Romero Jucá diz que conversa sobre Lava Jato foi publicada “fora de contexto”

Romero Jucá diz que conversa sobre Lava Jato foi publicada “fora de contexto”

Notícias Poder Política

Em entrevista coletiva por volta do meio-dia desta segunda-feira, o ministro do Planejamento do governo interino de Michel Temer, Romero Jucá (PMDB-RR), negou denúncias de que teria tentado obstruir as investigações da Operação Lava Jato. O político alega que as declarações citadas em matéria do jornal Folha de São Paulo foram publicadas “fora de contexto”.

Segundo Jucá, a “sangria” à qual se referiu em conversa com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, seria a atual crise econômica, e não a operação da Polícia Federal contra a corrupção.

O ministro garantiu ter tranquilidade para lidar com as denúncias e reafirmou que não vai pedir demissão do cargo. “Nunca cometi e nunca cometerei qualquer ação que possa obstaculizar a Lava Jato ou qualquer outra ação. Se eu tivesse telhado de vidro, não teria assumido a presidência do PMDB no momento de crise com o PT”, alegou.

Ao defender a ofensiva contra a corrupção, Jucá destacou, no entanto, que lamenta a descrença generalizada na classe política. “É muito importante que a sociedade saiba separar o joio do trigo. Não pode pairar desconfiança generalizada. Descredenciar a política e fazer com que todos pareçam iguais não é um bom caminho”, apontou. (Rádio Guaíba)

Ministro do Planejamento foi flagrado em conversas com ex-presidente da Transpetro

Ministro do Planejamento foi flagrado em conversas com ex-presidente da Transpetro

Notícias Poder Política

O ministro do Planejamento, Romero Jucá, foi gravado, de forma oculta, em conversas com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado que uma mudança no governo federal resultaria em um pacto para “estancar a sangria” provocada pela Operação Lava Jato, que investiga ambos. A informação é do jornal Folha de São Paulo e foi divulgada nesta segunda-feira.

De acordo com a Folha de São Paulo, o diálogo entre o senador licenciado e Machado ocorreram semanas antes da votação na Câmara que levou ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. As conversas duraram mais de uma hora e já estão em posse da Procuradoria-Geral da República. O advogado de Jucá, Antônio Carlos de Almeida Castro, disse que seu cliente jamais pensaria em atrapalhar a Operação Lava Jato e que o diálogo com Sérgio Machado não contém ilegalidades. (Correio do Povo)

Alexandre Schwartsman, Raul Velloso e Fábio Klein analisam o rombo nas contas públicas anunciado pelos ministros do Governo Temer

Alexandre Schwartsman, Raul Velloso e Fábio Klein analisam o rombo nas contas públicas anunciado pelos ministros do Governo Temer

Economia Notícias Poder Política

É claro que ninguém foi pego exatamente de surpresa pelos dados apresentados. Afinal, já se esperava um rombo maior do que aqueles que vinha sendo anunciado pelo governo Dilma, mas sempre causa impacto esse tipo de notícia. Confira a opinião dos especialistas em contas públicas:

“Acho que tem muita margem de segurança nessa história. Eles estão de fato falando inclusive de aproveitar pra limpar alguns dos atrasados. Acho que eles estão preparando um pouco o terreno também para o ano que vem. mas acho que é aquela história. Pintar o quadro mais negro possível para mais na frente conseguir mostrar alguma coisa melhor”, explica o economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central.

“Há condições de reverter dependendo fundamentalmente de a economia se recuperar, porque o grande drama aqui é a queda da arrecadação, e isso vai depender de eles conseguirem melhorar a confiança do setor privado no governo de forma a recuperar os investimentos e portanto o crescimento”, diz Raul Velloso, especialista em contas públicas.

“Um governo que não consegue fechar as contas ele naturalmente vai gerar uma economia de baixo crescimento e inflacionária. Ou seja, o país cresce pouco com inflação, gera perda de poder compra das pessoas, as empresas não produzem, os consumidores não consomem, o emprego não vem e isso pode entrar em um ciclo vicioso muito ruim. Então reverter essa trajetória é fundamental. Caso contrário, o Brasil pode literalmente quebrar”, aponta Fábio Klein, especialista em contas públicas. (Jornal da Globo)

Supremo abre nova investigação contra Renan Calheiros e Romero Jucá; por Jailton de Carvalho/O Globo

Supremo abre nova investigação contra Renan Calheiros e Romero Jucá; por Jailton de Carvalho/O Globo

Direito Notícias Poder Política

A ministra Cármen Lúcia, relatora da Operação Zelotes no Supremo Tribunal Federal (STF), abriu inquérito para apurar suposto envolvimento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e do senador Romero Jucá (PMDB-RR), presidente nacional do partido, com a venda de emendas a medidas provisórias relacionadas ao setor automotivo editadas pelo governo federal. Renan e Jucá já são investigados em outros inquéritos da Operação Lava-Jato por suposto envolvimento com fraudes na Petrobras. No caso de Renan, é o 12º inquérito que ele responde no STF — nove só na Lava-Jato.

Jucá está cotado para assumir o Ministério do Planejamento caso o vice Michel Temer assuma presidência da República. Cármen Lúcia abriu inquérito em março e, imediatamente, decretou sigilo. As investigações tiveram como ponto de partida um diário apreendido em poder do lobista João Batista Gruginski, um dos donos da SGR Consultoria. No diário, Gruginski anotou encontro que teve em São Paulo com outros dois lobistas, Alexandre Paes Santos, conhecido como APS, e José Ricardo Silva. A reportagem completa está em O Globo.