CMN permite que bancos financiem imóveis de até R$ 1,5 milhão com juro baixo. FGTS não vai ser usado nesse tipo de operação

CMN permite que bancos financiem imóveis de até R$ 1,5 milhão com juro baixo. FGTS não vai ser usado nesse tipo de operação

Destaque Economia Negócios Poder Política

A partir desta sexta-feira, as instituições financeiras poderão financiar imóveis novos de até R$ 1,5 milhão com juros de até 12% ao ano. O Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou os bancos a destinar 6,5% dos recursos da poupança para esse tipo de empréstimo. O conselho mudou as normas de exigibilidade dos depósitos de poupança. Atualmente, os bancos são obrigados a destinar 65% dos depósitos na caderneta para o crédito imobiliário. Desse total, 13 pontos percentuais (20%) são destinados para operações de mercado e 52 pontos percentuais (80%) para operações do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), que financia imóveis de menor valor.

O SFH financia imóveis de até R$ 750 mil em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, em São Paulo e no Distrito Federal e R$ 650 mil nos demais estados com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Com a mudança, a parcela da poupança destinada ao SFH cai de 52% para 45,5% (de 80% para 70%), com a criação da faixa de 6,5% a ser aplicada na faixa de crédito para moradias de até R$ 1,5 milhão.

Os juros dos financiamentos do SFH estão limitados a 12% ao ano. Segundo a chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central (BC), Sílvia Marques, o FGTS não vai ser usado nos financiamentos para imóveis de até R$ 1,5 milhão com recursos da poupança, mas essa nova modalidade de crédito prevê o mesmo teto para as taxas.

A medida é temporária e vale apenas por um ano. De acordo com a técnica do BC, caso a medida seja bem-sucedida, pode ser aplicada de forma permanente. Ela ressaltou que a regulamentação dá liberdade aos bancos para financiarem temporariamente imóveis de até R$ 1,5 milhão com juros mais baixos, mas disse que a medida não necessariamente vai chegar ao consumidor porque os bancos, na média, já investem mais recursos no crédito imobiliário do que o requerido.

De acordo com Sílvia Marques, existem atualmente R$ 495 bilhões aplicados na poupança. Desse total, os bancos foram autorizados a destinar R$ 322 bilhões para o crédito imobiliário. No entanto, segundo a técnica do BC, o estoque de empréstimos para o setor chega a R$ 354 bilhões.

“Estamos apenas dando mais uma opção de limite para os bancos cumprirem a exigibilidade mínima da poupança. Estamos criando uma possibilidade para a alocação do banco para fins de direcionamento. Não tem desenquadramento”, disse Sílvia Marques. (Agência Brasil)

Economista especialista em finanças pessoais se mostra preocupado com medidas anunciadas pelo governo

Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Poder Política

 

 

Conversei hoje (29.01) no Agora/Rádio Guaíba com o economista Everton Lopes, especilista em finanças pessoais. Ele disse estar preocupado com a notícia de que o governo injetará mais de R$ 80 bilhões na economia. Everton tem dúvidas se os recursos servirão para aumentar o consumo ou para pagar dívidas. Quanto ao uso de recursos do FGTS, destacou que é preciso planejar o endividamento da população para que o país possa sair da crise.