Pesquisa revela que 87,7% dos gaúchos querem ir às compras para o Inverno

Pesquisa revela que 87,7% dos gaúchos querem ir às compras para o Inverno

Cidade Economia Negócios Notícias Porto Alegre

Após as altas temperaturas registradas no mês de abril que fizeram com que os gaúchos tirassem do guarda-roupa as camisetas, as blusas, as bermudas e os vestidos, finalmente o frio se aproximou. Acompanhando as mudanças climáticas, as vitrines estão se preparando para atender a demanda dos clientes por novidades das próximas estações. Segundo a pesquisa Tendências AGV, da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo, 87,7% dos gaúchos fará compras de calçados e/ou vestuários para o inverno.

A pesquisa revela ainda que 71,7% dos entrevistados apontam a crise econômica como fator para reduzir o número de compras. Porém, os gaúchos não deixarão de consumir o que acham importante. Um percentual de 45,3% dos gaúchos planeja comprar até três itens das novas coleções. Conforme o presidente da AGV, Vilson Noer, ainda estamos passando por momentos de turbulência econômica, mas a pesquisa demonstra que a população não deixará de fazer compras. “Os consumidores tem diminuído gastos, fazendo cortes no orçamento, e por isso, 44,8% dos entrevistados revelaram que aproveitarão para fazer compras  nas promoções e nas condições de pagamento facilitado”, destaca.

A troca de estação sempre traz novidades em cores, cortes e modismos. Roupas no estilo animal print, conjuntos estampados, peças pretas e beges, ponchos, são algumas inspirações para as coleções de outono/inverno 2016. A pesquisa da AGV mostra que 53,3% dos gaúchos se preocupam com moda ao fazerem suas compras, e que 77,2% dos consumidores optarão por roupas mais básicas, 40,6% por roupas pretas, e 17,8% por peças de cor nude. O local escolhido para as compras por 80,2% dos consumidores são as lojas de rua. Noer reafirma a importância dos lojistas se reinventarem para que possam atender os anseios do público. “A pesquisa demonstra claramente que os gaúchos querem e irão às compras neste inverno e então é imprescindível que o varejo esteja pronto para recebê-los”, projeta.

 

Maioria quer que Dilma e Temer saiam, mostra pesquisa Datafolha; por Fernando Canzian/Folha de São Paulo

Maioria quer que Dilma e Temer saiam, mostra pesquisa Datafolha; por Fernando Canzian/Folha de São Paulo

Notícias Poder Política

Para o levantamento, foram realizadas 2.779 entrevistas em 170 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

A pesquisa também detectou uma redução, de 65% para 60%, no apoio à renúncia da presidente Dilma. As taxas dos que apoiam seu afastamento via o processo de impeachment ou pela renúncia voltaram para os patamares de fevereiro.

No caso de vacância dos cargos de presidente e vice-presidente, 79% dos brasileiros são favoráveis à realização de uma nova eleição para a Presidência da República. Uma parcela de 16% é contrária, e 4% são indiferentes ou não opinaram a respeito.

O levantamento indica que, em março, quando o apoio à saída da presidente chegou ao patamar mais elevado, a população estava sob o impacto da maior manifestação contra o governo registrada até agora, quando cerca de 500 mil pessoas, segundo o Datafolha, protestaram contra Dilma e o PT na av. Paulista, em São Paulo.

Além da capital paulista, várias outras cidades tiveram manifestações no dia 13 de março. O campo da pesquisa no mês passado foi feito logo depois, nos dias 17 e 18. A reportagem completa está na Folha de São Paulo.

Dilma está em primeiro em eleição de líder mais decepcionante do mundo

Dilma está em primeiro em eleição de líder mais decepcionante do mundo

Destaque Mundo Negócios Poder Política

A presidente Dilma Rousseff está concorrendo ao posto de líder mais decepcionante do mundo em uma enquete elaborada pela revista americana “Fortune”. A eleição está aberta no site da publicação há apenas dois dias. No entanto, o período foi o suficiente para Dilma despontar na liderança do posto indesejado. Ela recebeu, até a noite de sexta-feira, 100 mil votos, enquanto o segundo colocado — o governador do estado de Michigan, nos Estados Unidos, Rick Snyder — tem 8 mil. A dupla de ex-dirigentes da Fifa e da Uefa Joseph Blatter e Michel Platini aparece em terceiro, com 3,9 mil votos.

A enquete foi aberta após a “Fortune” listar os 19 políticos, empresários e gestores que mais decepcionaram nos últimos anos. O texto sobre Dilma lembra que ela lutou contra o regime militar, mas agora enfrenta um processo de impeachment e vê crescer um escândalo de corrupção no país. A revista cita ainda a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil e a propagação do vírus zika como um problema para os Jogos Olímpicos do Rio. Mais informações em O Globo.

Varejo prevê R$ 270 milhões com vendas de Páscoa

Varejo prevê R$ 270 milhões com vendas de Páscoa

Economia Negócios Notícias Porto Alegre

Para algumas pessoas, é impossível não pensar em Páscoa sem chocolate. Porém, há quem passe a data muito bem sem os tradicionais doces, e essa é a aposta dos lojistas do Rio Grande do  Sul. Pesquisa realizada pela Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo (AGV) aponta que 43,2% dos entrevistados gostariam de ganhar roupas, enquanto 38,6% optam pelos tradicionais chocolates, 18,2% livros e 15,9% cosméticos. Com isso, a expectativa é que o setor movimente R$ 270 milhões em vendas de produtos para a data, o mesmo arrecadado no ano passado.

Conforme o presidente da AGV, Vilson Noer, apesar da frágil confiança dos consumidores no atual cenário da economia nacional, a Páscoa carrega um simbolismo muito forte e as pessoas sempre compram ao menos uma lembrança. “Mesmo com o tíquete médio sendo o mesmo do ano passado, R$ 50,00, é possível equiparar as vendas deste ano com as de 2015, pela maior quantidade de itens apontados da pesquisa”.

O levantamento também aponta que 75% dos consumidores diminuirá o número de pessoas presenteadas, em relação ao ano passado. Um total de 45,5% presenteará de três a quatro pessoas, enquanto em 2015, a maioria dos entrevistados daria presentes para cinco ou mais pessoas. Os filhos receberão presentes de 61,4%, os cônjuges/namorados 59,1%, 36,4% presenteará os sobrinhos/afilhados, e 20,5% os pais. Entre os presentes de quem vai comprar, o chocolate lidera a preferência com 77,3% das indicações, seguido de roupas (29,5%) e brinquedos (22,7%).

As lojas de rua são as preferidas para comprar os presentes, conforme indicação de 54,5% dos consumidores. A pesquisa ainda revela que 59,1% pagará as compras com dinheiro, 36,4% com cartão de crédito e 18,2% com cartão de débito.

Saúde: Pesquisadores espanhóis desenvolvem sistema para destruir tumores

Saúde: Pesquisadores espanhóis desenvolvem sistema para destruir tumores

Notícias Saúde
Pesquisadores da Universidade de Saragoça e de Pompeu Fabra (Barcelona) desenvolveram e patentearam um gerador de impulsos de alta tensão para destruir tumores. Em nota, a Universidade de Saragoça informou que com o sistema poderão ser destruídos tumores sólidos de modo mais rápido, menos tóxico e invasivo do que por meio da quimioterapia ou da radioterapia.

As células do tumor morrem por não serem capazes de reparar os danos que os elevados campos elétricos provocam na sua parede celular.

A eletroporação irreversível tem benefícios para o doente e pode ser aplicada em conjunto com outras terapias para alcançar maior eficácia e melhorar o tempo de recuperação.

A nova tecnologia de aplicação biomédica foi divulgada no último número da revista científica IEEE Journal of Emerging and Selected Topics in Power Electronics. (Agência Lusa – Imagem: National Cancer Institute )

Impactados pela insegurança, porto-alegrenses gastaram menos com roupas e mais com materiais de construção em 2015, aponta Sindilojas

Impactados pela insegurança, porto-alegrenses gastaram menos com roupas e mais com materiais de construção em 2015, aponta Sindilojas

Economia Negócios Notícias

As lojas de vestuário e calçados da Capital registraram queda de 6,4% nas vendas em 2015, em relação ao ano anterior, conforme levantamento divulgado hoje pelo Sindilojas (Sindicato dos Lojistas de Porto Alegre). A entidade destaca que o resultado confirmou a tendência de queda no setor já registrada pelo IBGE no Rio Grande do Sul. Em nível estadual, segundo o instituto de estatísticas, o volume de vendas de roupas e calçados caiu 12,3% de janeiro a novembro, em comparação com 2014.

A menor disposição dos consumidores em gastar com vestuário foi percebida principalmente nos meses em que os servidores públicos estaduais tiveram salários parcelados e paralisaram atividades, de acordo com o Sindilojas. A queda nas vendas foi de 18% em agosto e de 21% em setembro. O vice-presidente da entidade, Arcione Piva, também atribui o resultado à sensação de insegurança nas ruas gerada pelos protestos de policiais.

Em contradição, o setor de materiais de construção encerrou o ano com saldo positivo de vendas, 3,4% maior do que no ano anterior. Para o representante, o resultado revela que, ao deixar de gastar para melhorar o guarda-roupa, os porto-alegrenses investiram em reformas para manter a segurança dentro de casa. “Temos um problema de insegurança. Então, tenho que arrumar minha casa para ficar mais tempo dentro de casa. Isso é um fator para a venda dos materiais de construção em 2015, porque as famílias se voltaram a cuidar das suas casas e se proteger”, analisa.

Os dados foram apresentados na pesquisa Termômetro do Varejo, realizada mensalmente pelo Sindilojas para avaliar a atividade econômica dos três segmentos. (Bibiana Borba/Rádio Guaíba)

Indústria inicia o ano mais pessimista do que em 2015, diz CNI

Indústria inicia o ano mais pessimista do que em 2015, diz CNI

Economia Negócios Notícias Poder Política
Os empresários brasileiros continuam pessimistas com as condições atuais e futuras da economia e das empresas. É o que mostra o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei), divulgado hoje (18) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Em janeiro, o índice ficou em 36,5 pontos, valor 7,9 pontos inferior ao registrado no mesmo mês de 2015 e está 18,4 pontos abaixo da média histórica, que é de 54,9 pontos. O indicador varia de zero a cem pontos. Quanto mais abaixo de 50 pontos, maior e mais disseminado é o pessimismo.

De acordo com a pesquisa, a confiança é menor entre os empresários da construção. Nesse setor, o índice ficou em 35,1 pontos, abaixo do índice nacional. Na indústria extrativa, o indicador alcançou 44 pontos e, na de transformação, 36,4 pontos. Nas pequenas empresas o Icei ficou em 35,1 pontos, também abaixo do índice nacional. Nas grandes empresas, chegou a 37,6 pontos e, nas médias, a 35,5 pontos.

Nesta edição do índice foram ouvidas 2.772 empresas, entre 4 e 13 de janeiro. Dessas, 1.084 são pequenas, 1.063 são médias e 625 são de grande porte. (Agência Brasil – Foto: Antonio Pinheiro/ GERJ)

Na Câmara, 42% apoiam e 31% rejeitam impeachment. 27% dos deputados não se definiram ou não responderam, aponta Datafolha

Na Câmara, 42% apoiam e 31% rejeitam impeachment. 27% dos deputados não se definiram ou não responderam, aponta Datafolha

Notícias Poder Política

Hoje há mais deputados decididos a votar a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff do que os que se dizem contrários ao afastamento dela, aponta pesquisa Datafolha. Nenhum dos lados, no entanto, reúne os votos suficientes para sair vencedor. A decisão caberá a 27% dos deputados (138 parlamentares), que não se definiram ou não responderam. No levantamento, realizado entre os dias 7 e 18 de dezembro, 42% dos parlamentares afirmaram que são favoráveis ao afastamento, o equivalente a 215 votos. Para o impeachment passar na Câmara, são necessários 342 votos, ou dois terços do total — faltam 127 votos. Do outro lado da disputa, 31% dos deputados disseram que votariam contra o impeachment, o que corresponde a 159 votos pró-Dilma, que precisa de 171. Este é o segundo levantamento do tipo que o Datafolha faz na Câmara. No primeiro (de 19 a 28 de agosto), 39% eram a favor do impeachment e 32%, contra. Caso a Câmara aprove a abertura do impeachment, caberá ao Senado decidir se ele seguirá adiante. A pesquisa completa está na Folha de São Paulo. (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Pesquisa do Cade revela que Uber criou novo mercado e não tirou clientes do táxi comum

Pesquisa do Cade revela que Uber criou novo mercado e não tirou clientes do táxi comum

Notícias Porto Alegre

Um estudo do Departamento de Estudos Econômicos do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) revela que a entrada do aplicativo Uber no mercado brasileiro não influenciou de forma significativa o mercado de táxis nacional. Pelo contrário, a empresa passou a atender uma demanda reprimida, que não fazia uso dos serviços dos taxistas comuns.

Produzido pelo DEE do Cade, o trabalho “Rivalidade após entrada: o impacto imediato do aplicativo Uber sobre as corridas de táxi porta-a-porta” está disponível no site da autarquia. O uso do Uber foi comparado com a utilização dos aplicativos 99taxis e Easy Taxi, cujos motoristas também vão até onde o cliente está.

As análises foram divididas em dois grupos: municípios já atendidos pela Uber – São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte, chamados de grupo de tratamento; e locais que, até o momento da conclusão do trabalho, ainda não possuíam a tecnologia, como Recife e Porto Alegre, relacionados no grupo de controle.

As análises foram feitas entre outubro de 2014, onde a Uber ainda não havia começado a operar nas cidades que atende hoje, e maio de 2015, mês em que o aplicativo já tinha potencial para exercer algum efeito de concorrência.

Segundo o estudo, “os resultados obtidos não fornecem qualquer evidência de que o número de corridas de táxis contratadas nos municípios do grupo de tratamento tenha apresentado desempenho inferior aos do grupo de controle”.

O Cade explica ainda que a análise do período examinado “demonstrou que o aplicativo, ao contrário de absorver uma parcela relevante das corridas feitas por taxis, na verdade conquistou majoritariamente novos clientes.

O departamento do Cade concluiu o trabalho apontando que as evidências observadas sugerem a criação de um novo mercado. A tendência, porém, de acordo com o DEE, é que a rivalidade entre os serviços de caronas pagas e de corridas de táxis cresça, fomentando a competição entres os agentes econômicos e possibilitando mais opções aos consumidores. (Rádio Guaíba)

Aécio Neves e Geraldo Alckmin venceriam pleito no RS

Notícias Poder Política

Aecio

O Instituto Paraná Pesquisas e o Correio do Povo iniciam nesta quinta-feira a apresentação de uma série de cinco consultas realizadas no Estado com o objetivo de avaliar a opinião pública sobre a administrações federal e estadual, a situação eleitoral nos municípios de Porto Alegre, Canoas e Santa Maria e, ainda, sobre demandas sociais no Rio Grande do Sul. A primeira pesquisa avaliou o cenário eleitoral para a Presidência da República, bem como o desempenho da presidente Dilma Rousseff no Estado.

A pesquisa teve como abrangência os eleitores do Estado do Rio Grande do Sul maiores de 16 anos. Foi utilizada uma amostra de 1.506 eleitores, em 78 municípios, sendo esta estratificada segundo sexo, faixa etária, grau de escolaridade e posição geográfica. O levantamento foi realizado entre os dias 4 e 7 de dezembro. A amostra representativa no Estado tem um grau de confiança de 95,0% para uma margem estimada de erro de aproximadamente 2,5% para os resultados gerais.

A pesquisa para a Presidência da República revela que se a eleição fosse hoje, o candidato do PSDB venceria o pleito no Estado nos dois cenários apresentados. No primeiro cenário, Aécio Neves (PSDB) teria 41,1% contra 14,7% de Marina Silva (Rede) e 12,7% de Lula (PT). No segundo cenário, com Geraldo Alckmin (PSDB), o tucano sairia na frente com 29,2% dos votos, contra 19,7% de Marina Silva (Rede) e 13,6% de Lula (PT).

Leia nesta sexta-feira a pesquisa de avaliação do governo do peemedebista José Ivo Sartori.





Fonte:Correio do Povo