Direitos Humanos identifica Presídio Central como local de prática de tortura no regime militar

Direitos Humanos identifica Presídio Central como local de prática de tortura no regime militar

Cidade Comportamento Comunicação Cultura Destaque Educação Poder Política Porto Alegre prefeitura Segurança

O Movimento de Justiça e Direitos Humanos do Rio Grande do Sul (MJDH) identificou, na tarde de hoje, mais um local utilizado pela Ditadura Militar para a prática de crimes de prisão e tortura em Porto Alegre. Dando continuidade ao Projeto Marcas da Memória, a entidade instalou a sétima placa que menciona os centros militares na calçada em frente ao Presídio Central, o primeiro prédio estadual incluído na lista. Até o fim do ano, mais três pontos serão identificados pelo Movimento, incluindo um setor do Daer, que era conhecido como Ilha do Presídio, na zona Sul, e a Penitenciária Feminina Madre Pelletier.

No Central, cerca de 90 presos políticos ficaram detidos durante o regime militar. Além disso, também foi registrada a morte do taxista e militante do Grupo M3G, Ângelo Cardoso da Silva. Dado como suicida, Silva foi encontrado pendurado por um lençol amarrado ao pescoço, em uma altura de 1,30m e com os pés no chão.

O Movimento estima que mais de mil pessoas tenham sido alvo do regime militar no Rio Grande do Sul. Conforme o presidente da entidade, Jair Krischke, a iniciativa visa relembrar a prática ditatorial para que não se repitam os erros do passado. “É muito importante, especialmente, que a juventude do Brasil saiba o que aconteceu neste País durante o período da Ditadura. Nesses últimos tempos, a gente escuta gente jovem pedindo a volta da Ditadura. Eles ignoram o que foi a Ditadura e não sabem absolutamente nada sobre as atrocidades que foram cometidas durante esse período. Essas marcações têm o proposito de contar essa história”, disse.

O governador do Estado, José Ivo Sartori, também apoiou o projeto ao destacar que a demarcação desses locais resgata momentos dramáticos da história. “Essa iniciativa promove uma reflexão sobre o assunto”, avaliou.

Sobre o projeto Marcas da Memória

O projeto Marcas da Memória prevê a identificação dos locais que abrigaram tortura durante a Ditadura Militar (1964-1985). A intenção é tornar públicos todos os espaços que foram centros de detenção e tortura, bem como incentivar atividades culturais que propiciem o conhecimento e a reconstrução da memória dessa época. Uma placa com descrição histórica é colocada na calçada de prédios ligados a esse período da vida política brasileira.

Locais que já haviam recebido placas

– Praça Raul Pilla, local do antigo Quartel da Polícia do Exército.

– Calçada em frente ao Colégio Paulo da Gama, local que serviu como Presídio Militar Especial.

– Calçada em frente ao Palácio da Polícia, onde presos políticos foram torturados durante o regime militar e no segundo andar, houve tortura e homicídios nas salas onde funcionaram o Departamento de Ordem Política e Social (Dops/RS).

– Rua Santo Antônio, 600, onde funcionou o chamado Dopinho, primeiro centro clandestino de detenção do Cone Sul.

– Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (Fase), onde foram detidos mais de 300 presos políticos durante o período da ditadura.

– Avenida Bento Gonçalves, em frente ao número 4.592, onde existiu um local da prática de tortura sob controle da Infantária do Exército. (Lucas Rivas/Rádio Guaíba)