Porto Alegre, domingo, 14 de agosto de 2022
img

Alemanha debate estender funcionamento de usinas nucleares; Deutsche Welle

Detalhes Notícia
Escassez de gás russo leva parceiros liberais do governo Scholz a defender adiamento de prazo final para fechar usinas nucleares. Ministro verde deixa a porta aberta, mas membros do seu partido rejeitam essa opção. A usina nuclear de Isar 2, uma das três últimas ainda em operação na AlemanhaFoto: Armin Weigel/dpaZpicture alliance

 

 

A poucos meses do início do inverno europeu, o aumento da preocupação na Alemanha com os potenciais impactos de cortes no fornecimento de gás russo tem levado o governo e a classe política do país a debater um tema que no início do ano ainda era tabu: a prorrogação do funcionamento das usinas nucleares alemãs ainda em operação, cujo fechamento está previsto para o final do ano.

Um dos principais defensores da prorrogação é o liberal Christian Lindner, ministro das Finanças do governo de coalizão liderado pelo social-democrata Olaf Scholz. Em entrevista publicada no fim de semana pelo jornal Bild am Sonntag, Lindner argumentou a favor de manter as três usinas ainda em operação na Alemanha além de dezembro de 2022. “Há muito a ser dito para não fechar as usinas nucleares seguras e benéficas para o clima, mas para usá-las até 2024, se necessário”, disse o ministro.

O líder da bancada liberal no Parlamento, Christian Dürr, também vê a extensão da vida útil das três usinas nucleares restantes como uma questão de solidariedade europeia. “Não apenas a Alemanha está enfrentando uma grave crise de energia, mas toda a Europa”, disse Dürr na semana passada. “Não vejo como podemos explicar aos nossos parceiros europeus que estamos fechando fontes seguras de energia por razões ideológicas.” Em março, a vizinha Bélgica dediciu adiar seu próprio plano de abandonar a energia nuclear.

Já Linder também pediu publicamente para que o Ministério da Economia e Energia, liderado pelo verde Robert Habeck, impeça que o cada vez mais escasso estoque de gás seja usado puramente para produzir eletricidade, defendendo que essa demanda seja atendida pelas usinas nucleares. “Temos que trabalhar para evitar que a crise do gás seja agravada por uma crise de eletricidade”, disse.

Leia mais em Deutsche Welle