Porto Alegre, segunda, 17 de janeiro de 2022
img

‘Sem resolver o problema da liquidez, empresas vão começar a quebrar’, diz presidente da GM

Detalhes Notícia
Acordos de redução de jornada e salários não serão suficientes para manter empregos; novas medidas devem ser tomadas em até duas semanas Entrevista com Carlos Zarlenga, presidente da General Motors na América do Sul. Metas terão de ser revistas, afirma Zarlenga. Foto: Taba Benedicto/Estadão

Em meia hora de conversa, o presidente da General Motors América do Sul, Carlos Zarlenga, citou 14 vezes a palavra liquidez. É esse o maior problema que ele e outros executivos temem no momento. Se o problema da falta de caixa das empresas de toda a cadeira produtiva do setor automotivo não for resolvido em no máximo duas semanas, “empresas vão começar a quebrar”, principalmente entre as fornecedoras de autopeças. A única saída, diz ele, é BNDES liberar linhas de curto prazo ou o governo assumir a garantia para empréstimos dos bancos privados.

O executivo argentino também afirma que, após a crise provocada pelo coronavírus passar, o cenário será de uma indústria endividada, que terá de rever investimentos, inclusive em projetos até então prioritários como carros elétricos e autônomos. O marco regulatório que define metas de emissões, segurança e consumo terão de ser revistos. “Milhões em receita vão desaparecer; isso vai ter impacto em tudo que se planejou para o futuro”, diz.

Leia mais em O Estado de São Paulo