“O Brasil está submetido ao teste de estresse, mas vamos superar”.  Declaração do ministro Armando Monteiro no lançamento do Premio Exportação RS é uma aposta de melhora do cenário das exportações para 2016

“O Brasil está submetido ao teste de estresse, mas vamos superar”. Declaração do ministro Armando Monteiro no lançamento do Premio Exportação RS é uma aposta de melhora do cenário das exportações para 2016

Cidade Economia Negócios Notícias Política
FabianoPanizzi_20160405_01_0030
Salão lotado para ouvir o ministro Armando Monteiro. Foto: Fabiano Panizzi/ADVB

Custos sistêmicos, sistema tributário disfuncional e o desequilíbrio macroeconômico seguem como gargalos para quem quer produzir e exportar. Ao cenário, já conhecido pelas indústrias brasileiras, foi acrescentado um novo componente: a crise política. “Vivemos momentos difíceis. O Brasil está submetido ao teste de estresse, mas não tenho dúvidas ao dizer que o país vai encontrar respostas e superar tudo isso. Mesmo apontado mazelas, como a corrupção, este processo de crise revelou a solidez e o alto grau de autonomia das instituições. Em que outro país emergente isso aconteceria?”, questionou Armando Monteiro, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, na palestra de lançamento do 44º Prêmio Exportação RS. No evento realizado pela ADVB/RS nesta terça-feira (5) no Sheraton Porto Alegre Hotel, também foi anunciado o nome de Alexandre Grendene como a Personalidade Competitividade Internacional.

Ao citar que o projeto de ajuste da economia não se completou, o ministro informou que o realinhamento cambial, considerado fundamental na economia, pesou na receita das vendas externas. Mas ainda é preciso fazer o dever de casa, segundo ele. Pontos como reforma estrutural para quebrar a vinculação rígida dos gastos públicos (hoje, 91% das despesas obrigatórias são folha de pagamento e financiamento da Previdência), por exemplo. “A economia se contrai e os gastos continuam a se expandir”, relatou na palestra Estratégias e Instrumentos para o Desenvolvimento das Exportações Brasileiras.

40 BRASIS – No plano das exportações, Monteiro reafirmou que não se opta pelo comércio internacional somente quando é conveniente. Bem ao contrário, a aposta de contratar demandas externas deve ser permanente. “Hoje, há um PIB de 40 Brasis fora de nossas fronteiras. E devemos buscar estes mercados”, disse ele, incitando a plateia, formada pelo vice-governador do RS, José Paulo Dornelles Cairoli, presidente de federações e associações, presidentes e executivos das maiores empresas do Rio Grande do Sul. O ministro também destacou três ações trabalhadas com o mercado externo, entre elas a construção de um padrão de convergência regulatório com os Estados Unidos, que beneficiará diversos setores, como da cerâmica; o direcionamento do olhar para os países da Aliança do Pacífico e o fechamento de acordos na área de serviços e para desgravação tarifária. Por falar em acordo, ainda em abril deve ser iniciado as trocas comerciais entre Mercosul e União Europeia, processo que se arrasta há mais de 20 anos.

O presidente da ADVB/RS, Sergio Maia, relembrou a importância da premiação, que se mantém ativa por 44 anos, mas também fez referência a batalha cotidiana para as empresas crescerem e conquistarem a inserção no mercado global. “Mesmo sendo a 7ª maior economia, com 3% do PIB mundial, ainda estamos no 25º lugar em termos de exportações, com apenas 1,2% do total. Do gap a ser preenchido, as exportações representam atualmente 11,5% da economia brasileira, uma grande distância da média global de 29,8%. Dentro do universo mensurado pelo Banco Mundial exportamos proporcionalmente mais apenas que economias como Afeganistão, Burundi, Sudão, República Centro Africana e Kiribati”, afirmou.

Para o presidente da ADVB/RS, em um mundo global, apenas poderemos ser grandes, se nos virarmos para fora, viabilizando modelos de negócio com escala e eficiência suficientes para competir. Segundo ele, o governo não deve atrapalhar, mas negociar acordos e tratados que eliminem entraves por parte de outros governos, e alocar um pouco do dinheiro que as empresas e os contribuintes pagam em impostos para reduzir os custos de transação.  “Países não são mais bandeiras, são plataformas onde empresas desenvolvem seus negócios a escala global, o chamado mundo plano”.

TALENTO – Anfitrião do evento de lançamento, o empresário e presidente do Conselho Prêmio Exportação RS, Renato Malcon, enfatizou que a ousadia e o talento dos empreendedores merecem esforços governamentais de respaldo estratégico e material em vários campos da responsabilidade pública. “Nestas quatro décadas de prêmio, atravessamos crises e desencontros, mas nossos empresários souberam vencer os desafios do comércio com outros países e, com impressionante obstinação, abriram fronteiras, rasgaram horizontes e deram exemplo de como se deve expandir mercados.”  O  governador Cairoli também reforçou a inteligência do Rio Grande do Sul,  que deveria ser restituído por algum imposto por exportar tantos talentos.   Segundo ele, o mundo vê o Estado com um grande parceiro comercial. O 44º Prêmio Exportação, promovido por 19 instituições que representam o comércio exterior brasileiro, será realizado em 21 de junho, no Bourbon Country, em Porto Alegre.