Sartori garante cumprimento de metas em Plano de Segurança, mesmo com falta de efetivo; por Vitória Famer/Rádio Guaíba

Sartori garante cumprimento de metas em Plano de Segurança, mesmo com falta de efetivo; por Vitória Famer/Rádio Guaíba

Destaque Poder Política Segurança

Após o início de um curso de formação para 224 policiais civis, o governador José Ivo Sartori (PMDB) e o secretariado asseguraram, em coletiva de imprensa, no início da tarde de hoje, no Palácio Piratini, que a gestão vem cumprindo o cronograma para melhorar os índices ainda desfavoráveis no âmbito da Segurança Pública no Rio Grande do Sul. Sartori apontou que o governo vem conseguindo atingir as metas do Plano de Segurança, sobretudo, no que se refere ao policiamento ostensivo, mesmo que as entidades de servidores reafirmem o déficit crescente de efetivo.

“Nessa fase, realmente é aquilo que nós determinamos no fim de junho. Estamos cumprindo com o que nos propusemos e vamos avançar cada vez mais, para que até 2018, façamos o cumprimento de tudo aquilo que foi expresso. Agora, se as condições melhorarem, se a economia voltar a funcionar, se houver uma melhor arrecadação e a queda não seja tanta, e que haja condições de fazer o melhor, vamos avançando conforme nós estamos fazendo”, pontuou.

O Piratini convocou, na sexta-feira, mais 530 brigadianos – desses, 424 serão formados como policiais e o restante, de 106, vão para o Corpo de Bombeiros. Porém, os novos PMs só devem chegar às ruas em junho de 2017, após a formação. Ontem, teve início o curso de formação de mais 224 escrivães e inspetores, que também só devem começar a atuar no início do ano que vem.

Já o secretário da Segurança Pública, Wantuir Jacini, questionado sobre a falta de combustível em delegacias do Litoral Norte, afirmou que vai averiguar o caso específico, levantado pela reportagem da Rádio Guaíba nesta terça-feira. ”Quando os recursos vêm da Secretaria da Fazenda, eles são distribuídos dentro das cotas para todas as instituições. E elas recebem as cotas e fazem a administração dessas cotas com suas delegacias, no caso específico. Esse caso (pontual), é um caso de gestão dentro da Polícia Civil, que vou pedir informações para saber o que está acontecendo”, assegurou Jacini.

Com relação aos dados da Segurança Pública, divulgados nos últimos dias, os roubos seguidos de morte tiveram elevação de 34%, passando de 66 para 89 casos; os homicídios registraram crescimento de 6%, passando de 1.203 para 1.276. (Vitória Famer/Rádio Guaíba)

Missão do governo gaúcho à Argentina terá 40 integrantes

Missão do governo gaúcho à Argentina terá 40 integrantes

Agenda Agronegócio Destaque Economia Educação Mundo Negócios Política Sartori Tecnologia Turismo

Nesta segunda-feira (14), o governador do Estado, José Ivo Sartori, parte para sua terceira viagem oficial internacional, acompanhado de 39 pessoas. O grupo é formado por assessores, secretários, deputados, prefeitos e representantes da iniciativa privada e de instituição de ensino. O objetivo da missão, conforme explicado secretário adjunto do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado, é estimular o fechamento de negócios entre empresas gaúchas e argentinas para viabilizar a abertura de novos mercados internacionais.

Confira abaixo os integrantes da missão

1 Governador do Estado do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori

2 Senador Lasier Martins

3 Deputado Federal Luis Carlos Heinze

4 Secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia-SDECT, Fábio
Branco

5 Secretário de Estado Adjunto do Desenvolvimento Econômico, Ciência e TecnologiaSDECT,
Renato de Oliveira

6 Representante da Secretaria de Estado dos Transportes, Eng. Fernando Dieckmann
Medeiros

7 Secretário de Estado da Cultura-SEDAC e Interino do Turismo, Esporte e Lazer-SETUR,
Victor Hugo Alves da Silva

8 Secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Irrigação-SEAPI, Ernani Polo

9 Presidente da Comissão Mista Permanente do Mercosul e Assuntos Internacionais da
Assembleia Legislativa do RS, Deputado João Fischer

10 Jornalista do Gabinete do Deputado João Fischer, Mário Selbach

11 Coordenador da Comissão Mista Permanente do Mercosul e Assuntos Internacionais da
Assembleia Legislativa do RS, Marcos Luiz Dutra

12 Membro Titular da Comissão Mista Permanente do Mercosul e Assuntos Internacionais da
Assembleia Legislativa do RS, Deputado Luis Augusto Lara

13 Secretário Executivo do CODESUL, Vicente Bogo

14 Prefeito de Itaqui, Marques Filho

15 Prefeito de Porto Xavier, Paulo Sommer

16 Prefeito de Porto Mauá, Guerino Pedro Pisoni

17 Secretário de Desenvolvimento Econômico e Relações Internacionais da
Prefeitura de Porto Mauá, Cleofas Rodrigo Diedrich Moser

18 Presidente da Associação dos Municípios da Grande Santa Rosa, Prefeito de
Senador Salgado Filho, Norton João Mattes

19 Vice-Reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS, Rui Vicente Oppermann

20 Presidente do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas
(Comung), Reitor Martinho Luís Kelm

21 Presidente da Rede Gaúcha de Incubadoras e Parques Tecnológicos (Reginp), Prof. Márcio
Machado da Silva

22 Presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor
Müller

23 Vice-Presidente da Federação das Indústria do Estado do Rio Grande do Sul, Cezar Luiz
Müller

24 Gerente de Relações Internacionais e Comércio Exterior da FIERGS, Luciano D’Andrea

25 Coordenador do Conselho de Comércio Exterior da Federação do Comércio de Bens e de
Serviços do Estado do Rio Grande do Sul (FECOMÉRCIO), Arno Gleisner

26 Conselheiro do Conselho de Comércio Exterior da Federação do Comércio de Bens e de
Serviços do Estado do Rio Grande do Sul (FECOMÉRCIO), Antônio Ferrari Júnior

27 Diretor Superintendente do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas
(SEBRAE/RS), Derly Fialho

28 Gerente Executiva da Associação Brasileira dos Transportes Internacionais, Gladys Vinci

29 Presidente da Fundação Pró-Construção da Ponte Internacional Alba Posse-Porto Mauá,
Airton Bertol da Silva

30 Presidente da Associação Ponte Internacional Itaqui/Alvear
Edgard W. Mondadori Filho

31 Presidente da Comissão Empresarial Pró-Ponte Internacional Porto Xavier–San Javier,
Wilson Pippi

32 Diretor De Operações da Marcopolo Argentina, Cecil Vechio

33 Diretor da Conservas Oderich, Marcos Oderich

34 Gerente Senior, Dana Incorporated, Luis Pedro C. Ferreira

35 Presidente da Stihl do Brasil, Cláudio Guenther

DELEGAÇÃO OFICIAL DE APOIO

36 Fotógrafo Luiz Chaves, Gabinete do Governador

37 Jornalista Gabriela Alcântara, Gabinete do Governador

38 Jornalista Mirella Poyastro, SECOM

39 Cinegrafista Antônio Maciel, SECOM

40 Ajudante de Ordem Cristiano de Oliveira Morais

Fonte:Rádio Guaíba
Missão internacional: Sartori na Argentina

Missão internacional: Sartori na Argentina

Destaque Mundo Poder Política

 O governador José Ivo Sartori embarca para a Argentina na próxima segunda-feira (15). Viaja acompanhado de secretários, parlamentares federais e estaduais, e dirigentes de entidades setoriais e de instituições de ensino. A missão é para fortalecer as relações comerciais, científicas e tecnológicas com o país vizinho e principal parceiro do Mercosul. Terça-feira (16), Sartori terá reuniões com os governadores das províncias de Buenos Aires e Entre Ríos. A agenda inclui ainda visitas aos ministérios da Agroindústria, Produção, Transportes e Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva. O incremento de acordos bilaterais é visto como alternativa para expandir a economia do RS e estimular o crescimento do Estado.

Em reunião com Sartori, Temer garante apoio à segunda ponte do Guaíba

Em reunião com Sartori, Temer garante apoio à segunda ponte do Guaíba

Destaque Poder Política

O governador José Ivo Sartori reuniu-se hoje com o presidente interino Michel Temer em Brasília. No encontro, Temer garantiu apoio do governo federal para a conclusão de obras no Rio Grande do Sul, como a segunda ponte sobre o Guaíba, em Porto Alegre. Durante a reunião no Palácio do Planalto, Sartori também convidou o presidente para participar da edição de 2016 da Expointer.

José Ivo Sartori afirmou estar “contente” em ouvir do presidente em exercício, Michel Temer, que “algumas obras no Rio Grande do Sul, especialmente a obra da ponte do Guaíba”, são prioridade. Em 12 de julho, Michel Temer anunciou a liberação de R$ 100 milhões para a retomada das obras da segunda ponte.

A construção de outra ponte sobre o Guaíba visa ampliar a interligação da região Metropolitana de Porto Alegre com o Sul do estado e desafogar o tráfego. Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a expectativa é de que 50 mil veículos utilizarão diariamente a ponte.

Sobre o encontro com Temer no Palácio do Planalto, Sartori mencionou o convite para que o presidente em exercício participe da 39ª edição da Expointer. A feira ocorre justamente na semana seguinte ao julgamento definitivo da presidente afastada Dilma Rousseff (PT). “Fomos convidá-lo para o maior evento da agricultura do Rio Grande do Sul, do agronegócio do Rio Grande, que é a Expointer, do dia 27 de agosto ao dia 4 de setembro. E a presença do presidente é extremamente importante para todas as nossas lideranças rurais e para todos os líderes do Rio Grande do Sul, de todos os empreendedores, não apenas da área rural, mas também da indústria que cerca essa área”, afirmou o governador gaúcho.

Após o encontro com Michel Temer, o governador José Ivo Sartori se reuniu com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. A reunião serviu para oficializar o repasse do Armazém Frigorífico da Conab à Ceasa/RS. De acordo com Sartori, o repasse vai beneficiar 6 mil produtores gaúchos. (Correio do Povo)

Sartori classifica como irresponsável paralisação dos servidores da Segurança

Sartori classifica como irresponsável paralisação dos servidores da Segurança

Destaque Poder Política

O governador José Ivo Sartori (PMDB) declarou, nesta sexta-feira, que as manifestações de ontem, organizadas por movimentos que representam o setor da Segurança Pública, foram irresponsáveis. Em sua fala, durante a cerimônia de lançamento da 39ª Expointer, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, Sartori também afirmou que não é causando preocupação à sociedade que o Rio Grande do Sul vai superar o desequilíbrio financeiro.

“Nós sabemos que o movimento teve, claramente, conotações política. Porque sabemos das vinculações de alguns dirigentes que, irresponsavelmente, inclusive, provocaram manifestações de preocupação em toda sociedade gaúcha. Isso não é ajudar a desenvolver o Rio Grande do Sul e não é ajudar a criar as condições para que nós tenhamos crescimento, desenvolvimento e oportunidade de fazer uma coisa que o nosso governo teve coragem de fazer: buscar o equilíbrio financeiro. Não existe outra saída”, pontuou Sartori.

Sartori, que não concedeu entrevista coletiva, também assegurou que professores e servidores da segurança pública foram os únicos a receber reajuste salarial durante a gestão do governo do PMDB.

“Nenhum governante gostaria de parcelar salário. Mas a realidade é uma só. O único setor que realmente teve aumentos, foi a segurança pública. E nós pagamos em maio, em novembro (de 2015) e em maio de 2016. Honramos aquilo que foi pactuado em outro governo e não no nosso. A Segurança foi na verdade, junto com os professores, os únicos setores que receberam alterações nos seus vencimentos”, disse o peemedebista.

José Ivo Sartori também complementou que servidores do Instituto Geral de Perícias, pertencentes ao setor da Segurança Pública, foram os únicos da cúpula a não receber reajuste. Porém, os sindicatos declararam que o motivo principal da paralisação na quinta-feira era em decorrência do parcelamento dos salários. (Vitória Famer/Rádio Guaíba)

Após novo parcelamento de salários, servidores dizem que falta gestão no Palácio Piratini; por Bibiana Borba/Rádio Guaíba

Após novo parcelamento de salários, servidores dizem que falta gestão no Palácio Piratini; por Bibiana Borba/Rádio Guaíba

Notícias Poder Política

Com o anúncio de que receberão parcela inicial de R$ 650 pelos salários de julho, os servidores públicos do Estado dizem que farão protestos para denunciar que há falta de gestão no governo de José Ivo Sartori. O valor do primeiro depósito é o mais baixo neste ano, depois de seis meses consecutivos de parcelamento das remunerações. No ano passado, os cerca de 343 mil servidores já tinham recebido parcela inicial de apenas R$ 600 ao fim de agosto. O argumento de redução de caixa é considerado inadmissível pela presidente do Cpers (Sindicato dos Professores do Estado), Helenir Schürer, considerando que o governo não está pagando a dívida com a União e já elevou impostos. A professora também ressalta que o Banco do Estado (Banrisul), mais uma vez, não prorrogou datas de vencimento e vem cobrando juros acumulados dos trabalhadores.

“É uma vergonha, um governo que aumentou ICMS, tentando jogar a sociedade contra o servidor público, no sexto mês pagando de forma parcelada. E, pior, o Banrisul já está depositando todos os débitos e vamos novamente pagar juros. Já renegociou até a dívida. Na verdade, temos que discutir com o secretário da Fazenda, a administração que não consegue administrar o Estado. O problema não é do servidor, é da falta de gestão do Estado do Rio Grande do Sul, infelizmente”, avaliou Helenir.

O presidente da Fessergs (Federação dos Sindicatos de Servidores do Rio Grande do Sul), Sérgio Arnoud, reforça que o pagamento inferior ao salário mínimo é inconstitucional. Para o sindicalista, o governo quer provocar um colapso dos serviços públicos para justificar privatizações.

“É uma crueldade sem tamanho. Não podemos imaginar que o governo do Estado não cumpra a Constituição Federal, que determina que ninguém pode ganhar menos que o salário mínimo. Isso só tem uma lógica: o governo quer inviabilizar os serviços públicos para transferi-los à iniciativa privada. Não existe outra constatação a fazer. Já não temos saúde, educação e segurança. A tentativa é repassar para a iniciativa privada. Se não consegue dar os serviços públicos que a sociedade paga e exige, e não consegue pagar salários, tem que pedir para sair”, avaliou.

Arnoud ainda sustenta que os sindicatos e o Tribunal de Contas do Estado não conseguem acesso à planilha de receitas — e sim, somente às despesas — do Estado para poder verificar o argumento de redução de recursos.

Já o Sintergs (Sindicato dos Técnicos Científicos do Estado) reforçou ter encaminhado ação judicial em abril contra o parcelamento dos salários. A entidade espera uma decisão do Tribunal de Justiça do Estado sobre pedido de intervenção federal no Rio Grande do Sul. Em decisões anteriores sobre pedidos de sindicatos, a Justiça gaúcha entendeu que o Executivo não dispunha recursos para evitar o parcelamento.

A Fazenda informou hoje que a receita líquida em julho caiu de R$ 2,25 bilhões para R$ 2,14 bilhões. O secretário Giovani Feltes citou a diminuição de repasses federais, queda do Fundo de Participação dos Estados e compensações da Lei Kandir, além da impossibilidade de recorrer a depósitos judiciais.

Os sindicatos devem anunciar protestos, nos próximos dias, para pressionar o governo. Após o depósito de R$ 650 no último dia útil, existe a possibilidade de o governo pagar mais R$ 330 a cada servidor, ainda nesta sexta-feira.

Presidente do SIMERS cobra do governador Sartori solução para a questão do IPE

Presidente do SIMERS cobra do governador Sartori solução para a questão do IPE

Notícias Poder Política Saúde

O presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS), Paulo de Argollo Mendes, reuniu-se nesta sexta-feira (7) com o governador do Estado, José Ivo Sartori, e com o secretário estadual da Saúde, João Gabbardo dos Reis. Um dos temas abordados no encontro, que ocorreu no Palácio Piratini, foi a preocupação do Sindicato com relação aos rumos que a atual direção do Instituto de Previdência do Estado (IPE) vem tomando. “A administração está em visível rota de colisão com a categoria médica”, afirmou Argollo.

O presidente do SIMERS também relatou as dificuldades encontradas com o IPE, especialmente no que diz respeito ao repasse do instituto para os médicos credenciados, e solicitou ao governador que procure encontrar soluções para evitar conflitos entre a categoria e o governo do Estado. Durante o encontro, também foram tratados assuntos referentes às Organizações Sociais no âmbito da Secretaria de Saúde.

SIMERS x IPE – O SIMERS enfrenta dificuldades com o IPE, que pressiona os médicos a receber como Pessoa Jurídica, sob alegação de elevar o valor da consulta. Porém, o Sindicato já fez estudos que apontam que a opção é desvantajosa à maioria dos médicos. Um simulador existente no site do SIMERS e de outras entidades médicas permite que o próprio médico verifique o impacto. Reportagens na imprensa estadual apontam a situação de crise no IPE-Saúde. O quadro é agravado pelo débito de R$ 200 milhões do Estado com o fundo de saúde que sustenta o plano e que impossibilita uma política de remuneração dos médicos mais adequada. A categoria não tem correção dos honorários desde 2011.

Governador defende novo pacto federativo em congresso da Famurs

Governador defende novo pacto federativo em congresso da Famurs

Notícias

Um debate sobre como as prefeituras podem superar as dificuldades nos campos da economia, da política e da segurança pública é o propósito do 36º Congresso de Municípios da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), que tem como tema ‘Um olhar para o amanhã’. Um novo pacto federativo foi defendido pelo governador José Ivo Sartori durante a cerimônia de abertura do congresso nesta quarta-feira (6), em Porto Alegre.

“O desafio dos estados e das prefeituras tem sido administrar serviços, demandas e necessidades. Os repasses são inversamente proporcionais às obrigações. Por isso, um novo pacto federativo é fundamental. Algumas reformas dependem de nós, mas muitas outras da União. E todas, sem dúvida, dependem de uma nova cultura e de uma nova consciência política. Sem isso, o poder público vai continuar voltado a si mesmo e não será capaz de atender quem mais precisa”, destacou o governador.

Sartori reafirmou o respeito do governo do Estado com a Famurs e lembrou “que é nos municípios que os cidadãos buscam o primeiro apoio e procuram os serviços essenciais”. Ele também falou que a renegociação da dívida com o governo federal foi uma conquista e citou as medidas apresentadas para a segurança no dia 30 de junho. “Não somos de fazer promessas e não cumprir. Acreditamos que a cooperação e a soma de esforços farão com que tenhamos um Estado melhor. Para isso estamos plantando sementes de mudança”, enfatizou.

O presidente da Famurs, Luiz Carlos Folador, disse que a entidade, nestes 40 anos de existência, atua na defesa daquilo que é primordial para a vida sustentável dos municípios. “Estamos aqui buscando alternativas e soluções para sair da crise. O congresso visa fortalecer os municípios que são a base do país, neste momento em que eles estão enfraquecidos”, afirmou o presidente.

Folador também citou as demandas na área da Agricultura, Saúde e Educação que precisam ser cada vez mais fortalecidas com políticas públicas para dar mais qualidade de vida às comunidades.

O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, falou das dificuldades econômicas que os municípios estão enfrentando e todas as responsabilidades que têm para prestar serviços de qualidade para a sociedade. “É difícil cumprir todas as exigências sem os recursos necessários, onde o governo federal fica com o maior bolo tributário: 58% de tudo que é arrecadado no país”, destacou.

Estiveram presentes o presidente da Conferedação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski; o presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Marco Peixoto; o subdefensor Público-Geral do Estado para Assuntos Jurídicos, Tiago Rodrigo dos Santos; o procurador-geral de Justiça, Marcelo Lemos Dornelles; a presidente da Assembleia Legislativa, deputada Silvana Covatti; e os secretários da Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo; e da Saúde, João Gabbardo dos Reis; além de prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, procuradores, assessores e demais servidores municipais.

Congresso

O congresso da Famurs segue até quinta-feira (7), dia em que a nova diretoria da entidade toma posse. Folador passa a presidência ao prefeito de Arroio do Sal, Luciano Pinto. Também ocorre o lançamento do livro ‘Famurs 40 anos’ e serão conhecidos os vencedores do 1º Prêmio de Boas Práticas, que reúne propostas de gestão em diversas categorias. Paralelo ao evento, acontece o 3º Fórum Nacional e o 23º Fórum Estadual dos Dirigentes Municipais de Cultura.

Sartori: “Criminalidade não vai ter vida fácil para a criminalidade no Rio Grande do Sul”. Governo chama 2,6 mil policiais concursados e investe R$ 166,9 milhões em Segurança

Sartori: “Criminalidade não vai ter vida fácil para a criminalidade no Rio Grande do Sul”. Governo chama 2,6 mil policiais concursados e investe R$ 166,9 milhões em Segurança

Notícias Poder Política Sartori Segurança

Os dois mil aprovados no concurso público da Brigada Militar (BM) serão chamados e ingressarão nos cursos de formação. O mesmo ocorrerá com os 661 aprovados para Polícia Civil (PC). O chamamento de mais efetivo é uma das ações do pacote de medidas da segunda fase do Plano Estadual de Segurança Pública, lançado na manhã desta quinta-feira (30) em ato no Palácio Piratini. As ações representam R$ 166,9 milhões em novos investimentos na Segurança Pública até o início de 2018.

Além da ampliação do efetivo, o plano inclui pagamento de horas extras e diárias, realização de novos concursos para a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e o Instituto-Geral de Perícias (IGP), investimentos no reaparelhamento dos órgãos de segurança e a reestruturação do sistema penitenciário com a geração de novas vagas prisionais.

“No mundo ideal, o ato de hoje era para ter acontecido no primeiro dia do nosso governo, No mundo real, só conseguimos nesta data. No mundo ideal, o ato de hoje era para ser muito mais abrangente e profundo. No mundo real, fomos ao limite do possível e do responsável. Essa diferença entre o ideal e o possível tem o tamanho da defasagem da estrutura do Estado”, afirmou o governador José Ivo Sartori.

O governador sustentou que o governo cumpre um papel importante e necessário. “Mas sou claro e transparente ao dizer que este esforço é insuficiente e temporário. Nós não podemos esquecer que, antes de termos um quadro de normalidade nos serviços públicos, precisamos aprofundar as reformas de Estado”, enfatizou.

Plano Safra estadual garante verba recorde a operações de crédito no setor primário

Plano Safra estadual garante verba recorde a operações de crédito no setor primário

Agronegócio Economia Negócios Notícias Plano Safra Sartori

O governo gaúcho anunciou, nesta quarta-feira, o Plano Safra 2016/2017 totalizando R$ 3 bilhões em operações de crédito para o novo ciclo agrícola gaúcho. O anúncio ocorreu durante a tarde em cerimonia realizada no Palácio Piratini, em Porto Alegre. Os recursos estarão à disposição no sistema financeiro estadual a partir de 1º de julho. Desse montante, R$ 2,1 bi são provenientes do Banrisul, R$ 550 milhões do BRDE e R$ 350 milhões do Badesul. O aporte destinado pelo Palácio Piratini é recorde. Em 2015, o Plano Safra disponibilizou R$ 2,8 bi – 3,5% a menos.

Dos R$ 2,1 bilhões que podem ser aportados via Banrisul, R$ 1 bi é destinado para custeio, R$ 600 milhões para comercialização e R$ 500 milhões para investimento. Podem solicitar financiamento agricultores familiares (Pronaf), médios produtores (Pronamp) e agricultores empresariais, cooperativas, agroindústrias, beneficiadores, cerealistas e demais empresas do setor.

A maior parte das operações envolvendo os R$ 500 milhões disponibilizados pelo BRDE são relacionadas a projetos de irrigação e de armazenagem, por exemplo. Os recursos para compra de máquinas, equipamentos e implementos também podem ser financiados dentro dos R$ 350 milhões viabilizados pelo Badesul.

Responsável por 44% do PIB gaúcho, o setor primário foi mais uma vez destacado pelo governador José Ivo Sartori. “Se há um lugar em que o retorno econômico ou em termos de Produto Interno Bruto, considerando todas as cadeias produtivas, a do agro é aquela que dá resposta mais imediata e as vezes não apenas em um safra, mas em duas”, destacou.

Plano Safra nacional
O superintendente do Banco do Brasil no Rio Grande do Sul, Edson Bündchen, adiantou que, até o fim do ano, o BB deve liberar R$ 10 bilhões para o agronegócio gaúcho através do Plano Safra nacional. Do total de recursos disponibilizados pelo governo federal, 62% são financiados pelo Banco do Brasil e o RS fica com 20% do montante total desembolsado pelo BB. (Lucas Rivas/Rádio Guaíba com informações do governo estadual)