Termina greve dos municipários após 17 dias de impasse na Capital; por Samantha Klein/Rádio Guaíba

Termina greve dos municipários após 17 dias de impasse na Capital; por Samantha Klein/Rádio Guaíba

Cidade Notícias Política Porto Alegre prefeitura

Os servidores municipais de Porto Alegre decidiram encerrar a greve da categoria, que completou hoje 17 dias. Eles se reuniram em assembleia geral, no Parque da Harmonia, e aceitaram o acordo com o Paço Municipal, que prevê reposição parcelada da inflação e a reposição do corte de ponto.

No início da semana, o prefeito José Fortunati, confirmou o reajuste parcelado, à revelia dos servidores. Ontem, ele também aceitou rodar uma folha suplementar, repondo o desconto de salário para quem aderiu à greve. Fortunati abriu, ainda, a possibilidade de adiantar a última das quatro parcelas previstas para o reajuste da inflação, de janeiro para dezembro, se as finanças municipais melhorarem até o fim do ano.

A perspectiva é de retomada no trabalho em todas as secretarias a partir desta sexta-feira. A decisão, contudo, não foi unânime e a categoria chegou à assembleia ainda dividida. Entretanto, conforme o diretor do Simpa, Raul Giacobini, houve avanços mesmo que parciais. “Nesse momento, ficou evidente que precisávamos verificar se a categoria ainda tinha força para manter a mobilização”.

A Prefeitura deve rodar a folha extra até o início de julho. O pagamento também já deve incluir a primeira parcela do reajuste, de 1,2% retroativa a maio. Depois, os servidores recebem 2% em outubro, 4,2% em dezembro e 1,6% em janeiro, com possível antecipação para dezembro.

Sartori diz que vai vetar reajuste salarial de servidores do Judiciário, MP, Defensoria e o Legislativo

Sartori diz que vai vetar reajuste salarial de servidores do Judiciário, MP, Defensoria e o Legislativo

Notícias Poder Política

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, afirmou nesta quarta-feira, durante um evento para primeiras-damas na Assembleia Legislativa, em Porto Alegre, que irá vetar a recomposição salarial de servidores do Judiciário e do Legislativo. Sartori já havia externado esta posição e acredita que o reajuste é contra o trabalho que vem realizando à frente do Estado.

Segundo informações do repórter da Rádio Guaíba Gabriel Jacobsen, Sartori foi questionado por uma servidora sobre a votação de ontem. Ela quis saber do governador se existia a possibilidade de um veto à votação. Ele respondeu: “É igual para todos”, indicando que irá barrar a decisão.

Na noite dessa terça, os deputados aprovaram recomposição salarial de 8,13% aos servidores. Os textos dos aumentos de Judiciário e Defensoria Pública, primeiros a serem votados, tiveram 35 votos favoráveis e 14 contrários.

Os parlamentares também aprovaram, mais cedo, uma emenda do deputado Eduardo Loureiro (PDT) para que o reajuste retroaja a janeiro de 2016, e não a julho do ano passado, como queriam os servidores. O impacto financeiro das medidas, somadas todas as folhas salariais, deverá superar 120 milhões ao ano.

Tumulto

Após a votação do segundo projeto, referente à Defensoria, houve tumulto em plenário. O deputado Marcel Van Hattem (PP) ironizou as falas de deputados favoráveis aos reajustes. Pedro Ruas (PSol) e Regina Becker (Rede) reagiram e Álvaro Boessio intercedeu, em favor do progressista, o que gerou empurra-empurra e levou a presidente da Casa, Silvana Covatti (PP), a suspender a sessão por alguns minutos, até os ânimos se acalmarem. (Rádio Guaíba)

Servidores do INSS, Saúde e Trabalho fazem paralisação nesta quinta; por Ananda Müller/Rádio Guaíba

Servidores do INSS, Saúde e Trabalho fazem paralisação nesta quinta; por Ananda Müller/Rádio Guaíba

Notícias Poder Política Porto Alegre

Os servidores do INSS, da Saúde e do Ministério do Trabalho vão paralisar as atividades, nesta quinta-feira, para marcar o dia de luta dos servidores federais em nível nacional.

Em Porto Alegre, a concentração ocorre, às 10h, em frente ao prédio da Secretaria Regional do Trabalho, na avenida Mauá. À tarde, o grupo se reúne com os demais servidores em ato público contra o PL 257/2016, que renegocia a dívida dos estados com a União, desde que cada unidade da Federação limite gastos com pessoal no setor público. Ainda conforme os servidores, o texto desregulamenta as relações de trabalho garantidas pela CLT.

A categoria também pretende alertar a sociedade para itens como reformas na previdência e na legislação trabalhista. Em virtude da manifestação, as atividades nas unidades do INSS, Saúde e Ministério do Trabalho ficarão inativas nesta quinta.

Estado paga mais R$ 250 a servidores com salário parcelado

Estado paga mais R$ 250 a servidores com salário parcelado

Economia Negócios Notícias Poder Política

Expectativa da Fazenda é quitar a folha até o dia 20. Até agora, 35% do funcionalismo recebeu valor integral

O governo estadual deposita, hoje, mais R$ 250 para os servidores do Executivo que tiveram o salário de março parcelado. Com a faixa inicial de R$ 1,25 mil paga nessa quinta, a Secretaria da Fazenda consegue integralizar os valores para quem recebe até R$ 1,5 mil, grupo que representa 35% do total. Esse é o primeiro parcelamento que dura dois meses consecutivos e o quarto desde que o governador José Ivo Sartori assumiu o Piratini, em 2015.

Com o depósito das duas faixas, foram creditados R$ 460,8 milhões de uma folha líquida que chegou em março a R$ 1,144 bilhão para os servidores da administração direta, autarquias e fundações. Já os celetistas recebem o salário integral na próxima segunda-feira (4).

Com um déficit estimado para março em quase R$ 700 milhões, a Fazenda segue com a expectativa de quitar os salários dos servidores até 20 de abril, dependendo da arrecadação. Porém,, como não houve o pagamento da parcela de R$ 278 milhões da dívida com a União, que também venceu nessa quinta, o risco é de que o Tesouro Nacional volte a bloquear as contas do Rio Grande do Sul, o que impede a Fazenda de usar o dinheiro de impostos para pagar salário – pelo menos até que a parcela seja quitada. (Rádio Guaíba)