Porto Alegre: Pilotos da Stock Car visitam pacientes do Instituto do Câncer Infantil

Porto Alegre: Pilotos da Stock Car visitam pacientes do Instituto do Câncer Infantil

Cidade Crianças Destaque Esporte Porto Alegre Saúde Tecnologia Trabalho

Crianças assistidas pelo Instituto do Câncer Infantil, que estão em tratamento na oncologia pediátrica do Hospital Criança Conceição, receberam uma visita da Blau Motorsport, equipe da Stock Car. Os pilotos Cesar Ramos (RS) e Allam Khodair (SP) participam da primeira etapa da temporada 2019 do campeonato, que acontecerá no dia 7 de abril na Capital. A equipe geralmente promove uma ação em hospitais infantis e desta vez, a entidade escolhida foi o Instituto do Câncer Infantil. Foram distribuídos brindes para as crianças, como bonés oficiais da equipe autografados.

Recentemente a ala do hospital foi reformada, um projeto de ambientação e humanização, obra realizada com recursos arrecadados do projeto McDia Feliz – parceria do ICI com o Instituto Ronald McDonald’s, em conjunto com outros parceiros. O novo espaço conta com 380 m² e contempla algumas das intervenções propostas pelos funcionários e familiares com espaços que identificam a faixa etária dos pacientes.

IMG_4824
Cesar Ramos (RS) e Allam Khodair (SP)

Além disso, o ambiente está mais colorido e lúdico, aos moldes da sede do Instituto do Câncer Infantil. Foram trocados revestimentos, metais e louças dos banheiros, piso de toda a unidade, pintura geral, novas camas leito, instalações (ar condicionado, elétrica, hidrossanitária), móveis e criados novos espaços como sala de lanches e sanitário para os funcionários.

Criado em 1991, o Instituto do Câncer Infantil é uma organização sem fins lucrativos que atua para aumentar as chances de cura do câncer infantojuvenil. Referência na assistência de crianças e adolescentes com câncer, proporciona todo o auxílio necessário para a continuidade do tratamento. Através do ICI, os pacientes contam com apoio pedagógico, psicológico, nutricional, odontológico e exames especiais. Suas famílias também recebem apoio assistencial com auxílios de vestuário, calçados e alimentos. O ICI também desenvolve projetos de Pesquisas Científicas dedicados ao avanço de novos tratamentos para o câncer infantojuvenil.

Atualmente, são 109 pacientes do Hospital Criança Conceição assistidos pelo Instituto do Câncer Infantil. Assim como a Ambientação e Humanização da Oncologia Pediátrica do hospital, a nova sede do Instituto do Câncer Infantil, inaugurada em 2016, também foi construída com recursos adquiridos do projeto McDia Feliz. Entre 2017 e 2018 a ação por parte do ICI arrecadou R$ 606.965,90 em venda de tíquetes para a compra de hambúrgueres nos estabelecimentos participantes.

 

 

Pílula do Câncer: Falta de comprovação de eficácia da fosfoetanolamina leva tribunal a negar liminar para fornecimento pela rede de saúde no Rio Grande do Sul

Pílula do Câncer: Falta de comprovação de eficácia da fosfoetanolamina leva tribunal a negar liminar para fornecimento pela rede de saúde no Rio Grande do Sul

Direito Notícias Saúde
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou liminar a um grupo de cinco pacientes com câncer que solicitam o fornecimento da fosfoetanolamina pela rede pública de saúde do Rio Grande do Sul (RS). Na última semana, a 4ª Turma manteve a decisão de primeira instância por entender que não há comprovação de que a droga seja eficaz no combate à doença.

As pacientes entraram na Justiça solicitando que a Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde (FEPPS) manipule e forneça a droga que vem sendo utilizada no tratamento do câncer. Elas alegaram que não é possível obter o produto no mercado, tendo em vista que ele não possui registro sanitário e só é fabricado pelo grupo de pesquisa do instituto de química da Universidade de São Paulo (USP).

As autoras narram que os pesquisadores do FEPPS firmaram parceria com a USP para que a substância seja fabricada no RS, mas o acordo não foi homologado pelo Executivo gaúcho.

A Justiça Federal de Porto Alegre negou liminar para fornecimento imediato da droga, levando as autoras a recorrerem junto ao TRF4.

Por unanimidade, a 4ª Turma manteve a decisão. O relator do processo, desembargador federal Luís Alberto d’Azevedo Aurvalle, destacou que “não foi trazido aos autos nenhum receituário médico indicando a necessidade de utilização da fosfoetanolamina”.

O magistrado acrescentou que “ainda não existe comprovação clínica de que o composto tenha algum efeito benéfico no tratamento do câncer, assim como não se tem segurança quanto às interações com outros grupos químicos”.

A decisão é liminar. O mérito da ação ainda será julgado pela Justiça Federal de Porto Alegre.

SIMERS e OAB/RS podem levar violação de direitos humanos de pacientes à OEA

Direito Notícias Poder Política Saúde

Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) e Ordem dos Advogados do Brasil – seccional Rio Grande do Sul (OAB-RS) – vão unir esforços para fazer valer os direitos humanos dos pacientes que são mantidos em condições degradantes nas emergências psiquiátricas do SUS em Porto Alegre. Caso não haja uma ação de gestores municipais para alterar o quadro, as duas entidades vão levar a denúncia à Comissão Interamericana de Direitos Humanos que integra a Organização dos Estados Americanos (OEA).

O presidente do SIMERS, Paulo de Argollo Mendes, entregou um documento ao presidente da OAB-RS, Ricardo Breier, no fim da tarde desta segunda-feira (14), com detalhes dos flagrantes da precariedade em que são mantidos dependentes químicos e doentes com transtornos psiquiátricos no Pronto Atendimento Cruzeiro do Sul (PACS) e no Postão do IAPI, os dois do município de Porto Alegre. No PACS, pacientes dormem no chão, por falta de vagas. “Os doentes têm plaquinha na parede com seu nome, que corresponde a uma fração do lote da emergência”, descreveu Argollo.

Breier recebeu fotos e dados estatísticos sobre a permanente superlotação de serviços, que gera as cenas degradantes. O presidente da ordem gaúcha informou que a comissão de direitos humanos do órgão analisará a situação imediatamente. “Vamos solicitar uma audiência com o prefeito José Fortunati para saber o que ele pretende fazer. O SIMERS nos acompanhará. Caso não haja mudança, vamos a organismos internacionais”, adiantou o presidente da OAB-RS, que lembrou da atuação no caso da superlotação do Presídio Central, levado à OEA há mais de 10 anos pela ordem do Estado.

O dirigente da OAB-RS ficou surpreso com as condições relatadas por Argollo. A intenção é verificar a disposição do prefeito em resolver a situação. “Se precisar vamos à OEA. O Brasil é signatário da carta de direitos humanos. O assunto será tratado como ofensa do País”, justificou Argollo. O SIMERS já pediu providência da prefeitura e denunciou o fato ao procurador-geral de Justiça do Estado, Marcelo Dornelles. A entidade aguarda pela ação do MP diante dos danos à saúde e desrespeito a condições mínimas de cuidados à vida.

Além da psiquiatria, a crescente violência e falta de segurança também ser alvo de ações conjuntas. O PACS tem sido atacado por criminosos, com intensificação do medo e tensão desde setembro de 2015. “A população está com medo. Médicos relatam que o fluxo caiu pela metade nos últimos meses”, informou Argollo. Os médicos, com apoio do Sindicato, defendem a transferência do Postão a outro local.