilma. Era governista SIM”, disse outro.

Monica tem criticado muito a cobertura feita pela Globo, da qual é contratada, e seus afiliados sobre os acontecimentos políticos do País. (AD/O Sul)

Ex-Record e Band, gaúcha Luiza Zanchetta é a nova repórter da Globo/SP

Ex-Record e Band, gaúcha Luiza Zanchetta é a nova repórter da Globo/SP

Comunicação Notícias

 http://m.natelinha.uol.com.br/imagem/noticia/detalhe/LuizaZanchetta.jpg?h=20160310172509Reforçando seu jornalismo na Grande São Paulo, a Globo acaba de contratar um conhecido nome para o seu quadro de repórteres na capital paulista.

Trata-se de Luiza Zanchetta, jornalista que tem passagem marcante pela Record e que estava até bem pouco tempo na Band, onde era repórter do “Jornal da Band”. Ela começou a dar expediente na nova casa nesta semana e já teve reportagens exibidas no “SPTV – 1ª Edição”, por exemplo.

É a volta da repórter para um veículo ligado à Rede Globo. Entre 2007 e 2011, Zanchetta foi apresentadora da previsão do tempo na RBS Rio Grande do Sul, afiliada da emissora carioca no estado.

De lá, foi para a Record RS, onde atuou por quatro anos. Ela ficou conhecida por fazer participações diárias e ao vivo no “Cidade Alerta”, apresentado por Marcelo Rezende. No programa policial, Rezende a chamava de “Pranchetta”, por causa do seu sobrenome. O apelido acabou pegando e até hoje a jornalista é conhecida por ele.

Em 2015, se mudou para São Paulo e foi para a Band, onde ficou por seis meses, atuando diretamente nas mais variadas matérias no “Jornal da Band”. (Gabriel Vaquer/natelinha.uol.com.br)

TV Paga: Folha de São Paulo afirma que INTER e Santos assinaram contratos com Esporte Interativo

TV Paga: Folha de São Paulo afirma que INTER e Santos assinaram contratos com Esporte Interativo

Esporte Notícias

Reportagem deste sábado da Folha de São Paulo trata da ameaça que o Esporte Interativo representa à hegemonia da Globo em jogos na TV paga. Ao menos seis clubes, entre eles Santos e Inter, acertaram com o EI, que tem como sócio-majoritário a Turner, gigante americano da área do entretenimento. A reportagem completa está na Folha.