Expoagas 2016 encerra com R$ 461 milhões em negócios.  Crescimento nas negociações é de 13% em relação à edição do ano passado

Expoagas 2016 encerra com R$ 461 milhões em negócios. Crescimento nas negociações é de 13% em relação à edição do ano passado

Destaque Expoagas Negócios

Em sua edição de 35 anos, a Expoagas 2016 chega ao final nesta quinta-feira (25), no Centro de Eventos Fiergs, em Porto Alegre, garantindo aos 347 expositores um volume recorde de negócios da ordem de R$ 461 milhões. Realizada desde terça-feira (23) pela Associação Gaúcha de Supermercados, a feira apresentou ao varejo mais de 800 lançamentos e novidades em produtos, equipamentos e serviços para todo o comércio. Em seus três dias, o evento recebeu 44,2 mil visitantes e destacou as apostas da indústria e as tendências do varejo para o segundo semestre, e promoveu uma série de palestras, oficinas práticas e seminários sobre áreas técnicas e táticas para o ramo de supermercados. Puxado sobretudo por expositores de alimentos e de produtos de higiene, o resultado positivo nas negociações representa um crescimento de 13% em relação à edição passada do evento, superando as estimativas iniciais dos organizadores.

 

O montante transacionado entre visitantes e expositores significa uma venda média de R$ 1,3 milhão por estande. “Em média, cada expositor investiu na feira cerca de 4% do que vendeu somente nos três dias. Além disso, muitos negócios são levantados na Expoagas e concretizados posteriormente”, lembra o presidente da Associação, Antônio Cesa Longo, destacando que os gaúchos mais uma vez foram maioria entre os estandes – 76% do total de empresas expositoras. “Defendemos que o varejo, a indústria e o setor produtivo cresçam juntos, já que crescimentos isolados de setores não são sustentáveis. O comércio precisa de uma indústria forte para que o consumidor tenha poder de compra, e por isso saudamos que a Expoagas 2016 tenha oportunizado esta vitrine de negócios à indústria gaúcha”, sublinhou Longo.

 

Durante a feira, a Agas encomendou um estudo ao Instituto Segmento Pesquisas, que ouviu 101 expositores para saber o índice de satisfação com o evento. Na pesquisa, foram ouvidas companhias de todos os portes, sendo 72% da indústria, 14% do serviço e 13% do setor de comércio. Segundo dados apurados nos dois primeiros dias da mostra, 70,9% das vendas concretizadas na Expoagas 2016 foram junto a varejistas gaúchos, 16,1% a compradores de outros estados brasileiros e 12,9% junto a companhias de outros países.

 

Neste ano o levantamento revelou uma mudança em relação ao principal objetivo de participação na feira: o motivo maior passou a ser estreitar o relacionamento com o supermercadista (91%), que superou pela primeira vez as opções de fazer novos clientes (87%) e o aumentar os negócios/vendas (85%). Expor seus produtos (84%), fixar sua marca no mercado (78%), divulgar lançamentos (70%) e manter-se atualizado com as tendências do setor (42%) são outros motivadores dos expositores da feira.

 

Para ampliar o leque de oportunidades a outros setores do comércio, a Agas mais uma vez garantiu gratuidade nas inscrições realizadas com antecedência não apenas a profissionais de supermercados, como também a membros de segmentos como padaria, açougue, restaurantes, hotéis, farmácias, petshops e lojas. Indagados pelo Instituto Segmento Pesquisas sobre a movimentação de negócios nos estandes, 64% dos expositores informaram que realizaram negócios com profissionais destes outros setores, que não supermercados. Os segmentos mais citados pelos fornecedores participantes da feira foram, pela ordem, restaurantes (45%), padarias (42%), hotéis (37%) e lojas de conveniência e bares, ambos com 31%.

 

Segundo a pesquisa, 86,5% dos 347 expositores da Expoagas 2016 pretendem voltar à feira em 2017. A Agas já iniciou a comercialização dos estandes para a próxima edição, oferecendo condições especiais para a renovação automática dos espaços. “Essa antecipação na comercialização permite que preparemos os detalhes da Expoagas 2017 com mais cuidado aos detalhes. Entretanto, sempre buscamos uma mudança de pelo menos 15% entre os expositores, para que oportunizemos a novas empresas os benefícios da Expoagas”, destaca Longo, lembrando que o Centro de Eventos Fiergs é ocupado na totalidade pela feira supermercadista. As empresas expositoras ouvidas pela Segmento apontaram que, em média, as vendas na Expoagas representam 16,4% do total do faturamento de agosto. 76% dos expositores ampliaram a carta de clientes nos dois primeiros dias da feira, e 100% atribuíram à Expoagas 2016 a classificação de muito importante ou importante para o desenvolvimento da dos negócios da sua companhia. Somente 2% dos entrevistados estimam que não atingirão ou superarão seus objetivos no evento.

 

Tendências – Tradicional termômetro de tendências e hábitos de consumo dos gaúchos, a Expoagas 2016 deu o tom dos produtos que deverão estar em destaque nas gôndolas do varejo nos próximos meses. Ao contrário de outras edições, quando fornecedoras de equipamentos lideraram o ranking dos expositores que mais venderam, neste ano empresas de alimentos e de produtos de higiene despontam na lista. “Atendendo aos anseios do consumidor, que está fazendo valer o seu dinheiro, o supermercadista está buscando acertar o básico, corrigir seu mix de produtos e dar giro aos itens na gôndola. Ainda assim, os expositores de máquinas e equipamentos também tiveram bom desempenho na feira, já que um em cada três supermercadistas está investindo em reformas ou ampliações em 2016. Em todo o Brasil, os supermercados abriram mais de 10 mil postos de trabalho nos últimos meses”, registra o presidente da Agas.

 

Para 89% dos expositores ouvidos pelo Instituto Segmento, a crise influenciou diretamente o hábito de consumo dos gaúchos. Apenas 24% das empresas entrevistadas afirmam que ainda não perceberam uma retomada nos seus negócios.

 

Perfil dos visitantes – Mais uma vez, os varejistas foram maioria entre os visitantes (81%):

 

Setor %
Supermercados 67,9%
Atacados 10,7%
Padarias 5,7%
Restaurantes 3,2%
Lojas de Conveniência 0,8%
Açougues 0,7%
Farmácias 0,4%
Bares 0,3%
Hotéis 0,3%
Outros 9,6%

 

 

Os 44,2 mil visitantes da Expoagas 2016 são oriundos de 6,4 mil empresas diferentes. A feira recebeu participantes de 26 estados brasileiros, além de varejistas da Argentina, Anguilla, Chile, Colômbia, Espanha, Paraguai, Uruguai e Venezuela. Com relação ao gênero dos visitantes, a Expoagas recebeu 66,2% de homens e 33,7% de mulheres ligados ao setor.

 

Programação – A 35ª Convenção Gaúcha de Supermercados também foi marcada por uma extensa programação, que contemplou gestores e colaboradores dos mais diferentes setores do varejo e da indústria. As tradicionais palestras magnas, realizadas pela manhã, trouxeram ao debate os jornalistas Caio Blinder, Diogo Mainardi e Lucas Mendes, apresentadores do programa Manhattan Connection, da GloboNews; o colunista e economista Samy Dana; o educador físico e apresentador do Fantástico, Marcio Atalla; e o escritor e psicanalista Augusto Cury. A programação jovem do evento teve o consultor Max Gehringer abordando conceitos de carreira, sucesso e empreendedorismo em um debate com o diretor da Stemac Geradores, Valdo Marques, que contou sua experiência no quadro “Chefe Secreto”. Já no Agas Mulher, a escritora Cecília Troiano falou sobre a rotina e as dificuldades da mulher moderna em um encontro que congregou mais de 700 mulheres ligadas ao ramo supermercadista. O evento teve, ainda, visitas-técnicas, palestras e oficinas práticas sobre áreas operacionais e técnicas da rotina varejista, como açougue, padaria, hortifrúti, tendências, mudanças em legislações, gerenciamento do mix de produtos, conceitos de layout de loja e outros assuntos.

 

Às 20 horas desta quinta-feira, pouco antes de encerrar o evento, a Agas vai sortear um automóvel Hyundai HB20 zero quilômetro entre as empresas que tiverem efetuado pelo menos R$ 1 mil em compras na Feira.

 

A Expoagas 2017, que terá o tema “Conectando os Bons Negócios”, ocorrerá de 22 a 24 de agosto do ano que vem no Centro de Eventos da Fiergs, em Porto Alegre. A estimativa da Agas é que pelo menos 80% dos estandes para a feira do próximo ano tenham seus contratos renovados até o final desta quinta-feira (27).

​  Câmbio e mercado internacional impulsionam resultado da Braskem no terceiro trimestre. Fatores externos compensam a retração da economia brasileira

​ Câmbio e mercado internacional impulsionam resultado da Braskem no terceiro trimestre. Fatores externos compensam a retração da economia brasileira

Negócios Notícias

Fatores externos, como a desvalorização do real frente ao dólar e a manutenção das atuais margens do setor petroquímico mundial, compensaram a persistente retração da economia brasileira e contribuíram para o bom desempenho da Braskem no terceiro trimestre de 2015. Como saída para enfrentar a redução da demanda no mercado doméstico, as exportações de resinas termoplásticas da Braskem cresceram 43% na comparação com igual período de 2014, totalizando 454 mil toneladas.

As operações da Braskem nos Estados Unidos e na Europa também foram destaque no terceiro trimestre. As vendas de polipropileno avançaram 7% e atingiram 502 mil toneladas, um recorde pelo segundo trimestre consecutivo. Esse avanço é atribuído à melhora do desempenho das economias locais e à substituição de outros materiais pelo polipropileno.

Os claros sinais de retração da economia brasileira foram observados no mercado de resinas, que totalizou 1,219 milhão de toneladas, recuando 11% sobre igual trimestre do ano anterior, principalmente por causa da fraca demanda dos segmentos de bens duráveis, não duráveis e construção civil. Na mesma linha, o volume de vendas da Braskem no mercado doméstico recuou 8%, somando 866 mil toneladas.

O bom desempenho operacional da Braskem foi mantido no terceiro trimestre. A Companhia continuou operando seus crackers em linha com o trimestre anterior, apresentando taxa média de utilização de 92%. Esse índice só não foi maior devido aos problemas de suprimento de gás para o polo do Rio de Janeiro. Nos EUA e Europa, as plantas rodaram a 97% de sua capacidade.

A Braskem registrou EBITDA consolidado de R$ 3 bilhões no terceiro trimestre de 2015. Esse valor, que representa alta de 17% sobre o trimestre anterior, é explicado pela desvalorização média de 15% do real no período, o melhor patamar de spreads de petroquímicos básicos no mercado internacional, o contínuo bom desempenho operacional das plantas e a expansão de vendas. Em dólares, o EBITDA foi de US$ 870 milhões, 2% superior ao trimestre anterior.

O lucro líquido alcançou R$ 1,5 bilhão. O resultado representa alta de 545% sobre igual trimestre de 2014 (R$ 230 milhões). O número foi positivamente impactado pelo bom desempenho operacional e pela adoção da contabilidade de hedge, que traduz os efeitos da variação cambial dos passivos em dólar no resultado da companhia. Caso a contabilidade de hedge não estivesse em vigor, a Braskem teria registrado neste trimestre um prejuízo de R$ 3,3 bilhões em função dos efeitos da variação cambial.

O nível de alavancagem financeira da Braskem, medido pela relação entre dívida líquida por EBITDA em dólar, encerrou o trimestre em 2,05 vezes, o menor patamar em nove anos. A agência de classificação de risco Fitch reafirmou, em setembro, o rating em escala global da Braskem em “BBB-“ e a perspectiva “estável”.

“O resultado positivo do trimestre é uma consequência dos fatores conjunturais externos, principalmente do câmbio e dos spreads petroquímicos e do bom desempenho operacional”, diz Carlos Fadigas, presidente da Braskem. “A Companhia segue empenhada no resgate da competitividade estrutural das suas operações no Brasil, com programas de redução de custos e aumento de produtividade e, também, com a assinatura de um contrato de longo prazo de matéria-prima”.

PARTIDA DO COMPLEXO DO MÉXICO

Os investimentos realizados pela Braskem nos nove primeiros meses do ano totalizaram R$ 1,36 bilhão, dos quais mais de um terço (R$ 552 milhões) foi direcionado para o projeto integrado de produção de polietileno no México, que utilizará matéria-prima precificada nas competitivas referências do mercado norte-americano. Desenvolvido em parceria com o grupo mexicano Idesa, o empreendimento está em fase final de construção com início das operações previsto para o final deste ano.

Dos R$ 806 milhões restantes realizados no ano, cerca de 90% dos investimentos da Braskem foram direcionados às operações industriais, incluindo os investimentos relacionados à eficiência operacional, SSMA, produtividade e manutenção.

A Braskem se tornou patrocinadora da Equipe Brasileira de Paratletismo com o objetivo de desenvolver e preparar os atletas para competições nacionais e internacionais. Vale destacar também a inclusão da Companhia, pela quarta vez consecutiva, no Dow Jones Sustainability Emerging Markets Index, o índice de sustentabilidade de países emergentes da Bolsa de Valores de Nova York.