Procura de pacientes do interior por emergências na Capital aumenta e prefeito diz que serviço está à beira de um “colapso”; por Voltaire Porto/Rádio Guaíba

Procura de pacientes do interior por emergências na Capital aumenta e prefeito diz que serviço está à beira de um “colapso”; por Voltaire Porto/Rádio Guaíba

Cidade Destaque Direito Direito do Consumidor Poder Política Porto Alegre prefeitura Saúde

O prefeito de Porto Alegre afirma que vai entregar uma cidade melhor para o candidato que conseguir se eleger nesta disputa ao comando do Paço Municipal. Ainda assim, José Fortunati, do PDT, lamentou uma situação na área da Saúde que preocupa. O drama é no atendimento das emergências hospitalares que enfrentam um cenário de alta demanda e superlotação. O alerta do prefeito, prestes a deixar o cargo, é de que o serviço na Capital esta à beira de um colapso.

A ponderação de Fortunati indica que este quadro foge da competência da administração municipal, responsável por absorver uma demanda que não é de sua responsabilidade. Segundo ele, o problema é que a crise financeira do Brasil também já atingiu a Saúde.

“Realmente estamos praticamente com um colapso na porta de entrada das nossas emergências. Por exemplo, no Hospital de Clínicas, o acesso é restrito e, no HPS, também temos dificuldades. Toda a demanda vinda do interior do Estado cresceu muito nestes últimos tempos, justamente por que a crise profunda fechou hospitais, leitos e emergências em diferentes cidades”, declarou.

O resultado da descrição do prefeito é um aumento de 30% para 45% na média da procura de pacientes do interior pelo serviço de emergência em Porto Alegre. Fortunati deixou claro que a atenção a este público vai continuar, mas reconheceu dificuldades. “Naturalmente que quem esta no interior do estado precisa de atendimento, nós não vamos negar este atendimento, porém, esta situação nos gera problemas”, analisou.

A superlotação nas emergências da Capital é constatada desde o começo do ano, quando foi registrado um aumento de 20% no primeiro quadrimestre. Porém, com a chegada do inverno, a procura aumentou no segundo semestre agravando ainda mais o problema.

Na última semana, Fortunati entregou para a aprovação da Câmara de Vereadores, a Lei de Diretrizes Orçamentárias. A previsão na LDO é de um investimento de 20% do total do orçamento na área da Saúde, índice superior aos 15% determinados pela Constituição Federal. (Voltaire Porto / Rádio Guaíba)