Porto Alegre: Noite dos Museus promove hoje visitação com música e atividades especiais gratuitas

Porto Alegre: Noite dos Museus promove hoje visitação com música e atividades especiais gratuitas

Cidade Comportamento Comunicação Cultura Notícias Porto Alegre Turismo

Porto Alegre recebe neste sábado,(21) a Noite dos Museus. O evento promove um circuito de visitação a oito museus da capital em horário especial, das 19h à meia-noite, em uma experiência que contempla arte e mobilidade urbana. O projeto conta com a curadoria do historiador e arqueólogo Francisco Marshall (UFRGS). Foram selecionados o Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), Museu de Arte Contemporânea (MACRS), Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo, Museu da UFRGS, Memorial do Rio Grande do Sul, Planetário, Pinacoteca Ruben Berta e Fundação Iberê Camargo. A entrada é gratuita.

Além de estarem abertos com as exposições de acervo e temporárias, os espaços terão uma programação musical especialmente selecionada por Marshall com estilos que harmonizam com a linguagem de cada local. O MARGS, por exemplo, receberá música de câmara com atrações como o Quinteto Porto Alegre, formado por instrumentistas do naipe de metais da OSPA, enquanto o Planetário terá conjuntos musicais, que remetem a constelações, como o grupo Marmota Jazz.

Os músicos farão pocket shows no interior dos museus e circularão pela capital se apresentando em mais de um local, trazendo uma experiência disruptiva com o comum para a cidade. Também participam do projeto os violinistas Camilo da Rosa Simões e Brigitta Calloni, o violonista Maurício Marques, os fagotistas Fábio Mentz e Adolfo Almeida, o músico pop experimental Yanto Laitano, o flautista Leonardo Winter, o pianista e compositor Dimitri Cervo ao lado da soprano Andiara Mumbach, o pianista Renato Borba, o guitarrista Nicola Spolidoro, o grupo Irish Fellas, Elias Barboza Quinteto, além do cravo Fernando Cordella com a soprano Cíntia de Los Santos.

A relação do projeto com a música e a inclusão cultural foi o que motivou a Telefônica Vivo a apoiar o projeto. “A Vivo acredita no poder da conexão para transformar a vida das pessoas. Por isso, investe em projetos como o Noite dos Museus, que promove a democratização do acesso à cultura e o envolvimento da comunidade em uma agenda diferenciada e de acesso gratuito” revela a diretora de Gestão Responsável e Sustentável da Telefônica Vivo, Heloísa Genish.

As visitações contam com apoio de monitores do Curso de Museologia da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação (Fabico), coordenados pela Profa. Dra. Lizete Dias de Oliveira, em um projeto de extensão da UFRGS. A iniciativa ainda pretende integrar as experiências da cidade, trazendo oportunidades de que o público conheça novos meios de se deslocar à noite. Serão indicadas diversas opções de circulação pela capital que incluem caminhos de ciclovia para percorrer de bicicleta, trajetos a pé e linhas de ônibus.

Realizado pela primeira vez no Brasil pela produtora Rompecabezas, a Noite dos Museus é inspirada no já tradicional evento europeu Lange Nacht Der Museen (A Longa Noite dos Museus), que existe há 19 anos em Berlim, na Alemanha. A iniciativa tem como objetivo incentivar a visitação de museus da Capital, atraindo novos públicos, e mostrando à população que conhecer um espaço de memória está longe de representar uma visita a um local estático, responsável apenas por conservar relíquias. É uma verdadeira festa dos museus na cidade!

Com esta proposta, crianças, jovens e adultos poderão percorrer as diferentes salas de exposições, apreciar suas coleções, assistir a visitas guiadas, além de desfrutar gratuitamente de diferentes apresentações musicais. “Os museus educam por associações múltiplas, despertando intuições, evocativamente, misturando lembranças imprecisas com fortes impressões. São espaços que refletem as subjetividades de uma cidade e de uma história pluricultural múltipla”, reflete Rodrigo Nascimento, diretor da Rompecabezas.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO MUSICAL COMPLETA DO EVENTO

Museu de Arte do Rio Grande do Sul – MARGS – Música de câmara

Quinteto Porto Alegre formado por grupo de metais da OSPA, de muito impacto

Camilo da Rosa Simões e Brigitta Calloni com duo de violinos, virtuoses

Maurício Marques, violonista virtuose interpretando música do Rio Grande do Sul

 

Museu de Arte Contemporânea – MACRS – Música contemporânea

Fábio Mentz e Adolfo Almeida, fagotistas da OSPA, com improvisos pela área expositiva

Yanto Laitano, músico pop com elementos de vanguarda musical

Nicola Spolidoro, guitarrista

 

Pinacoteca Ruben Berta – Música para piano e voz, e piano solo

Dimitri Cervo no piano e a soprano Andiara Mumbach

Renato Borba, com piano brasileiro

 

Memorial do Rio Grande do Sul – Música étnica e nostálgica

Quinteto Porto Alegre formado por grupo de metais da OSPA, de muito impacto

Conjunto Irish Fellas, com música tradicional irlandesa em formato blue grass

Elias Barboza Quinteto, fina flor do choro em Porto Alegre

Marmota Jazz, conjunto de jazz instrumental

 

Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo – Choro, música de Porto Alegre e folclore

Elias Barboza Quinteto, fina flor do choro em Porto Alegre

Maurício Marques, violonista virtuose com repertório de milongas

Conjunto Irish Fellas, com música tradicional irlandesa em formato blue grass

 

Planetário – Com conjuntos musicais, constelações

Fernando Cordella (cravo) e Cíntia de Los Santos (soprano)

Marmota Jazz, conjunto de jazz instrumental

Nicola Spolidoro, guitarrista

 

Museu da UFRGS – Com músicos da UFRGS

Leonardo Winter, com solo de flauta transversa

Dimitri Cervo no piano e a soprano Andiara Mumbach

Camilo da Rosa Simões e Brigitta Calloni com duo de violinos, virtuoses

 

Fundação Iberê Camargo – Música moderna e contemporânea

Camilo da Rosa Simões e Brigitta Calloni com duo de violinos, virtuoses

Leonardo Winter, com solo de flauta transversa

Maurício Marques, violonista virtuose com obras de Villa-Lobos

Fábio Mentz e Adolfo Almeida, fagotistas da OSPA, com improvisos pela área expositiva

 

SERVIÇO

NOITE DOS MUSEUS

Dia 21 de maio

Sábado, das 19h à meia-noite

ENTRADA FRANCA

ENDEREÇOS

Museu de Arte do Rio Grande do Sul – MARGS (Praça da Alfândega – Centro)

Memorial do Rio Grande do Sul (Praça da Alfândega – Centro)

Museu de Arte Contemporânea – MACRS (Rua dos Andradas, 736 – Centro)

Pinacoteca Ruben Berta (Rua Duque de Caxias, 973 – Centro)

Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo (Rua João Alfredo, 582 – Cidade Baixa)

Museu da UFRGS (Av. Osvaldo Aranha, 277 – Bom Fim)

Planetário (Av. Ipiranga, 2000 – Santana)

Fundação Iberê Camargo (Av. Padre Cacique, 2000 – Cristal)

Classificação etária: Livre

Realização: Rompecabezas

Patrocínio: Vivo

Financiamento: Pró-Cultura RS – Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Apoio institucional: Prefeitura Municipal de Porto Alegre e Casa de Cultura Mario Quintana

Cunha diz que gastos no exterior foram pagos com cartão de crédito da esposa. Ele se defende nesse momento no Conselho de Ética da Câmara. VEJA AO VIVO NO LINK

Notícias Poder Política

 

O presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), chegou pouco depois das 9h desta quinta-feira para prestar depoimento no Conselho de Ética da Casa que o investiga. O depoimento dele hoje (19) é o último das oitivas e, a partir daí, começa o prazo de dez dias para que o relatório do processo, a ser preparado pelo deputado Marcos Rogério (DEM-RO), seja apresentado. Cunha veio acompanhado de seu advogado, Marcelo Nobre. O conselho investiga se houve quebra de decoro de Eduardo Cunha por supostamente ter mentido durante a audiência da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, quando ele negou a existência de contas no exterior em seu nome.

Em seu depoimento ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, o presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que os gastos em viagens no exterior foram pagos com o cartão de crédito da sua esposa. Cunha é alvo de um processo de cassação de mandato por, supostamente, ter mentido em maio de 2015, à Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobras, sobre a propriedade de contas na Suiça.

“Todos os gastos foram feitos com um cartão de crédito dela. Ela não é objeto dessa representação. Vossa excelência não tem um gasto, não tem cartão de crédito cuja a titularidade seja minha. Eu era apenas dependente de cartão de crédito da minha esposa”, disse Cunha ao ser questionado pelo relator do processo, deputado Marcos Rogério (DEM-RO).

A estratégia de Eduardo Cunha é negar que ele tenha qualquer relação com as diversas contas descobertas no exterior e atribuídas a ele. A defesa dele alega que trata-se de um truste (tipo de negócio em que terceiros – uma entidade de trusting – passam a administrar os bens do contratante) do qual ele fazia parte.

Durante o depoimento, Cunha alega que os gastos foram pagos pela esposa e que ele não pode ser responsabilizado por isso no processo que corre no Conselho. Segundo Cunha, a conta que pagou as despesas com suas viagens ao exterior era uma conta única e exclusivamente de crédito da esposa. “Não foi feita nenhuma despesa sobre a minha titularidade e eu que sou o objeto de investigação e não a minha esposa”, justificou. “Eu não posso aceitar que queira ser estendido aos familiares”, emendou. (Agência Brasil)

Supremo realiza sessão que definirá rito do processo de impeachment

Direito Notícias Poder Política

 

Está em andamento (confira no link acima) a sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) que julga a validade da Lei 1.079/50, que regulamentou as normas de processo e julgamento do impeachment, e alguns artigos do Regimento Interno da Câmara dos Deputados. As normas foram adotadas pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para dar andamento às etapas inciais do processo, que foi suspenso pelo ministro do STF Edson Fachin, relator da ação que trata do assunto, a pedido do PCdoB, até decisão de hoje do plenário.

As principais regras que serão discutidas pelos ministros são a defesa prévia da presidenta Dilma Rousseff antes da decisão de Eduardo Cunha que deflagrou o procedimento de impeachment, a votação secreta para a eleição da comissão especial do processo pelo plenário da Casa, a eleição da chapa avulsa para composição da comissão e a prerrogativa do Senado de arquivar o processo de impeachment mesmo se a Câmara decidir, por dois terços dos deputados (342 votos), aceitar o julgamento do crime de responsabilidade. (Agência Brasil)

Assista AO VIVO aqui. Já passa de duas horas reunião do Conselho de Ética que discute parecer sobre a cassação de Cunha. Vários deputados pediram tempo de fala, e muitos defenderam presidente da Câmara

Notícias Poder Política

 

Já dura mais de duas horas a reunião do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados que discute o parecer preliminar do deputado Fausto Pinato (PRB-SP) sobre o pedido de cassação do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por quebra do decoro parlamentar. Vários deputados pediram tempo de fala, e muitos defenderam Cunha.

“Não podemos permitir linchamentos injustos, pois o deputado Eduardo Cunha provou ter boas intenções ao depor na [Comissão Parlamentar de Inquérito] CPI da Petrobras. Não podemos nunca permitir acusação sem prova da representação”, disse João Carlos Bacelar (PR-BA).

Bacelar criticou a possibilidade de cassação de Cunha por ele ter sido denunciado no Supremo Tribunal Federal (STF) e tentou levar os pares à reflexão. “Imagine se fossemos cassar todos os deputados réus no Supremo? Não ia ficar um terço desta Casa, porque todo cidadão pode abrir processo no STF.”

Aliado de Cunha, Paulinho da Força (SD-SP) defendeu o presidente da Câmara. “O Eduardo abriu todas as CPIs desta Casa. Vocês acham que quem tem culpa no cartório ia fazer isso?”, indagou o parlamentar, que aproveitou para criticar a presidente Dilma Rousseff e o PT, citando os escândalos de corrupção na Petrobras.

O petista Valmir Prascidelli (PT-SP) evitou discussões com o colega e apenas defendeu a continuidade do processo no Comitê de Ética, para que Cunha tenha oportunidade de se explicar. Já Carlos Marun (PMDB-MS) acha que a cassação de Cunha é uma punição desproporcional. “A cassação é uma pena de morte à nossa vida política, e não vejo como pode prosperar a cassação. Este não é um crime em que cabe cassação de mandato, tem que haver dosagem.”

Enquanto os parlamentares seguem falando em um plenário lotado, um pequeno grupo de dez pessoas grita nos corredores das comissões: “Fora, Cunha” e “Não ao golpe”, em alusão ao pedido de impeachment da presidente Dilma aceito por Cunha semana passada.

O pedido de cassação do mandato de Cunha foi protocolado no dia 13 de outubro pelo PSOL e pela Rede. Cunha foi denunciado ao STF por suspeita de ter recebido US$ 5 milhões em propina do esquema investigado pela Operação Lava Jato.

O pedido se baseia em documento encaminhado pela Procuradoria-Geral da República (PGR), atestando como verdadeiras as informações de que Cunha e parentes possuem contas secretas na Suíça e receberam dinheiro, suposto fruto do pagamento de propina em contratos da Petrobras. O parlamentar desmente, dizendo que os recursos no exterior vêm de negócios de venda de carne no Continente Africano. (Agência Brasil)