Substituto de Moisés Mendes já trabalha na redação da Zero Hora

Substituto de Moisés Mendes já trabalha na redação da Zero Hora

Cidade Comportamento Comunicação Cultura Direito Economia Educação Notícias Poder Política Porto Alegre

Zero Hora não deve ir ao mercado contratar um profissional para substituir o colunista Moisés Mendes. A ideia que já está sendo trabalhada há algum tempo é uma “solução caseira”. Nesta sexta-feira, na interatividade das redes sociais surgiram sugestões de jornalistas gaúchos com “visão de esquerda”. O “viés”  é pré-requisito para contrapor os “liberais”que escrevem no jornal. Não há ainda uma definição por parte da direção de quem será a pessoa a ocupar o espaço, mas o “vestibular” pela vaga já começou. Nos últimos dias vários jornalistas da redação com “olhar de esquerda”, estão tendo seus textos analisados. A resposta do público pelos canais dos leitores de Zero Hora, será um dos critérios para a escolha definitiva do nome. A opção de trazer alguém de fora da empresa existe, mas poucos apoiam ela.

Com todos que eu conversei, ficou claro a intenção de que o futuro articulista tem que cair no agrado dos “socialistas gaúchos” – veja o elogio de Tarso Genro – e provocar reações do outro lado. Como por exemplo fez Moisés no texto: A direita estudantil. Ali ele dizia: “A direita brasileira só consegue produzir alguma reflexão em cima da reflexão alheia, quando o assunto é a autocrítica sob um mínimo de honestidade intelectual.” A resposta do instituto Liberal foi forte: “A história da corrupção brasileira é indubitavelmente atrelada ao tamanho do Estado, que é o seu verdadeiro e único genitor. A “direita” de Moisés não passa de um bode expiatório, um chiste, um clichê, uma fabula moderna criada nos diretórios dos partidos de esquerda. A “direita” de Moisés é um moldura adequada de inimigo que na realidade não existe. ” O texto publicado no site da instituição e assinado por Guilherme Macalossi, leva o título de: A direita de Moisés Mendes.

A intenção de Zero Hora, que deve anunciar o nome até maio, é que quem ocupar o cargo tenha ótimo texto, seja polêmico para causar repercussão e que tenha perspectiva de vida longa no novo posto. As apostas estão abertas, a roleta está girando e a única certeza que se tem é a bolinha tem que que parar na cor vermelha.