Porto Alegre: Marchezan confirma Alabarse e anuncia nomes do secretário adjunto de Cultura e Procurador Geral do Município nesta sexta. Confira !!

Porto Alegre: Marchezan confirma Alabarse e anuncia nomes do secretário adjunto de Cultura e Procurador Geral do Município nesta sexta. Confira !!

Cultura Destaque Direito Poder Política Porto Alegre prefeitura

O prefeito eleito de Porto Alegre anuncia mais nomes de sua equipe de governo nesta sexta-feira. Como tinha informado logo após a eleição, Luciano Alabarse, será o secretário Municipal da Cultura.

Ele dispensa apresentações.

48gy3ras
Eduardo Wolff

Para trabalhar junto com Alabarse foi convidado, o filósofo Eduardo Wolf, colunista de vários jornais e revistas em nível nacional.

bruno-miragem-700x357
Bruno Miragem

A Procuradoria-Geral do Município estará a cargo do advogado Bruno Miragem. Outros nomes podem ser anunciados nesta sexta-feira.

Porto Alegre: Marchezan reduz número de secretarias de 29 para 15 na Capital. Futuro prefeito deve anunciar secretariado na próxima segunda-feira. Ele promete fazer de tudo para evitar parcelamento de salários

Cidade Destaque Economia Negócios Poder Política Porto Alegre

 

O prefeito eleito de Porto Alegre, Nelson Marchezan (PSDB), explicou nesta sexta-feira o que planeja para a nova gestão da cidade a partir de 2017. Durante entrevista coletiva, ele afirmou que deve começar a anunciar o secretariado na próxima segunda-feira e garantiu que todos os partidos participarão ativamente da composição do governo municipal.

“Os partidos vão participar ativamente da formação da nossa gestão, até porque muitas pessoas que nos apoiaram têm experiência, tem qualificação. Nós gostaríamos de prestigiar pessoas do quadro e acredito que teremos um grupo que busque excelência. O ideal é que a gente possa otimizar a administração, melhorar a relação com a sociedade e a aplicação do recurso público”, afirmou Marchezan.

Marchezan informou que vai extinguir 14 secretarias, cujas funções serão repassadas para outras pastas. Ele não pretende realizar a montagem das 15 secretarias baseada em cortes de cargos comissionados (CCs). “A estruturação não foi pensada dessa forma. Queremos atingir o melhor resultado”, disse antes de revelar que contará com instituições que prestarão diversos serviços em toda a gestão. Ao ser questionado sobre a possibilidade de parcelamento de salários, Marchezan prometeu que fará de tudo para evitar prejuízo aos servidores.

O prefeito eleito manteve um discurso muito semelhante ao do governador José Ivo Sartori e salientou que a sua gestão será pautada pela transparência. “Estamos fazendo o máximo para apresentar remédios e soluções. Sabemos que teremos dificuldades e já temos uma ideia da atual situação e daquela que vamos enfrentar no ano que vem. Pelos dados que tivemos acesso, a condição de Porto Alegre é difícil e acho que há atrasos em serviços essenciais”, explicou.

EPTC e Carris

Marchezan relatou que estudará nos primeiros meses de gestão o caso da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) para verificar a necessidade de manutenção da sua estratura. “Vamos fazer correções nos primeiros dias de prefeitura e vamos avaliar a EPTC e outras secretarias. Vamos verificar se há prejuízo financeiro ao unir o Departamento Municipal de Água e Esgoto com o Departamento de Esgotos Pluviais. A nossa intenção é simplificar a vida do cidadão, solucionando problemas na prefeitura e não neste ou naquele órgão”, acrescentou.

O novo prefeito disse que não há intenção de privatizar a Carris, mas deu a entender que a empresa passará por uma avaliação criteriosa. “Não temos a meta de privatizá-la, mas é inaceitável que a sociedade pague R$ 50 milhões de prejuízo. Ou ela se torna uma companhia lucrativa, ou ela deverá ser privatizada”, resumiu. (Correio do Povo)

Demora na indicação do Governo Sartori para o TCE causa impasse com o PDT; por Voltaire Porto/Rádio Guaíba

Demora na indicação do Governo Sartori para o TCE causa impasse com o PDT; por Voltaire Porto/Rádio Guaíba

Notícias Poder Política

O presidente estadual do PDT e deputado federal Pompeo de Matos se divide entre o processo de impeachment da presidente Dilma, em Brasília, e a administração de um impasse que envolve os trabalhistas e o governo Sartori, no Rio Grande do Sul. Depois de confirmar ontem que o secretário de Obras, Saneamento e Habitação, Gerson Burmann, vai deixar a Pasta para retornar à Assembleia como deputado estadual, o dirigente sugere que esse pode ser um primeiro passo de distanciamento do Palácio Piratini. Ainda assim, Pompeo evita falar em um suposto desembarque da atual gestão, dizendo apostar em diálogo e reaproximação. Burmann deve abandonar a chamada Super-Secretaria nos próximos dias, já que o retorno ao Parlamento está previsto para a próxima semana. A escolha de um substituto para o cargo segue sendo uma incógnita, já que o PDT não pretende fazer nova indicação.

october-2012-253953-171039756288549-4596827-gr-1363069848-jpg
Gerson Burmann

O motivo para a saída de Burmann do primeiro escalão é a suposta quebra de um acordo firmado entre o PDT e o Executivo. O secretário da Casa Civil, Marcio Biolchi, garantiu, no início da gestão, que o governador previa indicar um trabalhista para o conselho do Tribunal de Contas a partir da aposentadoria compulsória do conselheiro Adroaldo Loureiro, ao completar 70 anos. O problema é que Loureiro morreu em fevereiro, aos 68, fazendo a abertura antecipada da vaga na Corte virar sinônimo de disputa e alvo de polêmica. Com a desconfiança de que o líder do governo na Assembleia, Alexandre Postal, do PMDB, possa ser o indicado, Burmann se sentiu preterido e decidiu deixar o governo.

Enquanto isso, quem está a deriva é o suplente da bancada do PDT, Vinícius Ribeiro, que deixou a função de presidente da Corag para assumir como deputado estadual após a cassação de Diógenes Basegio, no ano passado. Em meio a esse processo, Ribeiro já protocolou na Assembleia um pedido de afastamento pelo período de um mês. Ele vai viajar para a Inglaterra e para os Estados Unidos, com recursos próprios, para participar de seminários e estudos envolvendo planejamento urbano e de mobilidade. O deputado negou hoje que a viagem tenha relação com o retorno de Burmann para o Parlamento. “Eu fui convidado pela ONU e, claro, de forma antecipada. O importante é informar que já comuniquei à Assembleia Legislativa que todos os gastos com diárias e passagens serão por minha conta e abdicarei dos subsídios de parlamentar enquanto estiver fora”, esclareceu.