Porto Alegre, sábado, 16 de outubro de 2021
img

Procuradoria-geral da República irá debater o sistema penitenciário gaúcho

Detalhes Notícia

 

Na próxima terça-feira, 10 de dezembro, às 16h, os problemas e gargalos do sistema penitenciário gaúcho serão exibidos em detalhes na Procuradoria-Geral da República, em Brasília. O longa-metragem Central – o filme, dirigido por Tatiana Sager e com roteiro de Renato Dornelles, será projetado na mostra cinematográfica que irá debater o tema em nível nacional.

Terceiro documentário mais assistido nos cinemas brasileiros em 2017, o filme foi rodado dentro do Presídio Central de Porto Alegre e traz depoimentos de detentos, familiares dos presos, policiais militares, promotores e juízes.

O FILME:

09_19_Mostra_Cinema_Sistema_Prisional_WhatsCentral – o poder das facções no maior presídio do Brasil retrata de dentro das celas a realidade de uma das mais precárias penitenciárias do mundo. O longa-metragem usa como ponto de partida o Presídio Central de Porto Alegre para traçar uma radiografia da crise no sistema prisional. Em 2008, o Central, como é conhecido entre os presos, foi considerado o pior do país pelo Congresso Nacional e um dos piores da América Latina pela Organização dos Estados Americanos (OEA).

O documentário também traz o olhar dos próprios presos. Com câmeras nas mãos, os detentos captaram imagens diretamente nas galerias, onde nem mesmo a polícia tem acesso. Superlotação, falta de infraestrutura e de higiene, má alimentação, uso liberado de drogas, além de uma rotina de execuções e maus tratos disfarçados em um discurso de ordem, são evidenciados no longa-metragem.

Entender a lógica do encarceramento em massa é mergulhar na história de um Brasil pouco conhecido em que o Estado atua na contramão da própria reconquista da liberdade e ressocialização dos cidadãos infratores. A partir de depoimentos de policiais militares, familiares, presos, o sociólogo Marcos Rolim e autoridades – como o juiz Sidinei Brzuska, da Vara de Execuções Criminais de Porto Alegre, e o promotor de Justiça Gilmar Bortolotto – o filme desnuda as diversas faces de uma mesma história, procurando expressar a autenticidade de um mundo que corre à margem. Mas que está absolutamente integrado à nossa estrutura social.

O documentário é uma produção da Panda Filmes, inspirado no livro Falange Gaúcha – a história do Crime Organizado no RS, de Renato Dornelles, que aborda a dimensão das disputas de poder entre as facções, os conceitos de violência simbólica e econômica, segregação e vulnerabilidade social e, ao mesmo tempo, os conceitos de vingança privada e universidade do crime.

Central recebeu os prêmios de melhor documentário de língua portuguesa no FESTin – Portugal (2016), de melhor documentário no 33° Prêmio dos Direitos Humanos de Jornalismo (2016) e de Finalização FAC-RS (2014). Também participou da seleção oficial do Florianópolis Audiovisual do Mercosul (FAM), em Santa Catariana (2016), do DocMontevideo, no Uruguai (2016), da Mostra Panorama do Festival Visões Periféricas, no Rio de Janeiro (2016) e da Mostra Gaúcha do Festival de Cinema de Gramado (2016).

SINOPSE:

O Presídio Central de Porto Alegre, notícia constante nas mídias nacional e internacional, é o tema do documentário Central. Dirigido por Tatiana Sager e codirigido por Renato Dorneles, o filme mergulha nas condições degradantes que levaram essa prisão a ser considerada a pior do Brasil e definida como “A Masmorra do Século 21” pela CPI do Sistema Carcerário do Congresso Nacional.

Cenas impactantes mostram o interior das galerias, onde o poder é exercido pelos próprios presos, organizados em facções. Imagens e depoimentos inéditos denunciam como esses grupos criminosos se organizam para fazer da prisão um negócio lucrativo.

O filme é um forte indicativo para entender a grave crise do sistema carcerário brasileiro e que tem levado a motins frequentes e em especial aos recentes massacres em pelo menos três casas prisionais das regiões Norte e Nordeste. Um barril de pólvora que pode gerar novos e ainda mais graves genocídios.