Porto Alegre, terça, 23 de abril de 2024
img

RS: Avança na Assembleia Legislativa o projeto de Luciana Genro que prevê fornecimento de fones antirruído para crianças autistas

Detalhes Notícia
Com hipersensibilidade auditiva, muitas pessoas com autismo sentem incômodo com sons que, às vezes, passam despercebidos pela maioria.

Nesta terça-feira (02), Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul o projeto de lei 499/2023, de autoria da deputada estadual Luciana Genro (PSOL), que tem como objetivo garantir o fornecimento de fones antirruído para estudantes diagnosticados com Transtorno do Espectro Autista.

A proposta prevê que o fornecimento dos protetores auriculares será gratuito e deverá ser aplicado no âmbito da rede estadual de ensino e nas instituições escolares privadas. Esse projeto pretende propiciar às crianças uma melhora de vida, especialmente no ambiente escolar, garantindo a inclusão e uma educação de qualidade.

“Uma das dificuldades mais graves que os alunos autistas enfrentam nas escolas é a integração sensorial, já que as formas como eles percebem o mundo e processam as informações sensoriais dentro de cada ambiente é diferente das outras pessoas”, pontuou Luciana Genro.

A deputada tem acompanhado as demandas das mães atípicas e das pessoas com deficiência, ao lado da vereadora suplente do PSOL Aline Kerber, que protocolou a proposta de distribuição dos fones antirruído na Câmara Municipal de Porto Alegre. Aline também é coordenadora do Balcão de Direitos, iniciativa voltada para as famílias atípicas que se tornou realidade a partir de verbas de emenda parlamentar destinada por Luciana Genro. Em dois meses de trabalho, o Balcão já entrevistou 35 instituições e mapeou 668 famílias atípicas em Porto Alegre, a maioria nas periferias da cidade.

Pessoas com TEA tendem a ter uma hipersensibilidade a sons, o que faz com que elas escutem barulhos e ruídos de forma a provocar uma sobrecarga aos sentidos e que, ao mesmo tempo, podem ocasionar crises como choros e instabilidade emocional e comportamental.

O uso de protetores auriculares tem como objetivo principal minimizar o impacto de ruídos e abafar barulhos excessivos, especialmente no ambiente escolar, com intuito de melhorar a hipersensibilidade aos sons e evitar crises e perturbações. O projeto segue em tramitação na Assembleia Legislativa.

Escolas possuem, normalmente, sinais sirenes estridentes como sinal sonoro. Assim, as crianças com TEA podem ter seu desempenho e convívio seriamente afetados. Neste sentido, Luciana Genro também é autora do projeto Escola sem Sirene, que prevê que os estabelecimentos de ensino em todo o estado substituam os aparelhos ruidosos por outras alternativas de indicação de horário, como uma sinalização visual ou o uso de alguns tipos de música.

Ainda devido à preocupação com a hipersensibilidade sonora, a deputada também é autora da Lei 15.366/2019, a qual determina a proibição dos fogos de artifício com ruído no Rio Grande do Sul. Para as pessoas autistas, o som dos fogos causa sofrimento extremo, provocando crises, desconfortos e dor.