PGR rejeita pedido para suspender nomeações de Temer para ministérios

PGR rejeita pedido para suspender nomeações de Temer para ministérios

Notícias Poder Política

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, negou pedido do deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) para suspender nomeações de ministros feitas pelo presidente interino Michel Temer. Pimenta entrou com uma representação na procuradoria, por meio da qual alegou que “diversos ministros da equipe são objeto de investigações criminais” e que, por isso, devem ter suspensas as nomeações.

Em ofício enviado ao deputado no dia 24 de maio, Janot arquivou o pedido e disse que vai adotar as “processuais adequadas, quando for o caso” ao examinar cada caso individualmente.

Na representação enviada à PGR, Pimenta pediu para Janot adotar os mesmos critérios do parecer no qual se manifestou contra a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para chefia da Casa Civil do governo da presidente afastada Dilma Rousseff, por entender que a nomeação era uma forma de desvio de finalidade.

Ao negar o pedido, Janot explicou que o deputado comparou situações diferentes. “É logicamente inadequado e juridicamente incorreto simplesmente transpor a conclusão daquele parecer para outras situações. Cada caso deve ser examinado de maneira específica”, afirmou o procurador.

“Se houver necessidade de medidas judiciais por parte da PGR contra qualquer autoridade, independentemente de ideologia e cor partidária, elas serão adotadas no tempo próprio, que nem sempre correspondem ao tempo da imprensa nem ao do jogo político-partidário”, concluiu. (Agência Brasil)

Em rede social, Temer fala como presidente e garante que manterá Bolsa Família. Petistas aproveitam post e chamam vice de golpista

Em rede social, Temer fala como presidente e garante que manterá Bolsa Família. Petistas aproveitam post e chamam vice de golpista

Notícias Poder Política

O vice-presidente da República, Michel Temer, afirmou por meio da rede social Twitter ser “mentira rasteira” a acusação de que acabaria com o programa Bolsa Família. Ele fez ainda elogios à Operação Lava-Jato e defendeu a unificação e pacificação. As mensagens de Temer nas redes sociais foram feitas um dia depois da divulgação de vídeos da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em que denunciam usurpação de poder e classificam o impeachment como “aventura golpista”.

Temer chegou a Brasília no fim da manhã deste sábado e está, no início desta tarde, no Palácio do Jaburu, recebendo aliados e parlamentares. O ex-ministro da Aviação Civil Eliseu Padilha e o senador Romero Jucá (PMDB-RR), também presidente do PMDB, são alguns dos políticos que estão com Temer. Inicialmente, o vice-presidente permaneceria em São Paulo no fim de semana, mas o PMDB resolveu reforçar as negociações após a ofensiva do governo, que conseguiu reverter alguns votos de deputados antes favoráveis ao impeachment. A reportagem completa está em O Globo.

É interessante no entanto observar o perfil de Temer no Twitter. Depois que o vice-presidente postou a mensagem: “Leio hoje nos jornais as acusações de que acabarei com o bolsa família. Falso. Mentira rasteira. Manterei todos programas sociais.”  Petistas famosos aproveitaram para atacar Temer e chama-lo de golpista:

13016899_1742908869261442_488342428_o

 

 

                                                                                                                                                                                                                                                      (Felipe Vieira com informações de O Globo)

VEJA O VÍDEO: Em ato falho, Paulo Pimenta trata Dilma como ‘ex’ (presidente). Maria do Rosário grita para auxiliar o colega, mas a oposição já comemorava o erro

Direito Notícias Poder Política

Ao pedir a palavra na comissão especial do impeachment o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) cometeu um ato falho e levou ao delírio a oposição. Pimenta saiu em defesa de Lula e, ao referir-se a Dilma, usou a expressão “ex”. “A alusão feita aqui, de maneira injuriosa, ao ex-presidente Lula e a ex…” Ao se dar conta, Pimenta parou e logo começam os gritos dos deputados de oposição. O petista nem precisou completar a frase. A bancada pró-impeachment se levantou, aplaudiu e tentou abraçar Pimenta, batizado de “o profeta”.

Na sequência a colega de partido, Mária do Rosário(PT-RS) começa a gritar desesperadamente: “Excelentíssima! Excelentíssima!” Mas, não adiantou a reação de Paulo Pimenta evidencia que ele acusou o golpe do at0-falho. Pimenta saiu do plenário após a leitura do relatório pedindo o Impeachment de Dilma, sem comentar a fala desastrada.

Juiz da Operação Zelotes é afastado após negar todos os pedidos de prisão temporária

Notícias Poder Política

O juiz da 10ª Vara Federal do DF, Ricardo Augusto Soares Leite foi afastado de suas funções e com isso deixa de julgar o caso da Operação Zelotes. Varias vezes Ricardo Leite negou solicitações feitas pelo Procurador do Ministério Público Federal Frederico Paiva. Leite foi criticado publicamente pelo MPF e Polícia Federal, responsáveis pela investigação da fraude no Carf. O desligamento do magistrado do caso foi determinado pela Corregedora Nacional de Justiça, ministra Nancy Andrighi, acolhendo uma representação do deputado federal(PT-RS) Paulo Pimenta, relator da subcomissão da Câmara dos Deputados que acompanha as investigações sobre o esquema de corrupção no Conselho de Administração de Recursos Fiscais.

A atuação do juiz era criticada por diferentes envolvidos na apuração do esquema de propinas no Conselho. Duas representações contra o Ricardo Augusto Soares Leite ingressaram contra ele na justiça. A primeira feita pelo MPF na Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 1ª região, e outra encaminhada ao CNJ pelo parlamentar gaúcho. Para Paulo Pimenta a substituição do juiz foi a melhor opção. Ele e espera que o Poder Judiciário passe a atender as solicitações do MPF e da Polícia Federal na Operação Zelotes.

“Esperamos que sejam reconsideradas decisões tomadas pelo juiz Ricardo Leite, como a de negar todos os pedidos de prisão temporária, a de impedir o acesso da população aos autos do processo, entre outras. Talvez por não ser um escândalo político mas, sim, um caso de corrupção que envolve grandes empresários e escritórios de advocacia, esse episódio no Carf parece contar com uma rede de proteção para que as ilegalidades não sejam tornadas públicas, e o maior exemplo disso é o desinteresse da mídia sobre os R$ 20 bilhões que foram desviados dos cofres públicos”, salientou Pimenta.