Mantida licitação do transporte público de Porto Alegre. Justiça nega pedido do PSOL

Mantida licitação do transporte público de Porto Alegre. Justiça nega pedido do PSOL

Cidade Direito Negócios Notícias Poder Política
O Juiz de Direito Rogério Delatorre, da 7ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, negou pedido liminar que postulava a suspensão da licitação do transporte público na Capital. A decisão é desta segunda-feira (28/9). Na última sexta-feira (25/9), uma ação cautelar foi proposta por integrantes do partido PSOL contra o município de Porto Alegre e a Empresa Pública de Transportes e Circulação (EPTC). No pedido, os autores afirmaram que o atual procedimento licitatório, que está na fase de homologação e assinatura dos contratos, foi vencido pelas mesmas empresas que atuam no sistema de Porto Alegre.  Também foi informado que apenas a empresa STADTBUS foi desclassificada, contestando o resultado em ação judicial que tramita na 2ª Vara da Fazenda Pública (proc. nº 001/11501516362). Até que esta questão seja resolvida, os autores pedem que o Executivo Municipal não assine os contratos com as empresas, pois há a previsão de aumento da tarifa, assim que os contratos forem assinados.

Se o procedimento está sendo discutido judicialmente, e se a tarifa vier a ser aumentada caso o procedimento administrativo for considerado inválido, haverá indevido locupletamento das empresas de ônibus, sem possibilidade de ressarcimento da população, argumentaram os autores da ação.

Assim, foi postulada a suspensão da licitação até o julgamento do processo na 2ª Vara da Fazenda Pública. Caso não seja possível a suspensão, os autores requerem que se proíba o Município de assinar contrato com as empresas vencedoras do certame, bem como a anulação da licitação, visto que constatada a ilegalidade da desclassificação da única empresa que não opera no transporte coletivo de Porto Alegre.

Segundo o Juiz Rogério Delatorre, o pedido de anulação da licitação pela desclassificação da empresa não seria possível pois  trata-se de assunto de direito privado e os autores não seriam legítimos para ingressar com a ação.

Se esta (empresa STADTBUS) tivesse aceitado, passivamente, a conclusão da comissão de licitação, e não ingressado com ação para discuti-la, não poderiam os autores fazê-lo, pois nos termos do artigo 6º do CPC, não se pode pleitear em nome próprio, interesse alheio, afirmou o Juiz.

Com relação ao argumento de que os valores seriam reajustados assim que o contrato fosse assinado, o magistrado explica que conforme o edital, haveria atualização de valores ofertados, pois os novos contratos entram em vigência em 2016.

Certamente, observando-se os índices inflacionários atuais, muito superiores às metas pretendidas pelo Governo Federal, a não previsão contratual de atualização monetária destes, com índices definidos no edital, possibilitaria, já no início do contrato, a discussão sobre a viabilidade financeira, o que poderia causar prejuízos à municipalidade, caso deferido eventual pedido de ajuste econômico-financeiro do pacto, afirmou o Juiz.

Os magistrado informou ainda que os autores partiram de uma suposição de que o valor será prejudicial à população, sem apresentar cálculo que embase o argumento.

Portanto, a simples suposição de que provavelmente a população terá prejuízos com o contrato não é suficiente para o deferimento dos pedidos de suspensão da licitação, ou proibição da assinatura dos contratos, ressaltou Delatorre.

O Juiz Delatorre também destacou que somente no momento da atualização dos valores se poderá concluir por serem ou não lícitos.

De antemão, sem qualquer previsão orçamentária, não é possível ter a cláusula como inválida, que possa atingir o contrato com um todo, como pretendem os autores, destacou o magistrado.

Assim, a liminar foi indeferida.