CNI/Ibope: 39% desaprovam governo Temer; 13% aprovam

CNI/Ibope: 39% desaprovam governo Temer; 13% aprovam

Notícias Poder Política

Com pouco mais de um mês de gestão, o governo do presidente interino Michel Temer foi considerado ruim ou péssimo por 39% da população, em junho, de acordo com a pesquisa CNI/Ibope. O levantamento foi divulgado hoje (1º) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Na última pesquisa CNI/Ibope que avaliou o governo de Dilma, em março deste ano, 69% dos entrevistados consideram o governo da petista ruim ou péssimo.

O percentual de pessoas que consideram o governo de Michel Temer ótimo ou bom é 13%, contra 10% de Dilma. Já os que avaliam o governo Temer como regular somam 36%. Em março, 19% disseram que o governo de Dilma era regular.

A popularidade do presidente interino é maior que a da presidenta afastada Dilma Rousseff, mas também é negativa. Entre os entrevistados, 31% aprovam a maneira de Temer governar e 53% desaprovam. No caso de Dilma, 82% desaprovavam a maneira dela governar em março de 2016 e 14% aprovavam.

Sobre a confiança, 27% confiam no presidente Temer e 66% não confiam. O índice de confiança de Dilma era de 18%; 80% não confiavam na presidenta afastada.

Temer assumiu o governo em 12 de maio, quando o Senado aprovou a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

A pesquisa foi feita entre os dias 24 e 27 de julho com 2.002 pessoas, em 141 municípios. A margem de erro é dois pontos percentuais e, segundo a CNI, o grau de confiança da pesquisa é de 95%. (Agência Brasil)

Pesquisa inédita realizada pelo IBOPE Inteligência traça o perfil dos proprietários de pets no Brasil

Pesquisa inédita realizada pelo IBOPE Inteligência traça o perfil dos proprietários de pets no Brasil

Comportamento Comunicação Crianças Notícias
 O IBOPE Inteligência, em parceria com o Centro de Pesquisa WALTHAM® – a principal autoridade científica em bem-estar e nutrição de pets – e o Professor Doutor Ricardo Dias, docente da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de São Paulo (USP), realizou uma pesquisa inédita para estudar o padrão de comportamento do brasileiro na interação com seus pets, além de entender as principais barreiras para aqueles que, atualmente, não possuem animais de estimação, mas gostariam de adquirir um. A pesquisa foi encomendada pela Mars Brasil, líder no mercado de alimentação para cães e gatos com marcas como PEDIGREE®, ROYAL CANIN®, WHISKAS® E EUKANUBA™.
O Brasil possui, atualmente, 52,2 milhões de cães e 22,1 milhões de gatos sendo que, dos 65 milhões de domicílios do país, 44,3% possuem pelo menos um cachorro e 17,7% pelo menos um gato, de acordo com dados do IBGE. A pesquisa IBOPE Inteligência mostrou que a maioria dos brasileiros proprietários desses cães é homem, casado, mora com mais de uma pessoa e é de classe AB. Já os proprietários de gatos são, em sua maioria, mulheres, solteiras, que moram em apartamentos e são de classe BC.
A pesquisa comprovou, ainda, a conexão emocional dos brasileiros com seus animais de estimação, assunto amplamente estudado por WALTHAM® no mundo todo. Para o Centro de Pesquisas, os pets representam uma parte essencial da sociedade e fornecem um apoio valioso em facilitar a interação humana e os contatos sociais, além de proporcionar companhia. As evidências científicas têm demonstrado os inúmeros benefícios advindos dos pets, não só para os seus donos, mas também para a sociedade como um todo. Tese comprovada no Brasil por meio dos resultados da inédita pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência.
“Existem dados referentes ao comportamento do proprietário de cães e gatos publicados em outros países, mas no Brasil é a primeira vez que temos acesso a essas informações em nível nacional, reforçando a relevância social dos animais de estimação e contribuindo para inúmeras pesquisas acadêmicas realizadas hoje na Medicina Veterinária”, ressalta o professor Ricardo Augusto Dias.
Donos de cães
A pesquisa mostrou que os proprietários de cães são, em sua maioria (51%), casados, têm, em média, 41 anos e 93% moram com mais de uma pessoa. Além disso, observou-se que 82% são de classe AB (na classe A são 24%), 59% moram em casas e 24% adotaram seus cães, sendo 59% deles SRD (sem raça definida).
Dos entrevistados, 68% acreditam que os cães trazem conforto emocional e 44% veem seus cachorros como filhos, sendo que a maioria desses respondentes são mulheres solteiras de até 40 anos. Os donos de cães levam, em média, 2,8 vezes por ano seus cães ao Médico-Veterinário, sendo que 79% levam pelo menos 1 vez no ano para vacinação. A alimentação manufaturada foi apontada como a melhor opção para os cães, já que 95% dos donos optam por alimentação seca.
Na fase qualitativa da pesquisa, foram identificados três perfis de donos de cães: os pragmáticos, aqueles que possuem uma relação racional com seus pets; os envolvidos, no qual os cães podem
frequentar apenas áreas sociais da casa; e os apaixonados, que possuem alto nível de envolvimento, apego e dedicação com seus pets. Os perfis predominantes entre os brasileiros são os envolvidos e apaixonados, dado reforçado na fase quantitativa, que mostrou que 64% dos entrevistados deixam os cães dormirem dentro de casa.
Donos de gatos
Em relação aos donos de gatos, a pesquisa mostra que 61% são mulheres, têm em média 40 anos e 62% moram em casas. Dos entrevistados, 48% acreditam que os felinos entendem o humor dos donos e 45% veem seus gatos como filhos, sendo a maioria desses respondentes, mulheres solteiras de até 40 anos.
Na fase qualitativa, foram identificados três perfis de donos de gatos: os apaixonados, defensores da categoria, que podem ser chamados de gateiros ou cat lovers; os resignados, aqueles que gostariam de ter cachorro, mas acabaram por ter gato e os convertidos, aqueles que não pensavam em ter, foram influenciados por conhecidos e viraram fãs. Observou-se, também, que as características relacionadas aos gatos apontadas pelos entrevistados são mais voltadas ao que ele é e menos ao que ele significa – alguns exemplos: gatos são mais independentes, são menos carentes, não precisam tomar banho com frequência, entre outras.
Dos proprietários de gato, 39% também têm cães e a porcentagem de donos de felinos (42%) que acreditam que pets são boa companhia para crianças é numericamente maior do que a de proprietários de cães (40%). Se comparado aos proprietários de cães, os proprietários de gatos levam menos os pets ao Médico-Veterinário – média de 2,3 vezes por ano. A alimentação manufaturada foi apontada como a melhor opção para o pet, pois 94% dos entrevistados optam por alimentação seca.
Não proprietários
A pesquisa mostrou que 47% dos entrevistados que não possuem pets são casados, têm, em média, 37 anos, 25% moram com filhos de até 9 anos, 57% moram em apartamento e 94% deles já tiveram um animal de estimação antes. Dentre os aspectos apontados para justificar o porquê de não possuírem um pet estão: não ter alguém em casa para cuidar enquanto estão no trabalho, compromisso por muitos anos e o fato dos custos com cuidados serem altos. A vontade de adquirir/comprar/adotar um animal de estimação é apontada por 100% dos entrevistados, sendo que 90% pretendem adquirir um cão e 20% têm a intenção de ter um gato.
Sobre a pesquisa
A pesquisa foi dividida em duas etapas, sendo que a qualitativa foi feita com 13 grupos de discussão em São Paulo, Recife e Porto Alegre. As entrevistas foram realizadas com homens e mulheres a partir de 25 anos, divididos em três grupos: donos de cães, donos de gatos e não possuidores – com intenção de ter um pet nos meses de janeiro e fevereiro de 2015.
A etapa quantitativa tem uma base de 900 entrevistados, sendo 300 donos de cães, 300 donos de gatos e 300 não possuidores – com intenção de ter. As entrevistas foram realizadas com homens e mulheres a partir de 25 anos em São Paulo, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Porto Alegre, Salvador e Distrito Federal entre os dias 25 de junho a 17 de julho de 2015. A margem de erro da pesquisa é de 6 pontos percentuais por segmento e de 3 pontos percentuais no total da amostra.
Sobre a Mars, Incorporated
A Mars, Incorporated é uma empresa familiar, privada, com mais de 100 anos de história e dona de algumas das marcas mais amadas do mundo, como M&M’S®, TWIX®, SNICKERS®, PEDIGREE®, ROYAL CANIN®, WHISKAS®, EUKANUBA™ e UNCLE BEN’S®. Sediada em McLean, no estado norte-americano da Virginia, a Mars tem faturamento acima de US$ 33 bilhões em vendas oriundas de seis distintas linhas de negócio: Petcare, Chocolate, Wrigley, Food, Drinks e Simbiocience. Mais de 75 mil colaboradores de 74 países estão reunidos sob os Cinco Princípios da empresa: Qualidade, Eficiência, Responsabilidade, Mutualidade e Liberdade, e lutam, diariamente, para desenvolver o relacionamento com públicos de interesse, a fim de estimular o crescimento do qual a empresa se orgulha.
Sobre o WALTHAM® Research Center
Já celebrando mais de 50 anos de ciência inovadora, o WALTHAM®, Centro de nutrição e bem-estar animal atua como uma importante autoridade científica no desenvolvimento das fronteiras de pesquisa sobre a nutrição e a saúde de animais de estimação. Situado em Leicestershire, Inglaterra, o renomado instituto de ponta de ciências da Mars, Incorporated gera conhecimentos que permitem o desenvolvimento de produtos inovadores, que atendem as necessidades dos animais de estimação de uma maneira prática. Desde a publicação de sua primeira pesquisa original, em 1963, o WALTHAM® é o pioneiro de muitos avanços importantes no campo da nutrição de animais domésticos e interação humana-animal, resultando em mais de 1.700 publicações, incluindo mais de 600 revisões por pares de trabalhos científicos. Hoje, o WALTHAM® continua a colaborar com os melhores institutos científicos do mundo, gerando a visão de cuidados com os animais domésticos da Mars para criar um mundo melhor para os animais e fornecer a ciência e a expertise que sustenta importantes marcas da Mars, como WHISKAS®, PEDIGREE®, NUTRO®, TRILL®, CESAR®, SHEBA®, KITEKAT®, DREAMIES™, AQUARIAN®, WINERGY®, BANFIELD® Pet Hospital e a marca ROYAL CANIN.
Sobre o IBOPE Inteligência
O IBOPE Inteligência é uma empresa privada brasileira que contribui para seus clientes terem conhecimento e compreensão adequados da sociedade e dos mercados onde atuam, auxiliando na tomada de decisões táticas e na elaboração de estratégias no planejamento de negócios. Seu diferencial está baseado em uma equipe multidisciplinar integrada, profissionais altamente qualificados e especialistas no conhecimento do cidadão e do consumidor.
Sobre o professor Ricardo Dias
Graduado em Medicina Veterinária pela Universidade de São Paulo (USP), com mestrado e doutorado em Epidemiologia também pela USP, atualmente é Professor Doutor na Faculdade de Medicina Veterinária da mesma Universidade. O Professor Ricardo Dias acumula ainda ampla experiência em Epidemiologia Animal, tendo atuado no Ministério da Agricultura e colaborando, atualmente, em programas sanitários nacionais e estaduais.
Pesquisa CNT: só 11% dizem aprovar o governo Temer. Antecipação das eleições de 2018 para este ano é bem vista por 50,3% dos brasileiros, 46,1% dizem discordar

Pesquisa CNT: só 11% dizem aprovar o governo Temer. Antecipação das eleições de 2018 para este ano é bem vista por 50,3% dos brasileiros, 46,1% dizem discordar

Direito Economia Educação Notícias Poder Política

Pesquisa CNT/MDA divulgada hoje mostra que 11,3% dos brasileiros dizem avaliar positivamente e 28% negativamente o governo interino do presidente Michel Temer. Para 30,2% dos entrevistados, o atual governo é regular, enquanto 30,5% dizem não saber opinar. No que se refere ao desempenho pessoal do presidente, 40,4% desaprovaram, e 33,8% aprovaram. Na comparação entre os governos Temer e Dilma Rousseff, 54,8% dos entrevistados disseram que os governos estão iguais e que não percebem nenhuma mudança no país desde que Temer assumiu interinamente o governo. Para 20,1%, o atual governo está melhor do que o anterior, enquanto 14,9% dizem que a situação piorou.

A pesquisa revela que, para 46,6% dos brasileiros, a corrupção no governo Temer vai ser igual à ocorrida no governo Dilma. Ainda segundo a CNT, 28,3% entendem que ela vai ser menor; enquanto 18,6% ainda maior.

A CNT perguntou o que o brasileiro pensa em relação ao impeachment da presidente Dilma Rousseff: 62,4% dos entrevistados consideraram correta a decisão pelo afastamento e 33% avaliaram como um erro. Enquanto 61,5% dizem que o processo foi legítimo, 33,3% entendem que foi ilegítimo. Para 68,2%, Dilma vai ser cassada e Temer permanece no cargo, 25,3% preveem que Dilma reassuma o cargo.

Apesar de o impeachment ter sido motivado pelos atrasos nos repasses a bancos públicos para pagamento de benefício sociais feitos pelo governo Dilma, por meio das chamadas pedaladas fiscais, 44,1% dos entrevistados dizem que o motivo do afastamento é a corrupção no governo federal; e 37,3% dizem que o motivo é a tentativa de obstrução da Lava Jato. Apenas 33,2% citaram as pedaladas fiscais como o motivo.

A pesquisa revela que 89,3% das pessoas dizem ter acompanhado ou ter ouvido falar da Lava Jato. Deste total, 66,9% consideraram Dilma culpada pela corrupção que está sendo investigada (o que corresponde a 59,7% da população). Também dentro do percentual de pessoas que se disseram informadas sobre a Lava Jato, 71,4% entendem que o ex-presidente Lula é culpado (o que corresponde a 63,7% do total de pessoas pesquisadas).

A antecipação das eleições de 2018 para este ano é bem vista por 50,3% dos brasileiros, 46,1% dizem discordar.

A pesquisa perguntou sobre as ações consideradas prioritárias pela população e 57% responderam que o mais importante é gerar empregos. Em segundo lugar, veio como mais importante a melhoria da saúde, que deve ser prioridade em termos de ações governamentais para 41,4% dos entrevistados. O combate à corrupção é o que deve ser priorizado para 30,6% das pessoas consultadas pela pesquisa. A melhoria dos resultados da economia é prioridade para 24,7%; e a redução de gastos do governo, para 15,5%. Em seguida, apareceram como prioridades a melhoria da segurança (14,8%) e as reformas necessárias ao Estado (6,8%). (Agência Brasil)

Rejeição a Lula cresce, mas rivais também perdem

Rejeição a Lula cresce, mas rivais também perdem

Notícias Poder Política

Pesquisa do Ibope mostra que, de maio de 2014 até agora, cresceu a rejeição ao ex-presidente Lula, mas ninguém faturou com isso, informa José Roberto de Toledo. Os que dizem que não votariam em Lula de jeito nenhum foram de 33% para 55%. Mas também subiu a rejeição a Aécio Neves, Marina Silva e outros políticos. A reportagem completa está em O Estado de São Paulo. (Foto: Paulo Pinto/ Instituto Lula)

Ibope: aprovação de possíveis substitutos de Dilma não passa de 11%

Ibope: aprovação de possíveis substitutos de Dilma não passa de 11%

Notícias Poder Política

Pesquisa realizada pelo Ibope entre 12 e 16 de setembro, e divulgada nesta segunda-feira pelo jornal Estado de S. Paulo, revela que o vice-presidente Michel Temer tem índices de reprovação semelhantes aos da presidente Dilma Rousseff. Segundo o levantamento, 11% dos entrevistados acham a atuação do vice como ótima ou boa, 29% como regular e 40% como ruim ou péssima. Outros 21% não responderam.

Temer e Dilma estão tecnicamente empatados em desaprovação. Na última pesquisa Ibope divulgada em junho, ela tinha 9%, com margem de erro de dois pontos porcentuais.

A popularidade de Temer varia de 7% no Sul a 12% no Nordeste; de 10% entre os mais pobres a 11% entre os mais ricos.

Ainda de acordo com a pesquisa Ibope, os presidentes da Câmara e do Senado, que ocupam o terceiro e o quarto lugares na linha sucessória de Dilma, tiveram a seguinte avaliação: Eduardo Cunha tem 11% de ótimo/bom e 35% de ruim/péssimo; Renan Calheiros, 8% de ótimo/bom e 40% de ruim/péssimo. (Jornal do Brasil)