Porto Alegre: Leticia Wierzchowski e Nelson P. Sirotsky participam de bate-papo literário segunda-feira na Sala Álvaro Moreyra

Porto Alegre: Leticia Wierzchowski e Nelson P. Sirotsky participam de bate-papo literário segunda-feira na Sala Álvaro Moreyra

Agenda Destaque Porto Alegre

Nesta segunda-feira (15), o empresário Nelson P. Sirotsky e a romancista Leticia Wierzchowski participam de um bate-papo sobre O oitavo dia, biografia do executivo, lançada em outubro de 2018, e escrita em coautoria com a autora de A casa das sete mulheres. O encontro é totalmente gratuito e ocorre às 18h30, no Centro Municipal de Cultura.

O evento faz parte do projeto “Os livros de nossa vida”, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, que busca trazer personalidades gaúchas para compartilhar as obras literárias escreveram ou que marcaram suas vidas. Já passaram pelo projeto profissionais como Juremir Machado, Sergius Gonzaga, Cláudio Moreno e Voltaire Schiling. Além disso, as escritoras Lya Luft e Jane Tutikian estão confirmadas para a edição que ocorre em 22 de abril.

Serviço
Bate-papo com Nelson P. Sirotsky e Leticia Wierzchowski sobre O oitavo dia
Data: Segunda-feira, 15 de abril
Horário: 18h30 às 20h
Local: Centro Municipal de Cultura, Sala Álvaro Moreyra

Feira do Livro: Leticia Wierzchowski autografa hoje O menino que comeu uma biblioteca. Obra cria protagonista que se alimenta de palavras na Polônia da II Guerra Mundial

Feira do Livro: Leticia Wierzchowski autografa hoje O menino que comeu uma biblioteca. Obra cria protagonista que se alimenta de palavras na Polônia da II Guerra Mundial

Agenda Cidade Destaque Feira do Livro Negócios Porto Alegre

Hoje, às 19:30, a melhor romancista brasileira da atualidade autografa seu novo livro, na Praça de Autógrafos, da Feira do Livro de Porto Alegre. Leticia Wierzchowski nasceu em Porto Alegre, estreou na literatura em 1998 com o romance “O anjo e o resto de nós”. Com 28 livros publicados, entre ficção adulta e infantil, tem obras editadas em Portugal, na Espanha, Croácia, Alemanha, França, Itália, Grécia Sérvia e Montenegro. O best-seller “A casa das sete mulheres” foi adaptado pela Rede Globo em 2003, em uma série veiculada em mais de 40 países.

O menino que comeu uma biblioteca conta a história de Jósik, rodeado de livros, ele mora em uma casa velha no interior da Polônia. A muitos e muitos quilômetros dali, Eva vive com sua avó em uma cidade simples do Uruguai. Enquanto o passatempo do menino e de seu avô é mergulhar na literatura, a menina se distrai com as cartas de tarô da avó. E é assim que as vidas de Eva e Jósik se cruzam.

Em uma tarde de verão sob uma figueira centenária, Eva vê nas cartas a imagem de Jósik comendo a biblioteca de seu avô Michael. Ele estava escondido numa sala lotada de livros. Do lado de fora, o exército nazista avançava com seus tanques e soldados armados de fuzil.

A partir daí, a menina começa a acompanhar os infortúnios de Jósik e luta para mudar seu próprio destino, também marcado pela falta de perspectiva e tristeza. “O menino que comeu uma biblioteca” é uma fábula sobre a guerra, a literatura e o amor.

TRECHO

Ele começou com Conrad e, então, passou para Shakespeare, que o alimentou por toda uma quinzena. Depois, dedicou-se a Kafka, Tolstói e Oscar Wilde — um judeu, um russo e um homossexual; vejam só, três exemplos de tipos muito malvistos na tenebrosa época na qual começa esta história. Esses três grandes gênios sustentaram as tripas do menino em questão por um longo, gélido e branco inverno polonês.

E, então, ao final de um verão azul em Terebin, o imortal Shakespeare, cuja obra, traduzida em várias línguas, ocupava várias estantes da vasta biblioteca, passou a ser o principal ingrediente da sua dieta, mantendo o menino saciado em seu esconderijo que cheirava a mofo, enquanto as prateleiras se esvaziavam gradativamente para encher-lhe a barriga faminta.

O nome do menino era Jósik.

Jósik Tatar.

Ele tinha grande pena de comer aqueles livros todos, pois eles constituíam o grande tesouro do seu avô Michael, o homem que mais amara no mundo.

Conheci Jósik nas lâminas do tarô da minha avó. E a minha avó, preciso dizer a vocês, jamais teve uma biblioteca… A coisa mais perto de um livro que ela chegou em toda a sua laboriosa vida foram aqueles velhos arcanos ensebados pelos anos de uso.

Bem, esta é mesmo uma longa história…

Aliás, duas longas histórias: a de Jósik Tatar e a minha. Duas longas histórias que, muitos anos mais tarde, a milhares de quilômetros daquela biblioteca empoeirada no meio da Polônia convulsionada pela mais terrível guerra da qual já se teve notícia, entrecruzaram-se e viraram uma única história.

Vou contar tudo a vocês, prometo.

Eu sei, isto pode parecer bastante confuso: um menino que comia livros… Sempre fui uma garota complicada, era o que dizia minha avó. Mas a velha Florência era uma mulher ranzinza, e a única coisa de bom que guardo dela é o velho baralho de tarô onde vi, numa modorrenta tarde de verão sob uma figueira centenária, a curiosa e inexplicável imagem do pequeno Jósik comendo a biblioteca do seu avô Michael.

Capa O menino que comeu a Biblioteca V6 MFEu estava lá…

Na estância onde cresci, num descampado sob a figueira, à espera de alguma brisa enquanto o pampa ardia sob o fogoso sol de janeiro. A cavalhada fora recolhida à sombra e os peões faziam a siesta no galpão. Nem os perros andavam por ali àquela hora; eu me sentia completamente sozinha no mundo.

Eu detestava aquele lugar, queria ver largas avenidas e pisar em carpetes felpudos, andar de navio e usar finas meias de seda. Queria partir como a minha mãe fizera um dia, com a boca pintada de batom vermelho e a mala de couro que ela encerara três vezes, deixando-nos distraidamente para trás, a mim e ao meu irmão, aos cuidados da avó Florência, que era velha e atarefada demais para ter paciência com crianças.

Por isso, eu roubara o tarô naquela tarde de janeiro — ele era proibido para crianças, sendo, na verdade, um ganha-pão da minha avó, uma coisa com a qual ela juntava dinheiro extra para comprar cigarros ou sapatos novos para usar na quermesse natalina.

Lembro que cortei o baralho em três montes, tal e qual vira minha avó fazer diante das suas consulentes. Surgiram-me O Louco, A Torre e Os Enamorados, três arcanos maiores. E, então, quando fui me concentrar no primeiro deles, o décimo segundo arcano maior, O Louco, quando fixei meu olhar na sua figura zombeteira, um manto caiu sobre meus olhos, uma escuridão tão negra como a mais densa das noites de inverno. Com o suor escorrendo pelas minhas têmporas, eu o vi…

Vi o garoto…

Jósik.

Ele estava escondido numa sala esquisita e absolutamente atulhada de livros. Era loiro e alto, e parecia magro. Estava morrendo de frio e de medo numa pequena vila onde o vento soprava com fúria. Perto dali, tropas de um terrível exército avançavam com seus tanques e soldados de capacete e fuzil.

Escondido naquela estranha e desconjuntada casa, enfiado no útero de uma desconjuntada biblioteca, não parecia haver ninguém que pudesse cuidar dele. (Acho que foi naquele tempo que Jósik Tatar começou a comer a biblioteca do avô, e creio que foi mesmo uma excelente ideia.)

A visão, como veio, desapareceu de chofre.

Foi como um soco no estômago. Dei um pulo para trás e caí deitada na grama seca. Quando sentei outra vez, o menino desaparecera e, com ele, toda a imensa biblioteca que o cercava como uma cordilheira.

Lá estavam, outra vez, apenas os três arcanos sob o sol ardente do verão. Juntei as cartas e corri para casa, interrompendo minha avó, que sovava o pão para o café da tarde. Eu tinha visto uma coisa impressionante e gritei, mostrando o baralho como quem mostra um tesouro.

Florência ralhou-me furiosamente por ter roubado o seu tarô:

“Cozinheiros demais estragam o mingau”, disse, arrancando-me as cartas da mão. “Esse tarô é meu. É para mim que ele sopra o futuro!”

Tentei explicar que eu tivera uma visão.

O menino loiro. Os livros, muitos livros. A neve.

Mas minha avó retrucou que tudo não passara de uma insolação ou coisa parecida. Ademais, as cartas não se mostravam para crianças; era preciso um pouco de tutano dentro da cabeça. Desde quando uma menina de oito anos poderia ver a vida de alguém numa simples carta de baralho?

A minha avó era boa com os arcanos. Lá na estância onde morávamos, Florência fazia uns bons pesos com o seu tarô. Via pequenas coisas, principalmente brigas em família, casamentos, uma ou outra traição amorosa, problemas intestinais, amores naufragados e meia dúzia de doenças cardíacas. Certa vez, salvou a vida de um vizinho ao diagnosticar, com a ajuda das cartas, uma apendicite quase supurada.

Mas, naquela tarde, quando eu abrira o baralho, vi mesmo aquele garoto! Ele era bonito, de uma beleza diferente, e mais velho do que eu. Lembro como se fosse hoje…

Ah, a propósito, eu me chamo Eva.

Eu já lhes disse que Jósik comeu uma biblioteca inteira. Mas, de fato, foi um livro que salvou a sua vida.

Um daqueles muitos livros catalogados com amor, empilhados em ordem alfabética enquanto ainda havia espaço e, depois, enfiados aqui e ali, em qualquer cantinho, numa fenda, num oco de parede, sobre aparadores e mesas, roubando o lugar dos pratos e dos talheres, em todo o espaço disponível como uma espécie de vírus que nunca parasse de se reproduzir, tomando conta da casa inteira, subindo em pilhas até tocar as vigas do teto, entupindo a chaminé e vazando para um pequeno puxado construído para isso no fundo do quintal de pan Wisochy.

É que Michael Wisochy, o avô de Jósik, era um literato. Um professor universitário aposentado, um leitor voraz, um apaixonado por Shakespeare. Um desses homens de vasta cultura que parecem conhecer a humanidade e todos os seus defeitos. Sempre que alguém de Terebin — às vezes, até da vizinha Cracóvia — tinha uma dúvida muito importante, vinha bater à porta do velho Michael Wisochy.

Michael julgava muitas questões e era considerado uma espécie de sábio, embora meio maluco. De fato, avisara as gentes de Terebin desde o princípio sobre Hitler, o que logo se mostrou uma atitude bastante temerária. Ele chamara Hitler de louco e assassino aos gritos no meio da pequena praça, meses antes que o exército alemão atravessasse a fronteira — e é provável que tal episódio tenha realmente abreviado a sua vida. Talvez não, se as pessoas da cidade tivessem levado em consideração o que Michael Wisochy dissera sobre Hitler e o Reich; talvez sim, mas o que realmente poderiam ter feito?

Hitler já tinha criado e aparelhado a sua máquina de guerra na Alemanha, mais da metade dos judeus alemães havia fugido do país em meados de 1938 e a Áustria e a Tchecoslováquia já tinham sido invadidas pelas tropas nazistas antes que os tanques alemães cruzassem a frágil fronteira polonesa.

Toda aquela gente estava no lugar errado, na hora errada. E até mesmo o velho Michael não moveu uma única palha para mudar o próprio destino. Se vocês me perguntassem, eu diria que ele não tinha coragem de deixar os seus incontáveis livros para trás… Como fugir com tão pesada bagagem?

E quanto a Jósik, o seu amado neto? Creio que, analisando o jeito como tudo aconteceu depois, o velho Michael acabou mesmo por salvar Jósik.

Está bem, está bem. Sei que preciso pôr ordem nas coisas. Não posso sair narrando a história toda assim, sem qualquer lógica. E o que quero contar dá uma estrada bem comprida… Ademais, sei perfeitamente bem que contar uma história não é a mesma coisa que abrir o tarô. Não existem pistas, não mesmo. O melhor jeito que conheço para contar uma história é começar pelo começo.

Então vamos lá…

Esta é a história de um menino… …
e seu avô.
Havia uma guerra nascendo.
E milhares de livros.
Numa casa velha, numa aldeia perdida…
… nas entranhas da Polônia.

A Polônia ergue-se bem diante dos meus olhos — meus olhos, que nunca sequer cruzaram o Rio da Prata até a Argentina!

Ela está surgindo, ainda bela e intocada pelo Reich, elevando-se das cinzas do tempo exatamente como era antes da Segunda Guerra, no breve período de ilusória paz que experimentou durante o governo do ditador Piłsudski.

Num canto mais ao sul, a duas centenas de quilômetros de Cracóvia, lá está a pequena Terebin. Um pontinho no mapa, uma coisinha de nada que chegou mesmo a desaparecer depois das bombas e dos incêndios, quando suas lavouras foram queimadas e as casas de fazenda, destruídas por tropas de alemães e de mercenários ucranianos pagos pela máquina nazista.

Era uma cidade tão minúscula que não passava de uma aldeia; nem estação de trem possuía. Àquela época, seus habitantes tinham chegado ao seu primeiro milhar, mas a maioria vivia espalhada pelas fazendas da região, já que a economia do lugar era basicamente agrícola. Flora e Apolinary Tatar, os pais de Jósik, moravam na parte central de Terebin, perto da praça.

O velho Michael vivia numa ruazinha do outro lado da praça, para os lados da igreja onde, todas as tardes, à hora das vésperas, o sino de cobre soava, conclamando os fiéis à oração. Ora, vocês devem saber que os poloneses sempre foram católicos fervorosos, e a igrejinha enchia-se de fiéis para a missa vespertina.

Agora, quero falar da casa do avô Michael Wisochy…

Era uma casa curiosa aquela onde ele vivia. Muito velha e pontilhada de goteiras, mas era uma boa e centenária casa polonesa. Tinha duas peças amplas e uma cozinha, onde reinava um enorme fogão à lenha. Construída no meio de um terreno plano, ficava escondida sob quatro carvalhos; não sei se alguém plantara as árvores ali intencionalmente ou se a casa fora erguida à sombra dos carvalhos para que seus moradores vivessem protegidos do olhar alheio. O certo é que Michael — segundo Jósik me contou muitos anos mais tarde — tinha certo receio das pessoas, preferindo conviver com os seus adorados livros.

Ele sempre dizia ao neto, com seus ares de maestro sem orquestra:

“Os livros são as pessoas passadas a limpo!”

Aquelas árvores frondosas escondiam a casa e enchiam suas peças de sombra e silêncio. Quando o vento soprava, as folhas dançavam, roçando as vidraças, provocando um rumor tão suave e tão único que, para Jósik Tatar, aquele sempre seria o ruído da infância.

O menino que comeu uma biblioteca

Leticia Wierzchowski

280 páginas

R$ 39,90

Editora Bertrand Brasil| Grupo Editorial Record

Porto Alegre: Nelson Sirotsky autografa dia 24, O Oitavo dia. Livro escrito junto com Leticia Wierzchowski narra fatos da vida pessoal e profissional de um dos maiores empresários de comunicação do País

Porto Alegre: Nelson Sirotsky autografa dia 24, O Oitavo dia. Livro escrito junto com Leticia Wierzchowski narra fatos da vida pessoal e profissional de um dos maiores empresários de comunicação do País

Agenda Cultura Destaque Negócios

Desde que foi divulgada a informação de que Nelson Sirotsky tinha aceitado o convite da Editora Sextante, uma das maiores do País, para escrever um livro sobre sua vida pessoal e profissional, há uma curiosidade generalizada sobre o que vai revelar  um dos mais poderosos empresários de comunicação do País. Um homem com poder e influência, que construiu sua carreira sendo observado pela família, amigos, concorrentes e milhões de consumidores de seus jornais, rádios e TVs. Segundo um amigo, Nelson foi corajoso ao extremo, não se poupou e não escondeu nada ao escrever algo que não é uma biografia, mas tem muito pouco de ficção. Apesar do próprio amigo dizer que a vida do Nelson daria um romance. O livro O Oitavo Dia, que Nelson P. Sirotsky autografa dia 24 de outubro na Livraria Saraiva, do Shopping Iguatemi ao lado de Leticia Wierzchowski, co-autora da obra narra fatos reais usando artifícios de narrativa ficcional para construir a estrutura do livro. o título se refere ao oitavo dia de vida de um menino judeu, quando é realizada sua circuncisão. Para quem acompanhou o trabalho, o livro é “praticamente o primeiro ato desse novo Oitavo Dia dele. Uma metáfora para o renascimento, para um novo ciclo, o novo momento de vida do Nelson.”

42989836_302381490353842_6707278567341817856_n

A saga da família Sirotsky, que chega ao Brasil fugindo de perseguições religiosas na Europa, a trajetória pessoal e profissional de Nelson são contadas através de depoimentos, pesquisas e histórias que partem do concreto e passeiam pelo espaço da narrativa e da liberdade ficcional. Relembra a história da RBS iniciada em 1957, quando o pai dele, Maurício Sirotsky Sobrinho entrou como sócio na Rádio Gaúcha em Porto Alegre e segue quando em 1962, já acompanhado de Jayme, o tio, e de outros sócios, iniciou a operação da TV Gaúcha no Rio Grande do Sul. Em 1971, os homens da segunda geração da família começaram a trabalhar na empresa. Nelson atuou 45 anos na empresa familiar, tendo sido presidente de 1991 a 2012. Com 61 anos de existência, a RBS é um dos principais grupos de comunicação do país, atuou também em diversos segmentos – mercado imobiliário, informática, produção audiovisual, televisão por assinatura, internet, canais segmentados de televisão, e-commerce e mercado de capitais.

O oitavo dia conta a trajetória de Nelson e o envolvimento dele com personagens fortes e marcantes da política, economia e sociedade. Mostra  virtudes e fraquezas, apresenta a espiritualidade de Nelson, um lado de Nelson, desconhecido para a maioria das pessoas. Trata dos bastidores dos 21 anos em que esteve na presidência da RBS, dos altos e baixos, de decisões certas de avançar no crescimento do Grupo e erradas que causaram prejuízos financeiros e de imagem. Em determinado ponto revela o pensamento em deixar a presidência da empresa, após a associação com a Telefônica de Espanha, que gerou problemas com a Globo, mas uma crise interna muito maior  dentro da família e da RBS. Detalha as passagens de bastão do “Tio Jayme” para Nelson em 1991 e de Nelson para o sobrinho, Duda Melzer em 2012. Conta ainda a decisão de seguir no comando do Conselho de Administração da RBS até 2015, quando abdicou de qualquer cargo na empresa fundada pelo pai e iniciou uma nova fase da sua vida. Hoje capitaneia a holding familiar MAROMAR (iniciais dos nomes dos filhos Maurício, Roberto e Marina).

42977888_161003014833664_6296468548956979200_n(1)
Leticia Wierzchowski e Nelson Sirotsky autografam dia 24, na Saraiva do Iguatemi e dia 04/11, na Feira do Livro, em Porto Alegre. Foto: Carin Mandelli

Nelson pelo jeito concorda com minhas fontes. Ele mesmo escreve na apresentação: “Este não é um livro de memórias. Não é uma biografia. Não é uma história empresarial. Não é uma obra de ficção. Não é um romance. Não é um livro de revelações. O oitavo dia é um pouco de tudo isso.” O livro que sai pelo selo Primeira Pessoa, da editora Sextante é escrito a quatro mãos em parceria com a romancista Leticia Wierzchowski. Nelson pessoalmente redigiu seis capítulos da obra e os escreve na Primeira Pessoa. Dividido em quatro narrativas que se cruzam, o livro é um misto do relato franco e honesto do protagonista-autor com pesquisas e histórias reais, entrelaçados num fio habilmente urdido pela c0-autora, Leticia Wierzchowski, uma das mais talentosas escritoras do Brasil na atualidade.

42980367_1126198864209802_7199505656531910656_n