RS: Concessionárias de energia alertam para chance de novos temporais na sexta-feira

RS: Concessionárias de energia alertam para chance de novos temporais na sexta-feira

Notícias Previsão do Tempo

 O monitoramento climático encomendado pelo Centro de Operações Integrado (COI) da RGE junto a um instituto privado de meteorologia, indica o retorno dos temporais ao Estado na próxima sexta-feira. A concessionária e a RGE Sul vão manter toda sua força operacional em campo para mitigar os impactos do clima e atender ocorrências que devem ser registradas ao longo do final de semana. No último domingo, a rede de distribuição das duas empresas foi severamente danificada por um temporal que varreu boa parte do Rio Grande do Sul e deixou 560 mil clientes sem luz. Ao longo de outubro, pelo menos mais uma sequência de temporais deve chegar ao Estado, causando prejuízos.

image001(2)Conforme o acompanhamento do clima do COI, nesta quinta-feira (5), o sol será predominante, mas com a aproximação de uma nova frente fria, já devem ser registradas rajadas de vento de intensidade moderada. Na sexta, a massa de ar avança provocando chuva em todo Rio Grande do Sul com elevada chance de temporais similares ao do último domingo.

Ao longo do mês, deve ter registro de chuva acima da média e ventos com velocidade acentuada nos dias 24 e 25. No demais dias, a estabilidade deve predominar. Observando os cenários climáticos dos meses anteriores, no entanto, foi afastada definitivamente a formação do fenômeno El Niño para o segundo semestre deste ano.

Contudo, é importante destacar que mesmo estando afastada até o final do primeiro semestre do próximo ano a formação dos fenômenos La Niña e El Niño, as concessionárias intensificam o monitoramento do clima neste final de ano, quando é registrado o período de temporais na Região Sul do Brasil, assim como ocorreu neste final de semana.

Para mitigar impactos à população a RGE e RGE Sul têm estratégias definidas para atuar em casos de contingências e com poder de mobilização para atender às possíveis ocorrências.

Cabe frisar, ainda, que as duas concessionárias possuem tecnologia para identificar as principais ocorrências no seu sistema elétrico e têm como praxe adotar medidas necessárias para o restabelecimento, sempre priorizando as cargas essenciais, tais como hospitais, postos de saúde, captação de água, prédios públicos, UTIs domiciliares e outros.

Em alguns momentos, por causa do volume de ocorrências, o nossos Call Centers da RGE (0800 970 0900) e RGE Sul (0800 707 7272) podem passar por congestionamentos em determinados momentos. Por isso, os consumidores contam outros canais de atendimento para informar à RGE e RGE Sul sobre problemas de falta de energia elétrica:

 

Pela internet: www.rge-rs.com.br e www.rgesul.com.br
Pelo SMS Center:

RGE: SMS com a palavra LUZ + Código de Cliente para 27350 (se nunca usou o serviço, mandar antes IN + Código de Cliente para o mesmo número para cadastro)

 

RGE Sul: SMS com o Seu Código para 28410
Aplicativo para smartphone: CPFL Energia, no qual estão disponíveis os serviços da RGE. O aplicativo está disponível gratuitamente para iOS, Android e Windows Phone.

Pedras de granizo do tamanho de ovos caem em NH. Veja imagens; por Stephany Sander / Correio do Povo

Pedras de granizo do tamanho de ovos caem em NH. Veja imagens; por Stephany Sander / Correio do Povo

Notícias Previsão do Tempo Vídeo

 

Uma chuva de granizo foi registrada na manhã desta quinta-feira em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos. Pedras do tamanho de ovos de galinha caíram em diversos pontos da cidade, deixando a paisagem branca. A precipitação começou às 10h15min e terminou somente às 10h40min. Em Rolante, ao menos uma casa teve o telhado danificado devido ao granizo.

Um trecho da BR 116, na Ponte do Rio do Sinos, em São Leopoldo, ficou com muito gelo na pista. Em Estância Velha, a chuva de granizo chegou às 11h e a Defesa Civil tem registros em Dois Irmãos, Igrejinha, Nova Hartz, Parobé, São Leopoldo e Taquara.

Na noite dessa quarta, diversas cidades do Rio Grande do Sul registraram queda de granizo. A situação mais grave foi em Canoas, em que 10 casas foram destelhadas. Alvorada, Cachoeirinha e Porto Alegre também foram atingidas pelo temporal.Em Não-Me-Toque, no Alto Jacuí, a paisagem chegou a ficar branca por causa da grande quantidade de gelo. A chuva de granizo durou entre 15 e 20 minutos, conforme a Brigada Militar (BM). Na ERS 142, árvores bloquearam a rodovia e os bombeiros de Carazinho foram acionados para fazer a desobstrução. Outras cidades do interior atingidas pelo temporal foram Coronel Bicaco, Coxilha, Lagoa Vermelha, Tio Hugo e Veranópolis.

A Defesa Civil ainda realiza nesta quinta-feira o levantamento dos estragos e deverá divulgar detalhes do temporal da noite de ontem. Minas do Leão, Soledade e Viamão ainda aguardam a homologação do Estado para os decretos de situação de emergência.

Granizo e chuva forte atingem a Serra e o Norte gaúcho

Granizo e chuva forte atingem a Serra e o Norte gaúcho

Notícias Previsão do Tempo

Granizo e chuva forte já atingiram, na noite desta quarta-feira, cidades da Serra, do Norte e do Noroeste do Rio Grande do Sul, conforme a MetSul Meteorologia. Não Me Toque registrou o maior acumulado de precipitação congelada, e há relato de queda de árvores e destelhamentos na cidade. O gelo chegou a deixar a paisagem branca em vários pontos, por volta das 20h, durante entre 15 e 20 minutos, conforme a Brigada Militar. Na ERS 142, árvores bloquearam a rodovia e os bombeiros de Carazinho foram acionados para fazer a desobstrução.

Em Água Santa, moradores fotografaram granizo do tamanho de ovos de galinha. Pedras de gelo também caíram sobre municípios como Coronel Bicaco, Lagoa Vermelha, Coxilha, Água Santa, Vila Lângaro, Tio Hugo e Veranópolis, por exemplo. Soledade, que já havia encaminhado um decreto de situação de emergência em função da chuva de segunda-feira, também voltou a ser castigada pelo granizo. Choveu forte também em Crissiumal, Montenegro e Lajeado.

A célula de tempestade, com potencial de granizo, chegou ainda aos Campos de Cima da Serra, atingindo Vacaria e cidades vizinhas e seguindo para Caxias do Sul, Vale do Taquari e região Metropolitana. Houve, também, tempestade no trecho entre Fontoura Xavier e Anta Gorda, conforme a MetSul. (Metsul Meteorologia)

RS volta a ter risco de chuva forte e temporais nesta quarta-feira

RS volta a ter risco de chuva forte e temporais nesta quarta-feira

Notícias Porto Alegre prefeitura Previsão do Tempo

Muitas nuvens cobrem o Rio Grande do Sul e o céu deve ficar nublado a encoberto na maior parte do Estado nesta quarta-feira. Um centro de baixa pressão instabilizará a atmosfera com chuva que deve afetar o Leste e principalmente cidades do Centro e da Metade Norte. Existe alerta para o risco de chuva forte com chance de altos volumes em pontos da Metade Norte. Temporais não podem ser afastados, mas se vierem a ocorrer serão isolados. Já na Metade Sul e no Oeste, a nebulosidade aumenta bastante, mas a chuva será escassa. Devido à instabilidade, a temperatura não sobe muito e tem pequena variação. As mínimas rondam os 17°C em São José dos Ausentes e Vacaria. As máximas, por sua vez, podem chegar a 28°C em Santa Cruz do Sul. Em Porto Alegre, os termômetros variam entre 20°C e 27°C. No Litoral Norte, as temperaturas se alternam entre 20°C e 27°C.

Novo cenário de risco meteorológico se estabelece nesta quarta e quinta, após os temporais da sexta-feira e a chuva volumosa que se registrou no último fim de semana. Os acumulados em algumas áreas vão se aproximar ou mesmo exceder a marca de 100 mm com possibilidade de algumas cidades terem apenas nestes dois dias a média de chuva do mês inteiro.

Uma das regiões que demanda maior atenção é o Alto Uruguai, onde nos últimos dias choveu de 250 mm a 300 mm na área de Erechim com alagamentos. Como o solo está saturado e os cursos d’água com níveis altos, novo episódio de chuva forte traz a ameaça de alagamentos e deslizamentos de terra e encostas.

Na região de Porto Alegre, ainda sofrendo os efeitos da tempestade severa, não se afasta o risco de chuva moderada a forte em alguns momentos. Ocorrências isoladas de chuva forte numa atmosfera aquecida podem vir com temporais de vento forte, sobretudo no Norte e no Nordeste do Estado, onde atuará uma corrente de jato em baixos níveis com ar quente. (Correio do Povo/Metsul – Foto: Bernardo Bercht/Especial CP)

Temporal causa prejuízos para cerca de 60% dos estabelecimentos do setor de alimentação em Porto Alegre

Negócios Notícias Porto Alegre Previsão do Tempo

Cerca de 60% dos restaurantes e bares da capital gaúcha tiveram prejuízos com o temporal que atingiu Porto Alegre na noite da última sexta-feira, 29. A estimativa do Sindicato de Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre (Sindha) é proporcional aos estragos causados pela tempestade em toda a cidade. “Ainda hoje tem restaurantes sem telefone para receber pedidos nas tele-entregas. Nunca tivemos ou passamos por algo parecido, por isso, a maioria dos estabelecimentos não tem como estar preparada para um evento desta magnitude,” diz o presidente da entidade, Henry Chmelnitsky. Um dos exemplos é a Pizza Hut que, desde sexta-feira, está com todas as operações de Porto Alegre fechadas, incluindo o call center. Já o setor hoteleiro teve movimentação inversa. Preparados com geradores de energia, muitos hotéis da capital registraram aumento na procura de hóspedes, durante o fim de semana, buscando lugar com energia e água.

Tentativa de desvirar Cisne Branco fracassa no cais do porto; por Paulo tavares/Correio do Povo

Notícias Política Porto Alegre prefeitura
Cabos que ergueriam embarcação romperam nesta tarde | Foto: Paulo Nunes
Cabos que ergueriam embarcação romperam nesta tarde | Foto: Paulo Nunes

Mais uma tentativa de reerguer o Cisne Branco não deu certo na tarde desta segunda-feira. Eram 14h, quando os cabos da balsa que ergueria o barco arrebentaram, paralisando o serviço. A embarcação de 120 pés (cerca de 40 metros de comprimento) e 200 toneladas adernou durante a temporal da última sexta-feira, no cais do porto no Rio Guaíba. De acordo com Adriane Hilbig, proprietária do barco, desde sábado são feitas tentativas para fazer o Cisne Branco voltar a flutuar.

O trabalho, salientou Adriane, é demorado e tem que ser tomado cuidado extremo para não danificar o navio. Nesta segunda-feira, os trabalhos de colocação dos cabos de aço recomeçaram por volta das 7h. Foram colocados 11, sendo nove na lateral da embarcação, um na popa e outro na proa. No entanto, as amarras não aguentaram. A equipe agora vai estudar uma nova forma de tentar desvirar a embarcação. No sábado, uma tentativa deixou a lateral do barco “embarrigada”, sendo necessária a suspensão do serviço. O trabalho está sendo feito pela balsa Grega III.

Os prejuízos, segundo Adriane, são incalculáveis. O Cisne Branco empregava 14 funcionários, além de DJs e garçons que eram contratados para eventos específicos. Por mês, de acordo com a proprietária, 5 mil pessoas passeiam na embarcação. A proprietária do barco ressaltou que as pessoas que conhecem o serviço da empresa estão se solidarizando.  “A cidade foi atingida por uma tempestade e o que irá sobrar depois de toda essa tragédia (referindo-se ao temporal) será o Cisne Branco”, comentou Adriane. “A cidade será limpa e em pouco tempo ninguém lembrará mais do temporal, mas o Cisne ficará como uma lembrança do que ocorreu”.

Ainda é difícil estipular uma data para o retorno às atividades. Adriane ressaltou que dependerá dos danos, que ainda não podem ser estimados. Depois disso, irá depender de conseguir um estaleiro para fazer os consertos necessários. Na Capital, salientou Adriane, existe apenas uma empresa deste ramo. Para a proprietária da embarcação, o Cisne é como um símbolo náutico de Porto Alegre.

“O Cisne Branco faz parte da minha infância”, afirmou. “E também da história de muitas pessoas, que celebraram casamentos, batizados, aniversários ou curtiram alguma comemoração no barco”.

Temporal causou queda de quase 50% no comércio gaúcho neste final de semana

Economia Negócios Notícias

O comércio também sofreu as consequências do temporal que atingiu a Capital Gaúcha na última sexta-feira (29). De acordo com dados do economista da CDL Porto Alegre, Victor Sant’Ana, “a variação estimada de queda nas vendas no último final de semana de janeiro foi de -49,33% no Estado, comparando com a média dos demais finais de semana do mesmo mês”. Ainda segundo o especialista, o sábado após o temporal teve redução estimada em 53,36%, na comparação com os demais sábados de janeiro. “Já no domingo, a perda foi menor, variando -15,72%”, observou Sant’Ana, com base em dados do SCPC.

De acordo com o presidente da CDL Porto Alegre, Alcides Debus, não só os aspectos físicos e os danos materiais do comércio influenciarão no desempenho das vendas, nos próximos dias. “Temos que levar em conta que muitas famílias tiveram prejuízos pessoais e ficaram emocionalmente abaladas. Dessa forma, penso que enfrentaremos uma curva de recuperação da disposição para o consumo de boa parte da população”, avaliou. “O Liquida Porto Alegre, que ocorrerá na segunda quinzena de fevereiro, poderá ser um bom motivo para trazer não só os consumidores da Capital, mas também de parte da Região Metropolitana e do interior do Estado de volta às compras em nossa cidade”, antecipou.

Porto Alegre: EPTC nega que tenha participado de blitz do Balada Segura durante final de semana

Cidade Notícias Política Porto Alegre prefeitura

 

Muitos ouvintes da Rádio Guaíba e internautas criticaram via redes sociais, a realização de BLITZ DA BALADA SEGURA, no momento que Porto Alegre trabalhava para tentar se recuperar dos problemas causados pelo temporal da sexta-feira(29.01). Em entrevista ao programa Agora, o presidente em exercício da EPTC, Marcelo Soletti garantiu que os agentes da Empresa não participaram de nenhuma ação desse tipo. Segundo ele, todos atuaram na liberação do vias e sinalização do tráfego. Ele também respondeu sobre o “sumiço dos azuizinhos”em momentos como esses.

Meteorologia adverte para volta de temporais ao RS na quarta-feira

Meteorologia adverte para volta de temporais ao RS na quarta-feira

Notícias Porto Alegre prefeitura
A MetSul Meteorologia alertou nesta segunda-feira a possibilidade de retorno de temporais ao Estado nesta quarta-feira. Segundo o meteorologista Luiz Fernando Nachtigall, após dois dias com tempo seco, a chuva será generalizada no Rio Grande do Sul. O quadro de instabilidade pode ser forte e trazer para o solo gaúcho uma precipitação volumosa, principalmente na faixa central e no Norte.
Nesta segunda-feira, um ar mais seco atuará no Estado, o que vai garantir a presença de sol em todas as regiões. Apesar disso, ainda haverá um deslocamento de ar mais úmido e uma maior variação de nuvens, o que deve provocar alguns períodos de nebulosidade. Na faixa Leste e Norte pode ocorrer chuva isolada. Na região Metropolitana é possível que ocorra precipitação rápida, mas na maioria das cidades não chega a chover. A temperatura de hoje será bem agradável e, em Porto Alegre, a máxima deve ficar na casa dos 29ºC. No interior, os termômetros devem atingir marcas semelhantes. No Nordeste do Estado, por exemplo, a máxima deve chegar a 31ºC. Conforme a MetSul, nesta terça, o tempo seco seguirá predominando no Rio Grande do Sul, mas a temperatura irá apresentará maior variação. Alguns pontos do Leste podem ter chuva isolada. (Correio do Povo/Rádio Guaíba – Foto: Alina de Souza/CP)


RS vai ter sol entre nuvens com chance de chuva isolada nesta segunda

RS vai ter sol entre nuvens com chance de chuva isolada nesta segunda

Cidade Notícias Porto Alegre prefeitura

O sol aparece com nuvens, nesta segunda-feira, na maior parte do Rio Grande do Sul, mas áreas mais do Norte e do Leste do Estado devem ter períodos com nebulosidade e chance de chuva passageira e isolada. Em áreas mais a Nordeste, como nos Aparados, a instabilidade pode ser mais persistente. No Oeste, o tempo fica mais aberto. O dia tende a ser agradável com máximas inferiores a 30ºC na maioria esmagadoras das cidades. Em Porto Alegre, sol e nuvens com períodos de nublado e não se afasta chuva isolada e breve. Na quarta volta a chover de forma mais ampla no Rio Grande do Sul.

Porto Alegre teve tempestade severa isolada, gerada pelo calor que na sexta foi a 39,3ºC na Capital e 40,2ºC nos vales. Áreas de instabilidade se formaram nos vales do Rio Pardo e Taquari. Ao alcançarem a Região Carbonífera explodiram e formaram uma supercélula de tempestade que, ao atingir a Capital, se intensificou e gerou um “downburst”.

Esta “explosão atmosférica” é uma corrente de vento descendente violenta que ao alcançar a superfície se expande de forma radial com vento destrutivo e com força até de tornado. A rajada máxima medida por estação foi de 120 km/h, no Jardim Botânico, mas no Menino Deus e Praia de Belas análise de danos sugere rajadas acima de 150 km/h. Como o campo de vento destrutivo excedeu 4 quilômetros e teve duração longa, o que afasta a tese de tornado, o “downburst” é classificado como um “macroburst” na literatura. (Metsul Meteorologia – Foto: Duda Pinto / A Platéia)