Eleições 2020: Novo busca filiados em Gravataí. Para concorrer no ano que vem  partido precisa novas adesões

Eleições 2020: Novo busca filiados em Gravataí. Para concorrer no ano que vem partido precisa novas adesões

Notícias

Para poder concorrer nas eleições de 2020 a prefeito, vice-prefeito e vereador em Gravataí, o partido Novo precisa conquistar, até o dia 15 de junho, 30 novos filiados. De acordo com Regimento Interno do partido, a chapa só vai concorrer em cidades onde tenha diretório municipal com, no mínimo, 150 cadastrados. “Em Gravataí, tivemos uma excelente adesão até o momento. Já temos 120 inscritos”, informa o empresário Rodrigo Luzardo, uma das lideranças do partido na região. Segundo ele, o Novo representa uma nova política, alicerçada em bases liberais, na qual se acredita que o indivíduo é o próprio gerador de riquezas e não o Governo. “É o único partido que não utiliza nenhum centavo de dinheiro público nas campanhas eleitorais”, explica Luzardo, que completa: “Também é contra a existência de fundo eleitoral e fundo partidário”.

O deputado Federal Marcel Van Hattem e Rodrigo Luzardo em Gravataí
O deputado Federal Marcel Van Hattem e Rodrigo Luzardo em Gravataí.

O empresário destaca um importante diferencial do Novo: o processo seletivo para escolher os candidatos ao Legislativo e Executivo que o representam. “O partido avalia os conhecimentos, habilidades e competências que a pessoa tem para exercer o cargo que deseja ocupar”, conta.

Luzardo destaca, ainda, que o partido Novo também é defensor da redução de mordomias no setor público e na redução de despesas dos gabinetes. “Mandatários do partido na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados vem demonstrando na prática uma redução significativa das verbas de gabinete destinados ao custeio operacional. Em alguns casos, essa economia a quase 90% das verbas destinadas para os gastos”, explica.

Até o momento apenas 10 cidades no Rio Grande do Sul conseguiram alcançar a meta de 150 filiados. “O Novo tem como bandeira a interferência mínima do Estado, e acredita na liberdade econômica para empresas e o cidadão. Gravataí merece viver esse novo momento, a partir de uma nova política, feita para que a cidade cresça, aproveitando todos os seus potências ”, finaliza o empresário.

Empresas públicas de Porto Alegre devem publicar seus demonstrativos financeiros até o final de abril

Empresas públicas de Porto Alegre devem publicar seus demonstrativos financeiros até o final de abril

Cidade Destaque Direito Direito do Consumidor Economia Porto Alegre prefeitura

A lei que estipula obrigatoriedade na publicação de demonstrativos financeiros para empresas públicas de Porto Alegre, em vigor desde dezembro de 2018, deve produzir os primeiros efeitos ao final do mês de abril.

unnamed(1)
A lei é de autoria do vereador Felipe Camozzato (Novo). Foto: CMPA

De acordo com o texto, aprovado por unanimidade pela Câmara de Vereadores, passou a ser obrigatório que estatais de Porto Alegre disponibilizem seus balanços financeiros na internet, até o final do primeiro quadrimestre do ano subsequente, com acesso irrestrito à população. Para o autor da proposta, vereador Felipe Camozzato (Novo), a medida auxilia na fiscalização das entidades. “A aprovação do projeto é sinônimo de mais transparência e nivelamento da gestão pública aos moldes da privada. Isso é um avanço muito grande para a Capital e uma ferramenta para atuação fiscalizadora dos cidadãos porto-alegrenses”, afirma.

A lei é um marco na construção de um melhor padrão de governança para as empresas municipais, uma vez que a necessidade de apresentação das demonstrações contábeis por parte das empresas estatais decorre diretamente da Constituição (art. 173, § 1º, I e II), bem como da Lei Federal nº 6.404, de 1976, e alterações posteriores (art. 176). Além disso, desde 2016, há expressa previsão de adequação das empresas estatais ao regime típico das empresas privadas.

Eleições 2018: NOVO oficializa hoje candidatura de Mateus Bandeira ao Piratini

Eleições 2018: NOVO oficializa hoje candidatura de Mateus Bandeira ao Piratini

Destaque Eleições 2018

O partido NOVO será o primeiro a realizar sua convenção estadual no Rio Grande do Sul. O encontro acontecerá esta sexta-feira, a partir das 15h, no Chalé da Praça XV, em Porto Alegre. O evento oficializará a candidatura do consultor de empresas e ex-presidente do Banrisul Mateus Bandeira para o Governo do Estado, e Bruno Miragem como vice. Serão ainda apresentados os candidatos à Assembleia Legislativa e à Câmara dos Deputados.

Eugênio Aragão é o novo ministro da Justiça

Eugênio Aragão é o novo ministro da Justiça

Direito Notícias Poder Política

O sub-procurador geral da República, Eugênio José Guilherme de Aragão, foi escolhido pela presidente Dilma Rousseff para ser o novo ministro da Justiça. Ele substitui Wellington Silva, que pediu demissão do cargo nesta segunda-feira, dias depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) entender que ele não poderia assumir o ministério por ter carreira vitalícia no Ministério Público. Em nota no fim da tarde, Dilma agradeceu o “compromisso e desprendimento” de Wellington Silva.

No comunicado, o Planalto informa o currículo do novo ministro, que também é membro do Ministério Público Federal. Aragão também é professor adjunto da Universidade de Brasília. “Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direitos Humanos, atuando principalmente nos seguintes temas: direito internacional público, direito internacional dos direitos humanos, responsabilidade individual penal, responsabilidade internacional do estado e obrigação internacional de persecução penal”, conclui a nota.

Silva tomou posse no dia 3 último no lugar de José Eduardo Cardozo, que foi para a Advocacia-Geral da União (AGU). Além de Silva, o prazo de 20 dias determinado pelo STF vale também para outros 22 membros do MP que estão afastados das funções para exercer atividades em secretarias de governo nos estados.

Uma regra do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) autoriza a nomeação de membros do Ministério Público em cargos na administração pública. Apesar de o órgão interno do MP permitir a medida, precedentes do Supremo impedem a prática. (Correio do Povo)

Partido Novo realiza mais um encontro para formação da sigla no Rio Grande do Sul

Partido Novo realiza mais um encontro para formação da sigla no Rio Grande do Sul

Notícias Poder Política

Cerca de 160 pessoas, compareceram nesta terça-feira em mais uma reunião de formação do Partido Novo, no Rio Grande do Sul. O Estado que ainda não possui um diretório, tem como coordenador do núcleo gaúcho, o advogado Carlos Alberto Molinari(foto), 33 anos, que comandou o encontro realizado no Hotel Continental, em Porto Alegre. Segundo uma fonte presente, chamou a atenção o número de pessoas na faixa entre 20 e 30 anos: “Cerca de 80%”. Na reunião desta noite, um dos destaques foi a presença de um grupo de professoras estaduais, que deixaram claro que não concordam com a maneira como o Cpers Sindicato é conduzido. O Partido Novo (NOVO) é um ideologicamente alinhado ao liberalismo, e foi fundado por pessoas sem carreira política.[5] O partido teve seu registro deferido pelo TSE em 15 de setembro de 2015 e tem o número 30 como número eleitoral.

A agremiação foi fundada por 181 pessoas no início de 2011, em sua maioria por profissionais liberais, engenheiros, administradores, economistas, advogados e médicos. Os integrantes do partido protocolaram no TSE o pedido de criação de um partido, que seria chamado de NOVO. Segundo o atual presidente João Dionísio Amoêdo, executivo com passagens pela presidência do Citibank e do Itaú BBA, a ideia de formar um novo partido frente aos existentes está na seguinte declaração feita a Infomoney: “Nenhum dos atuais partidos defende as ideias que nós propomos. Além disso, para atrair pessoas engajadas, com vontade de mudar, seria mais fácil começar do zero”.

Segundo o site oficial do partido, exige-se dos seus afiliados:

Ficha limpa: filiados e candidatos devem preencher os pré requisitos da lei Ficha Limpa;
Limitação ao “carreirismo político”: é vedado ao filiado eleito para cargo no Poder Legislativo que se candidate a mais de uma reeleição consecutiva para o mesmo cargo;
Gestão independente: a gestão partidária não pode ser feita por candidato ou por ocupante de cargo eletivo;
Compromisso de cumprimento do mandato parlamentar: a renúncia a mandato eletivo para concorrer a cargo diverso ou ocupar cargo no Executivo, sem o aval do Diretório, é considerado ato de indisciplina partidária;
Vinculação do candidato às suas propostas: definição prévia do Compromisso de Gestão e do Compromisso de Atuação Legislativa prevendo metas a serem cumpridas;
Inexistência de cobrança percentual do salário do mandatário: a contribuição partidária mínima é igual para filiados e candidatos eleitos.

Dentre as propostas do partido, destacam-se o fim do voto obrigatório e o fim do fundo partidário; defendendo, portanto, o financiamento privado exclusivo de campanha.

A privatização de empresas estatais como o a Petrobrás e o Banco do Brasil também contam como prioridade para, segundo o presidente, melhorar a gestão pública. Apesar de seguir o modelo do liberalismo econômico, o partido não se considera de direita, mas é oposição da esquerda, sendo oposição inclusive ao PSDB. O objetivo principal, segundo os fundadores, é de assegurar a liberdade econômica, bem como de acabar com os privilégios estatais ao invés de apenas proteger uma elite. Sendo um partido liberal, o NOVO rejeita qualquer relacionamento tanto com a esquerda política quanto com o conservadorismo, considerado por ele como radicalismo de direita. (Felipe Vieira, com informações do site do Partido e Wikipedia)