São leopoldo: Olimpíada da inovação da SAP apresenta desafios às equipes

São leopoldo: Olimpíada da inovação da SAP apresenta desafios às equipes

Comunicação Notícias Tecnologia

Tecnologias para melhorias de processos de uma UTI ou de uma empresa de saneamento, além de soluções para meio ambiente e comércio. Estes são os desafios estabelecidos na Innoweeks 2016, uma olimpíada de desenvolvimento de protótipos com o tema Internet das Coisas (IoT) e Big Data, promovida pela SAP Labs Latin America, em São Leopoldo (RS). Nesta edição do evento, num cenário real com o envolvimento de clientes da SAP, participarão quatro equipes que totalizam 80 pessoas entre colaboradores da multinacional e estudantes de sete instituições de ensino.  A meta estabelecida para equipe Varejo será desenvolver uma experiência via e-commerce que estimule os clientes a irem até uma loja física conhecer os produtos. O grupo de Saúde criará um sistema Kick-off Innoweeks 2016_crédito Caroline Stein (2)para a UTI de um hospital com objetivo de monitorar os pacientes em tempo real por meio de sensores e usando inteligência artificial para proporcionar à equipe médica informações críticas para salvar vidas. A equipe de Cidades Inteligentes realizará uma solução que fará uma análise de limpeza para reduzir a sujidade e o número de infecções hospitalares. Já o de setor de Utilidades e Serviços terá que minimizar as perdas de água e consumo de energia no sistema de transmissão de um município brasileiro por meio da tecnologia proporcionando melhor serviços à população.

Para desenvolver estas inovações, durante o mês de julho, os estudantes terão acesso a equipamentos de última geração disponíveis na SAP Labs, como drones, sensores, impressoras 3D, entre outros. Os participantes também conhecerão a plataforma SAP HANA, ferramenta de tecnologia de computação em memória e Big Data que fornece dados em tempo real. Cada equipe terá à disposição uma sala de projeto dentro da SAP Labs, além de receber recursos em dinheiro para investir em viagens até o cliente e em compras de equipamentos. Para auxiliá-los na sua capacitação, os participantes terão palestras com especialistas em design, que virão da Alemanha e dos Estados Unidos com o objetivo de entregar soluções com a melhor experiência para o usuário.

As apresentações dos protótipos ocorrerão no dia 1º de setembro no evento SAP Techniversity. Os projetos serão avaliados nos quesitos conceitos de IoT, inovação, design e utilização do SAP HANA. Os participantes da equipe vencedora ganharão um kit de desenvolvimento de Internet das Coisas. No ano passado, a equipe Agribusiness foi a vencedora. O time desenvolveu uma solução implementada em sensores de tratores, a qual monitora em tempo real os processos de plantios, preparo, adubação e correção do solo, pulverização e colheita. Este protótipo se tornou o primeiro case de IoT no agronegócio da SAP na América Latina.

Metade dos brasileiros é contra os Jogos do Rio

Metade dos brasileiros é contra os Jogos do Rio

Economia Esporte Negócios Notícias Poder Política Segurança Turismo

Cinquenta por cento dos brasileiros são contrários aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que começam no dia 5 de agosto, aponta pesquisa Datafolha. A porcentagem é o dobro da verificada no levantamento anterior, de junho de 2013. A rejeição ao maior evento esportivo do mundo, que é realizado a cada quatro anos, cresce entre a população do Sul e do Sudeste, os mais escolarizados e os com renda familiar mensal entre cinco e dez salários mínimos (R$ 4.400 a R$ 8.800). Para 63%, a Olimpíada, cujo orçamento já passa de R$ 39 bilhões, trará mais prejuízo que benefício aos brasileiros. Também para a maioria, a segurança e o transporte nos 17 dias de evento serão mais motivo de vergonha que de orgulho. Na pesquisa, feita nos dias 14 e 15, 40% se disseram favoráveis à Olimpíada —há três anos, eram 64%. Moradores do Norte e do Nordeste e jovens são os que mais dão apoio. Metade dos brasileiros afirma não ter interesse pelos Jogos.  A reportagem completa está na Folha de São Paulo

Exército vai ser multado em R$ 40 mil por morte de onça usada em revezamento da tocha em Manaus. Dinheiro das multas é destinado ao Fundo Estadual de Meio Ambiente no Amazonas.

Exército vai ser multado em R$ 40 mil por morte de onça usada em revezamento da tocha em Manaus. Dinheiro das multas é destinado ao Fundo Estadual de Meio Ambiente no Amazonas.

Direito Notícias Olimpíada Segurança

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) vai multar o Exército em R$ 40 mil pela morte da onça pintada Juma. O animal participou de cerimônia com a tocha olímpica em Manaus, em 20 de junho, e foi abatido com um tiro de pistola no Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs), por tentar escapar do local.

O Comando Militar da Amazônia (CMA) recebeu multa de R$ 5 mil por contribuir para a utilização de um espécime da fauna silvestre nativa sem a autorização do órgão ambiental competente. Já o Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) foi autuado em R$ 5 mil por utilizar o animal sem esse mesmo aval. O 1º Batalhão de Infantaria de Selva (BIS) levou mais três multas: uma de R$ 5 mil, por transportar o animal sem autorização; uma de R$ 5 mil, por mantê-lo em cativeiro sem licença, e uma de R$ 20 mil, por construir e fazer funcionar mantenedouro da fauna sem aval de órgão ambiental.

Os autuados terão 20 dias para apresentar defesa e, depois desse prazo, podem recorrer ao Ipaam e ao Conselho Estadual de Meio Ambiente. O valor das multas é destinado ao Fundo Estadual de Meio Ambiente no Amazonas. (Camila Diesel/Rádio Guaíba)

Porto Alegre: Passagem da tocha olímpica fecha trecho da Borges desde o início da manhã desta quinta, na Capital

Porto Alegre: Passagem da tocha olímpica fecha trecho da Borges desde o início da manhã desta quinta, na Capital

Cidade Notícias Porto Alegre Prédio prefeitura Segurança Turismo

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) prevê mudanças no trânsito para o revezamento da tocha olímpica em Porto Alegre, nesta quinta-feira. O tour vai se iniciar às 15h15min no Parque Moinhos de Vento, com encerramento às 19h, no Largo Glênio Peres. As vias que compreendem o trajeto vão sofrer interrupções momentâneas na circulação, com desvios efetuados por agentes de trânsito. Serão 60 funcionários da EPTC envolvidos no evento.

Durante toda a quinta-feira, a avenida Borges de Medeiros, entre Sete de Setembro e Siqueira Campos, fica bloqueada para a montagem do palco e eventos no Largo Glênio Peres. As linhas de lotação com terminal na Borges de Medeiros (em frente ao edifício União) serão deslocadas para a rua Siqueira Campos. Os pontos de táxi da Borges de Medeiros serão desativados na região.

O desvio dos ônibus, quando a tocha acessar a avenida João Pessoa, vai ser feito pela Loureiro da Silva, Lima e Silva, Fernando Machado e Borges de Medeiros. A EPTC divulgou que vai atualizar a situação do tráfego na Capital, em tempo real, no Twitter.

Paradas de ônibus inoperantes no fim da tarde

Quando a chama passar pelas avenidas Salgado Filho e Borges de Medeiros, antes de chegar à Padre Cacique, a passagem de veículos deve ser bloqueada no trecho, durante cerca de 45 minutos. O diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, recomenda que a população se planeje e, se possível, saia de casa com antecedência para evitar transtorno.

Entre 17h45min e 18h15min, durante os bloqueios da João Pessoa, Salgado Filho e Borges de Medeiros, até o Viaduto dos Açorianos, os terminais ficarão inoperantes. A expectativa é de que o funcionalismo se normalize às 18h30min.

Quem vai conduzir a tocha

A largada vai ser feita pelo técnico do Grêmio, Roger Machado, e o último trecho, no Centro Histórico, é de responsabilidade da ginasta Daiane dos Santos. No trajeto de 15 quilômetros, 77 personalidades devem conduzir o símbolo olímpico, incluindo líderes comunitários, como Geny Pinto Machado, de 83 anos, atletas porto-alegrenses, como Daniel Mietlicki, o mais idoso do estado em atividade, além de Tinga e Mayra Aguiar. Também compõem o grupo o músico Renato Borghetti, o medalhista olímpico em Barcelona Tande, a medalhista em Pequim Fernanda Oliveira, e Elizabeth Nickhorn, reconhecida pela Confederação Brasileira de Golfe como melhor golfista brasileira de todos os tempos.

O Tour da Tocha deve acontecer entre 15h e 19h, mas desde as 11h vai haver programação cultural em vários pontos da cidade. A Praça da Alfândega, a partir das 11h, até às 19h, recebe bandas de jazz e blues, feira de artesanato e gastronomia. Também há atividades previstas para o Parcão, entre 14h e 17h, e o Parque Farroupilha, entre 14h e 18h. No Largo Glênio Peres a festa de encerramento acontece das 14 às 21h, com shows de Kleiton & Kledir (16h), Papas da Língua (19h) e Guri de Uruguaiana.

Confira o trajeto do revezamento da tocha em Porto Alegre

Parcão (av. 24 de Outubro); retorno na Praça Júlio de Castilhos; rua Mostardeiro; Miguel Tostes; Vasco da Gama; Fernandes Vieira; José Bonifácio; João Pessoa; Salgado Filho (pista bairro-Centro); Borges de Medeiros (Centro-bairro, ao lado do Marinha); Padre Cacique (Centro-bairro); Fernandão; Edvaldo Pereira Paiva (bairro-Centro); Pres. João Goulart; Siqueira Campos; Uruguai; Sete de Setembro; Largo Glênio Peres.

Saiba mais:

Passagem da tocha olímpica amanhã deve deixar trânsito lento nas BRs 290 e 116 (Camila Diesel/Rádio Guaíba)

TV alemã que está no Rio para cobrir Olimpíada tem contêineres roubados; do G1

TV alemã que está no Rio para cobrir Olimpíada tem contêineres roubados; do G1

Notícias Poder Política Segurança Tecnologia

O caso foi registrado nesta sexta-feira (1º) na Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) e as investigações estão em andamento. Os contêineres que foram roubados teriam sido avaliados em R$ 1,3 milhão. A informação completa está no G1.

Governo Temer: Ministro do Gabinete de Segurança Institucional fala sobre Olímpiada, exército auxiliar policias militares e diz que Comissão da Verdade abandonou direito de defesa dos militares

Comunicação Direito Entrevistas Esporte Notícias Poder Política Segurança

O general gaúcho Sérgio Etchegoyen, que assumiu como ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República de Michel Temer, falou hoje sobre Olímpiada, Exército auxiliando PMs Estaduais, tratamentos aos movimentos sociais e outros assuntos.  Ele reforçou lamentar o trabalho realizado pela Comissão Nacional da Verdade (CNV) durante o governo Dilma. Para o militar, que representa a terceira geração de uma família com integrantes do Exército Brasileiro, a investigação sobre o período da ditadura não permitiu o direito à defesa e ao contraditório. Em entrevista ao programa Agora da Rádio Guaíba, Etchegoyen defendeu que um grupo para analisar o período de exceção deveria tentar encontrar um consenso entre os dois lados.

“Não critiquei o conceito da Comissão da Verdade. Não tenho nada contra ele e acho que temos de contar a história do país. Eu aplaudiria uma ação na qual sentassem todos os atores , discutissem sobre o que aconteceu e encontrássemos uma história comum para que esse período que passamos não ficasse com uma tarja preta o escondendo. A minha crítica, e da minha família, foi o modelo utilizado quando a comissão se limitou no tempo, no objeto e só teve representantes de um lado. E, principalmente, o que me parece mais grave, quando a comissão abandonou o conceito constitucional do contraditório e da ampla defesa”, justificou.

O nome do pai do ministro, Leo Guedes Etchegoyen, foi incluído na lista das 377 pessoas apontadas pela CNV como principais responsáveis por crimes contra os direitos humanos entre 1946 e 1988. A crítica pública foi feita pela família Etchegoyen em nota divulgada em dezembro de 2014, quando a comissão apresentou o relatório. Conforme o general, a conclusão foi tomada sem que os integrantes da comissão requisitassem qualquer tipo de informação ao Exército.

“De repente, meu pai apareceu na lista. Ninguém perguntou, ninguém questionou, o Exército não recebeu pedido de informação como recebeu de centenas de outros. Uma pessoa falecida, sem nenhuma possibilidade de contestar, que não teve nenhuma investigação que tenha passado pelo Exército para confirmar se ele estava em determinado local em tal época. Quando a gente levanta dados e estabelece relação de causa e efeito entre os dados, sem ter embasamento de pesquisa, contraditório e ampla defesa, apenas para estabelecer relação que convenham a uma tese, é sempre questionável”, declarou.

A comissão respondeu que, entre outros episódios, foi comprovado que Leo Guedes Etchegoyen recebeu um norte-americano especialista em métodos de tortura para ministrar uma oficina aos policiais gaúchos. A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) rebateu os argumentos do general, através do Twitter, afirmando que “quem não teve como defender-se foram Vlado Herzog, Rubens Paiva e todos os torturados e mortos pela ditadura”. A parlamentar viabilizou a criação da Comissão Nacional da Verdade como ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, em 2011. (Texto: Bibiana Borba/Rádio Guaíba)

Fogo Olímpico

Fogo Olímpico

Esporte Notícias Poder Política

Dilma Rousseff usou a cerimônia de acendimento da tocha olímpica, no Planalto, para pedir “união do País”. Ela reconheceu que o momento “é verdadeiramente crítico”, mas disse que o País será capaz de receber bem atletas e visitantes. Manifestantes aglomeraram-se diante do palácio, a maioria contra o impeachment. (O Estado de São Paulo)

Rio Grande do Sul não vai ceder mais policiais para atuar na Olimpíada. Prioridade absoluta da segurança será para a população do RS, diz o governador

Rio Grande do Sul não vai ceder mais policiais para atuar na Olimpíada. Prioridade absoluta da segurança será para a população do RS, diz o governador

Notícias Segurança

O governo do Estado não vai mais ceder policiais militares para atuar nos Jogos Olímpicos deste ano no Rio de Janeiro. A comunicação foi feita nesta quinta-feira (14) pelo governador José Ivo Sartori, que informou também que a Secretaria da Segurança Pública está empenhada em verificar outras maneiras do Estado contribuir para o evento.

De acordo com Sartori, a cedência só ocorreria se fossem deslocados policiais militares que exercem funções na área administrativa. “O estudo técnico que me foi apresentado hoje (nesta quinta) mostra que isso não é possível. Não temos como autorizar a retirada de nenhum policial da atividade de rua. Nossa prioridade absoluta é a segurança da população do RS”, afirmou.

OAB repudia envio de PMs gaúchos para as Olimpíadas do Rio.  Comando da Brigada Militar ratificou que cem PMs serão cedidos por um período de 100 dias, a partir de julho

OAB repudia envio de PMs gaúchos para as Olimpíadas do Rio. Comando da Brigada Militar ratificou que cem PMs serão cedidos por um período de 100 dias, a partir de julho

Direito Notícias Poder Política Segurança

A seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RS) criticou a intenção do Palácio Piratini de enviar mais de cem agentes de segurança para compor o efetivo policial durante os jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro, que ocorrem entre agosto e setembro.

Em nota, a OAB-RS alertou que o Estado enfrenta a pior crise da história da área de segurança pública, com efetivo reduzido e caos prisional. Nessa segunda-feira, a Secretaria da Segurança Pública confirmou a possibilidade de envio, temporário, de 112 homens – cem policiais militares, oito civis e quatro peritos gaúchos. Hoje à tarde, o Comando da Brigada Militar ratificou que cem PMs serão cedidos por um período de 100 dias, a partir de julho.

O comunicado da OAB-RS adverte que a postura de Sartori “zomba” com o cidadão gaúcho, já amedrontado. A entidade também sustenta que a decisão pode custar mais à população inocente, que já sofre com furtos diários e tiroteios em frente de escolas, por exemplo. A OAB-RS ainda criticou que o poder de barganha do Estado em aceitar viaturas policiais e equipamentos “em troca de vidas”.

O presidente da Associação de Cabos e Soldados da Brigada Militar, Leonel Lucas, também disparou criticas contra o governador. Em função da crise financeira, o sindicalista ainda reconheceu que os PMs vão manifestar interesse em compor o efeito, uma vez que, trabalhando para o governo federal, poderão receber os salários em dia.

Leonel Lucas estima que cerca de 15 mil PMs estejam hoje nas ruas, fazendo policiamento ostensivo, em todo Rio Grande do Sul. Além disso, ele revela que durante a gestão Sartori o número de militares que foram para reserva já é superior ao período de 2012 a 2014, quando foram computadas 2.238 aposentadorias. Em 2015, quase 2,1 mil deixaram a Brigada Militar, contra pouco mais de 600 entre janeiro e abril deste ano. “A gente lamenta o posicionamento do governador, mas para o lado do brigadiano é bom porque eles não vão receber parcelado e vão ganhar diárias da União”, ponderou.

O Estado é obrigado a cumprir com o convênio, tendo em vista o Pacto Federativo e uma normativa relacionada à Força Nacional de Segurança. A cedência do efetivo para os eventos esportivos prevê contrapartidas da União como a vinda de cinco viaturas 4×4, um micro-ônibus, cem coletes balísticos, armamentos, munição e equipamentos para o Corpo de Bombeiros, por exemplo.

Pela manhã, ao comentar as críticas, o governador José Ivo Sartori frisou que o Ministro da Justiça pedia mais de 500 homens, número que foi reduzido. Ele também garantiu que nenhum praça que trabalha em policiamento ostensivo deve ser cedido.

A Secretaria Estadual da Segurança já lançou edital para convocar os interessados em compor o efetivo. Entre os pré-requisitos, estão possuir bom comportamento, não ter sido condenado nos últimos cinco anos e ter habitação para dirigir veículo, por exemplo. O teste de aptidão física, de caráter eliminatório, está marcado para ocorrer em 13 de abril, na Academia de Polícia Militar.

Leia a íntegra da nota da OAB-RS:

Informação que mais de 100 policiais vão para o RJ atuar nas Olimpíadas zomba com o cidadão gaúcho já amedrontado. Decisão poderá custar mais aos cidadãos inocentes que já sofrem com furtos diários e tiroteios em frente de escolas. Contrapartida da União em troca de vidas no RS: 5 viaturas, micro-ônibus, coletes à prova de balas, armas, munição e outros equipamentos. Há déficit de policiais no RS e o governador é precipitado ao enviar agentes para reforçar a composição da Força Nacional no RJ. Estamos passando pela maior crise de segurança pública da história do RS, sem policiamento ostensivo e caos prisional. (Lucas Rivas/Rádio Guaíba)

RS vai ceder mais de cem agentes de segurança para compor efetivo dos Jogos Olímpicos do Rio; Lucas Rivas/Rádio Guaíba

RS vai ceder mais de cem agentes de segurança para compor efetivo dos Jogos Olímpicos do Rio; Lucas Rivas/Rádio Guaíba

Cidade Notícias Poder Política Porto Alegre Segurança

O Rio Grande do Sul vai ceder temporariamente mais de cem policiais para compor o efetivo durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro, entre agosto e setembro. A proposta inicial previa a cedência de cerca de 500 agentes da segurança pública, porém, após negociação, o número final ficou em 112 homens – cem policiais militares, oito civis e quatro peritos. Ainda não há data confirmada para o envio da tropa gaúcha. A liberação dos agentes ainda depende da chancela do governador José Ivo Sartori.

O Estado é obrigado a cumprir com o convênio, tendo em vista o Pacto Federativo e uma normativa relacionada à Força Nacional de Segurança. A cedência do efetivo para os eventos esportivos prevê uma série de contrapartidas da União como a vinda de cinco viaturas 4×4, um micro-ônibus, cem coletes balísticos, armamentos, munições e equipamentos para o Corpo de Bombeiros, por exemplo.

A Secretaria Estadual da Segurança já lançou edital para convocar os interessados em compor o efetivo. O período de cedência ainda é indefinido. Entre os pré-requisitos, estão possuir bom comportamento, não ter sido condenado nos últimos cinco anos e ter habitação para dirigir veículo, por exemplo. O teste de aptidão física, de caráter eliminatório, está marcado para ocorrer em 13 de abril, na Academia de Polícia Militar.

A cedência de efetivo, ainda que temporária, tende a agravar a falta de pessoal, sobretudo na BM. Segundo levantamento da Rádio Guaíba com base no Diário Oficial do Estado (DOE), 557 PMs entraram para a reserva desde janeiro. Um grupo de PMs chegou a ser chamado para repor as baixas, mas os policias ainda devem passar por um período de treinamento, com previsão de começar a trabalhar só no segundo semestre.

Segundo dados da Lei de Acesso à Informação (LAI), obtidos na metade do mês de março, o efetivo da BM é o menor dos últimos dez anos no Rio Grande do Sul. Até o início de março de 2016, eram 21.269, mas esse número já diminuiu. A Brigada Militar admite que o número ideal é de pelo menos 37.050.