Porto Alegre, quinta, 02 de dezembro de 2021
img

Falta de fertilizantes complica plantio e sinaliza mais inflação na mesa em 2022; O Estado de São Paulo

Detalhes Notícia
Crise internacional de insumos já encarece safra de milho que tem plantio no verão e deve responder por 75% da produção do grão no ano que vem; sem garantir a entrega de itens como potássio, nitrogênio e fósforo, fornecedores cancelam contratos. Emilio Kenji Okamura já sente no bolso a crise de fertilizantes. Foto: Nilton Fukuda/Estadão - 9/3/2018

O produtor Emilio Kenji Okamura, de Capão Bonito, município do sudoeste de São Paulo, já comprou o fertilizante que usará para o plantio do milho em fevereiro. “Como está se falando muito em possível falta, decidi antecipar, mas paguei caro”, conta. Para muitos produtores, a crise na oferta dos fertilizantes para a segunda safra de milho, a “safrinha”, a ser semeada entre janeiro e março no Centro-Sul do País, já é real. O impacto não ficará restrito ao campo: deve bater no prato do brasileiro e na inflação.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro previu desabastecimento de alimentos em 2022 por causa da falta de fertilizantes. Em vez de desabastecimento, especialistas acreditam que o impacto tende a ser na forma de inflação.

A grande prejudicada, a segunda safra de milho, chamada de safrinha, na prática é uma “safrona”. Das 118 milhões de toneladas de milho esperadas para o ano 2022, a safrinha deve responder por 75%. Como o milho é base da alimentação de suínos e aves, qualquer quebra na oferta resulta em alta de preços do grão e dessas carnes.

O problema é que o Brasil depende das importações de insumos, como fosfato, cloreto de potássio e ureia, por exemplo. De janeiro a julho, dos 23,8 milhões de toneladas de fertilizantes entregues aos agricultores, 20 milhões de toneladas foram de produtos importados e 3,8 milhões de toneladas produzidas nacionalmente, segundo a Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda).

Leia mais em O Estado de São Paulo