Banrisul é destaque em ranking dos cinco melhores do Banco Central

Economia Notícias Poder Política

O Banrisul voltou a alcançar posição de destaque no mês de junho entre os cinco melhores no ranking do Banco Central do Brasil (BC). Foram dois primeiros lugares nas projeções de curto e médio prazos para a Taxa Over Selic, com índice de 0% de erro em ambas as categorias, conforme relatório divulgado nesta sexta-feira (8) pelo Departamento de Relacionamento com Investidorese Estudos Especiais do BC.

O ranking TOP-5 classifica, pelo grau de acerto, mais de 100 instituições financeiras, acadêmicas e consultorias que divulgam periodicamente projeções de indicadores econômicos.arnrisul

Lista revela as pessoas físicas e jurídicas do Rio Grande do Sul que mais devem à União. Veja também quem são os maiores devedores do País

Lista revela as pessoas físicas e jurídicas do Rio Grande do Sul que mais devem à União. Veja também quem são os maiores devedores do País

Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Poder Política

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) divulgou versão atualizada da Lista dos Devedores, uma relação de pessoas físicas e jurídicas inscritas na Dívida Ativa da União (DAU), que fechou o ano passado em R$ 1,5 trilhão. Considerando a dívida tributária não previdenciária, a lista revela que 133 pessoas devem, individualmente, mais de R$ 1 bilhão aos cofres públicos.

Entre os vinte maiores devedores – cuja dívida tributária ultrapassa R$ 1 bilhão –, estão, por exemplo, companhia de aviação, laticínio, frigorífico, corretora de imóveis e empresas que atuam na fabricação e comércio de açúcar. A relação de devedores pode ser consultada a partir de filtros como Unidade da Federação, valor devido à União e setor de atuação de acordo com a Classificação Nacional de Atividade Econômica (CNAE).

Atuação da PGFN

A PGFN é o órgão que tem por missão recuperar os créditos tributários e não-tributários inscritos na DAU. Os Procuradores da Fazenda Nacional (PFNs) atuam diretamente no combate à sonegação e à lavagem de dinheiro. Eles são os advogados públicos responsáveis pela cobrança judicial da Dívida. Somente nos últimos quatro anos, a ação eficiente dos PFNs resultou na recuperação direta de mais de R$ 76 bilhões e evitou, em um ano, a perda de R$ 500 bilhões dos cofres públicos. Os números indicam que, para cada R$ 1 investido na PGFN, há retorno de R$ 800 reais para a União.

Os PFNs só cobram execuções fiscais acima de R$ 1 milhão, ou seja, dívidas oriundas de grandes empresas sonegadoras de impostos. A sonegação fiscal afeta a livre concorrência e é um dos motivos pelos quais os tributos no Brasil são tão elevados. “A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional não cobra o cidadão comum ou o pequeno empreendedor. A PGFN está sucateada exatamente porque fiscaliza os grandes empresários que, ao lançar mão da sonegação fiscal, conseguem produtos e serviços mais baratos. O pequeno empresário é a vítima dessa realidade pois, além de não conseguir crescer, sofre com a concorrência desleal”, explica o presidente do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz), Achilles Frias.

Quadro 1- Os maiores devedores do Brasil

 

A DAU no estado do Rio Grande do Sul

Entre os grandes devedores gaúchos, estão empresas de fabricação de aparelhos eletrônicos, produtos de trefilados de metal, companhia de aviação, empresas de cultivo de arroz, abate de aves, transporte rodoviário de carga e tratamento de dados.

Quadro 2- Os maiores devedores do estado do Rio Grande do Sul

 

Sucateamento da PGFN

Os Procuradores da Fazenda Nacional que atuam nessas cobranças judiciais e extrajudiciais, no entanto, atuam com número insuficiente de pessoal, com sobrecarga de processos, sem carreira de apoio e utilizando ultrapassados sistemas de informática. O presidente do SINPROFAZ alerta que investir no combate à sonegação e na cobrança dos débitos tributários é uma solução para evitar o ajuste fiscal e promover o crescimento econômico.

“A PGFN é o único órgão que pode fazer as cobranças da Dívida, mas não se confere estrutura para isso. Para cada procurador, há 0,7 servidores. Isso quer dizer que, além do trabalho jurídico, o procurador tem o trabalho burocrático de localizar o devedor e procurar seus bens. Se o governo investisse na Procuradoria, o ajuste fiscal, que penaliza a economia e o cidadão, seria desnecessário”, destacou Achilles Frias.

Vivo lidera o ranking das empresas mais reclamadas de telefonia do Procon. NET tem três vezes mais reclamações que Sky

Vivo lidera o ranking das empresas mais reclamadas de telefonia do Procon. NET tem três vezes mais reclamações que Sky

Cidade Comportamento Comunicação Economia Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre prefeitura Publicidade Vídeo

O segmento de telefonia representou, em maio, 23,48% do conjunto de 2.262 queixas protocoladas no Procon Porto Alegre no período. Em comparação ao mês de abril, houve uma leve queda das reclamações contra as telefônicas, da ordem de 3,55%. Houve ainda uma redução nas reclamações contra as empresas de TV por assinatura, NET e Sky, que em abril computaram 5,13% e, em maio, totalizaram 4,95% das queixas. Confira aqui o ranking de maio.

As queixas contra a operadora Vivo lideram o ranking, com 8,05% do total; o ranking de maio é o primeiro a considerar a operação da empresa sob a mesma marca, objeto da fusão entre Vivo e GVT, anteriormente ranqueados separadamente. Em segundo lugar está a operadora Oi, responsável por 6,90% das reclamações. Em terceiro no ranking aparece a produtora de Eventos Beta Produções, responsável pela realização do evento Villa Mix, cujos problemas identificados pelos consumidores de todo o País resultaram na abertura de dois processos administrativos no Procon Municipal. Em seguida aparecem a Claro, registrando 4,42% das queixas, e a empresa TIM, com 4,11%. A  NET Sul recebeu 3,71% do total de reclamações do mês, e a Sky, 1,24%.

De acordo com o diretor executivo do Procon Porto Alegre, Cauê Vieira, a divulgação dos dados do ranking segue com o objetivo principal, de orientação ao consumidor para que realize compras de produtos e serviços com mais segurança, já sabendo de antemão da lista das empresas mais reclamadas em Porto Alegre. “Objetivamos ainda alertar o fornecedor para o fato de que existe a necessidade destas empresas melhorarem o atendimento pós venda. Além disso, a compilação destes dados tem pautado as ações de fiscalização do Procon”, acrescenta Vieira.

Atualmente, o atendimento eletrônico responde por cerca de 56% do total de reclamações acolhidas no órgão. O porto-alegrense, em vez de comparecer à sede do Procon, tem preferido buscar atendimento no órgão pela Internet, utilizando o site www.proconpoa.rs.gov.br ou acessando gratuitamente o Procon App no aparelho celular, disponível para sistema Android e IOS. A sede do Procon Porto Alegre fica na rua dos Andradas 686, e funciona das 10h às 16h, quando são distribuídas 70 fichas de atendimento por dia.

Porto Alegre é a terceira no ranking de eventos internacionais

Porto Alegre é a terceira no ranking de eventos internacionais

Cidade Destaque Poder Política Porto Alegre Turismo
Porto Alegre deu um salto significativo no ranking da Associação Internacional de Congressos e Convenções (ICCA, na sigla em inglês), divulgado oficialmente nesta semana pela entidade, que tem sede em Amsterdã, Holanda.

Da sexta posição que ocupava na lista das cidades brasileiras que, em 2014, mais receberam eventos e congressos internacionais, a capital gaúcha passou para o terceiro lugar com o aumento desses eventos em 2015, ficando atrás apenas de São Paulo (78 eventos) e Rio de Janeiro (65 eventos). Porto Alegre teve 14 eventos internacionais. Com este novo posicionamento, passa à frente de tradicionais destinos de eventos associativos no país, como Brasília, Florianópolis, Recife, Foz do Iguaçu, Belo Horizonte e Salvador, entre outros.

A ICCA é a entidade internacional responsável pela administração do maior banco de dados de eventos associativos ao redor do mundo. Considerando o ranking mundial das cidades, Porto Alegre está empatada com a cidade de Hannover, na Alemanha, e na frente de Honolulu e Denver, ambas nos Estados Unidos, em número de eventos considerados pela associação internacional.

No mesmo ranking, o Brasil, depois de dez anos frequentando as dez primeiras posições, passou para 11º lugar entre os países que mais realizaram eventos e congressos internacionais em 2015. Estados Unidos e Alemanha se mantiveram, respectivamente, em primeiro e segundo lugares, com 925 e 667 eventos internacionais. O Brasil computou 292 eventos.

 

Brasil melhora IDH em 2014, mas cai uma posição no ranking mundial. Com a 75° posição, o Brasil fica atrás de países latino-americanos como a Argentina (40°), o Chile (42°), Uruguai (52°), Cuba (67°) e a Venezuela (71°)

Economia Educação Notícias
Índice de Desenvolvimento Humano passou de 0,752 em 2013 para 0,755 em 2014 . Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Índice de Desenvolvimento Humano passou de 0,752 em 2013 para 0,755 em 2014 . Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Brasil registrou melhora no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) em 2014. Os dados divulgados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) mostram que o IDH passou de 0,752 em 2013 para 0,755 em 2014. Apesar do aumento, o Brasil caiu uma posição no ranking mundial de desenvolvimento humano e passa a ocupar o 75º lugar entre 188 países.

De acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano 2015, lançado hoje (14), o país perdeu uma posição porque foi ultrapassado pelo Sri Lanka, que teve crescimento acelerado no último ano. O IDH mede o desenvolvimento humano por meio de três componentes: a expectativa de vida, educação e renda.

A coordenadora do Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional, Andréa Bolzon, explicou que a diferença no ritmo de crescimento dos países causou a queda do Brasil. “Apesar de o Brasil ter crescido no IDH, outro país cresceu em ritmo um pouco mais acelerado que o nosso. A isso se deve nossa queda”.

Com a 75° posição, o Brasil fica atrás de países latino-americanos como a Argentina (40°), o Chile (42°), Uruguai (52°), Cuba (67°) e a Venezuela (71°). O primeiro lugar no ranking mundial é da Noruega, seguido pela Austrália e a Suíça. Em último está o Niger.

O relatório mostra que, no Brasil, indicadores que representam melhorias sociais tiveram avanço, como a esperança de vida ao nascer, que aumentou de 74.2 em 2013 para 74.5 em 2014, e a média de anos de estudo que passou de 7,4 para 7,7 nesse período.

Houve queda na Renda Nacional Bruta (RNB) per capita de 2014 (15.288), quando comparada a 2013 (15.175). Desde 1990, a RNB do Brasil não havia sofrido retração. “O relatório mostrou que do ponto de vista da renda per capita, houve pequena retração e é claro que isso afeta também nosso índice de desenvolvimento humano. Agora, daqui para a frente, precisamos aguardar para ver como as coisas vão se refletir no relatório”, disse Andréa Bolzon. Questionada se a queda no Produto Interno Bruto (PIB) no Brasil poderá ter impacto negativo no IDH, ela respondeu que existe essa possibilidade, já que um dos indicadores é a renda que está relacionada ao PIB.

O Brasil acumula trajetória constante de crescimento do IDH. De 1990 a 2014, o crescimento foi 24,2%, o maior no período entre os países da América do Sul. Em relação à posição no rankingmundial, de 2009 a 2014 o país avançou três posições.

As políticas públicas brasileiras têm responsabilidade direta sobre esses avanços, segundo a coordenadora do Pnud. “O relatório reconhece esses programas de proteção social e de transferência de renda como importantes para aumentar o desenvolvimento humano. O desenvolvimento dos países tem acidentes de percurso e, se você tem uma rede de proteção social forte, obviamente as coisas ficam mais seguras para todo mundo”, afirmou Andréa.

O relatório do Pnud, intitulado O Trabalho como Motor do Desenvolvimento Humano, traz também dados de 188 países e sugere estratégias para criar oportunidades e assegurar o bem-estar dos trabalhadores. (Agência Brasil)