Banrisul oferece pagar R$ 1,27 bilhão para controlar a folha do funcionalismo gaúcho até 2026. Em parcela única, banco propôs administrar contas durante dez anos; por Lucas Rivas/Rádio Guaíba

Banrisul oferece pagar R$ 1,27 bilhão para controlar a folha do funcionalismo gaúcho até 2026. Em parcela única, banco propôs administrar contas durante dez anos; por Lucas Rivas/Rádio Guaíba

Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Poder Política

O Banrisul encaminhou, nesta terça-feira, a proposta de pagar R$ 1,275 bilhão para renovar o direito de operar a folha de pagamento do funcionalismo estadual até 2026. Em parcela única, o banco propôs controlar as contas dos servidores pelos próximos dez anos. A data para o repasse deve ser definida entre as partes. Hoje, o Banrisul já controla a folha do funcionalismo, mas sem contrapartida ao governo estadual.

O ingresso bilionário pode trazer fôlego para que o Piratini faça o pagamento do 13° salário do funcionalismo de 2015, já pago para os servidores que aceitaram fazer um empréstimo com o banco. Hoje, há aproximadamente 347 mil contas vinculadas ao Poder Executivo, em um valor mensal estimado em R$ 1,3 bilhão.

Por meio de fato relevante, o Banrisul informou que o valor ainda pode sofrer ajuste em razão da variação da taxa Selic e das projeções de inflação, após os primeiros cinco anos de vigência do contrato.

Nessa segunda-feira, foram aprovados os termos do contrato pelo Conselho de Administração do Banrisul. Agora, o banco dá início à negociação dos demais itens pendentes. A conclusão do negócio ainda deve passar pelo crivo da Contadoria e Auditoria-Geral do Estado (Cage), da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e da Secretaria da Fazenda. (Lucas Rivas/Rádio Guaíba)

Exclusivo: Diretora-Geral da ANP aposta no sucesso do leilão de exploração da Bacia de Pelotas

Direito Economia Entrevistas Mundo Negócios Notícias Poder Política

A Diretora-Geral da Agência Nacional de Petróleo, Magda Chambriard, falou durante entrevista ao programa Agora/Rádio Guaíba sobre a expectativa da ANP para o leilão de novos campos petrolíferos marcado para 07 de outubro, no Rio de Janeiro. Ao ser questionada sobre a Bacia de Pelotas, Magda Chambriard revelou que 37 empresas, de 10 países estão habilitadas a participar deste leilão. Disse que por ser ser considerada “nova fronteira” esta é uma bacia considerada de alto risco, mas que este risco está mitigado por conta de pontos perfurados no Uruguai com resultados satisfatórios. Segundo ela, o dólar na faixa dos R$ 4,00 deverá fazer com os estrangeiros  participem da 13ª Rodada de Licitação de áreas de petróleo e gás no início de outubro.

 

Várias das empresas que operam no País vizinho devem participar da concorrência, por isso é muito difícil que por exemplo a licitação seja “deserta”. Acompanhe a entrevista e o que ela fala sobre metas de valores a serem atingidos. Sobre a presença dela em um evento de revendedores, Magda destacou a importância da categoria em seguir padrões de qualidade internacionais e a livre concorrência de preços que ela garante existe no Brasil e é fortemente fiscalizada pela Agência. A Diretora-geral da ANP participa até amanhã do 18º Congresso Nacional e Latino-Americano de Revendedores de Combustíveis, no Wish Serrano Resort & Convention, em Gramado.