Mesmo após negativa de Fortunati, municipários mantêm greve esperando retomada de negociações. Atos e caminhada tentaram pressionar hoje o Executivo a reabrir discussão salarial com a categoria

Mesmo após negativa de Fortunati, municipários mantêm greve esperando retomada de negociações. Atos e caminhada tentaram pressionar hoje o Executivo a reabrir discussão salarial com a categoria

Cidade Destaque Poder Política Porto Alegre

Depois de voltar a organizar atos, nesta sexta-feira, o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) ainda estima que a Prefeitura possa retomar as negociações em torno da reposição salarial, embora o prefeito José Fortunati tenha rechaçado essa possibilidade, dizendo ontem que a negociação voltou à estaca zero. Concentrados em frente ao Paço Municipal, os servidores saíram em caminhada, hoje à tarde, em direção à Igreja da Pompéia, na rua Barros Cassal. A intenção é pressionar os gestores a retomarem as discussões. Os servidores passaram pelas vias Júlio de Castilhos, Conceição, Farrapos e Barros Cassal. Bloqueios momentâneos ocorreram durante trajeto, o que atrasou linhas de ônibus.

Em assembleia nessa quinta-feira, o Simpa rejeitou as três opções de parcelamento de reajuste oferecidas pela Prefeitura e manteve a greve por tempo indeterminado. Em 11 dias de paralisação, os municipários dizem que chega a 70% a adesão da categoria ao movimento grevista.

Embora uma das alternativas apresentadas pela Prefeitura venha atender à reivindicação de concluir a reposição de 9,2% em 2016, a categoria reclama que, sem retroatividade, perde, também, quando receber o 13º salário. Mesmo com a negativa, a diretora de comunicação do Simpa, Carmen Padilha, espera a retomada das negociações antes da terça-feira, data marcada para ocorrer mais uma assembleia da categoria. “Nós não acreditamos que haja esgotamento com uma categoria paralisada (…) eu não acredito que o prefeito não dialogará com seus servidores”, sintetiza.

Hoje pela manhã, os servidores municipais promoveram bloqueios momentâneos na avenida Assis Brasil, na zona Norte, enquanto outros distribuíram panfletos próximo a escolas e postos de saúde das zonas Sul e Leste.

Nessa quinta-feira, Fortunati anunciou que a folha salarial já foi rodada com o corte do ponto dos grevistas. O prefeito afirmou que a negociação voltou à estaca zero e não previu nova data para receber os representantes dos servidores.

Por decisão judicial favorável à Prefeitura, os municipários estão proibidos de repetir bloqueios a prédios e serviços públicos do Executivo, sob pena de multa diária de R$ 50 mil ao Simpa. Eles já obstruíram unidades do DMLU, Fasc, secretarias da Saúde e Administração, além de ocuparem o plenário da Câmara de Vereadores na última terça-feira. (Lucas Rivas/Rádio Guaíba)

Municipários invadem plenário da Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Servidores dizem que só deixarão o local após a Prefeitura melhorar a proposta de reajuste da categoria

Municipários invadem plenário da Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Servidores dizem que só deixarão o local após a Prefeitura melhorar a proposta de reajuste da categoria

Cidade Notícias Poder Política Porto Alegre Prédio prefeitura

Municipários ocuparam o plenário da Câmara de Vereadores de Porto Alegre na tarde desta terça. Os servidores dizem que só deixarão o local após a Prefeitura melhorar a proposta de reajuste da categoria, que está em greve há uma semana. O Legislativo municipal ainda não ingressou com pedido de reintegração de posse.

Municipários em greve estão no local como forma de protestar e pressionar município a melhorar a proposta de reajuste da categoria. Mais cedo, o vice-prefeito Sebastião Melo esteve reunido com o sindicato da categoria e condicionou a diminuição no número de parcelas do aumento do salário a um incremento de receitas no caixa do Executivo. O comando de greve não aceitou, permaneceu no local e, em seguida, se dirigiu ao plenário.

A categoria pede que o parcelamento do reajuste dos salários seja concluído ainda em 2016, antes de o prefeito eleito em outubro assumir o Paço. Até agora, a Prefeitura insiste na falta de condições financeiras para melhorar a oferta — de quatro parcelas, somando 9,28%, até janeiro.

A diretora de comunicação do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), Carmen Padilha, ponderou que a categoria já abriu mão de perdas salariais provocadas pelo parcelamento do reajuste no ano passado, concluído também em janeiro. (Felipe Vieira com informações da Rádio Guaíba e Correio do Povo)