Rubem Penz organiza Oficina Santa Sede especial Futebol

Rubem Penz organiza Oficina Santa Sede especial Futebol

Cultura Notícias Porto Alegre

Estão abertas as inscrições para a Santa Sede, crônicas de botequim (oito livros publicados, uma indicação ao Açorianos de Literatura) – uma oficina literária presencial nascida em 2010 com o objetivo de devolver o gênero ao local que moldou as maiores gerações de cronistas: a mesa de bar. E, em 2016, ao escolher o futebol como tema, Rubem Penz (orientador) pretende dar a palavra a outra paixão nacional. Para tanto, está selecionando cinco gremistas e cinco colorados para comporem a mesa de boemia literária e defenderem suas cores com talento e arte.  A “sala dos cronistas”, no Bar Apolinário, em Porto Alegre, receberá torcedores-escritores apaixonados pelo  “esporte bretão” para debater  e aprender sobre literatura e futebol.

A partir da leitura de crônicas, os torcedores da dupla Gre-Nal produzirão seus próprios textos e, a cada segunda-feira, se encontrarão na Cidade Baixa, berço da boemia porto-alegrense, para apresentar e aprimorar os seus escritos – além, é claro, de celebrarem a alegria do encontro, pois um dos objetivos da oficina é justamente o de reunir cronistas naquele que é considerado o seu habitat natural, a mesa de bar.

Interessados devem fazer contato pelo e-mail rubempenz@gmail.com ou pela página www.facebook.com/oficinasantasede

O que: Oficina Santa Sede, crônicas de botequim – especial Futebol

Quando: primeiro semestre de 2016, encontros semanais às segundas-feiras, 20h

Onde: bar Apolinário, Rua José do Patrocínio, 527, Cidade Baixa

Informações e inscrições: rubempenz@gmail.com

Parabéns Porto Alegre, taxistas e leitores. Táxis da Capital viram bibliotecas itinerantes

Parabéns Porto Alegre, taxistas e leitores. Táxis da Capital viram bibliotecas itinerantes

Cidade Cultura Economia Notícias

Fiquei muito feliz ao ser convidado pelo meu amigo Márcio Pinheiro, que atua como coordenador do livro da Secretaria Municipal da Cultura, para fazer parte ao lado de pessoas que admiro do lançamento do projeto Bibliotáxi, uma iniciativa para democratizar o acesso aos livros. E hoje, um dia em que abri o programa Agora da Rádio Guaíba de baixo astral (para quem não ouviu eu li o texto que publiquei aqui no site nesta quarta-feira :Dilma e Sartori, parem de bater minha carteira, acabei me sentindo melhor ao participar de um evento como esse.

O próprio prefeito José Fortunati, que já ganhou nas últimas 24 horas elogios neste espaço pelas ações do Domingo no Parque e a licitação dos ônibus da Capital, foi muito feliz ao dizer no seu pronunciamento que o noticiário das últimas semana está muito ruim. É aumento de impostos, corrupção, violência urbana… e esses projetos com tantas notícias de crise servem pelo menos para pessoas como eu acreditarem que o poder imagem146170público e a iniciativa privada podem desenvolver projetos de parceria que permitam a população acessar cultura de forma gratuita seja através de shows gratuitos, seja através de livros encontrados nos bancos de táxi e eu tenho a esperança que logo, logo também nos das lotações e ônibus.

Gostei muito de estar ao lado da minha amada guru Tânia Carvalho, que passa grandes dicas de literatura aos ouvintes da Rádio Gaúcha, do Luiz Gonzaga Lopes e do Jaime Cimenti, que tratam com tanto carinho os livros nas páginas do Correio do Povo e do Jornal do Comércio e do Pedro Ernesto Denardin, que já escreveu livros sobre futebol e estava lá todo pimpão com o primeiro DVD. (É inacreditável, mas o Pedro tem vinil. Faz tempo que ele canta, encanta e segundo alguns maldosos engana… Beijo, Pedro!)

Por sinal, vem aí a Feira do Livro, e lá você encontrará diversas opções para realizar suas doações ao Banco de Livros, coordenado pelo querido Waldir da Silveira que apresentou números maravilhosos no lançamento do Bibliotáxi: cerca de 700 mil livros recebidos em doação foram distribuídos para 414 instituições. 93 casas prisionais receberam cerca de 130 mil, 12 casa da Fase cerca de 7 mil e ele anunciou que vem aí um projeto para que todos os 120 Postos de Saúde de Porto Alegre tenham acesso aos livros. Hoje, os primeiros 6 já foram equipados com móveis e nele pacientes e acompanhantes já encontram mais de 7 mil livros a disposição.

Parabéns! Parabéns! Parabéns, Waldir, todos que trabalham no Banco de Livros profissional ou voluntariamente e principalmente para quem pratica o desapego. É claro que todos temos livros que não queremos longe de nós, mas aqueles que vão servir só para ocupar espaço nas prateleiras devem ser doados para que suas histórias encantem outras pessoas e nós possamos através da literatura fazer um País melhor. O grande Monteiro Lobato – xô, politicamente corretos que teimam em bater em um dos escritores da minha infância, esquecendo o contexto histórico do período retratado – já disse: “Um país se faz com homens e livros”.

Tá! Já sei! Escrevi demais e não expliquei como funciona o Bibliotáxi… Seguinte: você pega um táxi e, sem muito o que fazer durante aqueles minutos da viagem, pode ler um livro, disponível ali mesmo, no veículo. Chegou ao destino e quer continuar a leitura? Sem problemas! Só levar o exemplar para casa e, quando terminar a leitura, devolver em qualquer táxi cadastrado no projeto Bibliotáxi. A iniciativa foi lançada nesta quinta-feira, dia 24, em Porto Alegre, pela prefeitura, em parceria com o Banco de Livros da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais e a Easy Taxi. Com isso, três mil carros devem virar minibibliotecas na Capital.

O projeto é um incentivo à leitura e à troca de conhecimento, pois além de estimular os leitores também incentiva o caminho inverso, fazendo com que os passageiros e parceiros do projeto doem livros. O prefeito José Fortunati destacou a importância desse tipo de ação para disseminar a cultura e o aprendizado. “Somos o estado que mais lê no Brasil. Temos que manter essa posição e ampliar o número de pessoas com o hábito da leitura. O Bibliotáxi é uma iniciativa fantástica que faz com que os livros não fiquem parados na prateleira, possibilitando que eles circulem e levem conhecimento ao maior número de pessoas possível”, disse Fortunati.

O secretário municipal de Cultura, Roque Jacoby, lembrou que nos táxis, tanto os passageiros que costumam ler quanto aqueles que não têm esse hábito serão incentivados a pegar um livro pela facilidade de acesso. “É um momento ímpar que estamos vivendo na democratização da cultura. A literatura permite que as pessoas se qualifiquem. E ela vai estar ali, gratuita, fácil, disponível sem exigências ou necessidade de cadastro”, explicou.

A ideia é que o passageiro escolha um exemplar, leve consigo e, após a leitura, coloque o livro novamente em circulação, em sua próxima corrida, nos bolsões customizados do projeto, localizados no encosto do banco dianteiro do passageiro nos veículos. O presidente do Banco de Livros, da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais, Waldir da Silveira, ressaltou que o incentivo é, também, para que as pessoas façam suas doações de livros, ampliando ainda mais a dimensão desta biblioteca colaborativa.

Serão distribuídas três mil sacolas aos táxis de Porto Alegre e região cadastrados no aplicativo da Easy Taxi. Os passageiros encontrarão livros em categorias variadas, cedidos pelo Banco de Livros da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais, Secretaria Municipal da Cultura e Easy Taxi. A duração prevista do projeto é de um ano, período em que devem circular mais de 20 mil livros. “Queremos fazer com que a experiência no táxi seja cada vez mais positiva. Decidimos, então, unir o serviço à cultura, à leitura”, afirmou o gerente da região Sul da Easy Táxi, Altamiro Diniz.

Parabéns também ao Eduardo Oltramari e equipe do Shopping Total, onde aconteceu o lançamento do projeto, e a Livraria Cameron são os parceiros do projeto. O Banco de Livros doará mensalmente mil exemplares para garantir a reposição e disponibilidade de livros nos táxis cadastrados.