Procon Porto Alegre orienta sobre compras do Dia dos Pais

Procon Porto Alegre orienta sobre compras do Dia dos Pais

Agenda Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre Segurança Turismo

 

O Procon Porto Alegre alerta para os cuidados que devem ser tomados para economizar e comprar com segurança os presentes para o Dia dos Pais, considerado a terceira melhor data do ano para vendas do comércio. De acordo com o Procon, o consumidor deve pesquisar preços em lojas físicas e da Internet no caso de precisar economizar nas compras. Ele deve exigir sempre a nota fiscal do produto ou serviço adquirido, que é  a garantia para mercadorias que apresentam defeito e necessitam de troca. O Procon esclarece que o lojista não é obrigado a trocar produtos que não contenham defeito. O fornecedor, neste caso, só realiza a troca com o objetivo de fidelizar o cliente.

Em caso de defeito do produto o consumidor tem um prazo de 30 dias para reclamar de problemas para produtos não duráveis, como bebidas e alimentos, e de 90 dias para produtos duráveis, como vestuário e eletrônicos, por exemplo. Nas compras realizadas com cartão de crédito o consumidor deve calcular se poderá quitar as faturas do cartão integralmente pois pagar o valor mínimo pode levar ao superendividamento, dadas as altas taxas de juros do crédito rotativo das operadoras de cartão de crédito.

O Procon alerta para o fato de haver diferença entre o preço exposto na vitrine da loja do afixado no produto. Neste caso, o cliente tem direito de pagar o menor preço indicado. Se o consumidor optar por levar o pai para almoçar ou jantar fora, deve estar ciente de que é ilegal a cobrança de consumação mínima. O pagamento do couvert artístico só pode ser cobrado no caso de show ao vivo.

Internet – Caso a compra tenho sido efetuada pela Internet o consumidor não pode esquecer de imprimir o comprovante de pagamento da compra que deve conter a descrição do pedido, o e-mail de confirmação e a data da entrega do produto. Deve-se evitar sites que não informam o CNPJ e o endereço e desconfiar daqueles que anunciam preços muito abaixo do mercado. Na página do Procon Porto Alegre, www.portoalegre.rs.gov.br/procon, o consumidor pode consultar a listagem de sites não seguros para compras online.

O Procon esclarece ainda que nas compras feitas pela Internet, catálogo, ou telefone prevalece o direito do arrependimento. O consumidor pode desistir da compra e receber a quantia desembolsada em até sete dias a contar do recebimento do produto ou serviço. O Procon informa que quando o produto for entregue fora da data estabelecida, o consumidor pode desistir da compra, recebendo o valor pago de volta.

Época: PF encontra cofre da família de Lula; por Thiago Bronzatto e Filipe Coutinho, com Thalita Fernandes/Época

Época: PF encontra cofre da família de Lula; por Thiago Bronzatto e Filipe Coutinho, com Thalita Fernandes/Época

Direito Notícias Poder Política
O ex-presidente Lula durante coletiva de imprensa na sexta-feira, dia 4, após ação da PF na Operação Aletheia (Foto:  EFE/LEO BARRILARI)
O ex-presidente Lula durante coletiva de imprensa na sexta-feira, dia 4, após ação da PF na Operação Aletheia (Foto: EFE/LEO BARRILARI)

A Polícia Federal encontrou um cofre da família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em novas diligências secretas realizadas ao longo desta semana. Dessa vez, os alvos foram presentes e joias raras recebidos por Lula durante encontros oficiais com chefes de estado. Os bens estão guardados, sem custo algum, em 23 caixas lacradas numa agência do Banco do Brasil, localizada no centro de São Paulo, desde 21 de janeiro de 2011, mês em que Lula deixou o governo.

O pedido da nova busca e apreensão ocorreu após os policiais encontrarem na residência do ex-presidente em São Bernardo do Campo, grande São Paulo, um documento intitulado “Termo de Transferência de Responsabilidade (Custódia de 23 caixas lacradas)”, datado de 19 de março de 2012. No material, consta a informação de que os bens estão sob a guarda da mulher de Lula, Marisa Letícia Lula da Silva, e de seu filho Fábio Luis Lula da Silva, conhecido como Lulinha. Entre os responsáveis pela entrega dos presentes na agência está Rogério Aurélio Pimentel, assessor especial do ex-presidente, apontado como suspeito de ter bancado despesas da reforma do sítio em Atibaia, São Paulo, frequentado ao menos 111 vezes por Lula.

Entre os 132 objetos encontrados, classificados como joias e obras de arte, estão medalhas, moedas, comendas, adagas, entre outras peças que Lula ganhou de chefes de estado durante as missões diplomáticas que cumpriu em diversos países, do Chile à Ucrânia. A PF precisou de dois dias para analisar todo o acervo. Nos materiais identificados pelos investigadores, está um crucifixo talhado em madeira, uma obra barroca do século XVI que ficou famosa por ter desaparecido do Planalto quando Lula deixou o governo, em janeiro de 2011. Naquele ano, ÉPOCA revelou que o Cristo morto e crucificado foi dado ao ex-presidente em meados de 2003 por José Alberto de Camargo, então diretor da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM). O empresário desembolou R$ 60 mil pela lembrança religiosa. Esse e outros itens não foram movimentados ou alterados no cofre desde janeiro de 2011 até hoje. De acordo com o relatório da PF, o gerente da agência do BB, Sérgio Ueda, disse que “não há custo de armazenagem para o responsável pelo material”.

Uma boa parte dos pertences de Lula retirados do Palácio do Planalto, do Palácio do Alvorada e da Granja do Torto estava armazenada em 10 contêineres em Barueri, na grande São Paulo. A despesa da custódia, orçada em R$ 1,3 milhão, foi bancada pela construtora OAS, envolvida no escândalo do Petrolão, segundo revelou a PF na 24ª fase da Lava Jato.

No último dia 9 de março, o Senado aprovou um requerimento para pedir ao Tribunal de Contas da União (TCU) que realize uma auditoria para apurar possíveis desvios ou desaparecimento de bens dos palácios do Planalto e da Alvorada.

Procurado, o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula, afirmou que “a discussão do acervo presidencial foge completamente ao escopo da operação da Lava Jato”. “Se existe alguma irregularidade, esse critério deve ser revisto para todos os ex-presidentes da República desde 1991. Nesse caso, a competência não é da operação Lava Jato, mas do MPF de Brasília que conduz um inquérito sobre o assunto”, disse o criminalista. Em setembro do ano passado, a Procuradoria da República no Distrito Federal instaurou um inquérito civil para apurar suspeitas de apropriação indevida de bens públicos recebidos por ex-presidentes em encontros diplomáticos. O procedimento ainda está em andamento.

Porta de cofre da agência do Banco do Brasil do centro de SP (Foto: Reprodução)
Porta de cofre da agência do Banco do Brasil do centro de SP (Foto: Reprodução)
Material apreendido em sala-cofre do Banco do Brasil (Foto: Reprodução)
Material apreendido em sala-cofre do Banco do Brasil (Foto: Reprodução)
Espada guardada em sala-cofre da agência do Banco do Brasil do centro de SP (Foto: Reprodução)
Espada guardada em sala-cofre da agência do Banco do Brasil do centro de SP (Foto: Reprodução)

“Semana do Natal é a mais importante do ano para os lojistas”, diz presidente da CDL

Economia Negócios Notícias
Compras de Natal devem movimentar quase R$ 400 milhões em Porto Alegre. Foto: Samuel Maciel/CP
Compras de Natal devem movimentar quase R$ 400 milhões em Porto Alegre. Foto: Samuel Maciel/CP

O presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (CDL POA) está otimista para as vendas de Natal. De acordo com Gustavo Schiffino, a semana que antecede a data é a mais importante do ano para o varejo. Levando em consideração as turbulências econômicas de 2015, a projeção da CDL é que as compras de fim de ano devem movimentar R$ 399 milhões, o mesmo valor de 2014. “A gente está esperando um bom Natal. Por mais que tenha sido um ano complicado, estão se confirmando as estimativas da pesquisa feita pela CDL e pelo Sindilojas, com muitos presentes, mas com um valores menores do que no ano anterior. De qualquer forma, esta é a semana mais importante para os lojistas”, apontou Schiffino.

Os itens mais vendidos devem ser os de confecção, como roupas, calçados e acessórios. Eletrodomésticos e eletrônicos devem registrar queda nas vendas na comparação com anos anteriores.

No acumulado de 2015, as vendas do comércio da Capital registraram queda superior a 6%. Porém, o presidente da CDL afirmou que, desde novembro, a curva de queda na comercialização têm diminuído e esta alteração pode indicar um horizonte melhor para as vendas em 2016. O tíquete médio de vendas deve ser de R$ 150. De acordo com a pesquisa da CDL, 57% dos entrevistados vão participar de amigo-secreto no fim do ano. Além disso 31% dos participantes afirmaram que só farão as compras na última semana antes do Natal. (Eduardo Paganella / Rádio Guaíba)

Pesquisa mostra tendências de consumo para Natal 2015

Pesquisa mostra tendências de consumo para Natal 2015

Cidade Comportamento Comunicação Crianças Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Porto Alegre

Pinheirinho farto de presentes, casas enfeitadas, lojas movimentadas. Assim se encaminha o Natal de 2015, segundo pesquisa de intenção de compras encomendada pelo CDL Porto Alegre e Sindilojas Porto Alegre a fim entender o comportamento dos consumidores no período mais importante para o comércio.

O levantamento realizado pela empresa Vitamina Pesquisas estima que a data movimentará R$ 399 milhões este ano, e o gasto médio será um pouco inferior no comparativo com o do ano passado: R$ 538,78, contra R$ 551,59. Mas, como a maioria dos entrevistados pretende colocar, pelo menos, dois pacotes a mais no saco do Papai Noel (sete), o valor por unidade cai de R$ 110 para R$ 76,97.

Roupas seguem liderando o ranking de intenção de compras: 63% dos consultados afirmaram que pretendem presentear amigos e/ou familiares com itens de vestuário. Brinquedos ficaram em segundo lugar (35%), seguidos de perfumaria/artigos de maquiagem e calçados (ambos com 16%). Parcelamento no cartão foi a forma de pagamento citada por 36% dos entrevistados, seguido do cartão de débito (35%) e dinheiro (31%). Cheque pré-datado aparece em último do ranking (1%).

A entrada do 13º salário é um fator considerável na questão das compras de Natal: 12% afirmaram que pretendem utilizá-lo para adquirir os presentes, 7% para pagar dívidas e fazer novas aquisições e 3% utilizarão o benefício nas festas de final de ano. Entre os demais, 23% vão economizar/guardar, 13% quitarão pendências financeiras e 2% reformarão a casa.

Os centros comerciais foram os locais mais lembrados pelos entrevistados para a realização das compras (70%), à frente da loja de rua (37%) e da internet (11%). Um dado interessante é que, na comparação com o ano passado, houve um aumento de seis pontos percentuais na opção por aquisições pela web.

Além disso, mais da metade dos consumidores (57%) disse que irá participar de, pelo menos, um amigo secreto neste Natal. O objetivo é gastar, em média, R$ 68 para presentear familiares e R$ 48 para colegas de trabalho e amigos.  A decoração da casa de 46% dos casos será feita com itens utilizados no ano passado, mas 30% não abrem mão das tradicionais luzinhas piscantes. Outro dado interessante é o fato de que os adereços também são importantes da porta da rua para fora: 35% disseram que a ornamentação das lojas os inspira a comprar.

E, mais uma vez, os porto-alegrenses deverão deixar para abastecer o saco do Papai Noel de última hora. A maioria dos entrevistados afirmou que deve adquirir presentes na semana que antecede à data (31%) ou na anterior (30%). Cerca de 25% pretendem ir em busca dos regalos um mês antes (25%).

Sobre a pesquisa

Foram ouvidos 300 consumidores residentes na Capital – homens e mulheres, com idades entre 18 e 65 anos (ou mais), das classes sociais A, B, C, D e E – no período entre 17 e 23 de outubro.

 

Lula, FHC e Collor são investigados por suspeita de levarem objetos do Planalto

Lula, FHC e Collor são investigados por suspeita de levarem objetos do Planalto

Notícias

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou um inquérito para investigar os ex-presidentes Lula, Fernando Henrique Cardoso, Itamar Franco e Fernando Collor por “possível apropriação indevida de bens públicos”. De acordo com a investigação, quando deixaram o Palácio do Planalto, os ex-presidentes levaram para casa objetos entregues por Estados estrangeiros em encontros diplomáticos que pertencem à “República Federativa do Brasil”. Os ex-parlamentares foram solicitados a prestar informações detalhadas sobre os bens integrantes dos respectivos acervos privados recebidos durante o mandato. Eles vão precisar esclarecer também com base em que norma os bens foram levados.

A investigação foi aberta primeiro contra Lula e partiu de uma representação feita por meio do sistema de atendimento ao cidadão, serviço do MPF que recebe denúncias online. Na representação, há menções sobre Lula ter se apropriado de quadros e esculturas que seriam bem público uma vez que foram oferecidos ao País na figura do ex-presidente na condição de chefe de Estado. A defesa de Lula alegou que, sobre o assunto, ao fim do mandato, cumpriu a Lei 8.394/91. A regra dispõe sobre a preservação, organização e proteção dos acervos documentais privados dos presidentes da República. Os representantes do ex-presidente petista anexaram também uma nota técnica da diretoria de documentação histórica da Presidência da República afirmando que o procedimento adotado na ocasião é o mesmo desde 1991.

O procurador responsável pelo caso entendeu que a regra citada pela defesa de Lula só diz respeito a documentos e não a objetos. Mas estendeu a solicitação de esclarecimento aos demais ex-presidentes que exerceram o cargo a partir de 1991. No caso de Itamar Franco, morto em 2011, foram acionados seus herdeiros. O ofício também foi enviado à diretoria de documentação da Presidência, que precisará detalhar todos os objetos levados pelos ex-presidentes ao MPF.

Após o recebimento da solicitação, todos têm 15 dias para respondê-la. Segundo a Procuradoria da República no Distrito Federal (PR-DF), nenhum ofício ainda foi entregue. Nessa fase do inquérito, o objetivo ainda não é de reaver os bens, mas de esclarecer quais foram levados e em que circunstâncias. Se ficar provado que houve apropriação indevida, os ex-presidentes podem ser obrigados a devolver os objetos e até serem punidos com multa. (Correio do Povo)