Senador cassado Luiz Estevão se entrega à Polícia Civil do DF. Ele deve cumprir pena pela condenação, de 2006, imposta pela Justiça de São Paulo; do Correio Braziliense

Senador cassado Luiz Estevão se entrega à Polícia Civil do DF. Ele deve cumprir pena pela condenação, de 2006, imposta pela Justiça de São Paulo; do Correio Braziliense

Notícias

O senador cassado Luiz Estevão se entregou na manhã desta terça-feira à Polícia Civil do DF. Uma Pajero Dakar descaracterizada foi vista saindo da residência dele, no Lago Sul. A Primeira Vara da Justiça Federal em São Paulo determinou a expedição de mandado de prisão. O empresário foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), em 2006, pelo escândalo das obras do TRT-SP. Mas, na última década, apresentou sucessivos recursos ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF) e, assim, conseguiu postergar o início do cumprimento da pena.

A condenação é de 31 anos de prisão pelos crimes de corrupção ativa, estelionato, peculato, formação de quadrilha e uso de documento falso. Dois dos crimes, quadrilha e uso de documento falso, podem estar prescritos e a pena final deve ser de 26 anos.

Na noite de ontem, os filhos de Luiz Estevão foram para a casa dele no Lago Sul. Por telefone, ele disse ao Correio, que não iria comentar a determinação da Justiça, por já ter feito isso com outros meio de comunicação. Disse ainda que ia se entregar para a polícia na manhã desta terça-feira (8/3), antes das 10h, caso não fossem buscá-lo hoje.

Na decisão da Justiça Federal, o juiz Alessandre Diaferia escreveu que “foram interpostos nada menos que 34 recursos pela defesa dos réus” nesses mais de 10 anos em que rola o processo. ““O fato é que há quase 10 anos, os acusados Luiz Estevão de Oliveira Neto e Fábio Monteiro de Barros Filho possuem contra si uma decisão condenatória que aguarda trânsito em julgado para o início de sua execução”, disse.

Entenda o caso
As irregularidades cometidas por Luiz Estevão começaram em 1992, na construção do fórum, mas só vieram à tona em 1998. O senador revelou o esquema na CPI realizada em 1999 para investigar o Poder Judiciário. Em valores da época, o desvio foi de R$ 170 milhões e culminou na condenação do juiz Nicolau dos Santos Neto — Lalau, como era conhecido, teve pena de 26 anos e 6 meses de prisão decretada —, que foi beneficiado por um indulto de Natal editado pela Presidência da República para todos os presos do país que já tivessem cumprido um quarto das respectivas penas. Ele deixou a prisão em junho de 2014. (Correio Braziliense)

Família argentina esquece filha em posto de combustíveis de Eldorado do Sul. Foi o segundo caso parecido em pouco mais de duas semanas

Família argentina esquece filha em posto de combustíveis de Eldorado do Sul. Foi o segundo caso parecido em pouco mais de duas semanas

Notícias

Uma família argentina esqueceu, nesta tarde, a filha de 19 anos em um posto de combustíveis da BR 290, em Eldorado do Sul, na região Metropolitana de Porto Alegre. A família segua pra casa depois de passar férias em Florianópolis, Santa Catarina. Federica Sosa desceu do carro para colocar lixo na lixeira, quando os pais retomaram a viagem de retorno a Buenos Aires. A jovem já foi devolvida aos familiares.

O caso ocorreu por volta das 14h30, no posto do km 107 da rodovia. Outra família argentina foi abordada por policiais rodoviários para que ficasse com a jovem até o reencontro, que ocorreu cerca de 45 minutos depois de ela ser deixada. Patrulheiros emitiram alerta para que as equipes de ronda abordassem o veículo Toyota Corolla cor prata em que a menina estava. Antes disso, no entanto, os pais perceberam e voltaram para buscá-la. Os pais alegaram que não se deram conta que ela não estava mais no carro e seguiram mais de 60 km para sentirem falta da filha.

Em janeiro, outra argentina foi esquecida, mas pelo marido, em um posto de combustíveis na BR-285, em Passo Fundo, no Norte do Estado. A família também retornava de férias no Brasil. A mulher estava no banco traseiro e saiu para ir a loja de conveniência. O marido já havia rodado cerca de 160 km e voltou para buscar a esposa. (Samuel Vettori / Rádio Guaíba)