Porto Alegre, sexta, 01 de março de 2024
img

Porto Alegre: Última exibição em película de "Um é Pouco, Dois é Bom" será no Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, na Cinemateca Capitólio. Programação terá entrada franca

Detalhes Notícia
Araci Esteves e Carlos Carvalho são protagonistas do clássico dirigido por Odilon Lopez. Foto: Cinemateca Capitólio

 

 

 

O Dia da Consciência Negra terá programação especial na Cinemateca Capitólio: a última exibição da única cópia remanescente em película de Um é Pouco, Dois é Bom, de Odilon Lopez. Produzido em 1970 e rodado em Porto Alegre, o filme é o primeiro longa-metragem dirigido por um cineasta negro no Rio Grande do Sul. Os diálogos contaram com a colaboração do escritor Luis Fernando Veríssimo, em início de carreira na época. A sessão com entrada franca será no dia 20 de novembro, segunda-feira, às 20h, com distribuição de senhas uma hora antes da sessão.
A derradeira projeção dos rolos de filme tem uma explicação. Em setembro deste ano, a obra foi digitalizada em 4K no laboratório da Link Digital, no Rio de Janeiro. O processo foi financiado pela Cinemateca do MAM (Museu de Arte Moderna – RJ).
 
— É um filme que trata pela primeira vez, e na visão de um diretor negro, a questão do racismo estrutural no Brasil. Até então, apenas cineastas brancos haviam abordado o tema, em especial os diretores ligados ao Cinema Novo, como Nelson Pereira dos Santos, Cacá Diegues e Glauber Rocha. Isso é algo extremamente significativo. Por ser ainda pouco conhecido, sua digitalização em 4K vai permitir que sua contribuição seja reconhecida de forma devida — explica Marcus Mello, crítico de cinema e pesquisador que integra a equipe da Cinemateca Capitólio.

Araci e Carlos Foto: Cinemateca Capitólio

Além da digitalização da cópia em 35mm, os negativos do filme, que estão depositados na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, também serão escaneados em 4K em 2024. A combinação dos dois materiais — positivo e negativo — irá gerar uma nova cópia de excelente qualidade, possibilitando a sua ampla circulação na íntegra.

Atualmente, apenas a segunda parte do longa, formado por dois episódios, estava disponível — digitalizada em baixa resolução em 2006 pelo ator, diretor e produtor Zózimo Bulbul. O primeiro episódio, protagonizado por Araci Esteves e Carlos Carvalho e visto por muito poucos espectadores, agora, poderá ser assistido e certamente surpreenderá os espectadores pela contundência de sua crítica ao milagre econômico brasileiro.
— A digitalização em 4K de Um é Pouco, Dois é Bom em sua versão completa marca um novo momento no processo de inserir definitivamente o filme na historiografia do cinema brasileiro. Como apenas o segundo episódio do filme circulava, e numa versão digital em baixa definição, o público não tinha condições de avaliar plenamente a importância do trabalho de Odilon Lopez e reconhecer a real dimensão de seu pioneirismo — comemora Daniela Mazzilli, diretora da Cinemateca Capitólio.
A cópia digitalizada do longa-metragem será projetada pela primeira vez no dia 29 de novembro, quarta-feira, às 18h30min, na Cinemateca do MAM, no Rio de Janeiro. O evento integra a programação Cinemateca: Redes em Movimento.
Com um Pouquinho de Sorte é primeiro episódio do filme. Conta a história de um casal modelo da classe média. A mulher trabalha como comerciante e o marido, mutuário do Banco Nacional da Habitação. O enredo gira em torno da crise pela qual passa o casal após o marido ser demitido não conseguindo assim pagar pela casa em que vivem concomitantemente com a recém chegada de seu primeiro filho.
Já o segundo episódio, intitulado Vida Nova por Acaso, apresenta a história de dois ladrões recém libertos e suas peripécias nada bem-sucedidas. Um deles apaixona-se perdidamente por uma loira de alta classe social envolvendo no filme um amor platônico. Motivados pela busca do reconhecimento da sociedade gaúcha, tentam sobreviver e permanecer longe do encarceramento. Sem êxito, voltam para o presídio.
Direção e Produção: Odilon Lopez; Roteiro: Odilon Lopez e Luis Fernando Verissimo; Elenco: Odilon Lopez, Araci Esteves, Francisco Silva, Amélia Bittencourt, Carlos Carvalho, Luis Carlos Magalhães, entre outros; Música: Flávio de Oliveira; Diretor de Fotografia: Roland Henze; Direção de Arte: Luiz C. Cena; Edição: Waldemar Noya;
 CINEMATECA: REDES EM MOVIMENTO:
O projeto Cinemateca: Redes em Movimento consiste em uma mostra de filmes on-line e presencial que tem o objetivo de promover a produção e o intercâmbio de conhecimento sobre o patrimônio audiovisual em seus mais diferentes aspectos, desenvolvendo parcerias institucionais e interfaces críticas com esses documentos por meio do estímulo a uma reflexão interdisciplinar.
Em seu oitavo módulo, a mostra Cinemateca: Redes em Movimento destaca a Cinemateca Capitólio de Porto Alegre, arquivo ligado à Secretaria Municipal de Cultura e Economia Criativa da Prefeitura de Porto Alegre, instituição criada em março de 2015 que cumpre um papel primordial para a salvaguarda e valorização do patrimônio audiovisual gaúcho e brasileiro. A fim de trazer a público a importância do trabalho realizado pela Cinemateca Capitólio, a Cinemateca do MAM convidou a instituição a apresentar uma jóia pouco conhecida do seu acervo: Um é Pouco, Dois é Bom, de Odilon Lopez, um marco do cinema gaúcho.
Como complemento da programação, será exibido no canal on-line da Cinemateca do MAM uma entrevista de Odilon Lopez concedida em 1996 para a série Persona Grata, projeto de memória oral concebido pela APTC-RS em parceria com a Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre. Documento também conservado pela Cinemateca Capitólio.
SERVIÇO:
Um é Pouco, Dois é Bom
– Última exibição da única cópia remanescente em 35mm do clássico de Odilon Lopez será em 20 de novembro, Dia da Consciência Negra.
 
– Produzido em 1970 em Porto Alegre, filme é o primeiro longa-metragem dirigido por um cineasta negro no Rio Grande do Sul. 
 
QUANDO: 20/11, segunda-feira, às 20h.
ONDE: Cinemateca Capitólio (Rua Demétrio Ribeiro, 1085 — Centro Histórico de Porto Alegre)
QUANDO: Entrada gratuita com distribuição de senhas uma hora antes da sessão