RS: Vendas do varejo gaúcho cresceram 2,2% em abril

RS: Vendas do varejo gaúcho cresceram 2,2% em abril

Destaque Economia Negócios Tecnologia

O varejo gaúcho seguiu, em abril, de acordo com os dados do Instituto Brasileiro de geografia e Estatística (IBGE), a rota de crescimento verificada desde o início do ano passado. Na comparação entre abril de 2018 e o mesmo mês de 2017 a alta no volume de vendas chegou a 2,2% no Rio Grande do Sul. No varejo ampliado, que inclui veículos e material de construção, o crescimento entre abril de 2018 e abril de 2017 foi de 8,4%.

– Embora tenha crescido de forma um pouco mais modesta que nos meses anteriores, o indicador mostra que o varejo gaúcho está passando por um processo de sustentação das vendas. O resultado de maio não deverá registrar expansão elevada, em função da paralisação dos caminhoneiros, mas acreditamos que o ano deve encerrar com um crescimento superior a 5% no varejo ampliado e maior que 3% no varejo restrito – avalia o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul – FCDL-RS, Vitor Augusto Koch.

A despeito de resultados negativos nos ramos de supermercados (-2,1%) e vestuário & calçados (-10%), Vitor Augusto Koch aponta que o Rio Grande do Sul segue aproveitando os bons resultados da safra agrícola e da queda da taxa Selic para investir em bens de consumo duráveis, como mostra o crescimento da comercialização de produtos de informática e comunicação (35,6% na comparação anual); veículos (30,1%) e eletrodomésticos (15,1%). Em maio e junho, tendo em vista a presença mais constante de temperaturas mais baixas, a expectativa é que as vendas de artigos de vestuário e de calçados tenham um incremento vigoroso.

A FCDL-RS entende que o ano pode finalizar com um crescimento maior nas vendas desde que a situação política e econômica do país seja normalizada, já que o atual momento de instabilidade causa insegurança nos consumidores.

RS: Preços recebidos pelos produtores apresentam queda no mês de abril

RS: Preços recebidos pelos produtores apresentam queda no mês de abril

Agronegócio Destaque

Os preços recebidos pelos produtores rurais registraram um forte declínio no mês de abril. O Índice de Preços recebidos pelos Produtores Rurais (IIPR), divulgado pela Assessoria Econômica do Sistema Farsul, nesta quarta-feira, dia 17, aponta uma queda de 8,98%, a segunda maior da série histórica. No acumulado do ano, o resultado é de -18,11%.

Arroz (-11%), Soja (-10%), Milho (8%) e Suínos (-8%), foram os principais responsáveis pelo resultado. Tradicionalmente abril é um mês de redução nos preços por uma maior oferta de produtos, pressionando os valores pelo alto volume de comercialização. Os números reforçam o argumento da Farsul da não existência de uma relação direta entre os preços no campo e nos supermercados.

Por serem mercados diferentes, as composições dos valores também são.  Isso pode ser comprovado na comparação entre o IIPR e o IPCA Alimentos e Bebidas, divulgado pelo IBGE. No acumulado dos últimos doze meses, os produtores receberam -18,14%, num movimento totalmente oposto ao das prateleiras que registraram aumento de 3,51% no mesmo período.

Os custos de produção também apresentam queda. O Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) atingiu -1,63. Este é o terceiro mês consecutivo com deflação, mesmo com leve aumento na taxa de câmbio. Os fertilizantes são os principais responsáveis pelo resultado, além de acentuada queda nos tributos de comercialização. Pela segunda vez o IICP acumulado do ano e em 12 meses também apresenta resultado negativo de -2,9% e -1,6%, respectivamente. Os agroquímicos, no entanto, não trazem o mesmo resultado por não acompanhar a variação cambial.

 

Confira o relatório completo