Pesquisa inédita realizada pelo IBOPE Inteligência traça o perfil dos proprietários de pets no Brasil

Pesquisa inédita realizada pelo IBOPE Inteligência traça o perfil dos proprietários de pets no Brasil

Comportamento Comunicação Crianças Notícias
 O IBOPE Inteligência, em parceria com o Centro de Pesquisa WALTHAM® – a principal autoridade científica em bem-estar e nutrição de pets – e o Professor Doutor Ricardo Dias, docente da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de São Paulo (USP), realizou uma pesquisa inédita para estudar o padrão de comportamento do brasileiro na interação com seus pets, além de entender as principais barreiras para aqueles que, atualmente, não possuem animais de estimação, mas gostariam de adquirir um. A pesquisa foi encomendada pela Mars Brasil, líder no mercado de alimentação para cães e gatos com marcas como PEDIGREE®, ROYAL CANIN®, WHISKAS® E EUKANUBA™.
O Brasil possui, atualmente, 52,2 milhões de cães e 22,1 milhões de gatos sendo que, dos 65 milhões de domicílios do país, 44,3% possuem pelo menos um cachorro e 17,7% pelo menos um gato, de acordo com dados do IBGE. A pesquisa IBOPE Inteligência mostrou que a maioria dos brasileiros proprietários desses cães é homem, casado, mora com mais de uma pessoa e é de classe AB. Já os proprietários de gatos são, em sua maioria, mulheres, solteiras, que moram em apartamentos e são de classe BC.
A pesquisa comprovou, ainda, a conexão emocional dos brasileiros com seus animais de estimação, assunto amplamente estudado por WALTHAM® no mundo todo. Para o Centro de Pesquisas, os pets representam uma parte essencial da sociedade e fornecem um apoio valioso em facilitar a interação humana e os contatos sociais, além de proporcionar companhia. As evidências científicas têm demonstrado os inúmeros benefícios advindos dos pets, não só para os seus donos, mas também para a sociedade como um todo. Tese comprovada no Brasil por meio dos resultados da inédita pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência.
“Existem dados referentes ao comportamento do proprietário de cães e gatos publicados em outros países, mas no Brasil é a primeira vez que temos acesso a essas informações em nível nacional, reforçando a relevância social dos animais de estimação e contribuindo para inúmeras pesquisas acadêmicas realizadas hoje na Medicina Veterinária”, ressalta o professor Ricardo Augusto Dias.
Donos de cães
A pesquisa mostrou que os proprietários de cães são, em sua maioria (51%), casados, têm, em média, 41 anos e 93% moram com mais de uma pessoa. Além disso, observou-se que 82% são de classe AB (na classe A são 24%), 59% moram em casas e 24% adotaram seus cães, sendo 59% deles SRD (sem raça definida).
Dos entrevistados, 68% acreditam que os cães trazem conforto emocional e 44% veem seus cachorros como filhos, sendo que a maioria desses respondentes são mulheres solteiras de até 40 anos. Os donos de cães levam, em média, 2,8 vezes por ano seus cães ao Médico-Veterinário, sendo que 79% levam pelo menos 1 vez no ano para vacinação. A alimentação manufaturada foi apontada como a melhor opção para os cães, já que 95% dos donos optam por alimentação seca.
Na fase qualitativa da pesquisa, foram identificados três perfis de donos de cães: os pragmáticos, aqueles que possuem uma relação racional com seus pets; os envolvidos, no qual os cães podem
frequentar apenas áreas sociais da casa; e os apaixonados, que possuem alto nível de envolvimento, apego e dedicação com seus pets. Os perfis predominantes entre os brasileiros são os envolvidos e apaixonados, dado reforçado na fase quantitativa, que mostrou que 64% dos entrevistados deixam os cães dormirem dentro de casa.
Donos de gatos
Em relação aos donos de gatos, a pesquisa mostra que 61% são mulheres, têm em média 40 anos e 62% moram em casas. Dos entrevistados, 48% acreditam que os felinos entendem o humor dos donos e 45% veem seus gatos como filhos, sendo a maioria desses respondentes, mulheres solteiras de até 40 anos.
Na fase qualitativa, foram identificados três perfis de donos de gatos: os apaixonados, defensores da categoria, que podem ser chamados de gateiros ou cat lovers; os resignados, aqueles que gostariam de ter cachorro, mas acabaram por ter gato e os convertidos, aqueles que não pensavam em ter, foram influenciados por conhecidos e viraram fãs. Observou-se, também, que as características relacionadas aos gatos apontadas pelos entrevistados são mais voltadas ao que ele é e menos ao que ele significa – alguns exemplos: gatos são mais independentes, são menos carentes, não precisam tomar banho com frequência, entre outras.
Dos proprietários de gato, 39% também têm cães e a porcentagem de donos de felinos (42%) que acreditam que pets são boa companhia para crianças é numericamente maior do que a de proprietários de cães (40%). Se comparado aos proprietários de cães, os proprietários de gatos levam menos os pets ao Médico-Veterinário – média de 2,3 vezes por ano. A alimentação manufaturada foi apontada como a melhor opção para o pet, pois 94% dos entrevistados optam por alimentação seca.
Não proprietários
A pesquisa mostrou que 47% dos entrevistados que não possuem pets são casados, têm, em média, 37 anos, 25% moram com filhos de até 9 anos, 57% moram em apartamento e 94% deles já tiveram um animal de estimação antes. Dentre os aspectos apontados para justificar o porquê de não possuírem um pet estão: não ter alguém em casa para cuidar enquanto estão no trabalho, compromisso por muitos anos e o fato dos custos com cuidados serem altos. A vontade de adquirir/comprar/adotar um animal de estimação é apontada por 100% dos entrevistados, sendo que 90% pretendem adquirir um cão e 20% têm a intenção de ter um gato.
Sobre a pesquisa
A pesquisa foi dividida em duas etapas, sendo que a qualitativa foi feita com 13 grupos de discussão em São Paulo, Recife e Porto Alegre. As entrevistas foram realizadas com homens e mulheres a partir de 25 anos, divididos em três grupos: donos de cães, donos de gatos e não possuidores – com intenção de ter um pet nos meses de janeiro e fevereiro de 2015.
A etapa quantitativa tem uma base de 900 entrevistados, sendo 300 donos de cães, 300 donos de gatos e 300 não possuidores – com intenção de ter. As entrevistas foram realizadas com homens e mulheres a partir de 25 anos em São Paulo, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Porto Alegre, Salvador e Distrito Federal entre os dias 25 de junho a 17 de julho de 2015. A margem de erro da pesquisa é de 6 pontos percentuais por segmento e de 3 pontos percentuais no total da amostra.
Sobre a Mars, Incorporated
A Mars, Incorporated é uma empresa familiar, privada, com mais de 100 anos de história e dona de algumas das marcas mais amadas do mundo, como M&M’S®, TWIX®, SNICKERS®, PEDIGREE®, ROYAL CANIN®, WHISKAS®, EUKANUBA™ e UNCLE BEN’S®. Sediada em McLean, no estado norte-americano da Virginia, a Mars tem faturamento acima de US$ 33 bilhões em vendas oriundas de seis distintas linhas de negócio: Petcare, Chocolate, Wrigley, Food, Drinks e Simbiocience. Mais de 75 mil colaboradores de 74 países estão reunidos sob os Cinco Princípios da empresa: Qualidade, Eficiência, Responsabilidade, Mutualidade e Liberdade, e lutam, diariamente, para desenvolver o relacionamento com públicos de interesse, a fim de estimular o crescimento do qual a empresa se orgulha.
Sobre o WALTHAM® Research Center
Já celebrando mais de 50 anos de ciência inovadora, o WALTHAM®, Centro de nutrição e bem-estar animal atua como uma importante autoridade científica no desenvolvimento das fronteiras de pesquisa sobre a nutrição e a saúde de animais de estimação. Situado em Leicestershire, Inglaterra, o renomado instituto de ponta de ciências da Mars, Incorporated gera conhecimentos que permitem o desenvolvimento de produtos inovadores, que atendem as necessidades dos animais de estimação de uma maneira prática. Desde a publicação de sua primeira pesquisa original, em 1963, o WALTHAM® é o pioneiro de muitos avanços importantes no campo da nutrição de animais domésticos e interação humana-animal, resultando em mais de 1.700 publicações, incluindo mais de 600 revisões por pares de trabalhos científicos. Hoje, o WALTHAM® continua a colaborar com os melhores institutos científicos do mundo, gerando a visão de cuidados com os animais domésticos da Mars para criar um mundo melhor para os animais e fornecer a ciência e a expertise que sustenta importantes marcas da Mars, como WHISKAS®, PEDIGREE®, NUTRO®, TRILL®, CESAR®, SHEBA®, KITEKAT®, DREAMIES™, AQUARIAN®, WINERGY®, BANFIELD® Pet Hospital e a marca ROYAL CANIN.
Sobre o IBOPE Inteligência
O IBOPE Inteligência é uma empresa privada brasileira que contribui para seus clientes terem conhecimento e compreensão adequados da sociedade e dos mercados onde atuam, auxiliando na tomada de decisões táticas e na elaboração de estratégias no planejamento de negócios. Seu diferencial está baseado em uma equipe multidisciplinar integrada, profissionais altamente qualificados e especialistas no conhecimento do cidadão e do consumidor.
Sobre o professor Ricardo Dias
Graduado em Medicina Veterinária pela Universidade de São Paulo (USP), com mestrado e doutorado em Epidemiologia também pela USP, atualmente é Professor Doutor na Faculdade de Medicina Veterinária da mesma Universidade. O Professor Ricardo Dias acumula ainda ampla experiência em Epidemiologia Animal, tendo atuado no Ministério da Agricultura e colaborando, atualmente, em programas sanitários nacionais e estaduais.
BBB das PETS: Deputada propõe que serviços de banho e tosa de cães e gatos possam ser monitorados via Internet

BBB das PETS: Deputada propõe que serviços de banho e tosa de cães e gatos possam ser monitorados via Internet

Cidade Comportamento Comunicação Crianças Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre prefeitura Segurança Vídeo
 
PL de Regina define prazo para estabelecimentos adequarem-se e multa por desobediência às normas
Deputada Regina Becker. Foto: Marcelo Bertani
Através do PL 35/2016, a deputada Regina Becker Fortunati (REDE) pretende legislar sobre o monitoramento pela Internet dos serviços comerciais de banho e tosa de animais domésticos de pequeno e grande porte, no caso, cães e gatos. Segundo a proposta, “o banho e a tosa somente poderão ser realizados em locais que possibilitem aos clientes e visitantes do estabelecimento a visão total dos serviços”.
Caso o projeto seja aprovado, haverá o prazo de dois anos, a contar da publicação da Lei, para que todos os estabelecimentos comerciais que prestem os serviços de banho e tosa em cães e gatos domésticos instalem sistema de câmeras de monitoramento que filmem os serviços prestados e que permitam o acompanhamento dos serviços pelos clientes através da Rede Mundial de Computadores (internet). Prevê, ainda, o armazenamento das gravações pelo período de seis meses após a realização das mesmas. A desobediência às normas implicará em multa de R$ 10 mil.
Inibir os maus-tratos
A autora da proposta diz que a iniciativa busca “inibir a prática de maus-tratos aos animais, dando mais segurança e tranquilidade aos seus tutores e credibilidade aos estabelecimentos comerciais que atuam no ramo de pet shop”. Ela refere o caso de cadela braquicefálica (síndrome respiratória caracterizada pela obstrução parcial das vias aéreas superiores devido a alterações anatômicas) que morreu em pet shop em Porto Alegre após ficar trancada em sala fechada. O caso aconteceu no ano passado.
A parlamentar ainda lembra que, em Ijuí, em 2014, uma cadela poodle morreu em pet shop com hemorragia interna, resultado de maus-tratos confessados pelo funcionário da clínica. O caso mais grave, conforme a justificativa do projeto, ocorreu em pet shop no Rio de Janeiro, em 2012, onde as agressões a um labrador e um cão vira-lata foram gravadas em vídeo e veiculadas, resultando na perda do alvará de funcionamento do estabelecimento.
Por causa de episódios como estes, conforme explica Regina, o Conselho Federal de Medicina Veterinária determinou, em 2015, a contratação de responsável técnico para acompanhar o tratamento dado aos animais e garantir a sua segurança e bem-estar durante a venda, adoção, exposição ou atendimento – como banho e tosa, oferecendo instalações adequadas.
CRMV-RS publica nota técnica sobre hospedagem de animais

CRMV-RS publica nota técnica sobre hospedagem de animais

Direito Economia Gastronomia Negócios Notícias Porto Alegre Saúde

A chegada do período de férias representa um desafio para quem tem animais de estimação e precisa viajar. Diante desta realidade, a hospedagem é um negócio que cresce muito, acompanhando o avanço do mercado pet no Brasil. Junto com empresas sérias e que seguem à risca as leis e normativas que regulamentam este tipo de empreendimento, surgem alternativas que podem ser perigosas para os animais e seus donos. Por isso, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul publicou uma nota técnica para esclarecer o público em geral sobre as exigências legais para oferecer serviços de hospedagem. O documento alerta sobre ofertas facilmente disponíveis em buscas na internet onde ”é possível encontrar casas particulares, hotéis e pousadas que se oferecem para receber animais sem preencher requisitos mínimos legais e estruturais.”

O coordenador de fiscalização e orientação profissional do CRMV-RS, Mateus Lange, alerta que atualmente existe até um serviço na internet que faz a mediação da hospedagem em casas de terceiros. “São iniciativas extremamente perigosas pois além de não haver nenhum controle sobre a circulação de animais nestas residências, não há um veterinário que possa se responsabilizar por qualquer ocorrência no período de permanência do animal”. Lange afirma que além da transmissão de doenças, esse tipo de serviço não-regulamentado pode provocar acidentes, fugas ou maus-tratos.  A Nota Técnica emitida pelo Conselho orienta a busca de locais que ofereçam condições plenas de bem-estar aos animais hospedados, a verificação do controle de zoonoses e de doenças que o animal hospedado possa contrair (ou disseminar pelo contato com o ambiente ou com os demais animais) e a procura por locais que ofereçam proteção contra fuga e correto descarte de resíduos.

A presença do veterinário em empreendimentos desta natureza contribui ainda para evitar problemas como estresse psicológico – que pode ser causado por isolamento, manejo irregular ou falta de exercícios. O profissional deve contribuir ainda para o controle da separação de animais por porte, idade e sexo para evitar brigas e lesões.

Para ler a nota na íntegra, clique abaixo:

http://www.crmvrs.gov.br/PDFs/NT_08_2015_Hospedagem_Animais.pdf