Por Todas Elas: Ato no Centro de Porto Alegre, no final da tarde, propõe ampliar debate sobre cultura do estupro; por Bibiana Borba/Rádio Guaíba

Por Todas Elas: Ato no Centro de Porto Alegre, no final da tarde, propõe ampliar debate sobre cultura do estupro; por Bibiana Borba/Rádio Guaíba

Cidade Comportamento Crianças Cultura Direito Notícias Saúde Segurança

Milhares de pessoas são esperadas no ato Por Todas Elas, a partir das 17h desta quarta-feira, na Esquina Democrática, em Porto Alegre. A manifestação contra a cultura sexista no Brasil é organizada em mais de 50 cidades brasileiras, entre hoje e amanhã, segundo as organizadoras. Além de prestar solidariedade à adolescente vítima de estupro coletivo no Rio de Janeiro, o protesto denuncia que o caso não é isolado, já que a maioria das mulheres não denuncia o abuso sexual.

O ato também cobra políticas públicas efetivas para o melhor acolhimento das vítimas de violência de gênero no país. Foi recebida com indignação, por exemplo, a notícia de que a secretária de Políticas para Mulheres nomeada pelo governo Temer, Fátima Pelaes (PMDB), defende que o aborto não seja permitido em casos de estupro. Uma das organizadoras da manifestação de hoje em Porto Alegre, Nathália Bittencurt — integrante dos coletivos Juntas e Porto Alegre das Gurias —, destaca que a permissão parcial para aborto no Brasil, como ocorre hoje, ainda não é suficiente para evitar milhares de mortes em procedimentos clandestinos.

“A indicação para a Secretaria de Mulheres de uma figura pública que já tem um posicionamento, para nós, retrógrado, de ser contra o acolhimento de pessoas que foram vítimas de abuso sexual e negar a possibilidade de elas decidirem se querem ter um filho desse acontecimento, é bastante grave. Não somos contra crenças e religiões. O que a gente se preocupa é com que isso não interfira nas políticas públicas, porque a gente acha que é uma questão de saúde da mulher. É uma questão de lidar com muitas mortes que acontecem todos os dias”, avaliou.

Mais de 12 mil pessoas confirmaram presença através da página do Facebook, até esta manhã, na manifestação promovida em Porto Alegre. A ideia é iniciar a concentração na Esquina Democrática e, conforme o público, definir um trajeto para caminhada por ruas da região central.

No Rio Grande do Sul, também são organizados atos Por Todas Elas, no final da tarde de hoje, em Pelotas (em frente ao Mercado Público), em Santa Maria (Praça Saldanha Marinho) e em Caxias do Sul (Praça Dante Alighieri). Em São Paulo, o ato acontece em frente ao Masp, na avenida Paulista. No Rio de Janeiro, os manifestantes se reúnem na Cinelândia. (Bibiana Borba/Rádio Guaíba)

Movimentos que apoiam Impeachment de Dilma preparam manifestação contra ato de Waldir Maranhão para hoje em Porto Alegre

Movimentos que apoiam Impeachment de Dilma preparam manifestação contra ato de Waldir Maranhão para hoje em Porto Alegre

Cidade Notícias Poder Política Porto Alegre prefeitura

Os integrantes dos Movimentos favoráveis ao impeachment da presidente Dilma Rousseff , estão sendo convocados via Redes Sociais para uma manifestação contra o ato do vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão, de anular o processo de Impeachment na Câmara dos Deputados. “Estamos atentos à tentativa de interferir, sem legitimidade, no processo de impeachment, atentando contra o estado democrático de direito. Não aceitaremos golpe governista atraveés da decisão do vice-presidente da Câmara dos Deputados.” Ainda segundo o post na página do MBL, no Facebook: “Num ato desesperado, na calada da noite, o presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, pediu a anulação do processo de Impeachment.  Desrespeitou o STF, desrespeitou a Câmara dos Deputados, desrespeitou o Senado, desrespeitou a nós, brasileiros. Não vamos nos dispersar. Falta pouco!”  A manifestação coordenada pelo MBL, VPR e Banda Loka, acontece na Avenida Goethe a partir das 19 horas.

STF julgará nesta quarta validade da nomeação de Lula para a Casa Civil. Posse foi suspensa por decisão liminar do ministro Gilmar Mendes

STF julgará nesta quarta validade da nomeação de Lula para a Casa Civil. Posse foi suspensa por decisão liminar do ministro Gilmar Mendes

Notícias Poder Política

O Supremo Tribunal Federal (STF) deverá decidir nesta quarta-feira sobre a validade da nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ocupar o cargo de ministro-chefe da Casa Civil. Os ministros vão julgar recursos protocolados pela defesa do ex-presidente e a Advocacia-Geral da União (AGU). Os advogados de Lula argumentam que não há impedimento legal para que ele assuma a Casa Civil.

A nomeação foi suspensa no dia 18 de março por uma decisão liminar do ministro Gilmar Mendes,do STF, que atendeu a um pedido do PSDB e do PPS. Mendes decidiu suspender a posse de Lula na Casa Civil por entender que a nomeação para o cargo teve o objetivo de retirar a competência do juiz federal Sérgio Moro – responsável pelos processos da Operação Lava Jato – para julgá-lo e passar a tarefa ao Supremo, instância que julga ministros de Estado.

Em recursos apresentados ao STF, a AGU rebateu o entendimento de Gilmar Mendes sobre a suposta intenção do governo de nomear Lula para beneficiá-lo com foro privilegiado. Além disso, a AGU alegou que a avaliação do ministro é equivocada, porque parte da premissa de que o Supremo é um lugar para proteção contra impunidade, o que não é verdade. A defesa de Lula argumenta que Sérgio Moro tenta intervir na organização política do país. Segundo a defesa, não há impedimento para que Lula assuma a Casa Civil, porque o ex-presidente não é réu em nenhuma ação penal e não foi condenado pela Justiça.

No dia 7 de abril, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou parecer ao Supremo pela anulação da posse de Lula. Segundo Janot, houve desvio de finalidade na nomeação para “tumultuar” as investigações da Lava Jato e retirar a competência de Moro para julgar Lula.

O ex-presidente é investigado na Operação Lava Jato por suposto favorecimento da empreiteira OAS na compra da cota de um apartamento no Guarujá e por benfeitorias em um sítio frequentado por ele em Atibaia, no interior de São Paulo. (Agência Brasil)

Porto Alegre terá reforço policial para tarde com previsão de três protestos. Além de manifestações pró e contra Dilma, o Cpers deve fazer marcha no Centro da Capital

Porto Alegre terá reforço policial para tarde com previsão de três protestos. Além de manifestações pró e contra Dilma, o Cpers deve fazer marcha no Centro da Capital

Cidade Destaque Poder Política Porto Alegre prefeitura

O Comando de Policiamento da Capital (CPC) informou que a área central de Porto Alegre terá reforço de efetivo para garantir manifestações pacíficas em três atos previstos para esta tarde na região atendida pelo 9º BPM. Os protestos envolvem manifestantes favoráveis e contrários à presidente Dilma Rousseff. Também haverá um ato do Cpers Sindicato, que tem assembleia marcada para as 12h30 e deve se estender ao longo da tarde, com marcha do Gigantinho ao Palácio Piratini. O comandante do CPC, tenente-coronel Mário Ikeda, salientou que contará com o apoio do BOE e de outras unidades para garantir a tranquilidade dos atos na área do 9ºBPM.

“Sozinho este Batalhão não teria condições de fazer frente a essas condições e, por isso, alocamos recursos de outras unidades e outras operações para apoiar o 9º BPM. Estamos cientes das três manifestações. Se houver uma marcha, vamos intervir para que grupos pró e contra se aproximem”, apontou Ikeda.

O responsável pelo CPC preferiu não detalhar qual será o efetivo que será empregado ao longo dos atos. Conforme Ikeda, os policiais serão realocados para os protestos de acordo com o número de manifestantes.

Além do ato do Cpers, deve ocorrer, nas proximidades do Parcão, entre a avenida Goethe e a rua Mostardeiro, um ato pedindo a saída de Dilma Rousseff da Presidência da República. Já na Esquina Democrática, entre a avenida Borges de Medeiros e a rua dos Andradas, está previsto um protesto em favor do governo federal e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. (Eduardo Paganella / Rádio Guaíba)

Parcão – 17h: Movimento Brasil Livre organiza novo protesto hoje contra posse de Lula como ministro da Casa Civil

Parcão – 17h: Movimento Brasil Livre organiza novo protesto hoje contra posse de Lula como ministro da Casa Civil

Notícias

Depois dos últimos acontecimentos envolvendo escutas telefônicas reveladoras, interceptadas do telefone do ex-presidente Lula, e de sua tomada de posse nesta quinta-feira pela manhã, nomeado por Dilma Rousseff, como ministro da Casa Civil, em evidente afronta ao Estado Democrático de Direito, o Movimento Brasil Livre (MBL) do Rio Grande do Sul, Vem Pra Rua e La Banda Loka Liberal convocam os Porto-alegrenses para nova manifestação hoje, 17/03, no Parcão às 17h.

O protesto será a favor da suspensão da posse do ex-presidente Lula e da tomada de providências urgentes pelo Supremo Tribunal Federal.

Hoje, a La Banda Loka Liberal esteve presente na Justiça Federal do Rio Grande do Sul, no ato de apoio dos magistrados federais ao juiz Sérgio Moro, pela defesa da independência dos poderes.