Porto Alegre, segunda, 17 de janeiro de 2022
img

Evolução dos tratamentos traz mais qualidade de vida ao paciente oncológico

Detalhes Notícia

O câncer está, rapidamente, deixando de ser um estigma para os portadores da doença. Terapias localizadas, como cirurgias e a radioterapia, ganham maior precisão através de novos recursos, trazendo mais qualidade de vida para os pacientes, com menores riscos de complicações tardias. De acordo com o médico radio-oncologista da Oncoclínicas RS, Dr. Fernando Obst, também houve uma evolução na identificação de vários tipos de câncer. “Rastreamento e diagnóstico precoce são o melhor caminho para a cura da doença, independentemente de sua localização, e a modernidade acelerada dos exames contribui ainda mais para o sucesso dos tratamentos”.

Nos meses de conscientização sobre os tumores que mais afetam a população brasileira, entre eles o Outubro Rosa (mama) e o Novembro Azul (próstata), esses temas ganham ainda mais relevância e o Dr. Fernando ressalta que “Tomografias e ressonância magnética com contrastes específicos avançam constantemente. São exames importantes não somente no diagnóstico, mas também na avaliação da extensão da doença antes do tratamento (como o PET-CT) e no acompanhamento após a terapia”. O especialista ainda complementa que os exames laboratoriais e a biologia molecular também evoluíram, contribuindo fortemente na investigação de lesões cancerígenas.

O médico radio-oncologista considera que o avanço da tecnologia seguirá proporcionando diagnósticos e tratamentos mais precisos. São ganhos que possibilitam uma medicina personalizada e de precisão, na qual o tratamento será mais adaptado às características individuais de cada paciente e da doença. “Os tratamentos serão cada vez mais baseados em informações específicas das características genéticas e moleculares das células doentes com câncer. A seleção da terapia mais adequada e personalizada, bem como os recursos tecnológicos, certamente irão contribuir para a cura do câncer em um número progressivamente maior de casos”.